A artrose em números

2166

 

Com 10 milhões de casos registrados no Brasil, a artrose atinge principalmente pessoas acima dos 41 anos de idade. Tudo isso, porque o desgaste do tecido ocorre gradualmente e se agrava com o passar do tempo. Mas quem pensa que ela só atinge a terceira idade, se engana. De acordo com a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), 20% dos adultos brasileiros, na faixa dos 30 anos de idade, já sofrem com a doença.

Estima-se que o excesso de exercícios físicos será a causa de 45% dos casos de artrose no futuro. Assim como o sobrepeso, que atinge quase 60% dos brasileiros, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Os números assustam! A doença é considerada pelo Ministério da Previdência Social e do Instituto Nacional de Seguro Social do Governo Federal, a terceira causa de afastamento de trabalho no Brasil. A doença é tão comum que representa de 30% a 40% de todas as consultas em ambulatórios de reumatologia, afastando 7,5% dos trabalhadores.

De acordo com os dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 70% a 80% da população com mais de 65 anos possui artrose e embora outros fatores também possam causar o problema, como: hereditariedade, alterações hormonais, inflamações, doenças metabólicas também podem causar o problema, é importante ficar atento aos primeiros sinais: dor, falta de firmeza, estalos nas articulações, rigidez e limitação dos movimentos.

Os locais que mais podem apresentar a artrose são as articulações que suportam peso, como coluna vertebral, quadril e joelhos. Fazer movimentos corretos é importante para retardar e controlar o desenvolvimento da artrose.

“O grande problema da artrose é que além de prejudicar o movimento, ela ocasiona muitas dores fazendo com que as pessoas fiquem quietas, deitadas. Uma crença popular foi embutida nas pessoas de que essa é a melhor opção para que a dor não se agrave e embora possa parecer absurdo realizar exercícios estando com dor, é fundamental não ficar parado”, alerta Bernardo Sampaio, fisioterapeuta e diretor do ITC Vertebral de Guarulhos e do Instituto Trata.

A artrose não tem cura, mas a fisioterapia é uma forte aliada no tratamento, uma vez que se torna responsável por criar exercícios para fortalecer os músculos ao redor da articulação aumentando a amplitude dos movimentos e amenizando a dor. Além disso, a atividade física tem revelado resultados duradouros no que se refere a diminuir os efeitos da artrose.

Deixe seu comentário