Cabelegria inaugura segundo Banco de Perucas do país no Instituto de Câncer Dr. Arnaldo

0
221

Com patrocínio da Rede Feminina de Combate ao Câncer de POÁ e SUZANO, o Cabelegria, ONG que confecciona perucas para pacientes com câncer, ganha um novo banco de perucas em São Paulo: no Instituto de Câncer Dr. Arnaldo.

A inauguração marca uma nova era às pacientes que perderam sua autoestima devido à doença.

Segundo a presidente e fundadora da ONG Cabelegria Mariana Robrahn, “É um Banco que contém 50 perucas para atendermos os pacientes do Instituto. Eu agradeço todo o apoio das Redes Femininas de Suzano e de Poá que patrocinaram o Banco de Perucas que pra mim é um sonho e eu quero conseguir levar isso para todos os hospitais. Quero agradecer ao Instituto que disponibilizou a sala para que a gente possa atender os pacientes de uma maneira mais gostosa”, ainda reforçou a variedade de modelos de perucas para todos os gostos e que com a reposição será constante.

“Essa iniciativa vem para promover às pacientes o fortalecimento dos recursos emocionais para que elas possam enfrentar o adoecimento com mais leveza, resgatando a autoestima. E temos que ressaltar o esforço do grupo de Humanização, que é composto por todos os colaboradores do Instituto e Parceiros, que possibilita transformar esses sonhos em realidade”, palavra da Subcoordenadora do Grupo de Humanização e Psicóloga do Instituto, Simone Ansarah.

Uma das primeiras pacientes do Banco de Perucas, Sandra Regina, diz ter ficado muito feliz com o resultado e que deseja que todas as pacientes possam fazer o mesmo, saírem do Banco de Perucas mais belas do que entraram.

Para quem não conhece, desde sua criação, em 2013 a ONG conseguiu arrecadar mais de 100 mil doações de fios, de todas as partes do planeta, ou seja, o que era para ser um projeto pontual, tornou-se uma CORRENTE MUNDIAL DO BEM. De lá para cá, já foram realizadas milhares de entregas gratuitas para crianças e mulheres, além das inúmeras doações feitas para hospitais e casas de apoio.

Hoje, o Cabelegria tem a capacidade de produzir mais de 10 mil perucas com toda a quantidade de cabelos arrecadados e, no Instituto de Câncer Dr. Arnaldo, com o apoio da Rede Feminina de Combate ao Câncer de POA e SUZANO, um espaço com 50 manequins estarão à disposição das mulheres e crianças que lá se tratam, com reabastecimento frequente, para que nunca faltem perucas para doações.

Sem sede própria, além do primeiro Banco de Perucas (inaugurado há pouco mais de um ano no Hospital Santa Marcelina), a ONG não possui fila de espera. Todos os pedidos são enviados gratuitamente por Sedex ou entregues em eventuais ações feitas em São Paulo e fora da capital. “Com o Banco de Perucas no Instituto de Câncer Dr. Arnaldo, nós conseguiremos entregar com mais rapidez os cabelos às pacientes, que muitas vezes deixam de se olhar no espelho devido à queda”, explica Mariana Robrahn, fundadora do Cabelegria. “O cabelo faz parte da composição do corpo e a perda dele muitas vezes impacta na diminuição da autoestima. Nossa doação vai além da vaidade, ela é um ato de amor que também auxilia na cura”, diz Mylene Duarte, outra fundadora do Cabelegria. “O banco de perucas será às pacientes do hospital, mas trata-se de um projeto piloto, que servirá de exemplo para novas parcerias em outras instituições em breve”, completa Mariana.

Importância do novo Banco de Perucas 

A primeira instituição brasileira destinada ao estudo do câncer, o Instituto de Câncer Dr. Arnaldo, foi idealizado em 1920, pelo Dr. Arnaldo Augusto Vieira de Carvalho, então diretor da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo. Este médico que se impressionou com o flagelo do câncer, iniciou um movimento a fim de arrecadar fundos para a criação de uma entidade que tratasse da doença, utilizando-se do radium e de outros métodos eletrofísicos e cirúrgicos para o tratamento da doença.

Foi então formada uma comissão com membros da Sociedade de Medicina, os doutores Arnaldo Augusto Vieira de Carvalho, Oswaldo Pimental Portugal e Raphael Penteado de Barros. Porém, apenas em 05 de novembro 1929, o hospital conseguiu abrir suas portas, em terreno cedido pela Santa Casa de São Paulo, onde funciona até hoje. Desde então, não deixou mais de prestar este essencial serviço para a comunidade.

Com perfil filantrópico é dedicada ao ensino, pesquisa e à assistência à saúde no combate ao câncer, tendo por objetivo: promover o diagnóstico, a prevenção à detecção e o tratamento do câncer; incentivar investigações científicas relativas aos problemas de câncer e dos agentes empregados no seu tratamento; promover cursos de especializações e aperfeiçoamento de suas finalidades e cooperar nas campanhas de combate ao câncer, com entidades públicas ou privadas, nacionais e estrangeiras.

Hoje, o Instituto de Câncer Dr. Arnaldo é uma instituição de atendimento 100% SUS. Atende média e alta complexidade, em 13 especialidades, além de equipe multidisciplinar composta por Fonoaudiologia, Nutrição, Psicologia, Fisioterapia e Serviço Social. A unidade hospitalar conta com: Unidade Principal, 69 leitos de enfermaria, 8 leitos de UTI;  4 salas cirúrgicas; Unidade de Pronto Atendimento 24h; Ambulatório com 15 consultórios; Serviços de Quimioterapia e Radioterapia; Serviço de Medicina Nuclear; Centros de Diagnóstico por Imagem; Laboratórios de Análises Clínicas e Patologia.

Em 2016, o Instituto de Câncer Dr Arnaldo alcançou números surpreendentes, tais como Aplicações de Radioterapia (252.936); Aplicações de Quimioterapia (30.439); Pacientes Novos (14.726); Consultas em Pronto Atendimento (18.624); Consultas (95.752); Cirurgias Realizadas (5.016) e Exames (370.366). Esses resultados  beneficiaram a população da cidade de São Paulo e também de municípios vizinhos, atingindo até outros Estados da Federação.

Em consonância com a Política Nacional de Humanização, o Grupo de Humanização do Instituto de Câncer Dr. Arnaldo tem como objetivo a valorização dos sujeitos envolvidos no processo de produção de saúde, entendo como sujeitos, paciente, familiares e profissionais da saúde.

“O impacto do diagnóstico e os efeitos do tratamento oncológico suscitam no paciente uma gama enorme de sentimentos. Nesse sentido buscamos oferecer um cuidado que transcende a doença em si, integrando os aspectos psicossociais e existenciais”, diz Simone Ansarah, subcoordenadora da Humanização. “As parcerias são fundamentais na busca da oferta de um tratamento integral e o Banco de Perucas é mais uma conquista do Grupo de Humanização do Instituto de Câncer Dr. Arnaldo, que visa proporcionar à paciente o resgate da autoestima, enfatizar a importância do autocuidado e promover qualidade e de vida”, completa.

Já a Rede Feminina de Combate ao Câncer de Poá e de Suzano ajudam a difundir na comunidade conhecimentos gerais sobre o câncer visando a prevenção e o diagnóstico precoce. Nos unimos para realizar esse sonho do Instituto e da ONG Cabelegria. A criação do Banco de Perucas com certeza irá ajudar muitos pacientes e para nós é um prazer poder participar dessa parceria.

Deixe seu comentário

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here