BP investe em inteligência artificial para otimizar gestão de dados

398

A BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo acaba de iniciar um projeto que incorpora inteligência artificial para identificação e classificação de informações registradas nos prontuários eletrônicos dos clientes internados. A solução pretende ampliar o potencial de informações apuradas no prontuário eletrônico, especialmente os diagnósticos associados, proporcionando uma gama maior de indicadores que permitirão melhorias na gestão, planejamento e atendimento nos três hospitais do polo de saúde: Hospital BP, BP Mirante e BP Hospital Filantrópico.

Atualmente, a evolução clínica dos cientes internados é registrada no prontuário eletrônico em forma de texto descritivo e, após a alta do cliente, uma equipe técnica faz a análise das informações inseridas a fim de levantar todos os diagnósticos associados, gerando informações que são usados para a melhoria do atendimento ao cliente.

“Com a incorporação da inteligência artificial nesse processo, a própria plataforma sugere os diagnósticos associados com base nas informações registradas e os médicos terão a oportunidade de confirmar esses diagnósticos ainda durante o processo de registro da evolução clínica do cliente, garantindo um prontuário ainda mais completo e gerando informações importantes para uma melhor tomada de decisão de toda a equipe assistencial”, explica Luiz Eduardo Loureiro Bettarello, superintendente-executivo Médico e de Desenvolvimento Técnico da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Além de proporcionar prontuários eletrônicos mais completos, a adoção da inteligência artificial no processo de apuração dos diagnósticos associados contribuirá para que os profissionais da instituição tenham acesso a indicadores epidemiológicos que poderão ser utilizados para pesquisas e trabalhos científicos, proporcionando ganhos na produção científica da instituição e impactando positivamente todo o sistema de saúde.

Inovação e tecnologia 

“Esse projeto é mais uma iniciativa de inovação da BP e também contribui para a certificação de instituição totalmente digital. Atualmente, todos os hospitais da BP estão certificados com o nível 6 (de um total de 7) do Eletronic Medical Record Adoption Model (EMRAM), modelo de adoção de prontuário eletrônico da Healthcare Information and Management System Society (HIMSS). Com a incorporação da inteligência artificial, novos horizontes se abrem para a nossa instituição e passa a ser natural a incorporação de soluções que realmente façam sentido no nosso dia a dia e tragam melhoria no atendimento prestado e ganho real para nossos clientes”, afirma Lílian Quintal Hoffmann, superintendente-executiva de Tecnologia de Informação da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Projetos como esse também são relevantes para o setor da Saúde porque atendem demandas e desafios cada vez mais frequentes no cotidiano dos gestores. “A área da Saúde vive uma necessidade de aprimoramento e a tecnologia tem papel fundamental para a eficiência, desburocratização e agilidade do ponto de vista clínico e operacional”, conclui Denise Santos, CEO da BP.

Deixe seu comentário