Aleitamento materno: orientação e apoio fazem a diferença

331

O leite materno é o alimento mais completo que pode ser oferecido para o bebê. É constituído de gordura, proteínas, vitaminas, imunoglobulinas, minerais, água, entre outros. O leite materno previne o bebê de infecções e alergias, aprofunda o relacionamento afetivo da mãe com o filho, previne problemas ortodônticos, está sempre pronto e quentinho, além de apresentar vários outros benefícios.

Para a mãe, a amamentação também é positiva porque estimula a produção de ocitocina, hormônio que reduz o sangramento pós-parto e faz com que o útero volte ao tamanho normal com mais rapidez. Mas para que todos esses benefícios se tornem realidade, outro fator ganha importância especial: o apoio familiar.

“Sempre digo que a amamentação tem três pilares importantíssimos. O primeiro é o querer da mãe. O segundo é o bebê fazer a parte dele, aprender a mamar com a pega correta. E o terceiro é o apoio e participação do pai e da família. É preciso ser compreensivo, dividir as tarefas e as responsabilidades do momento. Isso é fundamental para que a mãe persista na amamentação”, destaca a enfermeira do Programa Priori da Paraná Clínicas, Paula Cristina Zanardo.

Nas primeiras semanas após o nascimento, podem surgir alguns problemas com a amamentação, bem como surgimento de dúvidas. Neste momento o apoio de um profissional capacitado poderá auxiliar a puérpera, esclarecendo diversas questões e trazendo soluções para que o aleitamento possa ocorrer de forma tranquila e eficaz.

As dificuldades mais comuns que podem ocorrer com a puérpera são lesões mamilares, o ingurgitamento mamário, inseguranças, entre outros. “Quando as mães chegam ao consultório, elas trazem questões que estão as angustiando na amamentação com seus bebês. Neste momento, acolho, ouço, converso, procuro entender quais são as dificuldades destas mães e a melhor forma de ajuda-las. Mas, quando o companheiro senta ao lado e apoia a mulher, tenta aprender junto, o resultado é outro, muito melhor”, conta a enfermeira Paula.

Este ano, a Semana Mundial de Aleitamento Materno de 2019 adota uma abordagem inclusiva, ressaltando a importância dos pais, companheiros e familiares na missão de nutrir o bebê. A campanha ocorre entre os dias 1º e 07 de agosto com o tema “capacite os pais e permita a amamentação, agora e no futuro” – mas o mês inteiro é lembrado como Agosto Dourado para incentivar a amamentação exclusiva nos primeiros seis meses de vida e complementar até os dois anos de idade.

Orientação especializada

Por meio do Programa Gestar Bem, a Paraná Clínicas acompanha toda a gravidez, fazendo orientações de saúde, o agendamento das consultas de pré-natal e o monitoramento mensal das gestantes.  Dentro do escopo do Programa Gestar Bem, consta também a Consulta de Enfermagem, para orientar as gestantes e as puérperas sobre dúvidas e dificuldades.

“Na consulta de enfermagem, fazemos a avaliação, orientamos as gestantes como acontece o processo do aleitamento materno, o cuidado que se deve ter com as mamas, a importância de ensinar o bebe a pega correta, entre outros. Após o nascimento, caso a puérpera tenha alguma dificuldade ela poderá buscar nosso serviço”, explica a Coordenadora de Enfermagem do Priori, a Enf. MSC Lize M. de Oliveira.

Quando a consulta de enfermagem foi implantada, a demanda foi gradualmente aumentando e, atualmente, além dos pediatras e obstetras, as próprias pacientes indicam o serviço para outras mães ao menor sinal de dificuldade. “Em 9 meses, a Paraná Clínicas realizou 564 consultas de enfermagem. Passamos de dois ou três atendimentos por mês, para quase 63 atendimentos por mês.  Mas o melhor retorno deste programa é quando a mãe volta ao setor apenas para apresentar seu filho, para conhecermos o bebê e para contar que ocorreu tudo certo e agradecer o nosso acompanhamento”, completa a coordenadora de Enfermagem Lize M. Oliveira.

Deixe seu comentário