Especial OUTUBRO ROSA 2017

2177

Outubro foi eleito o mês rosa na década de 1990 com o objetivo de promover a conscientização e alertar as mulheres sobre prevenção, cuidados e diagnóstico precoce do câncer de mama. De acordo com a literatura, 25% das mortes são evitadas com a identificação precoce do tumor e atenção à paciente.

As instituições brasileiras estão engajadas na causa! Confira notícias abaixo:

Saiba quais são os direitos do INSS para mulheres com câncer de mama

Segundo dados da Previdência Social, foram mais de 140 mil benefícios concedidos de 2008 a 2015 para seguradas em tratamento

O câncer de mama é o segundo tipo de tumor mais frequente no mundo. De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), estima-se que mais de 57 mil novos casos foram diagnosticados no país em 2016. O que poucas pessoas sabem é que as pacientes diagnosticadas que contribuíram com o INSS, possuem direitos e podem solicitar os benefícios.

De 2008 a 2015 mais de 140 mil benefícios foram concedidos para pacientes em tratamento, e em 2016 mais de 20 mil seguradas foram beneficiadas com auxílio-doença.

Auxílio-doença

Para as pessoas impossibilitadas de trabalhar temporariamente, o auxílio-doença é o benefício assegurado. “O auxílio-doença é garantido mensalmente à segurada com câncer, desde que comprovada a impossibilidade de atuação na atividade profissional habitual. Para contribuintes individuais, como profissionais liberais e empresárias, a Previdência Social também manterá o benefício por todo o período de incapacidade laborativa, desde que a mesma requeira o benefício e realize os pedidos de prorrogação enquanto perdurar a incapacidade temporária”, explica Átila Abella, advogado especialista da plataforma Previdenciarista.

Aposentadoria por invalidez

Já para as seguradas que passam pela cirurgia de retirada das mamas ou que ficam impossibilitadas de trabalhar por outras consequências, de forma total e permanente, é possível a concessão de aposentadoria por invalidez. “Para ter direito ao benefício, a segurada precisa ter iniciado as contribuições antes da incapacidade laborativa ocorrer, tendo direito a aposentadoria por invalidez independentemente de ter realizado as 12 contribuições estabelecidas como regra geral, pois o câncer está dentre as doenças graves que dispensam o cumprimento da carência”, afirma o especialista.

Auxilio acompanhante (adicional de 25%)

Além dos benefícios acima, a segurada aposentada por invalidez que necessitar de assistência permanente de acompanhante pode solicitar também o adicional de 25% previsto na Lei nº 8.213/91, mesmo quando o valor da aposentadoria for de salario mínimo ou até mesmo teto previdenciário.

Como fazer o requerimento do benefício

Para requerer benefício por incapacidade, a segurada precisará passar por um exame médico pericial no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Por ser um processo burocrático e delicado, levando em consideração todas as situações emocionais que cerca a pessoa diagnosticada com câncer de mama, é sempre indicado contar com a ajuda de um profissional especializado.

Por meio do Previdenciarista (previdenciarista.com) – plataforma de conteúdo que auxilia a atualização do advogado previdenciário – é possível encontrar uma lista de advogados especializados em direito previdenciário que podem ajudar os procedimentos.


 

Hospital Geral de Palmas realiza Projeto Cuidando de Quem Cuida e especialista alerta sobre a importância da prevenção

O mês especial chegou! Outubro Rosa, conhecido internacionalmente como o mês de luta contra o câncer de mama além de estimular a participação da sociedade para prevenção da doença. A Secretaria de Estado da Saúde aproveita para alertar sobre a necessidade do diagnóstico precoce da doença, mamografias e autoexames devem fazer parte da rotina das mulheres. A recomendação do Ministério da Saúde e  da Organização Mundial da Saúde é a realização da mamografia de rastreamento (quando não há sinais nem sintomas) em mulheres de 50 a 69 anos. No Tocantins foram agendadas 6.634 de janeiro a setembro deste ano.

Uma ação promovida pelo Hospital Geral de Palmas (TO) por meio do Ambulatório de Especialidades e com apoio do setor de Humanização realizará através do Projeto Cuidando de Quem Cuida, durante todo o mês exames de prevenção do câncer de mama e colo de útero, para as servidoras do hospital que não possuem plano de saúde. As servidoras poderão procurar na sala de regulação no Ambulatório para agendamento, no horário de 8h ás 12h e das 14h às 18h, de segunda a sexta. Para participar da campanha serão necessários documento de identificação e cabeçalho do contracheque. A ação é voltada as mulheres acima de 50 anos.

Segundo a supervisora do ambulatório, Flaviany Oliveira de Araújo Milhomem, o Outubro Rosa é uma data para focar na prevenção do câncer de mama e do colo do útero. “Como o ambulatório já atende pacientes com câncer, então idealizamos que iniciaríamos o Outubro Rosa, unindo com o projeto “Cuidando de Quem Cuida”, atendendo as mulheres do HGP, pois tem que se locomover  até a unidade  de saúde marcar a consulta, depois tem que faltar ao trabalho para consultar, e sendo aqui no ambulatório esse acesso facilita para a servidora. Como já temos uma procura de rotina e não podemos fazer o atendimento, pois são mulheres sem diagnóstico, então nós conversamos com a mastologia e abrimos essas vagas proporcionando a essas mulheres a oportunidade de fazer o rastreamento e para aquelas que tiverem alguma alteração de mama, nódulos palpáveis”, explicou.

O médico mastologista e mastoclínco do Hospital Geral de Palmas (HGP), Roberto Gripp alerta quanto aos sintomas do câncer de mama.”Nós temos que mostrar à mulher que não tem que aguardar qualquer sintoma para procurar a prevenção do câncer de mama.  A detecção precoce inclui  realizar seus exames com  regularidades antes mesmo  que ela sinta alguma coisa, mas a partir do momento do seu autoexame, ou exame com profissional,  notar algum sintoma  como nódulos, secreções,retrações da pele, ela deve buscar realizar investigações por meio de exames necessários  e que sejam esclarecidos estes sintomas. Buscar a Unidade Básica de Saúde e explicar ao profissional  e se possível ter acesso direto ao mastologista”, orientou.

Como detectar a doença?

Os métodos de prevenção que a mulher pode detectar a doença, o autoexame (a mulher conhecer o seu corpo e própria mama) e notar pequenas alterações na mama no tecido mamário, nodulações e buscar o diagnóstico da doença. O exame com especialista de maneira regular  é importante na detecção da doença e além disso  a mamografia (verifica nódulos abaixo de 1 centímetro de tamanho). A detecção precoce é fundamental no tratamento da doença, os tumores localizados num tamanho precoce, ou seja, tumores menores que 1 centímetro , chegam a ter mais 95% de chance de cura,  a prevenção leva a mulher detectar a doença no estágio inicial.

A dona de casa, Cecy Bernardes, de 65 anos, moradora de Palmas foi diagnosticada com a doença a cerca de 2 anos e está em fase final de tratamento pelo Sistema Único de Saúde (SUS), no HGP . “Descobri o câncer no início durante consulta com especialista, durante o tratamento passei pela radioterapia e quimioterapia. Todo dia agradeço a Deus por que sei que qualquer pessoa pode passa por isso. Tive o apoio da família com atenção e segurança, que teve um papel muito importante neste processo. Hoje estou finalizando tratamento e aproveito para agradecer de coração  a todos os profissionais do HGP  pelo cuidado comigo”, declarou.

Tratamento

O especialista explica como funciona o tratamento do câncer de mama nos dias de hoje. “O tratamento do câncer de mama nos dias atuais tem vários avanços melhores dos resultados. Nós temos novas drogas quimioterápicas tem aumentado muito o tempo de vida mesmo nas pacientes mais graves que tem melhorado as condições de vida destas pacientes. No ponto de vista cirúrgico temos novas técnicas para realizar a preservação da mama da mulher com intuito da mulher ter um resultado estético satisfatório e consequentemente um melhor estado psíquico. Sabemos que ajuda na própria recuperação e na manutenção do  sistema imunológico desta paciente, são grandes os avanços na radioterapia e quimioterapia o que tem feito que o tratamento do câncer de mama tenha mais e mais sucesso”, destacou.


 

Você conhece os direitos da paciente com câncer de mama? 

No mês em que o mundo promove a conscientização e prevenção da doença, a Dra. Claudia Nakano, Presidente da Comissão de Saúde Pública e Suplementar da OAB/Santana, comenta as garantias legais das portadoras desse mal que mais mata mulheres no Brasil

Lidar com o câncer de mama já é difícil para a mulher pela condição clínica e também psicológica da enfermidade, que afeta, inclusive, a autoestima da paciente. O desafio se torna ainda maior quando essa portadora não tem conhecimento dos tratamentos e benefícios garantidos gratuitamente a ela, por lei, para controle da enfermidade. Mas a chamada Carta Maior, Constituição Federal, assegura alguns desses direitos assistenciais à pessoa com todos os tipos de tumor maligno, inclusive na mama, para que ela possa ter mais qualidade de vida e, em alguns casos, até maior expectativa de vida.

“O câncer está entre os males assistidos por alguns dos privilégios como benefícios e isenções, que lista as patologias consideradas graves. O problema é que muitas pacientes que têm a doença ainda não sabem que existe auxílio para ajudá-las na luta contra o avanço do quadro. E, muito menos, que há um conjunto de normas atestando esses benefícios”, afirma a Dra. Claudia Nakano, da Comissão da Saúde da OAB/Santana.

A seguir, a advogada comenta os direitos das pessoas portadoras de câncer, inclusive as mulheres com neoplasia mamária (câncer de mama), com base na legislação brasileira.

Acesso a medicamentos de alto custo – Pacientes com todos os tipos de câncer podem receber gratuitamente medicamentos com preço elevado utilizados no tratamento. “Basta comparecer previamente em dos postos de atendimentos, secretarias e hospitais, portando RG, CPF, comprovante de residência, o laudo, que é o histórico da paciente e da doença, e receituário médico, com nome comercial, princípio ativo, dosagem e quantidade mensal do medicamento”, orienta a Dra. Claudia.

Saque do FGTS e PIS – A portadora de tumores malignos na mama ou pessoas que tenham uma dependente com a doença também podem resgatar a quantia disponível no FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e nas quotas do PIS/PASEP. “Para fazer o saque do benefício, devem ser apresentados alguns documentos, como o cartão do cidadão ou o número do PIS, a carteira de trabalho e um atestado médico válido por 30 dias, com o histórico da doença, estágio clínico atual e a cópia dos laudos diagnósticos”, descreve a especialista em Direito à Saúde. “Para os casos de dependentes com a patologia, também é exigido um documento que confirme a ligação com a paciente”, complementa.

Cirurgia reconstrutiva mamária – Esse, talvez, seja um dos benefícios mais ansiados pela maioria das mulheres que enfrentam o câncer de mama. “Todas as pacientes que tiveram a mama mutilada total ou parcialmente, por conta da doença, têm direito a realizar esse procedimento nas unidades da rede de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS)”, afirma a Dra. Claudia.

Auxílio-doença – Se a paciente for assalariada e a doença incapacitá-la de exercer suas funções por mais do que 15 dias seguidos, ela poderá requerer esse benefício mensal, que equivale a 91% do seu salário. “O benefício não exige carência em casos de doenças graves, como o câncer de mama, contudo é necessário que essa mulher tenha inscrição no INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) e apresente o laudo médico quando for solicitar a renda auxiliar”, salienta a advogada especialista em Direito do Consumidor.

Isenção de IR – A gravidade do câncer de mama também o insere entre os males que isentam, por lei, as portadoras de arcar com o Imposto de Renda, mesmo em caso de pacientes que já recebam benefícios da Previdência Social. “Como as pessoas com HIV/AIDS, cardiopatas graves e parkinsonianos, entre outros, elas têm direito a essa liberação, desde que recebam uma aposentadoria, pensão ou reforma”, finaliza a advogada.


 

Medicina Nuclear ajuda no diagnóstico preciso e precoce do câncer de mama

Conheça quatro exames eficazes na detecção de lesões e possíveis metástases, aumentando as chances de cura

Desde os anos 90, quando foi criada a Campanha Outubro Rosa, este é um mês focado na prevenção ao câncer de mama, doença mais comum entre as mulheres no Brasil e a segunda mais frequente no mundo, segundo a Sociedade Brasileira de Mastologia. O diagnóstico precoce aumenta de forma considerável as chances de cura, pois conhecendo-se a extensão da doença (se está localizada ou generalizada) é possível determinar qual o melhor tratamento.

“A Medicina Nuclear conta com tecnologias precisas para determinar o comprometimento dos gânglios (linfonodos que atuam na defesa do organismo) e a existência de metástases e micrometástases”, afirma o médico nuclear e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear, George Barberio Coura Filho – responsável clínico da Dimen SP (www.dimen.com.br), que explica os exames existentes para o diagnóstico do câncer de mama:

Pesquisa de linfonodo sentinela

O exame é realizado com a injeção de um radiofármaco ao redor do mamilo ou próximo ao tumor quando realizado em conjunto com ultrassom ou mamografia que é drenado para os gânglios da axila, de onde se extrai o linfonodo sentinela, que, se estiver acometido pelas células cancerígenas, indica que existem outros gânglios potencialmente comprometidos (micrometástase) e determina a retirada de todos os linfonodos presentes no local, por meio de cirurgia.

As imagens tomográficas do linfonodo sentinela são captadas pelo equipamento SPECT/CT, tecnologia de diagnóstico por imagem mais precisa, que permite melhor localização anatômica dos achados de cintilografia, permitindo um procedimento menos invasivo.

Cintilografia de mama

Para este exame, também realizado com o equipamento SPECT/CT, é necessária a injeção do radiofármaco na veia, que facilita a identificação das lesões tumorais na mama. A tecnologia permite a localização de lesões mesmo em regiões com mais tecido mamário, o que permite avaliar lesões em que a performance dos métodos habituais está limitada.

ROLL para a marcação de tumores ocultos

A técnica ROLL, sigla em inglês para radioguided occult lesion localization, permite a marcação de lesões mamárias não detectáveis ao toque. As lesões são marcadas pelo radiofármaco injetado diretamente na mama acometida pela doença, guiado pela mamografia ou pela ultrassonografia.

O equipamento Gamaprobe detecta a radiação emitida pelo material injetado e consegue facilitar a operação para o cirurgião favorecendo que a lesão seja seguramente retirada.

PET/CT (Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET) com Tomografia Computadorizada (CT)

O exame pode detectar metástases ocultas, inclusive na região óssea, aumentando as chances de tratamento. A localização nos núcleos comprometidos é possível graças ao traçador do radiofármaco aplicado na veia, que é captado pelas células cancerígenas e identificado pelo equipamento PET/CT.

Por meio deste aparelho, a Medicina Nuclear atua também no controle das lesões mamárias malignas, após cirurgia, tratamento com quimioterapia e em mulheres cuja doença já esteja controlada.

Todos os procedimentos estão no ROL da Agência Nacional de Saúde Suplementar, ANS, e são cobertos pelos convênios médicos.

Medicina Nuclear

Ainda pouco conhecida pelos brasileiros, a especialidade analisa a anatomia dos órgãos e também seu funcionamento em tempo real, permitindo diagnósticos e tratamentos mais precoces e precisos. A prática atua na detecção de alterações das funções do organismo acometidos por cânceres, doenças do coração e problemas neurológicos, entre outros.

A medicina nuclear conta com exames de alta tecnologia, como o PET/CT – capaz de realizar um mapeamento metabólico do corpo e captar imagens anatômicas de altíssima resolução, com reconstrução tridimensional, localizando com exatidão nódulos, lesões tumorais e inúmeras outras condições clínicas – e o SPECT/CT – tecnologia de diagnóstico mais rápida, precisa e com menos radiação, que permite melhor localização anatômica dos achados de cintilografia, permitindo um procedimento mais preciso e menos invasivo.


 

Exercício físico é grande aliado no tratamento do câncer de mama

Uma vida longe do sedentarismo é o ideal para manter a saúde em dia. Além dos benefícios estéticos, o exercício físico é aliado na prevenção e tratamento do câncer de mama. De acordo com o oncologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, de São Paulo (SP), Emerson Neves dos Santos, esse hábito também é capaz de evitar o reaparecimento da doença.

Essa relação positiva está diretamente ligada à capacidade da atividade física diminuir um fator de risco e liberar boas substâncias no organismo, como explica o médico. “O exercício diminui a chance de obesidade, que é um fator de risco, e libera substâncias anti- inflamatórias, que ajudam a inibir que a doença volte”.

Estudo da revista científica JAMA, da Associação Médica Norte-Americana, com dados referentes a 12 outras pesquisas, as quais englobam 1,44 milhão de pessoas, indicou que quem mais se exercita, apresenta menor percentual de câncer, entre eles, o de mama.

Dr. Emerson salienta que é indicada a prática durante e após o tratamento, porém, tudo depende do paciente. Em casos do uso de quimioterapia e radioterapia, é comum que a pessoa esteja debilitada e não possa iniciar os exercícios. Já nos casos de hormonioterapia, terapia que evita o crescimento da célula cancerígena pelo estímulo dos hormônios, ajuda a evitar os efeitos colaterais.

Apesar de ser um período mais delicado, não há contraindicação em relação ao tipo de exercício escolhido. Segundo o médico, é preciso orientação de um profissional de educação física e acompanhamento periódico nas áreas cardiológicas, pulmonares e renais. A única limitação é para as mulheres que retiraram os linfonodos, gânglios responsáveis pela drenagem linfática do corpo.

“Há uma limitação para quem tira os linfonodos, que ficam embaixo do braço. Nestas mulheres, caso haja uma sobrecarga, ocorre o que chamamos de linfedema, que é o inchaço dessa área. Por isso, são indicados apenas exercícios mais leves”, complementa o oncologista.


 

Coleção especial da Ziovara arrecada recursos para o Hospital Amaral Carvalho

Camisetas alusivas ao Outubro Rosa serão vendidas pela loja online até dezembro; além da doação, campanha objetiva a conscientização sobre a saúde da mulher

Ame Rosa é o nome da campanha especial lançada neste mês pela Ziovara, comércio online de produtos cool, como roupas, calçados e acessórios personalizados. Com sede em Barra Bonita (SP), a empresa promove a ação que arrecada recursos para o Hospital Amaral Carvalho (HAC), de Jaú (SP), além de conscientizar sobre a saúde da mulher.

Após meses de muito estudo e dedicação, a equipe desenvolveu camisetas sobre a prevenção do câncer de mama e de colo de útero que destacam a importância do empoderamento feminino e do amor próprio. Artes exclusivas e frases de efeito estampam as seis peças da coleção.

De acordo com uma das proprietárias da marca, Giovanna Girioli, o objetivo é lembrar as mulheres que são fortes, belas e que devem sempre se cuidar. “Há tempos queríamos abraçar essa causa e encontramos uma maneira de deixar nossas clientes ainda mais lindas e engajá-las também”.

Empatia

A campanha tem como mote o desejo de ajudar ao próximo, a empatia e o altruísmo. “É muito importante que as pessoas se cuidem e queremos que as informações cheguem longe, mas também incentivamos e facilitamos a colaboração com o HAC que atende milhares de pacientes todo ano, gente que está lutando contra a doença e merece nosso apoio, em todos os sentidos”, afirmou Giovanna.

Até dezembro, os itens serão vendidos no site www.ziovara.com.br/ame-rosa por preços entre R$ 79,90 e R$ 99,90 — 60% do lucro será destinado ao HAC, referência em tratamento oncológico.


 

Hospital do Câncer Mãe de Deus apresenta João Bosco e Orquestra de Câmara Theatro São Pedro

A iniciativa celebra o Dia do Médico e Outubro Rosa, com a fachada do Theatro São Pedro iluminada de cor de rosa

O Hospital do Câncer Mãe de Deus, de Porto Alegre (RS), decidiu celebrar o Dia do Médico com música e alegria, patrocinando o concerto da Orquestra de Câmara Theatro São Pedro com o cantor João Bosco, nos dias 07 e 08 de outubro. Médicos e funcionários do serviço de Oncologia da instituição serão convidados para as apresentações, bem como algumas pacientes com câncer de mama e integrantes do Conselho Consultivo de pacientes oncológicos. Além disso, a instituição também iluminará a fachada do Theatro São Pedro de cor de rosa, participando das ações que integram e divulgam a campanha de conscientização de prevenção ao câncer de mama, durante o Outubro Rosa.

Nos dias das apresentações, também haverá no teatro a exposição fotográfica denominada “12 Reflexões”, do fotógrafo Gerson Turelly, que fica nos andares do hospital. A mostra traz fotos de pacientes do Hospital do Câncer Mãe de Deus, e de pessoas próximas a eles, durante o tratamento oncológico, mostrando o lado positivo de superação e vitória contra a doença. “Esta atividade cultural visa agradecer e valorizar as pessoas envolvidas no dia a dia da nossa Instituição e reconhece que o nosso maior patrimônio são estas pessoas que tornam este projeto uma realidade”, destaca o oncologista do Hospital do Câncer Mãe de Deus, Sergio Azevedo. “Dotado de alta tecnologia para prevenção, diagnóstico e tratamento da doença oncológica, o hospital sente-se orgulhoso de seu grupo profissional e da parceria com os pacientes na busca contínua uma assistência humanizada com qualidade e segurança assistencial”, acrescenta.


 

Profissionais de saúde dão dicas de prevenção ao câncer de mama no “Mova-se contra o Câncer 2017”

A ação do Grupo Luta Pela Vida tem o objetivo de alertar mulheres na prevenção da doença e do diagnóstico precoce

Com a chegada do mês de outubro, o câncer de mama torna-se um assunto amplamente discutido. Isso porque o mês, intitulado como “Outubro Rosa”, é dedicado a falar sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. Pensando na importância da informação para a sociedade, é que o Grupo Luta Pela Vida, a ONG do Hospital do Câncer em Uberlândia (MG), vai dar dicas de prevenção durante o “Mova-se Contra o Câncer”, que acontece no dia 7 de outubro, às 8h, no Parque do Sabiá (entrada pela Av. Anselmo Alves dos Santos).

As orientações e as formas de prevenção contra o câncer de mama serão repassadas pelos pesquisadores do Núcleo de Prevenção e Pesquisa do Câncer (NUPPEC) do Hospital do Câncer. Durante todas as atividades do ‘Mova-se’ o público poderá visitar a tenda do Grupo Luta Pela Vida e receber as orientações dos pesquisadores sobre as atitudes e hábitos que podem evitar ou detectar precocemente o câncer de mama – tipo de tumor que mais atinge as mulheres no Brasil e no mundo. Além das orientações, serão distribuídos para o público folders informativos com as dicas de prevenção do câncer de mama para reforçar ainda mais as informações.

As ações de prevenção do câncer junto à sociedade estão entre as atividades desenvolvidas pelo NUPPEC, que além da orientações, também trabalha com desenvolvimento de pesquisas clínicas sobre o câncer na região. A equipe de pesquisadores é formada por profissionais da saúde, como nutricionistas, psicólogos, farmacêuticos e enfermeiros com especialização em oncologia.

Além da orientações, o público poderá complementar as atitudes de prevenção contra a doença praticando diversas modalidades esportivas durante o “Mova-se contra o Câncer”, como dança, pilates, zumba, yoga, circuito e caminhada. A entrada é gratuita e os primeiros participantes que chegarem ao local vão ganhar camisetas do evento.


 

A partir de estudo de médicos de Campinas (SP), SUS disponibiliza medicamento em sua rede para tratamento de câncer de mama

Remédio, utilizado na rede privada há 18 anos, prolonga a vida das pacientes portadoras do câncer que mais mata mulheres no Brasil

“Quando soube que a medicação que está prolongando a minha vida seria introduzida ao tratamento pelo SUS e que milhares de mulheres teriam a mesma chance que eu estou tendo me deu um alívio enorme, pois muitas vezes me senti mal por saber que quem depende da rede pública também depende da sorte para viver”, relata Maria Inês de Arruda Camargo, que hoje, aos 50 anos, luta contra um câncer de mama metastático que descobriu aos 44 anos de idade.

A medicação mencionada por Maria Inês é o trastuzumabe, que evita a proliferação do câncer e é utilizado como tratamento para mulheres com câncer de mama HER2 positivo metastático (quando a doença se espalha para outros órgãos do corpo, como ossos, pulmões ou fígado). “Faço o tratamento com a medicação desde 2011 quando a previsão de sobrevida era de dois anos. Hoje já estou indo para o sétimo ano”, comemora.

O trastuzumabe é o medicamento considerado mais apropriado atualmente. Utilizado na rede privada desde 1999, agora será disponibilizado também pelo Sistema Único de Saúde graças aos estudos desenvolvidos por médicos de Campinas e que foram responsáveis pela mudança positiva no tratamento da doença e que pode prolongar, em média, o tempo de vida dessas pacientes em pelo menos 30%.

“O estudo foi encomendado pela a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica com a intenção de demonstrar claramente as evidências de benefício da incorporação da medicação, além dos impactos econômicos para a sociedade brasileira. Foi um desafio prontamente aceito. Uma satisfação poder participar de alguns passos para melhorar a saúde pública do Brasil. Temos ainda muitas outras prioridades não atendidas, doenças em que os tratamentos não são disponibilizados pelo SUS e que precisamos tornar viáveis”, afirma oncologista André Deeke Sasse, que é professor de pós-graduação da Unicamp e membro do Grupo SOnHe e, que juntamente com a enfermeira Adriana Camargo de Carvalho e a oncologista Vivian Castro Antunes de Vasconcelos, também membro do Grupo SOnHe, foram os responsáveis pela importante conclusão do estudo.

Introdução da medicação no SUS

Em 2015 foi feita uma primeira solicitação para que o Ministério da Saúde passasse a disponibilizar o trastuzumabe no tratamento, que não foi aprovada. Em outubro de 2016, nova solicitação foi feita, com a combinação dos medicamentos trastuzumabe e pertuzumabe (outro medicamento que apresentou excelentes resultados no tratamento desta doença, mas que ainda não é disponibilizado pelo SUS). O estudo foi apresentado no dia 8 de março deste ano, em Brasília, e, em abril, foi aberta uma consulta pública relacionada a importância da aplicação destes dois medicamentos pelo SUS. A decisão positiva pela introdução do trastuzumabe foi publicada pelo Diário Oficial da União no dia 3 de agosto desse ano. O governo agora tem um prazo de seis meses para efetivar a oferta.

Resultados

A primeira terapia-alvo que foi utilizada no sistema privado de saúde, no Brasil, em pacientes com câncer de mama metastático HER2 positivo foi o trastuzumabe (aprovado pela Anvisa em 1999). Já o pertuzumabe passou a ser utilizado em 2015 e também mudou o tratamento de câncer de mama, trazendo novas e melhores perspectivas para as pacientes. O pertuzumabe, usado em conjunto com o trastuzumabe, aumentou ainda mais o tempo de vida das pacientes e melhorou a sua qualidade de vida, tornando-se, segundo o médico André Deeke Sasse, um dos maiores avanços da oncologia das últimas décadas. “Ter conseguido a incorporação do trastuzumabe no SUS foi uma grande vitória e as pacientes da rede pública já terão um salto na qualidade do tratamento. Agora, esperamos a liberação do pertuzumabe para que as pacientes possam se beneficiar ainda mais”, comenta.

Segundo o médico Dr. Sasse, o estudo também analisou os benefícios e os custos da utilização de novos medicamentos no tratamento de câncer de mama metastático. “A avaliação inicial foi de que o custo do tratamento é muito alto para o SUS. Apesar disso, a Sociedade Brasileira de Oncologia acreditou que este seria um avanço importante no tratamento público brasileiro. Por isso, a entidade entrou em contato com o laboratório, que produz os medicamentos avaliados, e a indústria farmacêutica concordou em negociar melhores preços das terapias-alvo para viabilizar este uso no país”, explicou Sasse.

Ainda, segundo o médico, no sistema privado o tratamento para a mesma doença é feito há vários anos de forma diferente, por meio da atuação das terapias-alvo em conjunto com a quimioterapia. Desta forma, as pacientes do sistema privado vivem melhor e por mais tempo. “O trastuzumabe está em circulação há 18 anos, sendo usado para o tratamento deste tipo específico de câncer de mama com muito sucesso”, explica.

Número de casos no Brasil é alto

O câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não melanoma. Ele responde por 28% dos casos novos a cada ano, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca).  Cerca de 15 mil mulheres brasileiras morrem em consequência do câncer de mama a cada ano, sendo que metade destas pacientes recebem o diagnóstico já em fase incurável ou apresentam recidiva da doença.


 

Cinco sinais que podem detectar o câncer de mama masculino

Dr. Daniel Gimenes, oncologista do Centro Paulista de Oncologia (CPO) – Grupo Oncoclínicas, traz cinco orientações para alertar os homens sobre um possível caso de câncer de mama

Assim como as mulheres, homens também apresentam glândulas mamárias. Apesar da baixa incidência, o câncer de mama masculino pode se manifestar e existe um alto percentual de mortalidade. Em cerca de 100 casos da doença, apenas um ocorre no sexo masculino. Nos Estados Unidos, por exemplo, foram registrados 1910 casos e, na maioria das vezes, o diagnóstico é tardio, já que homens não costumam realizar a mamografia anualmente.

“Existe um problema muito comum que faz com que os homens não procurem um médico por questões de machismo, pois não passa pela cabeça de ninguém que o homem pode desenvolver um câncer de mama. Por isso, qualquer mudança suspeita na região mamária, é preciso procurar um especialista para que o câncer não seja descoberto tarde demais”, explica Dr. Daniel Gimenes, oncologista do Centro Paulista de Oncologia (CPO) – Grupo Oncoclínicas.

Para detectar qualquer tipo de problema, é preciso que o homem realize o exame de autoexame com frequência, principalmente depois dos 50 anos para frente, que é a faixa etária em que ocorrem mais casos do câncer de mama masculino.

Abaixo, o especialista destaca os cinco principais fatores que podem ser importantes na hora de detectar um câncer de mama no homem:

1- Genética: Se existir um caso alguma mulher (tia, mãe, avó) com câncer de mama na família, as chances do homem desenvolver aumenta discretamente, mas se for relacionado à mutação do BRCA, aumenta bastante. Para isso, é recomendável que o homem faça uma pesquisa de mutação para saber se terá chances de desenvolver a doença. Além disso, existe uma síndrome genética, associada ao alto nível de estrogênio, uma condição que aumenta o índice câncer de mama em homem, principalmente quando tem a mutação do gene BRCA. Se, por exemplo, um homem no qual a irmã/mãe teve câncer de mama, as chances são maiores, por isso, é preciso ser feito um acompanhamento mais de perto.

2- Hormônios: O principal motivo pelo qual as mulheres apresentam câncer de mama com mais frequência do que os homens são os hormônios. A mulher produz muito mais estrógeno do que o homem. A maioria dos cânceres de mama femininos se desenvolve por conta de hormônios sensíveis. O homem apresenta uma baixa taxa se estrógeno no corpo, contendo mais testosterona, que não leva a este tipo de câncer.

3- Caroço na área do tórax: Como os homens não tem o costume de realizar exames mamários frequentemente é preciso que se atentem a alguns sintomas suspeitos. Caroço na área do tórax é dos principais sintomas do câncer de mama masculino que pode ser acompanhado de inchaço nos linfonodos axilares.

4- Retração na pele: Em situações mais avançados da doença, também pode ocorrer uma retração do mamilo, ou seja, um inchaço significativo ou distorção da pele, em alguns casos acompanhados de sangue na região. Quando estes sinais são detectados, é imprescindível que se procure um médico para saber o diagnostico correto.

5- Cirrose/alcoolismo/obesidade: Pacientes com distúrbios do fígado (cirrose, alcoolismo e obesidade) correm mais risco de desenvolver câncer de mama e, quanto mais velho o homem for, maior a possibilidade de a doença aparecer. Na maioria das vezes o homem com câncer de mama procura uma orientação quando a neoplasia ainda está no começo, dificultando o tratamento. Quando mais cedo o câncer é diagnosticado, maiores são as chances de cura. Por isso, já que a mamografia masculina não é recomendada como um exame de rotina, homens que estão na área de risco de desenvolver um câncer de mama, precisam realizar o autoexame.


 

“Mova-se Contra o Câncer 2017” terá foco no Outubro Rosa

Além de praticar diversas modalidades esportivas o público também receberá dicas de prevenção contra o câncer de mama

Mais uma vez o Outubro Rosa vem chegando e as atenções se voltam para falar sobre a prevenção do câncer de mama, tipo de tumor que mais atinge as mulheres no mundo todo. Somente no Brasil, segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer), são esperados quase 58 mil novos casos da doença. Com estatísticas tão preocupantes, a principal forma de combater a doença é a prevenção, por isso o Grupo Luta Pela Vida, a ONG do Hospital do Câncer em Uberlândia (MG), promove o evento “Mova-se contra o Câncer 2017” com foco no Outubro Rosa e na prevenção do câncer de mama.

O evento, que acontece no dia 7 de outubro, a partir das 8h no Parque do Sabiá (entrada pela Avenida Anselmo Alves dos Santos), unirá dois elementos importantes da prevenção do câncer: informação e prática de exercícios. Durante o evento o público poderá praticar diversas modalidades esportivas, com o intuito de que cada um encontre seu exercício físico preferido e passe a incluir a atividade física como parte da rotina. Entre os esportes que as pessoas poderão praticar está a tradicional caminhada, além de corrida, pilates, yoga, zumba e circuito.

A informação contra o câncer de mama terá espaço na tenda do Grupo Luta Pela Vida, na qual os pesquisadores do NUPPEC (Núcleo de Prevenção e Pesquisa de Câncer) vão dar orientações ao público sobre as formas de prevenção da doença.

O presidente do Grupo Luta Pela Vida, Renato Pereira, afirma que o intuito do evento é realmente alertar a população sobre a importância da prevenção contra o câncer. “Queremos oferecer informação ao público para que ele se previna e não venha a se acometer da doença. É claro que são vários os fatores que contribuem, mas entendemos a importância da atividade física e do esclarecimento das formas de prevenção. Por isso, aproveitamos o mês do Outubro Rosa para sensibilizar a sociedade a se exercitar e a se informar como formas de prevenção. O número de casos da doença ainda é alto, por isso queremos que toda a sociedade se junte a nós contra o câncer de mama”, afirma.

Para incentivar a participação, os primeiros participantes que chegarem ao local receberão uma camiseta do evento. Após as práticas das modalidades esportivas, o público vai poder repor as energias com uma mesa de frutas.

A entrada do evento é gratuita e aberta para todas as idades.


 

Redken e Fundação do Câncer se unem para promover a prevenção do câncer de mama

Por meio de parceria inédita, a marca lança a campanha Salão Rosa, que acontece durante os meses de outubro e novembro em seis cidades do Brasil

Para promover a conscientização da importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama, a Redken – marca que, além de fazer diferente, também quer fazer a diferença – se uniu à Fundação do Câncer – uma instituição sem fins lucrativos que capta recursos e investe em prevenção, diagnóstico precoce, assistência, programas e projetos relacionados à doença – e, no próximo Outubro Rosa, lança a campanha Salão Rosa. Durante a iniciativa, as mulheres que fizerem uma doação para a Fundação do Câncer ganharão o mesmo valor* em desconto no serviço Escova de Brilho Instantâneo Redken nos salões participantes de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Fortaleza, Goiânia, Belo Horizonte, Campo Grande, Belém, Curitiba, Duque de Caxias, Volta Redonda, Porto Alegre, Campinas e São José dos Campos.

Com a campanha, a marca pretende impactar cerca de 55 salões e 600 profissionais de beleza. “Para nós, a beleza é uma linguagem e permite que todas as pessoas expressem sua personalidade, conquistem autoconfiança e sejam mais abertas”, diz Rafael Bittencourt, diretor de Redken no Brasil.

Como uma das principais marcas de beleza do mundo, a Redken acredita que é seu dever chamar a atenção para o câncer de mama, que corresponde a cerca de 25% dos novos casos registrados anualmente da doença. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), foram estimados 57.960 mil casos novos de câncer de mama no país em 2016. Quanto mais cedo o câncer de mama é descoberto, mais altas são as taxas de cura.

“O câncer de mama é um tumor curável, em até 98% dos casos, se detectado na fase inicial, reduzindo significativamente a necessidade da mastectomia (retirada dos seios), tão temida pelas mulheres. Somente o exame de mamografia pode mudar a curva da doença. Uma das barreiras para a detecção precoce do câncer de mama é o medo. Por isso, as campanhas de conscientização são importantíssimas para que as mulheres não demorem a procurar orientação médica para realização da mamografia. Estamos muito felizes com a parceria com a Redken, marca que valoriza a beleza, a saúde e o bem-estar das mulheres”, afirma o diretor do Hospital Fundação do Câncer, o mastologista Carlos Frederico Lima.

A Redken busca fazer a diferença na vida de muitas mulheres com a campanha Salão Rosa e ajudar várias outras a recuperar seu bem-estar e sua autoestima compartilhando a beleza com quem mais precisa no momento.

A campanha Salão Rosa faz parte do projeto Redken Cares, que visa a realizar diversas ações sociais que geram um impacto positivo.

Como vai funcionar:

1.       A partir de 1º de outubro e até o final de novembro, a consumidora interessada em participar da ação deve acessar o site www.salaorosa.redken.com.br e escolher sua doação no *valor de: R$ 20,00, R$ 25,00 ou R$ 30,00.

2.       No segundo passo, ela escolhe a cidade e o Salão Rosa mais próximo.

3.       Com a doação confirmada, a consumidora recebe um voucher em seu e-mail com todas as informações do desconto e do salão escolhido.

4.       Depois é só apresentar o voucher no Salão Rosa e receber o desconto no serviço Escova de Brilho Instantâneo Redken.

Após a doação, a consumidora pode compartilhar uma mensagem no seu Facebook convidando outras pessoas a participar também.

Todo o valor doado vai diretamente para a conta da Fundação do Câncer e que a consumidora tem 30 dias após a doação para ir até o Salão Rosa escolhido receber o desconto.


 

Einstein cria tutorial completo sobre câncer de mama

Para iniciar o Outubro Rosa, os especialistas do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein se reuniram para criar um tutorial completo sobre o câncer de mama. A partir de duas linhas do tempo, que contemplam a história da mulher com câncer em estágio avançado e inicial.

Para assistir os vídeos e entender mais sobre o diagnóstico, tratamento e todas as etapas do processo e assuntos da equipe multiprofissional.

Informações: www.einstein.br/cancerdemama


 

Mês chama atenção para conscientização sobre o câncer de mama

Movimento mundial busca enfatizar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce da doença

O Outubro Rosa visa chamar a atenção para a importância da prevenção, diagnóstico e tratamento precoce do câncer de mama. O câncer de mama é o tipo mais comum entre mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não-melanoma. A doença é mais frequente entre as mulheres com mais de 35 anos, especialmente após os 50 anos.

Em grande parte deles, a doença pode ser detectada em fases iniciais, aumentando assim as chances de tratamento e cura. Para ter um bom prognótico, a doença deve ser detectada precocemente. “Os exames direcionados para o câncer de mama devem ser iniciados a partir dos 40 anos através da mamografia e ultrassonografia. As mulheres que não fazem a mamografia de rotina por medo, receio ou falta de informação, têm grande chance de perceber a presença do tumor apenas quando ele atingir cerca de 2-3 cm pelo autoexame das mamas. A mamografia pode adiantar isso”, acrescenta o médico oncologista Marcelo Uchoa, da Aliança Instituto de Oncologia.

A principal manifestação da doença, presente em cerca de 90% dos casos, é a presença de nódulo (caroço), geralmente indolor, na mama. Entre os sintomas iniciais do câncer está pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja, alterações no bico do peito (mamilo), pequenos nódulos nas axilas ou no pescoço e saída de líquido anormal das mamas.

“É importante que as mulheres fiquem atentas a qualquer alteração suspeita na mama. Realizar o autoexame apalpando a região é fundamental”, enfatiza o médico oncologista Marcio Almeida, da Aliança Instituto de Oncologia. O profissional ressalta que a maioria dos cânceres tem grande chance de serem tratados quando diagnosticados precocemente.

Os fatores causadores do câncer de mama são diversos. A questão hereditária, por exemplo, atualmente pode não ser tão prevalente quanto os fatores externos, como conta a enfermeira oncológica Sabrina Capita. “O câncer de mama não tem perfil, etnia ou classe social. Qualquer mulher pode ser acometida pela doença. Muitas pessoas se preocupam com a questão hereditária e não consideram outros fatores de riscos como a má alimentação, o stress e o sedentarismo”, explica.

Além de manter o acompanhamento médico periódico, a prevenção do câncer pode ser adotada diariamente por meio de manutenção de hábitos como atividade física e dieta balanceada, que evitam o sobrepeso e a obesidade, um dos principais fatores de risco. O alcoolismo e tabagismo podem aumentar a probabilidade de ocorrência da doença.


 

Presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia ressalta que conscientização tem de ocorrer o ano todo

Outubro chegou. E com ele a preocupação de médicos mastologistas que defendem a conscientização sobre a importância da mamografia nos 12 meses do ano. “É fundamental que a sociedade, especialmente as mulheres, tenham conhecimento de que o câncer de mama pode e deve ser identificado em qualquer período do ano. E que o diagnóstico precoce é determinante para maior ou menor chance de cura”, relata o médico João Bosco Ramos Borges, mastologista do Hospital Universitário de Jundiaí (SP) e presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia – Regional São Paulo.

O especialista explica que o número de mulheres com câncer de mama tem crescido em todo o mundo e por isso identificar a doença na fase inicial é essencial. “Se o tumor é identificado com 1 cm, as chances de cura giram em torno de 80%, se identificado com mais de 2 cm as chances caem para 65%. Conforme o tumor cresce, reduzem as chances de cura e, consequentemente, cresce a mortalidade”, relata Dr. Bosco.

Segundo o médico, o comportamento das mulheres em relação à mamografia precisa mudar. “Existem muitos mitos sobre o exame que precisam ser esclarecidos, tais como aqueles que ‘a mamografia dói’, ‘receio do que pode dar no resultado’, ‘não ter casos na família’ e tantos outros”, diz ele. E orienta: “Não tem como prever quem vai ter câncer de mama, portanto, a única forma de se ‘evitar’ a doença é fazendo a mamografia periodicamente, e diagnosticando precocemente”, ressalta.

Dr. Bosco acrescenta que, mais que mudar a conduta feminina com relação à realização do exame, é preciso maior engajamento da saúde pública, fazendo o que se chama busca ativa (buscar as pacientes mais resistentes ao exame, através de conscientização e acolhimento). Também envolve postura das unidades de atendimento à mulher. “Para que não haja resistência em fazer a mamografia, a mulher precisa ser bem recebida desde a recepção, que vai dar o primeiro atendimento à paciente, até a assistência médica, que precisa ser clara, acolhedora e preparada”, enumera.

Outro ponto que o médico destaca é que o câncer de mama não deve ser analisado somente sob o aspecto clínico, mas sim de forma integrada. “É uma questão muito delicada para a mulher, vai além da doença. Temos que pensar em aspectos físicos e emocionais, que refletirão em sua vida durante e após o tratamento. Remover uma mama, por exemplo, não é fácil, então é necessário pensar que o tratamento deve envolver a reconstrução e também suporte emocional”, propõem Dr. Bosco. Tais cuidados podem contribuir para uma vida social mais próxima da normal.

Mamografia: quando fazer?

A Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde determinam que a faixa etária dos 50 aos 69 anos é prioritária para a realização dos exames preventivos, pois é neste grupo que ocorre a maioria dos tumores (questão de custos e investimento). A Sociedade Brasileira de Mastologia preconiza a partir dos 40 anos, e em Jundiaí, a Secretaria de Saúde segue este ordenamento (entre 40 e 50 anos detectamos 19% dos cânceres fazendo mamografia e consultas com exame médico das mamas).


 

Outubro Rosa reforça participação da população no combate ao câncer de mama

Doença é o tipo mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo

Nos próximos dias, monumentos e instituições conhecidas do país estarão iluminadas de rosa para chamar atenção para a importância da prevenção contra o câncer de mama. Ações educativas sobre diagnóstico precoce, tratamento e prevenção farão parte da campanha Outubro Rosa, que nasceu nos anos 1990 com a ideia de estimular a participação da população e contribuir para a redução da mortalidade pela doença.

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), depois do câncer de pele não melanoma o câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo, respondendo por cerca de 28% dos casos novos a cada ano. O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença.

O Dr. Mario Sergio Amaral Campos, do Centro de Mama do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, de São Paulo (SP), e radiologista especializado em imaginologia mamária, destaca a importância da atenção à prevenção durante todo o ano. “O câncer de mama quando diagnosticado e tratado precocemente apresenta maiores chances de cura”, explica.

A doença surge principalmente em forma de nódulos na mama, mas também pode se manifestar com saída de secreção pela papila – fora da gestação e do puerpério -, retração de pele ou mamilo, alterações na forma da mama e lesões na pele na região da mama ou complexo aréolo papilar.

Hoje, o diagnóstico do câncer de mama pode ser classificado por multimodalidade, pois normalmente é feito o uso de mais de um exame para se chegar a um diagnóstico. “Usa-se inicialmente os exames de imagem, como mamografia e ressonância, por exemplo. E geralmente por último é feita a biópsia, que ajuda a complementar e a fechar o diagnóstico da doença”, explica.

O tratamento sempre é individualizado, pois depende de características importantes como estadiamento, que é o processo para determinar a extensão do câncer e onde está localizado, e as características clínicas do paciente. Pode ser incluído: cirurgia, quimioterapia, radioterapia, terapia alvo ou hormonioterapia, tudo dependerá do diagnóstico.

Centro de Mama São Luiz Itaim

O Hospital e Maternidade São Luiz tem mais de 20 anos de tradição em serviços especializados no combate ao câncer de mama. Possui um Centro de Mama, na unidade Itaim, com equipamentos de última geração, como mamógrafos digitais, ultrassonografia, biópsias, ressonância magnética das mamas, e profissionais especializados em diagnóstico por imagem de mama.

“A qualidade e excelência do Centro de Mama influência positivamente no tratamento do paciente, já que fornecemos um atendimento ágil, integrado e especializado. Um serviço como esse é de extrema importância para fechar um diagnóstico mais preciso e rápido, possibilitando que o tratamento seja iniciado o quanto antes, fator essencial para uma maior chance de cura”.

O Centro conta ainda com uma equipe multidisciplinar fundamental para um atendimento mais humanizado composta por enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, psicólogos e nutricionistas.


 

Especialista alerta para a importância da atividade física no tratamento do câncer de mama

20 minutos de exercício físico diário é o suficiente para contribuir para melhores respostas ao tratamento convencional da doença

Com a correria do dia a dia, as pessoas estão dando menos atenção à quantidade de exercícios físicos que o corpo necessita – e as consequências disso geram impactos diretos no aumento dos índices de casos de câncer. Estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que 80% dos casos de surgimento de tumores malignos estão relacionados ao nosso modo de vida, sendo o sedentarismo um dos principais protagonistas destas estatísticas.

Outro dado que reforça essa percepção vem de uma pesquisa realizada recentemente pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), que aponta que a prática frequente de atividade física pode reduzir o risco de desenvolvimento de 26 tipos de câncer, entre eles o de mama, neoplasia que mais atinge a população feminina no Brasil. Estima-se que em 2017 serão registrados 60 mil novos casos da doença, o que faz do câncer de mama o mais prevalente entre as brasileiras, correspondendo a 28% de todos os casos diagnosticados da condição.

Segundo Daniel Gimenes, oncologista do Centro Paulista de Oncologia (CPO) – Grupo Oncoclínicas, é preciso lembrar que mesmo após o diagnóstico de câncer de mama, os exercícios físicos exercem um papel preponderante para a saúde da mulher e evolução positiva do tratamento. “O incentivo à prática constante de atividades físicas e ingestão de alimentos saudáveis surgem não apenas como iniciativas essenciais para frear os índices aumentados da doença como também forma de potencializar o processo de tratamento para mulheres com câncer de mama. Pesquisas científicas sugerem que indivíduos com esse perfil apresentam taxas de sobrevivência maior ao câncer cinco anos após o diagnóstico”, diz o especialista.

O oncologista explica que é importante oferecer à paciente a oportunidade de 150 minutos de atividade física semanal, ou seja, 20 minutos por dia. “O movimento regular faz com que sejam eliminadas do sangue as moléculas de gordura, chamadas de lipídios, que servem como forma de alimento para as células tumorais. Isso significa que os exercícios dão um suporte extra para que o corpo possa combater o inimigo, reduzindo suas chances de crescimento”, afirma o Dr. Daniel.

Essa melhora nos índices de resposta contra o tumor de mama pode ser obtida a partir de mudanças leves na rotina com a adoção de atividades aeróbicas simples, como caminhada, corrida, bicicleta e dança, por exemplo. Outras formas de movimento do corpo como a yoga também são recomendadas. “A prática de movimentos libera substâncias como a endorfina, hormônio responsável pela sensação de bem-estar, além de contribuir efetivamente para a redução das dores crônicas, fadiga, estresse e melhora no sono”, diz o oncologista do CPO.

Ainda de acordo com ele, tais benefícios oncológicos derivados da prática de exercícios contribuem para a diminuição no risco de recidiva da doença. “Ao colaborar para o controle e redução de peso, a paciente estará também reduzindo as chances de retorno do tumor, já que o sobrepeso e a obesidade são fatores que levam à maior chance de recidiva”, frisa o Dr. Daniel. Outro ponto importante é que a atividade física pode proporcionar a melhora da autoestima da paciente. Contudo, o especialista lembra que a prática não substituí o uso de medicamentos específicos para controle da doença, devendo ser entendido como um aliado.

“Consideramos os exercícios como um complemento dos tratamentos convencionais de quimioterapia, radioterapia, hormonioterapia ou cirurgia de retirada da mama. Dr. Daniel destaca que, embora a atividade física seja importante durante o tratamento de câncer de mama, é essencial que seja praticada respeitando as limitações da paciente. “Se a mulher está sedentária durante anos, não é recomendado que comece com um treino pesado. Todo movimento é benéfico ao corpo e cabe à equipe multidisciplinar envolvida nos cuidados com a paciente orientar sobre as opções adequadas conforme o histórico pessoal”, finaliza o especialista.


 

Câncer de mama atinge pessoas cada vez mais jovens

São cerca de 60 mil novos casos por ano, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca)

O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação de células anormais da mama que formam um tumor. Há vários tipos de câncer de mama. A doença ocorre com mais frequência em mulheres e, raramente, em homens.

Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), a estimativa é de 60 mil novos casos por ano em mulheres cada vez mais jovens. Os principais sintomas do problema são os nódulos endurecidos, secreção, gânglios aumentados na região das axilas, além de alterações na pele e nos mamilos.

Quanto mais cedo o diagnóstico maior a chance de cura. De acordo com o Instituto, quando descoberto no início, há 95% de probabilidade de recuperação total. Segundo o mastologista do Hospital Moriah, de São Paulo (SP), Dr. José Carlos Torres, CRM 71.192, a autopalpação das mamas é de extrema importância, no entanto o ato não pode e nem deve substituir os exames tradicionais como, por exemplo, a mamografia, o ultrassom e a ressonância.

Mamografia em queda

Estudo realizado pela Sociedade Brasileira de Mastologia mostra uma queda acentuada no número de mamografias realizadas pelo SUS em mulheres de 50 e 69 anos, em várias regiões do Brasil. A meta recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é de 70%.

Ranking de cobertura de mamografia (2015)

Reconstrução mamária

Em 2001, entrou em vigor a Lei Federal nº 10. 223 (15/05/2001) que garante a cirurgia plástica gratuita pelo SUS (Sistema Único de Saúde), ou seja, mulheres que realizaram a mastectomia (remoção de mama devido a tumores malignos) têm o direito de realizar a cirurgia plástica sem custos adicionais.

Segundo o cirurgião plástico do hospital, Dr. Alexandre Munhoz, CRM 81.555, há duas frentes principais na cirurgia de reconstrução mamária, a cirurgia conservadora e a cirurgia ampla. “Na cirurgia conservadora usamos as técnicas de quadrantectomia. Já a cirurgia ampla – mastectomia – é quando há necessidade de retirada de toda mama. Em ambas cirurgias são levados em consideração inúmeros aspectos como o tamanho do tumor, tipo, subtipo, localização, etc”, explica.

O câncer é o mal que mais acomete essa glândula — 28% do total de tumores —, sendo o tipo que mais provoca a morte de mulheres no Brasil.


 

Oncologista do Hospital do Câncer Anchieta alerta para prevenção do câncer de mama

A doença é relativamente rara antes dos 35 anos, mas acima dessa idade sua incidência cresce progressivamente

Atualmente, o Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo e diversos espaços públicos recebem uma iluminação rosa durante o mês, como uma forma prática de expandir cada vez mais a campanha de prevenção ao câncer de mama. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o tumor maligno é o mais comum em mulheres e o que mais leva as brasileiras à morte.

Em 2016, a estimativa é que ocorreram 57.910 novos casos de câncer de mama no país, o que corresponde a 28,1% de todos os tumores diagnosticados em mulheres no Brasil. No Distrito Federal, a incidência é de quase 68 casos para cada 100.000 habitantes.

“O câncer de mama se caracteriza quando um grupamento de células da mama começa um processo de divisão de forma desordenada, sem respeitar os limites de outras células, ocasionando o surgimento de nódulos, podendo invadir outros órgãos próximos ou se disseminar pelo sangue”, explica o oncologista Marcos Vinicius França, do Hospital do Câncer Anchieta, de Brasília (DF).

Fatores de risco

De acordo com a Sociedade Brasileira de Mastologia, as alterações nas células podem ser herdadas ou adquiridas. O câncer de mama hereditário corresponde a cerca de 5% a 10% dos casos, ou seja, quando já existem alterações genéticas em parentes de primeiro grau com a doença e estas são passadas para as próximas gerações.

As alterações genéticas, chamadas de mutações, podem ser originadas também por outros fatores, como: exposição a hormônios femininos (terapia de reposição hormona), excesso de peso, sedentarismo, excesso de ingestão de gordura saturada, álcool ou o uso de radioterapia para tratamento de tumores do tórax. Ainda de acordo com informações do INCA, esta doença é relativamente rara antes dos 35 anos, mas acima dessa idade sua incidência cresce rápida e progressivamente, por isso é fundamental que toda mulher inicie o rastreamento para doença, pela realização da mamografia, entre 40 e 50 anos.

Sintomas

O surgimento de nodulações (caroços) nas mamas é o sintoma mais comum. “Além deste, a saída de secreção pelo mamilo, vermelhidão do seio, alterações no formato dos mamilos e das mamas, surgimento de nódulos nas axilas e inversão do mamilo são também sinais de alerta”, enumera o especialista.

Diagnóstico

É importante lembrar que nem todo tumor na mama é maligno e que homens também podem ser acometidos, mas em número muito menor. A maioria dos nódulos detectados é benigna, mas isso só pode ser confirmado por meio de exames médicos.

Segundo o oncologista Marcos Vinicius França, a avaliação médica com exame clínico da mama e da região da axila pode sugerir o diagnóstico. “Os exames de imagem da mama (mamografia, ecografia mamaria, ressonância mamária) podem reforçar a suspeita, mas a biópsia da mama é o exame confirmatório do diagnóstico”.

Tratamento

“Há diversos tratamentos, que podem ser utilizados de forma combinada ou não. As lesões mais precoces são tratadas, inicialmente, por remoção de uma parte ou da mama por inteiro, associado a uma avaliação dos gânglios da axila do mesmo lado onde foi detectada o problema da mama. Nos casos mais avançados, pode haver a necessidade de quimioterapia e radioterapia, além do uso de comprimidos que reduzem o risco do tumor retornar”, conclui.

Infelizmente, os tumores não tratados corretamente se desenvolvem e podem atingir outros órgãos. Com o crescimento da lesão na mama, pode surgir feridas, vermelhidão no seio e aumento dos gânglios da axila, provocando dor e dificuldade de movimentação do braço. Caso a lesão se dissemine para outros órgãos, a doença pode dar sintomas a depender do órgão acometido, como falta de ar, dor no peito, aumento do abdômen, dores ósseas, crises convulsivas, dentre outros.

História do Outubro Rosa

A história do movimento começou em 1990, quando o laço cor-de-rosa foi lançado pela Fundação Susan G. Komen for the Cure e distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York e, desde então, promovida anualmente na cidade.

Em 1997, entidades das cidades de Yuba e Lodi, nos Estados Unidos, começaram efetivamente a realizar ações voltadas a prevenção do câncer de mama, denominando como Outubro Rosa. Todas as atividades eram, e são até hoje, direcionadas a conscientização da prevenção pelo diagnóstico precoce.


 

Mulheres têm a chance de realizar mamografias gratuitas durante o mês de outubro

A GE Healthcare, em parceria com o Sport Club Corinthians Paulista, Lavoisier Laboratório e Imagem, Hospital Santa Marcelina, Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo e a Smart Fit, realizará uma campanha de conscientização e prevenção do câncer de mama ao longo do mês de outubro.

Do dia 16 a 27 de outubro serão realizadas mais de mil mamografias gratuitas no estacionamento da Arena Corinthians pelo Programa Mulheres de Peito, mantido pela Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo. Com uma carreta equipada com um mamógrafo da GE Healthcare, as mulheres inscritas e sorteadas para a iniciativa realizarão o exame e, em caso de necessidade, serão encaminhadas para consulta no Hospital Santa Marcelina. Para as interessadas que não forem sorteadas nesse primeiro momento, haverá um outro sorteio para realização das mamografias de forma gratuita no laboratório Lavoisier.

As inscrições terão início no dia 02 de outubro e ficarão abertas até o dia 15 de outubro no site www.outubrorosasccp.com.br.

Para fechar o mês da campanha, será realizada a II Caminhada pela Conscientização do diagnóstico precoce do Câncer de Mama, no dia 29 de outubro. Na ocasião, os participantes irão do Hospital Santa Marcelina em direção à Arena Corinthians, onde farão aulas com os professores da Smart Fit e aferição de pressão e testes de glicemia gratuitos com o Lavoisier.


 

Neste Outubro Rosa, ação educativa da Pfizer e do Oncoguia mobiliza metrô e 800 táxis de São Paulo

Se o paulistano gasta grande parte do seu dia no trânsito, que tal aproveitar esse período para aprender mais sobre o câncer de mama, o tipo de tumor mais comum entre as mulheres do Brasil? Com esse propósito, neste Outubro Rosa, centenas de táxis de São Paulo vão ajudar a espalhar informações de qualidade sobre a doença por meio de um quiz dinâmico, composto por 10 questões, que os passageiros poderão acessar em telas touch.

Para chamar ainda mais a atenção da população para o câncer de mama, o projeto contará com a adesão voluntária de celebridades-surpresa, que participarão da iniciativa como motoristas ou passageiras. Atletas, cantoras e atrizes estão entre as personalidades que aderiram à causa voluntariamente. Assim, durante o mês todo, o paulistano que utilizar um dos carros da campanha terá a chance de encontrar alguma motorista famosa ao volante.

Desenvolvida pelo Instituto Oncoguia e pela Pfizer, a iniciativa faz parte da campanha SAÚDE SEM MISTÉRIO – 10 MITOS SOBRE O CÂNCER DE MAMA. Além de mobilizar mais de 800 taxistas de São Paulo, o projeto vai promover ações educativas nas plataformas de transporte público de várias cidades. Em São Paulo, a ação se concentrará nas estações de metrô. Nesses locais, uma promotora vai caminhar com uma tela touch acoplada ao seu corpo, convidando a população a fazer o quiz e a saber mais sobre a doença.

O dispositivo vai circular pela Estação Sé no dia 3 de outubro, das 10h às 16h, e estará na Estação Paraíso no dia seguinte, no mesmo horário. Todos os participantes da campanha, tanto nos táxis como nos terminais, receberão um folheto educativo com explicações sobre os 10 principais mitos associados à doença. Para aqueles que conhecem alguém vivendo com câncer de mama também será distribuído um guia prático para auxiliar a paciente durante o tratamento e nas consultas médicas.

A ação educativa SAÚDE SEM MISTÉRIO – 10 MITOS SOBRE O CÂNCER DE MAMA faz parte da campanha global Cada Minuto Conta, uma iniciativa desenvolvida pela Pfizer em parceria com a União Latino-americana Contra o Câncer da Mulher (Ulaccam), com o objetivo de aumentar o conhecimento público sobre o câncer de mama, com foco especial nas pacientes com a doença metastática, para esclarecer mitos e expandir as discussões sobre o tema com toda a sociedade.


 

Grupo Oncoclínicas e Sociedade Brasileira de Mastologia fazem Campanha sobre Outubro Rosa

Movimento pela Vida promove ações de orientação sobre o câncer de mama e sobre o direito das mulheres

Neste Outubro Rosa, o Grupo Oncoclínicas e a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) lançam em todo o Brasil a campanha Movimento pela Vida. A iniciativa tem o objetivo de estimular mulheres de todas as idades, com ou sem câncer de mama, a promoverem uma mudança geral de atitudes pessoais, a partir da promoção de hábitos de vida saudáveis e realização de exames preventivos periódicos, assim como levar ao conhecimento público os direitos  das pacientes diagnosticadas com câncer.

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o tumor de mama representa a neoplasia maligna que mais atinge o sexo feminino, correspondendo a 28% do total de todos os diagnósticos de câncer entre este grupo anualmente – um universo que representará cerca 60 mil novos casos em 2017. Considerando as faixas etárias pré e pós menopausa, pesquisadores da SBM apontam que o risco de ter câncer de mama aumenta consideravelmente em mulheres com excesso de gordura corporal, especialmente aquelas que apresentam medidas aumentadas da circunferência abdominal.

Mas essa realidade pode mudar com mudanças simples, como adoção de alimentação equilibrada e realização de exercícios físicos regularmente. “A vida pede uma atitude e queremos incentivar as mulheres a aproveitar o movimento do Outubro Rosa para promoverem alterações positivas à sua rotina, como praticar atividades, ingerir alimentos saudáveis e realizar os exames preventivos. Essas medidas são essenciais não só como forma de reduzir os riscos de incidência do câncer de mama, mas também de outras condições crônicas como hipertensão e diabetes”, explica Dr. Raphael Brandão, Coordenador Científico do Grupo Oncoclínicas.

Segundo Antonio Luiz Frasson, presidente da SBM, para frear os avanços destes números é também essencial apoiar a população na luta pelos seus direitos, como  maior acesso à mamografia e diminuição do tempo entre o diagnóstico e o início do tratamento. “Devemos lembrar que o Brasil conta com uma legislação específica que prevê que todo paciente com câncer inicie o tratamento no prazo de 60 dias após o diagnóstico – a chamada Lei dos 60 dias. Para promover uma mudança efetiva é preciso conscientizar  as mulheres sobre a importância da prevenção, assim como incentivar médicos e pacientes a se unirem na exigência  por maior acesso aos exames preventivos, caso da mamografia, e no tratamento da doença”, diz.

#Movimento pela Vida

Entre as iniciativas promovidas pela campanha do Grupo Oncoclínicas e da SBM está o lançamento da landing page www.movimentopelavida.com.br, que oferece uma série de informações sobre cuidados com a saúde, estimulo à prática de exercícios físicos, incentivo à rotina regular de mamografia e outros exames preventivos, sintomas que podem estar relacionados ao câncer de mama e demais informações sobre a doença. Essas medidas são essenciais para reduzir os riscos e incentivar a detecção precoce de tumores malignos.

A plataforma digital traz, adicionalmente, uma compilação de todos os direitos legais do paciente, incluindo isenções fiscais, liberação para saque do FGTS e acesso ao tratamento. “O primeiro e principal passo para vencermos o câncer de mama é o conhecimento. Temos que maximizar a exposição das informações para que cada vez mais mulheres e população em geral tenham o poder de combater essa doença. Por isso, através das ações de mobilização em mídias sociais e ativações nas ruas de diferentes cidades do Brasil proporcionadas pela campanha, queremos gerar um real movimento em prol da vida, para muito além do Outubro Rosa”, pontua Brandão.

Para saber mais, acesse o www.movimentopelavida.com.br.

Realidade das mulheres brasileiras*

Levantamento feito em ações comunitárias pela Sociedade Brasileira de Mastologia no Rio de Janeiro revelou que quase 50% das mulheres (foram entrevistadas mais de 2100) que conhecem a Mastologia nunca realizaram a mamografia.

Infelizmente, apenas 10% das mulheres Mastectomizadas conseguem a reconstrução da mama.

Ao invés de iniciar o tratamento no prazo máximo de 60 dias, boa parcela das pacientes diagnosticadas têm aguardado mais de 6 meses para iniciar o tratamento.

Legalmente amparadas*

Conheça as principais Leis em vigor e garantias da mulher para diagnóstico e tratamento do câncer de mama:

  1. Acesso à Mamografia a partir dos 40 anos – a Lei 11.664/08 garantia a toda mulher a partir dos 40 anos a realização anual do exame. No entanto, uma portaria, através do Ministério da Saúde, modificou a idade do acesso à mamografia de 40 para 50 anos em diante, além de limitar o exame para a mamografia unilateral, ou seja, somente em uma das mamas. Essa portaria alterou a lei de 2009 que dava direito a todas as mulheres e causou um mal estar generalizado. Diante disso, através de um projeto de Decreto de Lei, já aprovado em março de 2015, as entidades do setor, inclusive a SBM, conseguiram o apoio de deputados para voltar ao termo original da lei. O projeto, que agora está no Senado, ao ser sancionado, torna o acesso ao exame possível de novo a partir dos 40 anos de idade.
  2. Lei dos 60 dias – Sancionada há três anos, a lei nº 12.732/12 é ampla e contempla todo o paciente diagnosticado com câncer. No caso do câncer de mama, assim como os outros, a lei prevê que todo paciente diagnosticado com a doença inicie o tratamento no prazo máximo de 60 dias após o diagnóstico. Essa medida é determinante para a saúde do paciente. No caso do câncer de mama, se diagnosticado precocemente e com o início do tratamento em tempo adequado, as chances de cura podem chegar a 95%.
  3. Reconstrução Imediata – A Lei 12.802, sancionada em 2013, garante as mulheres que se submetem à mastectomia (retirada de uma ou das duas mamas) o direito de ter suas mamas reconstruídas no mesmo ato cirúrgico. A exceção são aquelas cujo o quadro clínico não oferece condições para isso, ou seja, caso o estado da paciente ofereça riscos à sua saúde, a reconstrução não será feita imediatamente. Caso contrário, a reconstrução mamária imediata é um direito de cada mulher e precisa ser respeitada.

Clique aqui e baixe a cartilha explicativa com informações gerais sobre o câncer de mama e os direitos da mulher.

*Informações extraídas do guia Saiba Tudo Sobre Câncer de Mama, elaborado pela Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM)


 

Efeitos colaterais no tratamento de câncer devem ser cuidados, alertam médicos

Pacientes não precisam aceitar e conviver mais com danos como queda de cabelo e feridas na pele

Durante um tratamento oncológico, pacientes passam por uma série de mudanças como resultado dos efeitos colaterais provocados pelo uso consistente de fortes medicações. Cada método terapêutico tem um tipo de efeito, que pode se manifestar de diversas maneiras. O mais conhecido dos danos é a perda de cabelos, também denominada alopecia.

Em muitas situações, pacientes são obrigados a ter seu tratamento suspenso até que alguns danos sejam revertidos. É o caso do aparecimento de feridas na pele, especialmente nas regiões das mãos e pés ou nas áreas em que os pacientes recebem a radioterapia. Estudos internacionais mostram que a interrupção de uma radioterapia, por exemplo, por mais de dois dias, pode prejudicar o plano de tratamento e estimular o crescimento das células cancerígenas no organismo.

A boa notícia é que a maioria das reações, tão temidas pelos pacientes, já pode ser tratada e em muitos casos, prevenidas. “Para todos os efeitos colaterais, existe alguma medida paliativa, mais ou menos efetiva, dependendo da situação”, explica o Dr. Marcos Santos, chefe do serviço de Oncologia do Hospital Universitário de Brasília (DF). Ele reforça a importância do relato do paciente para que a solução mais adequada seja encontrada rapidamente. “A conversa com o médico é fundamental para que o paciente supere essa difícil fase da sua vida, se sinta acolhido e tenha informação a respeito do que é esperado e do que não é esperado”, completa. Com a orientação correta, os métodos terapêuticos deixam de lado o rótulo de vilões e passam a protagonizar a história como aliados dos pacientes na luta contra a doença.

A perda de cabelo tem sido apontada como o pior efeito negativo pela maioria dos pacientes oncológicos. É o que conta Maria Paula Bandeira, 31 anos, advogada e influenciadora digital – dona do perfil do Instagram Lenço do Dia (@lencododia), com mais de 18 mil seguidores – que faz tratamento permanente contra um câncer de mama metastático “Perder os cabelos foi o pior para mim. Todos os outros efeitos, como a fadiga e o enjoo, passam em alguns dias, mas a ‘carequice’ é aquilo que nos lembra o tempo inteiro que enfrentamos um tratamento difícil de uma doença ainda tão estigmatizada”, revela.

Hoje já existem algumas formas de contornar a queda de cabelo que vão além do uso de perucas. Alguns pacientes têm usado a touca gelada – ou hipotérmica – um dispositivo capaz de resfriar o couro cabeludo durante a infusão do medicamento. A queda na temperatura ocasionada pelo aparelho diminui a concentração dos fármacos nas raízes, o que chega a prevenir a queda em parte dos casos. Mas não é só a “carequice” que gera bastante incômodo aos pacientes.

No caso dos enjoos e vômitos, houve um avanço muito grande no desenvolvimento de drogas eficazes para tratar os sintomas. O acompanhamento de um nutricionista também contribui para o tratamento das reações adversas por meio de uma dieta mais adequada.

O medo da esterilidade pode ficar igualmente mais distante para quem está se tratando contra o câncer. Embora os tratamentos aumentem o risco de deixar o paciente infértil, atualmente há uma série de técnicas que preservam a fertilidade, como o congelamento de esperma, óvulos ou embriões.

Já com as sérias feridas na pele, que chegam a atingir cerca de 60% dos pacientes em quimioterapia e até 95% em radioterapia, não é diferente. Para isso, há uma linha de produtos, desenvolvidas pela startup brasileira Wecare Skin, que são poderosos contra os problemas de pele. A linha é composta por quatro itens, que promovem uma melhoria geral na qualidade de vida dos pacientes, são livres de corantes, parabenos ou outros componentes potencialmente causadores de câncer e também não têm fragrância, já que quem passa por tratamento fica mais sensível a odores.

De acordo com o Dr. Ricardo Caponero, coordenador do Centro Avançado de Terapia de Suporte e Medicina Integrativa do Centro de Oncologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, os novos tratamentos contra o câncer permitem um maior controle da doença e, eventualmente, até a cura, em alguns casos. “Se um paciente (ou família) deseja obter a maior sobrevida possível, deve buscar pelo controle de sintomas ou cuidados paliativos desde o início do tratamento”, diz ele, que reforça que “os cuidados de suporte fazem exatamente isso, dão suporte para que a terapia antineoplásica possa ser realizada em sua plenitude e máxima eficiência”. Ele ainda nos deixa uma pergunta como reflexão: “Como poderíamos fazer a quimioterapia sem os mais potentes medicamentos contra enjoo”? Essa questão confirma a importância de manter a equipe médica informada sobre qualquer efeito observado durante o tratamento e nos incentiva a lançar de mão de todos os recursos disponíveis para melhoria da qualidade de vida do paciente.


 

Mostra fotográfica ‘Heroínas’ marca Outubro Rosa no Uberlândia Shopping

Nove mulheres que lutam contra o câncer de mama participaram do ensaio do fotográfico de Mauro Marques, com o apoio de outros profissionais

Outubro é o mês de conscientização sobre o câncer de mama, doença que corresponde a 28% dos casos de câncer diagnosticados em mulheres por ano. O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença. Para alertar a população sobre a importância de fazer os exames preventivos de mama e de tratar corretamente caso o diagnóstico tenha sido positivo, o Uberlândia Shopping recebe de 2 a 12 de outubro a mostra fotográfica ‘Heroínas’.

Em dezenas de cliques, o fotógrafo Mauro Marques fez os melhores registros com o intuito de levar arte, mas ao mesmo tempo de mostrar que a beleza está no enfrentamento da doença e na superação diária. “As mulheres fotografadas revelam garra e perseverança. São pessoas que não perderam a beleza e nem desistem da vida. Vestidas com fantasias de super-heróis, simbolizam a essência desse enfrentamento”.

Ao longo dos registros, Mauro Marques ouviu histórias e percebeu o quanto a família tem um papel importante ao longo do tratamento. “A família é o alicerce para que cada uma persista no tratamento, já que o incomodo causado pelas intervenções é desafiador. O importante para essas mulheres é que não desistiram na primeira dificuldade e nem no meio do tratamento e com a ajuda dos pais, esposo e filhos estão no caminho da cura”.


 

Atividade física reduz risco de desenvolver câncer de mama

Grupo Luta Pela Vida e o Hospital do Câncer em Uberlândia abrem programação do Outubro Rosa com o Mova-se contra o Câncer 2017

O Outubro Rosa ganhou força no mundo todo pela causa. Neste mês, a cor rosa que aparece em muitos estabelecimentos visa trazer uma mensagem maior: a de alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. O Grupo Luta Pela Vida, a ONG do Hospital do Câncer em Uberlândia (MG), em frequente luta contra a doença abre a sua programação do Outubro Rosa com o “Mova-se contra o Câncer 2017”.

O evento será realizado no dia 7 de outubro, às 8h, no Parque do Sabiá (entrada pela Av. Anselmo Alves dos Santos) e visa alertar a população sobre a importância da conscientização e prevenção do câncer de mama, ressaltando que manter uma vida saudável, com exercícios físicos, boa alimentação, e seguindo as dicas de prevenção é possível reduzir o risco de desenvolver a doença.

O Mova-se vai proporcionar ao público a oportunidade de praticar diversas modalidades esportivas, a fim de que cada um possa encontrar seu esporte predileto para incluir a atividade física como rotina em seu cotidiano. Além de prevenir várias doenças, o exercício físico é um grande aliado na redução do risco de câncer de mama. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima-se que por meio da alimentação e atividade física é possível reduzir em até 28% as chances da mulher desenvolver câncer de mama. “O exercício físico é imprescindível para uma boa saúde. Todos devem adquirir este hábito de atividade física, pois ajuda na prevenção de várias doenças, entre elas, o câncer, explica o oncologista do Hospital do Câncer, Rogério Araújo.

Ainda segundo o INCA, só no Brasil, estima-se cerca de 58 mil novos casos de câncer de mama de 2016 a 2017. “Esse número é preocupante. Podemos evitar muitos casos com uma vida saudável e com a prática de atividades físicas ou, ainda, com diagnóstico precoce. Então, nosso objetivo é reunir as pessoas para que possamos mostrar a importância de se prevenir contra o câncer”, ressalta o presidente do Grupo Luta Pela Vida, Renato Pereira.

Diante de todos os benefícios que a prática de atividade física traz, o Mova-se torna-se um importante evento de prevenção do câncer e valorização da saúde para a população. Durante a manhã, diversas atividades serão oferecidas como caminhada, pilates, dança, yoga, tai chi chuan, dança de salão, zumba e circuito. Além dos exercícios, o público também receberá dicas de prevenção do câncer de mama. Os pesquisadores do Núcleo de Prevenção e Pesquisa de Câncer (NUPPEC) do Hospital estarão na tenda do Grupo Luta Pela Vida tirando dúvidas e dando orientações sobre as formas de prevenção da doença.

Conheça a seguir um pouco de cada uma das atividades físicas que vão estar no Mova-se Contra o Câncer:

Zumba

A Zumba é tida hoje como uma maneira divertida de perder peso. Isso porque trata-se de uma atividade aeróbica que utiliza ritmos de dança latina que incluem a salsa, merengue, mambo, reggaeton e brasilidades como o samba, axé e funk. A modalidade alia os movimentos de alta queima calórica com músicas agitadas, assim, emagrecer se torna divertido. Durante o Mova-se, o público experimentará a Zumba com a instrutora Lílian Kênia.

Pilates

A modalidade atrai pessoas que não gostam muito de academias e buscam atividades mais tranquilas, suaves e que tenham maior ligação entre a mente e o corpo. O Pilates é tido como uma das melhores práticas para a pessoa que quer aperfeiçoar e condicionar os músculos do corpo, prevenir contra doenças cardiovasculares, eliminar o estresse ocasionado pelo dia a dia, emagrecer, corrigir a postura, estimular a coordenação motora e amenizar dores. As áreas trabalhadas no Pilates — respiração, postura, musculatura, equilíbrio, entre outras —, quando combinadas com os objetivos específicos do tratamento de diversas doenças mentais, torna o método importantíssimo na prevenção e alívio dessas doenças. No Mova-se o Espaço Rama será responsável por orientar o público a experimentar o Pilates.

Circuito

Para aqueles que não gostam da rotina e a repetição dos tracionais exercícios da academia, uma boa alternativa é a prática o circuito. Essa atividade consegue combinar movimentos feitos no dia a dia, mas associados a outros para gerar resistência, coordenação motora, forma e equilíbrio. No circuito os músculos são trabalhados ao mesmo tempo, tornando a modalidade um treinamento global do corpo. Para experimentar todos os benefícios desse exercício no Mova-se, o público terá as orientações do instrutor Xandão Andrade.

Yoga

Uma conexão entre corpo e mente. Essa pode ser uma boa definição para a prática da Yoga, que é de origem Indiana e conta com mais de 5 mil anos de história. Com diversas variações de movimentos e objetivos, a Yoga busca harmonizar o corpo, mente e a respiração, por meio de técnicas de respiração, postura típicas da Yoga e também da meditação. Quem optar por experimentar os benefícios da Yoga no Mova-se, contará com as orientações do professor Zelo Piva.

Dança

Um dos exercícios mais democráticos e praticados é a dança, que traz benefícios para além dos níveis somente físicos. Ela combate a depressão e a timidez, aumenta o convívio social, ajuda a relaxar, além de melhorar a coordenação motora, fortalecer a musculatura e proteger as articulações. Para que o público possa curtir os benefícios da dança, a Escola de Dança Leandro Teodoro estará presente no Mova-se contra o Câncer.

Tai Chi Chuan

O Tai Chi Chuan é uma arte marcial de origem chinesa, que combina exercícios corporais milenares, que envolvem preceitos da medicina tradicional chinesa. Os movimentos do Tai Chi Chuan são suaves, cíclicos, fluídos, que requerem atenção mental. O Tai Chi Chuan traz benefícios como aumento da energia e disposição, fortalecimento do sistema nervoso, desenvolvimento do potencial mental e espiritual dos praticantes, além de auxiliar e prevenir o estresse e a sobrecarga mental.


 

Os benefícios do equilíbrio emocional no sucesso do tratamento do câncer

Outubro Rosa marca mês de conscientização e combate ao câncer de mama

Outubro Rosa é uma campanha de conscientização que tem como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. Os avanços da medicina são muitos em relação à novos tratamentos e chegam a estimativas de cura em mais de 90% dos casos. Porém, será que somente os remédios e quimioterapias são suficientes para o sucesso do tratamento e posterior cura da doença? Especialistas garantem que não!

O aspecto psicológico tem grande parcela de participação após a descoberta do diagnóstico. “A gênese de inúmeras doenças físicas, reside nos fatores emocionais, psicológicos, na herança genética e no estilo de vida. Como profissional da área da saúde mental, sei perfeitamente que receber um diagnóstico de câncer desestabiliza, fragiliza e até causa depressão em algumas pessoas”, explica a psicóloga Marilene Kehdi. Ela ainda ressalta que é muito importante ter consciência do quanto manter o equilíbrio emocional, alimentar pensamentos positivos e ser otimista é essencial para ajudar no sucesso do tratamento médico.

A especialista explica que para encontrar e manter esse equilíbrio emocional o paciente deve avaliar seus pensamentos dominantes (persistentes), e os tipos de emoções que surgem com eles, identificando assim o que tira suas forças e a sua paz interior e ir modificando-os. “É essencial que o paciente concentre seus pensamentos e comportamentos naquilo que está realmente interessado que lhe aconteça, fazendo disso um exercício diário. Tudo o que dificultar a eficácia do tratamento tem que ser erradicado, incluindo medos, hábitos errados e estilo de vida”, completa a psicóloga.

Marilene Kehdi, especialista em doenças psicossomáticas e atendimento clínico, com aprimoramento em psicologia hospitalar, destaca que o medo é uma emoção paralisante e por isso deve ser enfrentado. E deixa uma “Psicodica” para os que estão passando por esse momento. “Se você sabe que dentro de si existem conflitos que há muito tempo estão tirando seu equilíbrio, seu sono e sua saúde, faça psicoterapia, procure resolve-los, elabora-los e criar um novo significado. Entenda que a psicoterapia faz parte do processo e do sucesso do tratamento. Durante todo o tratamento manter um bom estado de ânimo e uma atitude otimista faz toda a diferença a seu favor e isso é comprovado”, finaliza a especialista.


 

Hospital Erasto Gaertner lança a campanha Outubro Rosa

O Hospital Erasto Gaertner (HEG), de Curitiba (PR), lançou oficialmente em 2 de outubro, a campanha Outubro Rosa, de prevenção ao câncer de mama e do colo do útero. Durante todo o mês de outubro, o hospital, que é referência no combate ao câncer no sul do Brasil, terá uma programação extensa, com eventos que envolverão a população de diversas formas para conscientizar sobre a importância dos cuidados com a saúde da mulher.

Dia de beleza, oficina de amarração de lenços, panfletagem, eventos educativos, iluminação da fachada do hospital com a cor rosa e produção de materiais informativos são algumas das ações que a instituição realiza no Outubro Rosa.

Um dos eventos mais esperados da campanha é o Outubro Rosa Curitiba, promovido pela concessionária The One Harley Davidson, em prol do Hospital Erasto Gaertner. Mais de mil motociclistas de diversas partes do Brasil e de países vizinhos se reunirão na capital paranaense, de 12 a 15 de outubro, com o objetivo de arrecadar R$1 milhão para o HEG.

No roteiro do encontro estão passeios pelos principais pontos turísticos de Curitiba, visita ao Hospital Erasto Gaertner, almoço em Santa Felicidade além de uma grande festa e um show exclusivo do Skank para os participantes, na Ópera de Arame. No último dia, para encerrar em grande estilo, um passeio motociclístico em prol da causa com concentração em frente ao Palácio do Governo até o Autódromo Internacional de Curitiba, em Pinhais.

A campanha Outubro Rosa do Hospital Erasto Gaerter contará também, ao final do mês de outubro, com um mutirão de cirurgias de reconstrução mamária. Entre os dias 23 e 27, a equipe do Serviço de Plástica do HEG fará o procedimento em 20 pacientes submetidas à mastectomia – cirurgia de remoção completa da mama.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), mais de 40 mil mulheres recebem, anualmente, o diagnóstico de câncer de mama no Brasil.  A prevenção ainda é a melhor aliada no combate à doença, por isso, médicos do Hospital Erasto Gaertner estarão também orientando a população em reportagens, vídeos e diversos outros materiais de divulgação nos principais veículos locais e nacionais de comunicação.


 

Ação educativa sobre câncer de mama movimenta cinco capitais do país em outubro

Estações de metrô, terminais de trem e centenas de táxis vão levar mais informação sobre a doença para a população

Ingerir bebida alcoólica aumenta o risco de câncer de mama? Se o diagnóstico é precoce, a doença não progride para outras partes do corpo? Essas e outras dúvidas ainda são comuns no país, mesmo com o avanço das discussões sobre o câncer de mama nos últimos anos. Por isso, pelo segundo ano consecutivo, o Instituto Oncoguia e a Pfizer estabeleceram uma parceria para levar informação de qualidade à população durante o Outubro Rosa, movimento internacional de conscientização sobre a enfermidade.

Batizada de SAÚDE SEM MISTÉRIO – 10 MITOS SOBRE O CÂNCER DE MAMA, a iniciativa vai mobilizar estações de metrô, terminais de trens e outros locais movimentados de cinco capitais brasileiras:  São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e Porto Alegre. Além disso, na capital paulistana, mais de 800 táxis vão participar da iniciativa, que também vai contar com a adesão voluntária de celebridades-surpresa, como motoristas ou passageiras. Assim, durante todo o mês de outubro, o paulistano que utilizar os carros da campanha terá a chance de encontrar alguma personalidade ao volante.

A ideia é que os passageiros, tanto nas plataformas de transporte público quanto nos táxis, possam testar seus conhecimentos sobre a doença por meio de um quiz interativo composto por dez questões relacionadas ao câncer de mama. Nos carros, esse teste estará disponível em uma tela touch screen instalada na face posterior do banco dianteiro, de frente para o passageiro.

Nas plataformas de transporte público, o quiz estará em uma tela touch screen acoplada a uma promotora, ou touchwoman, que vai caminhar pelos locais e interagir com o público, convidando a população a saber mais sobre o câncer de mama. Todos os participantes da inciativa, tanto nos carros como nos terminais, receberão um folheto educativo com explicações sobre os 10 principais mitos associados à doença.

Percurso

São Paulo será a primeira capital do país a receber o touchwoman. O dispositivo vai circular pela Estação Sé no dia 3 de outubro, das 10h às 16h, e estará na Estação Paraíso no dia seguinte, no mesmo horário. Na segunda semana do mês, a iniciativa desembarcará no metrô de Belo Horizonte (Minas Gerais), para ações nos dias 9 e 10, também das 10h às 16h, nas estações Central e Vilarinho, respectivamente. Ao longo das outras semanas de outubro a campanha se estenderá para os trens da capital do Rio de Janeiro e para os terminais em Brasília, no Distrito Federal. Também estão previstas iniciativas em locais com grande fluxo de pessoas em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

Resultados

Os metrôs de São Paulo receberam o quiz móvel sobre câncer de mama promovido pela parceria entre Pfizer e Oncoguia já em 2016, pela primeira vez, também durante o Outubro Rosa. Na ocasião, 270 entrevistados responderam às questões e os resultados desses testes reforçaram a necessidade de continuar a levar mais informações sobre a doença para a população.  Apenas 4% das paulistanas que participaram do quiz no ano passado reconheceram, por exemplo, que a mamografia é um dos principais exames para identificar precocemente o câncer de mama.

Campanha global

A ação educativa SAÚDE SEM MISTÉRIO – 10 MITOS SOBRE O CÂNCER DE MAMA faz parte da campanha global Cada Minuto Conta, uma iniciativa desenvolvida pela Pfizer em parceria com a União Latino-americana Contra o Câncer da Mulher (Ulaccam), com o objetivo de aumentar o conhecimento público sobre a doença, esclarecer mitos e expandir as discussões sobre o tema com toda a sociedade.

“Durante o Outubro Rosa todas as atenções se voltam para o câncer de mama, momento ideal para aprofundar as discussões a respeito da doença no Brasil. É preciso iniciar uma nova fase no movimento contra o câncer de mama, fomentando um espaço em que todas as pessoas que vivem com a doença, seja na fase inicial ou na metastática, possam ser igualmente acolhidas”, afirma o diretor médico da Pfizer, Eurico Correia.

O diagnóstico precoce é importante para reduzir o risco de metástase em mulheres com câncer de mama, mas até 30% das pacientes evoluem com progressão da doença e aparecimento de metástases mesmo que a enfermidade seja detectada precocemente. “Se no passado as perspectivas eram limitadas para essa paciente, hoje já existem medicamentos que podem controlar a doença por vários anos, mesmo quando ela é diagnosticada em um estágio avançado. Os eventos adversos também são mais brandos, preservando a qualidade de vida da paciente”, completa Correia.

A doença

O câncer de mama é o tipo de tumor mais comum entre as mulheres, tanto no Brasil como no mundo, respondendo por 22% dos novos casos de câncer no país a cada ano, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA). Em países em desenvolvimento como o Brasil, um maior número de pacientes recebe o diagnóstico da doença em uma fase já avançada. Os dados mais atualizados do INCA sobre esse problema são de 2013, quando 14.388 pessoas morreram no país por causa da doença. Na América Latina, a cada ano, são diagnosticados 150 mil novos casos de câncer de mama metastático, dos quais mais de 40 mil evoluem para o óbito.


 

Pacientes com câncer de mama ganham manual e guia de consultas personalizado

Publicado pela Pfizer em parceria com a União Latino-Americana de Combate ao Câncer da Mulher, o material é destinado às pacientes com a doença em estágio avançado 

Neste Outubro Rosa, além de promover ações de conscientização sobre o câncer de mama em parceria com o Instituto Oncoguia, a Pfizer participa do lançamento de três publicações especialmente voltadas para as mulheres que convivem com a doença em estágio avançado: o guia Meu médico e Eu, o folheto Tópicos da conversa com meu médico e o manual Eu e o Câncer de Mama Metastático. O desenvolvimento do kit foi realizado juntamente com a União Latino-Americana de Combate ao Câncer da Mulher (Ulaccam), com a participação de mais de vinte grupos de pacientes de nove países latino-americanos, entre eles o Brasil.

A ideia de elaborar materiais direcionados às pacientes com câncer de mama metastático (CMM) surgiu a partir dos resultados do Informe Global sobre Câncer de Mama Metastático – Relatório de uma década/2005-2015, o primeiro trabalho mundial com foco nos cuidados para as pacientes com a doença em estágio avançado, realizado com uma amostra de 34 países. O documento, divulgado em 2016 e elaborado pela Pfizer em parceria com a Escola Europeia de Oncologia, confirmou que a doença metastática é percebida de forma equivocada, na comparação com o tumor em estágio inicial, indicando que essas pacientes se sentem isoladas dentro da própria comunidade oncológica.

“A Pfizer está empenhada em continuar a trabalhar e impulsionar iniciativas que tenham um impacto positivo na qualidade de vida de pacientes com câncer de mama metastático. Neste trabalho, contamos com a colaboração de oncologistas e grupos de pacientes, por isso estamos orgulhosos de fazer parte desse projeto”, afirma o diretor médico de Oncologia da Pfizer para a América Latina, Luis Alberto Suarez.

O kit tem o intuito de esclarecer as principais dúvidas e preocupações das pacientes que convivem com o CMM, oferecendo sugestões que possam enriquecer as consultas com seus médicos. Essas mulheres poderão receber o material por meio das associações de pacientes. No Brasil, contribuíram para a elaboração do kit o Instituto Oncoguia, a Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale) e Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama).

Além de oferecer apoio às pacientes com CMM, o novo material também pode funcionar como uma importante ferramenta para disseminar informações sobre a doença para o público em geral, promovendo o diálogo sobre esse tipo de tumor com toda a sociedade. Por isso, o kit também será distribuído ao longo das ações de conscientização promovidas pela Pfizer e pelo Instituto Oncoguia nas plataformas de transporte público de cinco capitais brasileiras, durante todo o mês de outubro.

As três peças que compõem o kit são complementares. O guia “Meu médico e eu”, por exemplo, ajuda as pacientes a se prepararem para suas consultas, trazendo uma lista de mais de 45 perguntas que devem ser discutidas com os médicos. O folheto “Conversando com o meu médico”, por sua vez, oferece dicas para melhorar a comunicação com o profissional de saúde. Já o manual “EU e o Câncer de Mama Metastático”, com 48 páginas, aborda seis temas principais relacionados à doença, como forma de oferecer uma visão holística a respeito da enfermidade, contemplando aspectos que vão além da saúde: emoções, trabalho e relacionamentos, por exemplo.

Iniciativa global

O kit, apresentado pela primeira vez neste ano, durante o Encontro Latino-Americano de Pacientes com Câncer de Metastático, em São Paulo, passou pela revisão e aprovação de 20 grupos de pacientes de nove países latino-americanos: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Guatemala, México e Peru. A publicação desses materiais também faz parte da campanha global Cada Minuto Conta, uma iniciativa firmada entre a Pfizer e a Ulaccam que tem o objetivo de aumentar o conhecimento sobre o câncer de mama metastático e esclarecer os mitos a respeito da doença.


 

Fundação Laço Rosa ilumina Cristo Redentor e comemora sucesso da caravana Força na Peruca, que desembarca no Rio de Janeiro

Também chega ao Rio o caminhão itinerante do programa Força na Peruca, impulsionado pela campanha nacional #fortalizese, que vai permanecer em território carioca por todo o mês

Acolher quem tem câncer de mama e aqueles que vivem ao redor da doença sempre marcou o trabalho da Fundação Laço Rosa, que não apenas dissemina informação de qualidade, mas também resgata a autoestima de pacientes, defende seus direitos e hoje contribui fortemente para influenciar as políticas públicas no Brasil. Em outubro, esse engajamento fica ainda mais evidente, afinal de contas, sendo uma das mais atuantes no abraço à causa, é momento de se juntar ao movimento Outubro Rosa para destacar a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama. Desta forma, 03 de outubro foi a data escolhida pela Laço Rosa para, mais uma vez, a partir das 18h, iluminar de rosa o Cristo Redentor e abrir o calendário deste mês de alerta com apoio da Arquidiocese, Trem do Corcovado e Paineiras.

“Ano a ano promovemos esse encontro de celebração da vida, onde reunimos pessoas que têm um mesmo propósito numa cerimônia de fé, que independe de religião, e que enaltece os esforços movidos todos os dias do ano”, destaca Marcelle Medeiros presidente voluntária da Fundação Laço Rosa, contando que, além das muitas pacientes em tratamento que estarão no monumento, a atriz Camila Pitanga e a top model Fernanda Motta serão as madrinhas deste ano. Outra novidade fica por conta da bailarina Andrea Raw que preparou uma coreografia especial para o evento e será embalada pela Orquestra Maré do Amanhã, um projeto que ensina música clássica a crianças e adolescentes de comunidades em risco social, e que promete uma apresentação emocionante aos pés do Cristo.

A festa continua no Sofitel Ipanema, a partir das 20h30, onde personalidades e famosos se reúnem no Coquetel Outubro Rosa, festa que já faz parte do calendário da cidade e cuja renda da venda dos convites, que custam R$ 250,00 (duzentos e cinquenta reais), é revertida, integralmente, às ações da Laço Rosa. O coquetel deste ano tem o tema “Arte da Vida”, com projeto de decoração assinado por Patrícia Vaks, iluminação da Two Lights, cerimonial de Nicole Ofeiche Eventos e lista de convidados do RP Vinícius Belo. Uma das atrações confirmadas é o DJ Zeh Pretim. Convites podem ser adquiridos pelos telefones (21) 2549-3857 ou 99976-1800.

Este ano, o programa Força na Peruca, impulsionado pela campanha nacional #fortalizese (www.fortalizese.com.br), também é motivo de comemorações. O caminhão escola itinerante da Laço Rosa, que vai capacitar até o final do ano 100 novos peruqueiros pelo Brasil, chega ao Parque Madureira na tarde do dia 06 de outubro, depois de passar por Curitiba, Goiânia e Salvador. Serão dois dias de coleta de cabelos no local, das 13h às 16h, e, na sequência, o veículo segue para o BarraShopping onde permanece de 10 a 28 de outubro, das 8 às 18h, no estacionamento e depois segue para Niterói (29 de outubro a 20 de novembro), em local a ser confirmado. Com patrocínio de Exímia, do Governo australiano e da Truckvan, e parceria da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), o caminhão também será um ponto de doação de perucas para pacientes.

“Em território fluminense, vamos capacitar profissionais peruqueiros em outubro e novembro, no Rio e em Niterói. Na rota rosa, a última parada desse ano será São Paulo. A transformação que esse projeto proporciona por onde passa é incrível e ficamos emocionados em ver alunos aprendendo empatia na prática. Em 2018, novas cidades serão visitadas e a rede solidária de peruqueiros será ampliada. Compartilhar conhecimento e cuidar de toda a cadeia para garantir que mais pacientes possam ser beneficiados é o que nos motiva a seguir o programa no próximo ano em outras cidades brasileiras”, comemora Marcelle.

Durante todo o mês, quatro estações do Metrô Rio apresentarão a exposição “Doadores”, que exibe ilustrações de Amanda Mol e fotos produzidas para o calendário da campanha #fortalizese com cortes realizados por famosos hairstylists, entre eles Anderson Couto, Rudi Werner, Celso Kamura e Gil Almeida, em homenagem a pacientes que lutaram contra o câncer. A abertura será no dia 06 de outubro, às 10h, na estação Jardim Oceânico, na Barra, com um bate-papo aberto ao público.

A campanha institucional desse ano, criada pela agência de publicidade F/NAZCA vai abordar um tema fundamental para a luta do câncer de mama. As diferentes formas de apoio ao paciente e a instituição são apresentadas de forma bem-humorada usando partes do corpo. Além disso, no portal Laço Rosa ficarão expostos os produtos e marcas que revertem dinheiro para apoiar as iniciativas da instituição.

Entre as marcas com selo “Amigo Rosa” que apresentarão produtos especiais para o Outubro Rosa com renda revertida à instituição estão nomes como:  Grendene, com uma edição especial da sandália Ipanema #fortalizese, a ser lançada no dia 10 de outubro com coquetel na Casa Ipanema, no Rio de Janeiro; Loungerie, com um kit de lingerie + batom Clinique; Aneethun, com a linha Age Sistem de tratamento capilar especial para a data; Enjoy, com uma T-shirt edição limitada; Nutrella, com pães integrais Outubro Rosa; Grand Cru, com uma seleção de vinhos rosé; Afghan e Zinzane, com peças cor de rosa comemorativas; Wine, com box especial comemorativo à data; além de Maybelline, Depyl Action, Supermarket e Carolina Herrera. Todos os produtos com renda revertida estarão no portal da Fundação Laço Rosa durante o mês de outubro (www.fundacaolacorosa.com).

 


 

Calçada da Fiesp fica cor-de-rosa para combater o câncer de mama

E para destacar a importância da prevenção da doença, o Instituto Arte de Viver Bem e o ComSaude realizam maratona de atividades

O Instituto Arte de Viver Bem (IAVB) se uniu com o Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia (ComSaude) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e à Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) para um dia inteiro de eventos em pleno coração de São Paulo, no dia 3 de outubro. A ideia é chamar atenção para a importância da prevenção, da realização da mamografia e para os fatores de risco da doença.

Quase 58.000 mulheres receberão o diagnóstico de câncer de mama até o fim deste ano no Brasil, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA). A estimativa é que, anualmente, a doença mate 14.206 mulheres no país.

Em meio a números realmente alarmantes, há uma boa notícia a ser divulgada! Se o câncer de mama for diagnosticado precocemente, as chances de cura são de 95% na maioria dos casos. Por este motivo, ao IAVB e a SBM montarão uma estrutura na calçada da Fiesp, em plena Avenida Paulista, com muitas atividades.

O ônibus rosa do IAVB, chamado de Circuito Casa da Mulher, oferecerá gratuitamente os serviços de manicure, maquiagem e aulas de amarração de turbantes e doação de lenços para as pacientes que participarem das atividades. No espaço +Saúde, médicos vão tirar as dúvidas da população. A parceria FIESP e IAVB também disponibilizará folhetos informativos sobre os direitos da mulher com câncer e as formas de prevenção da doença.

Entre as atrações da campanha do Outubro Rosa 2017, o IAVB vai montar um ringue de boxe/muay thai para quem quiser arriscar socos no Bob, uma forma lúdica de combater o câncer de mama; além de aula de alongamento e funcional. E o alto astral do dia está garantido com muita música! Às 12h30, o grupo musical Groove Samba fará um show superdançante que promete agitar a terça-feira na Avenida Paulista; e no fim da tarde, às 16h30, a cantora Paulah Gauss encerrará o evento com muito estilo.

+Saúde

O “+Saúde – programa de prevenção e educação” é uma iniciativa do Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia da Fiesp (ComSaude). Seu objetivo é promover campanhas de educação e conscientização com entidades ligadas ao Comitê, que têm como foco de suas atividades a atenção ao paciente.

O serviço de utilidade pública acontece todos os meses na calçada em frente à Fiesp. Durante o ano são trabalhados diferentes assuntos importantes relacionados à saúde que são pauta contínua de discussão, como o diabetes, hipertensão e doação de sangue e órgãos, por exemplo.

O +Saúde conta com a participação de parceiros voluntários, que representam instituições sem fins lucrativos, sociedades de profissionais da saúde, entidades setoriais, hospitais, profissionais da saúde e empresas do setor.

“Esta ação demonstra o compromisso da Fiesp com a saúde da população, priorizando a informação e a educação como formas de melhoria da saúde. O objetivo do ComSaude é fazer com que os domingos na Paulista sejam não só um espaço para o lazer, mas também um ambiente de orientação e conscientização do cidadão, que passa a entender que a prevenção é o melhor caminho para uma vida saudável”, explica Ruy Baumer, diretor-titular do ComSaude.


 

Crioterapia evita queda de cabelos durante tratamento quimioterápico e reduz índices de depressão entre pacientes

Especialista explica técnica que utiliza touca gelada para resfriar o couro cabeludo, criando uma barreira que protege os folículos capilares; procedimento é seguro para mulheres diagnosticadas com câncer de mama

Após receber o diagnóstico de câncer, surgem as mais variadas dúvidas sobre as formas de tratamento e seus efeitos colaterais. No caso das mulheres, um dos mais temidos é a perda de cabelos ocasionada pela quimioterapia. Essa aflição, muitas vezes, se sobrepõe inclusive aos resultados positivos da terapêutica e leva a um elevado risco de problemas secundários como autoestima baixa, ansiedade, estresse e depressão. Segundo especialistas, o impacto psicológico é ainda maior quando se trata de câncer de mama, a neoplasia maligna que mais atinge o sexo feminino, sendo responsável 28% do total de casos diagnosticados entre este grupo em 2016, um universo que representa 60 mil pessoas, de acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA).

“É preciso destacar que mulheres com câncer de mama passam por um turbilhão emocional que tem início no momento em que descobrem a condição e continua, com altos e baixos, ao longo de todo o processo de tratamento. O diagnóstico desse tipo de tumor, em especial, gera inseguranças relacionadas aos desdobramentos que a doença provocará na imagem da paciente. Por isso, é preciso garantir não apenas que seja realizado o devido acompanhamento da condição em si, como também atentar aos aspectos psicológicos”, explica o Dr. Daniel Gimenes, oncologista do Centro Paulista de Oncologia – CPO (Grupo Oncoclínicas).

Neste sentido, um procedimento que aumenta as chances de preservação dos fios nos processos de quimioterapia têm sido considerado um importante aliado para a melhora do equilíbrio emocional em mulheres em tratamento contra o câncer de mama. A técnica, chamada de Crioterapia ou Scalp Cooling (em inglês), consiste no uso de uma touca gelada, que resfria o couro cabeludo, levando à contração dos vasos sanguíneos e, desta forma, cria uma espécie de capa protetora que preserva os folículos capilares.

“Não há números apurados sobre a eficácia do uso desta técnica no Brasil, considerando que ela foi aprovada pela Anvisa no início de 2015. Contudo, pesquisas realizadas em vários países da Europa, onde sua aplicação já vinha sendo feita ao longo dos últimos anos, mostram que a redução da taxa de alopecia variou de 49% até 100% em mais de 2 mil pacientes avaliadas. Isso significa que a queda de cabelos foi nula ou praticamente imperceptível em boa parte dos casos”, diz o Dr. Daniel.

Entenda como funciona a Crioterapia

Um capacete revestido por um gel em temperatura de 4º C é conectado por meio de um tubo a uma máquina que se assemelha a um circulador de ar. Colocado sobre a cabeça do paciente 60 minutos antes da infusão de quimioterapia, a touca permanece sendo usada durante toda a aplicação do quimioterápico e só é retirada cerca de uma hora após a aplicação completa do medicamento. Todo o processo dura em torno de três a quatro horas. “Esse dispositivo gelado causa uma sensação térmica de aproximadamente 15º C e, em geral, é bem tolerada. Em alguns casos pode haver queixa de dor de cabeça, tontura e sensação de frio, mas tais sintomas não são considerados como fatores que levem à disistência do procedimento pelos pacientes, graças ao bons resultados alcançados”, ressalta o oncologista do CPO.

Esse resfriamento do couro cabeludo diminuí o fluxo sanguíneo para a raiz de cada fio, fazendo com o que folículo capilar fique menos suscetível à agressão dos quimioterápicos e, portanto, menos propenso ao risco de queda. O especialista frisa que o nível de preservação do cabelo está relacionado ao tipo de quimiterápico empregado. Considerando as drogas mais fortes, que levariam à queda total dos fios, é possível reduzir o indíce de perda para 20% a 30%. “Isso significa que o uso de peruca ou lenços se torna desnecessário na maioria das situações, contribuindo amplamente para a autoestima das mulheres em tratamento”, pontua o Dr. Daniel Gimenes.

A crioterapia pode ser aplicada em pacientes diagnosticados com outros tipos de câncer, tendo o mesmo potencial de eficácia, mas há restrições. A contraindicação acontece para quem tem câncer hematológico (que afeta o sangue), como leucemia e linfoma. Pessoas que apresentam alergia no couro cabeludo também não devem fazer o tratamento.


 

Palladium Curitiba orienta sobre o câncer de mama com ações especiais

No Outubro Rosa, shopping oferece spa de mãos e dicas sobre a saúde da mulher

O Palladium Curitiba (PR) promove campanha para alertar sobre o câncer de mama. Nos dias 5 e 6 de outubro, as clientes do shopping poderão fazer massagens  nas mãos, enquanto recebem dicas e materiais sobre a doença e a importância do diagnóstico precoce. A ação será realizada no Piso L3, em frente ao Imax, das 14h às 20h.

Além disso, durante todo o mês, o Palladium realiza a campanha “Completamente Consciente. Cuide das suas mãos. Depois, deixe elas cuidarem da sua saúde: faça o autoexame”. Para chamar a atenção das clientes, as cancelas do estacionamento estão iluminadas com a cor rosa.

Todos os anos o Palladium Curitiba realiza ações de conscientização para marcar o Outubro Rosa. “A data é tradição do Palladium. O shopping oferece uma ampla estrutura em serviços na área da saúde, com laboratórios e centro de diagnóstico por imagem, e sempre contribui com a campanha. De uma forma descontraída e leve, vamos chamar a atenção das nossas clientes para um assunto muito sério”, comenta a gerente de Marketing, Maria Aparecida de Oliveira.

Além das orientações e do spa de mãos, o Palladium Curitiba presenteará as clientes com esmaltes Panvel cor-de-rosa. Além da Panvel, a ação conta com apoio da loja Tok&Stok, do centro de diagnóstico por imagem Dapi e da Universidade Tuiuti.

Serviços de Saúde

O Palladium Curitiba oferece serviços de laboratórios e diagnóstico por imagem. Esses serviços funcionam no Piso G2 e estão disponíveis em horários diferenciados do shopping, a fim de garantir praticidade e comodidade aos clientes. Confira:

Unimed Laboratório – realiza coletas de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h, e aos sábados, das 7h às 12h.

Laboratório Frischmann Aisengart – realiza coletas de segunda a sexta-feira, das 7h às 12h, e aos sábados, das 7h às 11h.

Dapi – Diagnóstico Avançado por Imagem – realiza exames de segunda a sábado, das 7h às 23h, domingos e feriados, das 7h às 19h.

Instituto Strozzi – clínica de Medicina Preventiva. Localizada no 2.º andar do Palladium Business Center, sala 206-A. As consultas precisam ser agendadas pelo telefone (41) 3212-3213.

OdontoPalladium – clínica odontológica multidisciplinar. Localizada no 2.º andar do Palladium Business Center. Telefone (41) 3212-3200.


 

Shopping Market Place doa receita de estacionamento da última quarta-feira do mês para instituição Américas Amigas

Shopping abraça mais uma vez a campanha mundial Outubro Rosa e incentiva a conscientização da prevenção do câncer de mama

O mês internacional de conscientização sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama chegou e, com isso, o Shopping Market Place, em São Paulo (SP), irá promover uma campanha especial, chamando atenção para o movimento. No dia 25, o shopping irá doar a receita do estacionamento deste dia para a instituição Américas Amigas, apoiadora da causa.

Durante todo o mês, a cor rosa toma conta do empreendimento, dando um charme único ao ambiente. Entre as ativações, a fachada será iluminada de rosa e todo o paisagismo estará voltado para a campanha e, ainda no dia 25, os clientes receberão mimos como forma reforçar esta importante mensagem.

Desde 2003 o shopping realiza o “Estacionou, Doou”, campanha da rede Iguatemi, o qual na última quarta-feira do mês, todo o valor arrecadado do estacionamento é doado a uma instituição para auxílio da prevenção do câncer de mama. Em 2017, a Américas Amigas irá receber a doação.

A instituição Américas Amigas surgiu da união de brasileiros e norte-americanos, movidos a informar e conscientizar as mulheres sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama, diminuindo, assim, o número de mortes causadas pela doença no Brasil, especialmente entre a população de baixa renda.

“Integrar o movimento Outubro Rosa é motivo de muito orgulho para nós. Ao participar, reforçamos nosso compromisso com a comunidade, engajando o público e ressaltando este nobre projeto mundial, símbolo da prevenção ao câncer de mama. Além disso, contaremos com mais uma edição do Estacionou, Doou, que é sempre um sucesso entre os nossos clientes”, conta Marcelo Miranda, vice-presidente comercial e de marketing da Iguatemi Empresa de Shopping Centers.

A campanha dá continuidade ao apoio da companhia a causas sociais e permanecerá durante outubro.


 

Tintas MC promove ações para conscientização sobre câncer de mama

A Tintas MC, rede varejista de tintas, em parceria com a Coral, promove ações durante este mês sobre a Campanha Outubro Rosa, em que serão realizadas atividades com o intuito de motivar funcionários o e pintores com o tema “A gente pinta com essa cor contra o câncer de mama”.

Em 7 de outubro, ocorrerá uma visita à fábrica da Coral. Na ocasião, serão levadas 40 mulheres pintoras, em que participarão de um treinamento sobre tintas e visitas às dependências da fábrica, acompanhada de uma palestra médica sobre a importância do autoexame na prevenção do câncer de mama.

“É muito importante informarmos as mulheres sobre a importância dos exames de rotina para um diagnóstico precoce da doença. Queremos aproveitar o mês de outubro como uma oportunidade de unir os treinamentos para as mulheres pintoras com palestras sobre o câncer de mama”, explica Renato Sá, Diretor de Estratégia e Marketing das Tintas MC.

Além disso, no dia 13 deste mês, todos os funcionários das Tintas MC irão vestir uma camiseta produzida especialmente para a conscientização da campanha. “Entre os dias 09 e 18 de outubro, também realizaremos um café da manhã, para trazermos informações sobre o autoexame para dentro de algumas unidades”, finaliza Renato.

Lojas que realizarão o café da manhã:

MC SANTOS
LJ 20
09/out

MC PINHEIROS
LJ 07
10/out

MC MATRIZ
LJ 21
11/out

MC SELECT CORAL
LJ 48
18/out

MC STO AMARO
LJ 15
17/out

MC PUGLISE
LJ 16
11/out

MC PERUIBE
LJ 30
16/out

MC HUMBERTO
LJ 11
17/out

MC BERTIOGA
LJ 29
18/out

MC JURUBATUBA
LJ 46
09/out


 

Homenagem realizada por artistas em pernas de pau alerta passageiros do GRU Airport sobre o câncer de mama 

Especialistas do Hospital Pérola Byington orientarão passageiras sobre o autoexame e o diagnóstico precoce. Iniciativa pode mudar o rumo da doença na vida de milhares de mulheres

Os passageiros que transitarem pelo GRU Airport no dia 6 de outubro serão surpreendidos por artistas em pernas de pau que homenagearão as mulheres que lutam contra o câncer de mama, além de alertar para a importância do diagnóstico precoce da doença. A ação também contará com profissionais de saúde que explicarão a forma correta de realizar o autoexame – por meio da Mama Amiga, uma ferramenta feita de silicone que simula o câncer de mama, permitindo que as pessoas entendam um pouco mais sobre a prevenção da doença.

O grupo de bailarinos em pernas de pau, composto apenas por mulheres e liderado pela atriz e educadora Raquel Potí (estrela das apresentações artísticas dos Jogos Olímpicos 2016 no Rio de Janeiro), convidar​á o público a refletir sobre a doença, que só no sistema público de saúde detecta aproximadamente 50% das pacientes já em fase avançada.

Por meio da dança, da música e do figurino inspirado na passagem da mulher pelos séculos, fazendo alusão que o câncer de mama acomete a população há centenas de anos, as pernaltas farão ensaios lúdicos com lenços e vestimentas rosas. Além de São Paulo, a intervenção artística passará pelo Rio de Janeiro e Brasília.

A iniciativa, realizada pela Roche Farma Brasil em parceria com o GRU Airport e o Hospital Pérola Byington, de São Paulo (SP), faz parte das ações complementares ao Outubro Rosa e é voltada ao empoderamento feminino e à valorização do diálogo com pessoas que sentem as emoções do diagnóstico e da superação da doença, uma vez que só no Brasil, em 2017, estima-se 56 diagnósticos a cada 100 mil mulheres no país.

De acordo com o mastologista André Mattar, do Hospital Pérola Byington, independentemente dos esforços e dos alertas à sociedade, o câncer de mama ainda é a maior causa de morte por câncer nas mulheres em todo mundo. “Apesar de ser uma doença conhecida, faltam informações sobre a importância do rastreamento e do diagnóstico precoce para o sucesso do tratamento e da remissão do tumor. As taxas de eficácia no tratamento em estágios iniciais chegam em 95%, porém – infelizmente – é relativamente comum que as mulheres cheguem aos consultórios já com a doença na fase metastática”.


 

Hospital Santa Cruz incentiva doação de lenços e promove ações com pacientes

O Hospital Santa Cruz, de Curitiba (PR), preparou uma programação especial para o Outubro Rosa. Uma das iniciativas é a campanha de incentivo à doação de lenços para mulheres em tratamento do câncer de mama. Durante todo o mês, os colaboradores, médicos e pacientes participarão de ações de conscientização sobre a doença.

Para as pacientes, serão realizadas atividades como massagem, auriculoterapia (terapia que utiliza a estimulação de pontos específicos da orelha para auxiliar em tratamentos) – promovidas pelo Instituto Morita Hayashi – oficinas de peruca (captação de cabelo e doação de peças) e do lenço (aulas ensinando diferentes formar de usar o acessório), da Associação Amigas da Mama, além de aulas de maquiagem e dia de beleza, com sessão de fotos. “A campanha tem como objetivo chamar a atenção do público feminino em relação à prevenção e a como lidar com a doença”, explica a coordenadora da Oncologia do Hospital Santa Cruz, Dra. Ana Maria de Oliveira Santos.

A programação traz ainda apresentações de profissionais das equipes da Oncologia, Psicologia, Farmácia, Fisioterapia e Nutrição do Hospital Santa Cruz, áreas envolvidas diretamente no atendimento aos pacientes com câncer, e uma palestra com Ana Paula Nacer, paciente que já finalizou o tratamento e falará sobre suas experiências de superação da doença.

Palestras, oficinas e doação de lenços (entrega na Ouvidoria – térreo – Avenida Batel, 1889)

Programação

05/10, às 14h – Quick Massage e Auriculoterapia (Instituto Morita Hayashi)

06/10, às 10h – Oficina de maquiagem

09/10 – Maquiagem e sessão de fotos com pacientes convidadas

10/10, às 14h – Quick Massage e Auriculoterapia (Instituto Morita Hayashi)

13/10, às 10h – Oficina de maquiagem

16/10, às 10h – Oficina de maquiagem

16/10, às 14h – Oficina de perucas (doação de cabelos e perucas)

17/10, às 14h – Palestra: a importância da fisioterapia no pós-operatório da mama

18/10, às 14h – Palestra: a importância do acompanhamento nutricional durante o tratamento

19/10, às 10h – Oficina de maquiagem

19/10, às 14h – Oficina do lenço (Associação Amigas da Mama)

20/10, às 8h30 – Coffee

9h – Abertura

9h15 – Palestra: câncer de mama

9h45 – Palestra Associação Amigas da Mama

10h15 – Depoimento paciente: Ana Paula Nacer

10h30 – Palestra: sexualidade

12h – Encerramento com exibição das fotos das pacientes


 

“Vamos falar de peitos”

Evento em prevenção ao câncer de mama reúne as maiores influenciadoras digitais do Distrito Federal

No dia 7 de outubro acontece o evento Vamos Falar de Peitos, das 8h às 12h, no Instituto Santa Marta de Ensino e Pesquisa, em Taguatinga Sul (DF). A iniciativa do Hospital Santa Marta, em parceria com a Clínica Acreditar, reúne médicos e especialistas para levar informação à comunidade sobre prevenção do câncer de mama, com linguagem acessível para o público em geral.

A novidade desse evento é a participação das maiores influenciadoras digitais do Distrito Federal. A Ana Paula Leite, do Grupo Mães Amigas de Águas Claras; Carolina Porto, do Grupo Casa de Amigas; Vitória Natasha, do Grupo Mães Amigas de Vicente Pires; Mayara Franco, do Grupo Mães e Filhas do Guará. Todas unidas para mobilizar mulheres em prol da saúde e da prevenção. “O câncer é uma doença devastadora e só quem passa ou convive com ela sabe disso. Eu estou tendo a oportunidade de conviver um pouquinho com algumas guerreiras que passam por esse problema. Pela conscientização das mulheres eu topei participar da campanha e amei o resultado”, afirma Ana Paula, cujo grupo reúne 65 mil mulheres. De acordo com Vitória, a expectativa é de que o evento seja atrativo ao público. “Falaremos de um assunto sério de uma forma divertida”, explica.

Para Carolina, informar e levar conhecimento é uma das armas contra o câncer. “Hoje, mulheres cada vez mais jovens recebem o diagnóstico. Vamos nos unir e conscientizar mulheres de que precisamos nos cuidar e que prevenção é fundamental”, ressalta a responsável pelo grupo com mais de 63 mil pessoas. A gerente de Marketing do Hospital Santa Marta, Aldênia Morais, explica a ideia da ação. “Procuramos destacar o real propósito do Outubro Rosa, que é mudar uma realidade – a de milhares de mortes anuais causadas pelo câncer de mama -, por meio do conhecimento, da informação segura e confiável”, disse.

Para participar, é necessário fazer inscrição pelo site www.hospitalsantamarta.com.br. O evento é gratuito.

As participantes devem levar um lenço, que será doado à Rede Feminina de Apoio ao Câncer. É recomendada a utilização de roupas confortáveis, o evento terá atividades físicas – meditação, yoga, pilates e alongamento.

Programação

9h – 10h30: Talk Show da Prevenção com os temas:

·         Câncer de mama e estilo de vida. Dra. Karimi Amaral – Mastologista

·         A alimentação previne o câncer? Joana Lucyk – Nutróloga

·         Movimente-se contra o câncer de mama. Júlio Ventura – Educador Físico

·         Roda de conversa. Mediadora: Ana Paula Leite – Administradora do Grupo Mães Amigas de Águas Claras

·         Aula de Meditação. Flávia Gaeta, professora de meditação e mindfulness

10h30 – 10h50: Coffee break

10h50 – 11h10: Compartilhando Momentos

·         Palestrante: Joana Jeker dos Anjos – Presidente da Recomeçar – Associação de Mulheres Mastectomizadas de Brasília

·         Mediadora: Vitória Natacha – Administradora do Grupo Mães Amigas de Vicente Pires

11h10 – 11h40: Mesa Redonda de Mitos e Verdades sobre o Câncer

·         Dra. Rafaela Veloso Ribeiro – oncologista

·         Dra. Íris Gardênia – mastologista

·         Dr. Diogo Braga – cirurgião plástico

·         Mediadora: Carolina Porto – Administradora do Grupo Casa de Amigas

11h50 – 12h30 – Aula de Yoga

·         Professora Karen Borges de Medeiros

12h30 – 13h10 – Pilates e Alongamento


 

Hospital do Câncer em Uberlândia prepara ações esportivas e educativas para o Outubro Rosa

As atividades diversificadas buscam levar informação à sociedade sobre a prevenção do câncer de mama

O mês de outubro chegou e com ele as ações de prevenção do câncer de mama se intensificam em todo o país e o Grupo Luta Pela Vida, a ONG do Hospital do Câncer em Uberlândia (MG), preparou diversas atividades para o Outubro Rosa. As ações combinam palestras, atividades físicas e muita informação para disseminar a importância do combate ao câncer de mama, tipo de tumor que, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), deve atingir cerca de 58 mil novos casos entre 2016 e 2017 no Brasil.

A primeira ação acontece neste sábado, dia 07 de outubro com ao “Mova-se Contra o Câncer” O evento, que será realizado no Parque do Sabiá (Entrada Avenida Anselmo Alves), a partir das 8h, aborda a importância da atividade física como ação de prevenção do câncer de mama. Durante o evento o público poderá escolher diversas modalidades esportivas, como caminhada, corrida, pilates, yoga, zumba, dança de salão e treino funcional, para praticar para e escolher a sua predileta e inclui-la no cotidiano. A entrada é gratuita e os primeiros participantes a chegarem no local vão receber uma camiseta do evento.

Se incentivar a prática de exercícios físicos é um dos caminhos na prevenção, outros dois são o acompanhamento médico e a informação, que o Grupo buscou unir no programa “Pergunte ao Doutor”. A série, que será veiculada nas mídias sociais do Hospital, como a página do Facebook e o canal no You Tube, tem o objetivo de dar a oportunidade do público tirar dúvidas sobre o câncer de mama. As perguntas serão respondidas pelo mastologista do Hospital do Câncer, Juliano Cunha. Além do Pergunte ao Doutor, o Grupo lançará três vídeos informativos sobre o câncer de mama, que também serão disponibilizados nos canais de comunicação do Hospital do Câncer em Uberlândia.

A prevenção também estará dentro das empresas, com as palestras ministradas pelos pesquisadores do Núcleo de Prevenção e Pesquisa de Câncer (NUPPEC). Eles vão dar dicas e orientações de prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama. Além disso, outra ação realizada nas empresas será feita em parceria com o SESI, durante as atividades de Ginástica Laboral.


 

Artigo – “Mais do que rosa”

Rosa é a quintessencial cor feminina. A cor rosa é sensível, corajosa e se consolidou globalmente como símbolo da luta contra o câncer de mama, doença que, atualmente, acomete quase 60 mil mulheres no Brasil por ano. As estimativas mostram que 1 em cada 9 mulheres terão câncer de mama no decorrer de sua vida. Ainda assim, o diagnóstico pode ser devastador para a paciente e sua família. É possível que todos nós tenhamos experiência pessoal, ou amigos e parentes próximos, com câncer de mama. Não é infrequente a frase “eu nunca imaginaria que isso acontecesse comigo”.

Um erro comum é acreditar que um comportamento saudável e ausência de história familiar desobriga a paciente de fazer sua avaliação médica e exames de rastreamento indicado. O leitura não é essa. Pacientes com fatores de risco, como história familiar e obesidade, tem maior risco, o que não significa que as demais pacientes sejam imunes! Agora, cabe salientar, um problema que talvez seja maior: o país não está completamente preparado para lidar com essa epidemia. Ainda é alarmante a falta de acesso à mamografia em alguns locais do país. A qualidade questionável de alguns mamógrafos pode dar a falsa sensação de segurança e o tempo entre suspeita e manejo efetivo são ainda pontos de tensão. Pouco adianta ter diagnóstico se não pudermos lidar com ele. Algumas drogas sofisticadas, mas de alto custo, não estão disponíveis no sistema público e não há sinal de mudança a curto e médio prazos. Em tempos em que se discute financiamento de campanhas políticas, pouco se debate doação para viabilizar uma agenda científica independente de interesses comerciais e que possam, efetivamente, mudar as estatísticas que nos deparamos.

De qualquer forma, o rosa pode mobilizar a população em torno de uma causa nobre e homenageia as mulheres que passaram por isso ou seguem buscando sua cura. Que sirva, também, para fomentar mudanças estruturais com metas e estratégias consistentes com a gravidade da doença e, desta forma, salvarmos mais vidas.

 

 

Stephen Stefani é oncologista do Hospital do Câncer Mãe de Deus, de Porto Alegre (RS)

 

 

 


 

Celltrion Healthcare e Biomm firmam parceria para distribuição exclusiva de biossimilar pioneiro para o tratamento de câncer de mama no Brasil

O grupo sul-coreano Celltrion é especialista em biotecnologia e pioneiro na aprovação de biossimilares na Europa, EUA e no Brasil. A aliança tornará ainda mais acessível o tratamento para o câncer de mama HER-2+

A Celltrion Healthcare (CHTC), líder mundial em biofarmacêuticos com ampla experiência na comercialização de medicamentos e a Biomm S.A. (B3: BIOM3) anunciaram um acordo para distribuição no Brasil do Herzuma®, biossimilar do Trastuzumabe. A biofarmacêutica sul-coreana foi a responsável pelo desenvolvimento, produção e distribuição do primeiro anticorpo monoclonal biossimilar aprovado na Europa, assim como no Brasil, e comercializado globalmente. Com a parceria, as pacientes brasileiras com câncer de mama terão uma opção mais acessível e econômica para o tratamento da doença.

O Trastuzumabe, molécula base do Herzuma®, é indicado para tratar tumores de mama com expressão do receptor HER2-Positivo (Human Epidermal growth factor Receptor-tipo 2), que afeta 25% das pessoas com câncer de mama invasivo. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o diagnóstico de novos casos, incluindo todos os tipos de câncer de mama, chega a 58 mil no Brasil. Além de ser utilizado como tratamento para os estágios iniciais (adjuvante e neoadjuvante), o Trastuzumabe também é indicado para câncer de mama metastático.

“Com a experiência da Biomm em biofármacos e oncologia, estamos contentes de firmar essa parceria para oferecer novas opções de tratamento aos pacientes no Brasil”, disse Man Hoon Kim, presidente e CEO da Celltrion Healthcare. “Logo após o sucesso do primeiro biossimilar Infliximabe e do Rituximabe na Europa, que aumentou o acesso dos pacientes a medicamentos biológicos mais econômicos e que podem salvar vidas, estamos confiantes de que teremos o mesmo sucesso com o Herzuma® por meio da nossa parceria com a Biomm no Brasil”.

O pioneirismo da empresa e a qualidade dos seus medicamentos podem ser comprovados por iniciativas como a aprovação do primeiro biossimilar do Infliximabe e do Rituximabe na Europa, além do Infliximabe no Brasil.

“Com essa parceria exclusiva, estamos alinhados com a nossa missão como empresa, que é ter um portfólio de biomedicamentos acessíveis e de qualidade para oferecer tratamentos a um número cada vez maior de pessoas”, afirma Heraldo Marchezini, CEO da Biomm S.A., empresa brasileira pioneira em biotecnologia no país. O plano é que a comercialização tenha início em 2018.

De acordo com Marchezini, a escolha da Biomm mostra a importância da biofarmacêutica no cenário nacional. “Nossa expertise em medicamentos biológicos, em conjunto com o know-how da Celltrion Healthcare CTHC, será uma importante aliada dos pacientes com este tipo de câncer”, finaliza o executivo.


 

Hospitais públicos de São Paulo recebem a exposição ‘Meninas Guerreiras’

Projeto traz fotos e vídeos com história de pacientes que venceram o câncer de mama

A Fundação Instituto de Pesquisa e Estudo de Diagnóstico por Imagem (FIDI), em parceria com a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo (SES/SP), realiza a partir do dia 2 de outubro a exposição fotográfica “Meninas Guerreiras”. A mostra traz imagens de pacientes que vivenciaram e venceram o câncer de mama, e ficará aberta ao público no Hospital Pérola Byington e no Hospital Geral Vila Nova Cachoeirinha até 31 de outubro.

“Nosso objetivo é evidenciar a importância da prevenção, do acompanhamento médico e, principalmente, homenagear a vitalidade dessas mulheres que superaram a doença e são exemplo de persistência e superação”, explica Luis Tibana, Superintendente Médico da FIDI.

O projeto faz parte das ações da FIDI durante o Outubro Rosa, movimento oficialmente no calendário internacional desde 1997, que visa colocar em evidência o câncer de mama, formas de prevenção e tratamento. A concepção da exposição teve o acompanhamento do serviço social de ambos os hospitais, que estiveram à frente do convite para as pacientes integrarem a ação. No total, 10 mulheres que se trataram ou estão em acompanhamento médico compõem as 20 fotos da exposição. A ação também contará com monitores exibindo o making off do ensaio e depoimentos que ilustram a luta contra a doença.

“Quando recebi o diagnóstico, parecia que eu havia caído num abismo. Mas recebi muito apoio e encontrei minha força interior. A gente não tem que planejar a morte e sim seguir o tratamento, mantendo o psicológico equilibrado para que não surjam outras doenças oportunistas”, conta a auxiliar de enfermagem Denise de Souza Ferreira, 52, curada há dois anos e meio de câncer nas duas mamas.

A exposição é gratuita e ficará em cartaz simultaneamente nos dois hospitais. No Hospital Pérola Byington a mostra estará aberta ao público de 02 a 31 de outubro, das 8h às 17h, setor de Mamografia. No Hospital Geral Vila Nova Cachoeirinha, quem passar pela recepção do ambulatório de 03 a 31 de outubro, das 7h às 19h, poderá apreciar as imagens.

Humanização dos ambientes

Além da exposição, a FIDI transformou as áridas salas de espera para os exames de diagnóstico por imagem em ambientes mais acolhedores e humanizados. Para isso, selecionou frases de incentivo e apoio coletadas com as próprias pacientes para estimular e dar força às mulheres em tratamento. “Não é a morte. É só mais uma doença”; ‘Não tenha medo do diagnóstico, você é mais forte do que ele”; “Pense em você, se ame, se cuide. Não desista!” são algumas das frases que fazem parte da ambientação.

“Em situações de vulnerabilidade, o acolhimento é essencial para trazer conforto e esperança. Ambientar as salas com frases de otimismo é mais uma forma de contribuir na saga em busca da cura que essas mulheres em tratamento enfrentam”, observa Cristiane Claro Monzani, Coordenadora de Projetos Sociais da FIDI.

Mulheres de Peito

O projeto Mulheres de Peito, realizado pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo em parceria com a FIDI na elaboração dos exames, terá programação especial durante o Outubro Rosa em todo o Estado. Na capital, uma das carretas do projeto estará posicionada no bairro do Brás entre 13 e 15 de outubro, e na Arena Corinthians, de 16 de outubro a 4 de novembro para realização de exames de ultrassom e mamografia em mulheres de 50 a 69 anos.


 

Palestra visa promover reflexões sobre o Outubro Rosa entre profissionais do Hospital Universitário de Jundiaí

Atividade tem o intuito de promover conhecimento a ser utilizado com as pacientes atendidas no hospital

Foco é preparar cada vez mais os profissionais para prestar assistência integral de qualidade às pacientes

Nesta terça-feira (10), o Hospital Universitário de Jundiaí (SP) promove a palestra “Reflexões sobre o Outubro Rosa”, com a médica ginecologista e obstetra Dra. Milzen Jessel Lavander Giatti. A atividade faz parte das ações realizadas pelo HU para promover a conscientização de sua equipe e demais interessados, sobre a importância da assistência integral, mitos, orientações e desafios que envolvem a realização de exames, diagnósticos e tratamento do câncer de mama.

O evento é destinado a médicos, pacientes, estudantes da Faculdade de Medicina de Jundiaí (FMJ), equipes de enfermagem, psicólogos, assistentes sociais e convidados. A palestra será proferida pela Dra. Milzen, que possui em seu currículo especializações em Educação e Terapia Sexual pela Sociedade Brasileira de Estudos da Sexualidade Humana; e Administração de Serviços de Saúde pela Fundação ABC. Dra. Milzen também cursou mestrado em Medicina pela Universidade Estadual de Campinas, exercendo residência médica na FMJ.

A palestra acontece às 10h, no Anfiteatro do Hospital Universitário de Jundiaí. Na ocasião serão distribuídos lacinhos rosa aos presentes, colaboradores e pacientes.


 

Hospital Fundação do Câncer realizará mamografias gratuitas

O Hospital Fundação do Câncer, no Rio de Janeiro (RJ), oferecerá 60 mamografias gratuitas a mulheres acima de 40 anos e que não possuem plano de saúde. A ação faz parte da campanha mundial Outubro Rosa e visa conscientizar sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama, que aumenta consideravelmente as chances de cura da doença.

A marcação do exame pode ser feita pelo telefone (21) 2241-9695. Pela página do Facebook do Primavera Rosa — www.facebook.com/primaverarosa2017 — também é possível fazer uma pré-inscrição e aguardar o contato telefônico para a confirmação do agendamento. O atendimento será feito às segundas, terças e quintas-feiras, a partir do dia 09 de outubro, na unidade (localizada na Rua Aristides Caire, 27 – Méier). Só serão realizados exames pré-agendados.

De acordo com o diretor do Hospital Fundação do Câncer, o mastologista Carlos Frederico Lima, o câncer de mama é um tumor curável em até 98% dos casos, se detectado na fase inicial, reduzindo significativamente a necessidade da mastectomia (retirada dos seios), tão temida pelas mulheres.

“Somente o exame de mamografia pode mudar a curva da doença. Uma das barreiras para a detecção precoce do câncer de mama é o medo. Nosso intuito com a campanha é fazer com que as mulheres não tenham receio do exame e não demorem a procurar orientação médica”, diz.

Pesquisas científicas mostram que o desenvolvimento de até 13 tipos tumores está relacionado a hábitos comportamentais. “A ideia é mostrar que, com a adoção de medidas simples no dia a dia e acompanhamento regular de um especialista, é possível reduzir significativamente a incidência do câncer de mama”, concluiu o mastologista Carlos Frederico.

A recomendação da Fundação do Câncer é a realização da mamografia de rastreamento (quando não há sinais nem sintomas) em mulheres entre 40 e 69 anos, ou antes dessa faixa etária caso haja histórico familiar de câncer de mama ou a indicação de um profissional de saúde a partir de um exame clínico.


 

Reconstrução de mama recupera autoestima de pacientes que tiveram câncer

Depois do diagnóstico de câncer de mama e durante o tratamento da doença se olhar no espelho pode ser difícil e causar estranheza para muitas mulheres. A autoestima pode ser afetada a ponto de acarretar conflitos emocionais importantes, como a depressão. Durante o tratamento, a quimioterapia antecede a mastectomia, a retirada da mama, no intuito de reduzir o tamanho do tumor e tornar a operação o menos invasiva possível.

A cirurgiã plástica Ivanoska Filgueira conta que os benefícios da reconstrução mamária vão além da estética e quanto mais rápida for feita, melhor será o retorno da paciente para sua rotina. “A recomendação é que o procedimento seja feito no mesmo ato em que é retirado o câncer de mama, por uma equipe multidisciplinar”, analisa.

Como explica a médica, a reconstrução evita a depressão, aumenta a autoconfiança e agiliza retomada da vida sexual. Depois da mastectomia, a reconstrução de mama recupera a autoestima da mulher. “Poder colocar uma roupa de banho ou usar a roupa preferida faz toda diferença na vida da paciente”, frisa a especialista.

O tipo de reconstrução a ser realizada depende do tamanho e da localização do tumor. A utilização de tecidos e músculos da própria paciente, com próteses de silicone são os métodos mais conhecidos. “Durante o procedimento, a auréola do seio também é reparada. A área pode ser reconstruída com retalhos, levantamento do bico ou com tatuagem”, explica Ivanoska.


 

Outubro Rosa: diagnóstico precoce pode salvar vidas 

Rio Imagem disponibiliza 6 mil vagas de mamografia no Estado por mês

Foto: Maurício Bazílio

Esse mês se comemora o Outubro Rosa, o movimento mundial que visa chamar a atenção para a prevenção do câncer de mama.  A mamografia é o exame mais importante na luta contra a doença e deve ser realizada a cada dois anos em mulheres com idade entre 50 e 69 anos, segundo indicação do Ministério da Saúde. A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, através do Rio Imagem, disponibiliza mensalmente cerca de seis mil vagas para a realização do exame, mas muitas mulheres não comparecem às consultas. De cada 10 pacientes que têm mamografias agendadas, 5 não comparecem ao procedimento. A alta taxa de desistências preocupa, já que a doença responde por cerca de 25% dos casos novos de câncer a cada ano.

“Felizmente conseguimos retomar 100% dos serviços do Rio Imagem e colocar todos os exames à disposição da população. A realização da mamografia não é uma atribuição do Estado, mas mesmo assim estamos atendendo toda a demanda que chega para nós. Não temos pacientes aguardando vaga. As mulheres encaminhadas ao Rio Imagem levam em média, 15 dias para agendar a mamografia e após se submeterem ao procedimento, o resultado sai em até 7 dias. Caso seja preciso fazer uma biópsia, a paciente é encaminhada automaticamente a realizar lá mesmo o procedimento. É uma corrida contra o tempo, por isso o diagnóstico precoce é tão importante”, ressalta o secretário de saúde do Estado, Luiz Antonio Teixeira Jr.

A indicação do Ministério da Saúde é que a mamografia de rastreamento seja realizada a cada dois anos em mulheres entre 50 e 69 anos. Mas em casos específicos, como casos da doença na família, a recomendação dos médicos é que a avaliação seja feita antes dos 35 anos. Além disso, o Ministério também preconiza que o tempo entre a detecção da doença e o início do tratamento seja de até 60 dias.

“Quando detectado em fases inicial, há mais chances de tratamento e cura. O autoexame também é muito importante. A paciente precisa observar qualquer sintoma fora do comum e conversar com o seu médico. A mamografia é o principal método de triagem para detectar precocemente os tumores de mama. Por isso o médico deve fazer o alerta e explicar ao paciente a importância de realizar esse exame”,  Bruno Kozlowisk, chefe de ginecologia do Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti.

Passo a passo para realizar a mamografia na rede estadual de saúde

Os exames são agendados pelos municípios, que têm acesso ao sistema e fazem a marcação direta no sistema do Rio Imagem. Eles são responsáveis também por inserir os dados do paciente online.

“O município agenda diretamente no sistema online de marcação de exames do Rio Imagem. As unidades acessam o sistema e fazem a marcação do exame. Além disso, embora o Rio Imagem esteja entregando todos os exames online, a mamografia é entregue em mãos e as pacientes recebem o laudo impresso e os filmes com os exames. Esse resultado sai em até 7 dias”, explica a coordenadora do Rio Imagem, Rivana Donola Ferreira.

Confira o passo a passo para realizar a mamografia no Rio Imagem:

1 – É preciso procurar uma unidade básica de saúde (Clínica da Família, Posto de Saúde, etc.). Durante a consulta com um médico, ele irá avaliar e após examinar a paciente vai solicitar o exame, se necessário.

2 – Com o pedido em mãos, a paciente deverá solicitar que a própria unidade básica realize o agendamento de exame, que é feito direto pela unidade no sistema do Rio Imagem. O prazo para o agendamento é de até 15 dias.

3 – O paciente realizará o exame na data marcada e dentro de até 7 dias o resultado estará disponível para ser retirado na unidade.

5 – Caso o resultado do exame aponte a necessidade da realização de uma biópsia, a equipe do Rio Imagem fará contato com o a paciente para agendar uma data para o procedimento, que é feito no próprio Rio Imagem.

6 – Após a realizar a biópsia, em até 20 dias a paciente poderá retirar o resultado e estará com o diagnóstico em mãos para dar início ao tratamento, caso seja confirmado o câncer.

Câncer de mama

Esse é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo. Depois do câncer de pele não melanoma, o de mama responde por cerca de 25% dos casos novos a cada ano. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), só no ano passado, a previsão era mais de 57 mil novos casos de câncer de mama no Brasil.


 

Outubro Rosa: 50 novos casos de câncer de mama surgem por ano no Brasil

Doença pode ser prevenida com consultas e exames de rotina, realizados através de planos de saúde

Outubro Rosa reforça a importância sobre os cuidados que as mulheres devem ter com a saúde e principalmente prevenir o câncer de mama. Segundo dados do Núcleo de Oncologia da Bahia, trata-se do segundo tumor mais comum e frequente nas mulheres. Estima-se que no Brasil, são previstos 50 mil novos casos a cada ano. A realização de exames periódicos é o principal instrumento para evitar doenças, mas com a crise econômica, muita gente ficou desempregada e perdeu o plano de saúde, deixando de lado os cuidados com a saúde.

De acordo com o mastologista do Plano Ambulatorial Boa Saúde, Marques Vinícius Gomes, os exames são os únicos meios de investigação e diagnóstico de possíveis doenças como o Câncer de Mama e de Colo de Útero. “Muitas mulheres não colocam como prioridade investir em plano de saúde, mas quando surge à necessidade de tratamentos como quimioterapia e radioterapia, percebem sua real importância”. Uma alternativa para quem está vivenciando este momento de instabilidade financeira é escolher um plano mais acessível e que atenda todas as demandas necessárias. Em Salvador, o Boa Saúde é uma opção que cabe no orçamento de quem ganham pouco, chegando a custar 50% menos do que é cobrado por um plano convencional.

“Cada faixa etária requer cuidados diferentes. Entre os 20 e 40 anos tem o conhecido preventivo, além dos exames complementares, e as ultrassonografias de mama, transvaginal e de tireoide. A partir dos 40, têm a mamografia e densitometria óssea. A mulher também deve adotar uma postura de vida saudável para evitar o surgimento de patologias malignas”, explica o especialista.

O médico também destacou que o câncer de mama em estágio inicial pode não apresentar sintomas e a importância do autoexame para detecção de nódulos. “Alguns sinais podem servir de alerta, por isso devemos ficar sempre atentas a alteração da forma ou do tamanho da mama; saída de secreção pelo mamilo; nódulo na axila; espessamento ou enrugamento da pele da mama ou do mamilo”.


 

SalomãoZoppi realiza a primeira ação do Corredor Verde, na Av. 23 de Maio, para conscientização contra o câncer de mama

Laboratório ainda doará 500 mamografias para a saúde pública e 25 mil guias sobre prevenção do câncer de mama

Com o objetivo de chamar a atenção da cidade para a causa do Outubro Rosa, dar visibilidade e estimular o debate sobre prevenção e importância do diagnóstico precoce do câncer de mama, o SalomãoZoppi Diagnósticos irá realizar a ação #ÁreaRosa, cobrindo um painel de mais de 100 metros com flores rosas de 08 a 30 de novembro no Corredor Verde da Avenida 23 de Maio, uma das mais movimentadas de São Paulo.

Esse é o maior Corredor Verde de jardins verticais do mundo que, em 10.950 m² traz inúmeros benefícios ambientais para a cidade como redução da temperatura, diminuição da poluição do ar e sonora, e melhoria do bem-estar no ambiente urbano.

Como grande parte das mulheres não tem acesso a exames rotineiros de prevenção, o Salomão Zoppi irá doar 500 mamografias para a rede de saúde pública de São Paulo, mas esse número pode dobrar se as pessoas impactadas pela ação apoiarem a causa. A cada 50 #AreaRosa compartilhadas, mais uma mamografia será doada. Também serão distribuídos 25 mil exemplares do Guia da Saúde nos postos de saúde de toda a capital paulista, explicando como as mulheres podem identificar nódulos nos seios.

A embaixadora da ação será a Flavia Flores, idealizadora do projeto Quimioterapia e Beleza e fundadora do Banco de Lenços, não apenas por ter iniciativas que apoiam e ajudam as mulheres que passam pelo câncer de mama, mas também por já ter superado a doença e saber como é passar por esse momento.

“Com essa campanha buscamos educar e conscientizar a população sobre a importância da prevenção e acompanhamento médico, já que o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres brasileiras e o que mais faz vítimas, porém, quando diagnosticado na fase inicial tem 95% a mais de chance de cura e é possível evitar que a mulher passe por procedimentos muito agressivos durante o tratamento”, comenta Ricardo Salomão, Superintendente Médico do Salomão Zoppi Diagnósticos.


 

Considerado recurso eficaz para prevenção do câncer de mama número de mamografias aumenta em 37% no país

De acordo com INCA, número exames passaram de 1,6 milhão para 2,2 milhões, no comparativo entre o primeiro semestre de 2010 e 2016. Dr. José Michel Kalaf, membro da Comissão de Mamografia do CBR e da SPR, esclarece as cinco dúvidas mais comuns sobre o exame

O Outubro Rosa, criado na década de 90, é um movimento mundial de luta contra o câncer de mama. Anualmente, 1,4 milhão de mulheres em todo o mundo são afetadas pela doença, segundo o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), só este ano, o Brasil teve mais de 57 mil novos casos diagnosticados. Até 2020, mais de 1,7 milhão de casos deverão ser identificados anualmente.

A fim de chamar a atenção da população para a importância do diagnóstico precoce da doença, a Siemens Healthineers convidou o Dr. José Michel Kalaf, membro da Comissão de Mamografia do Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) e da Sociedade Paulista de Radiologia (SPR), para esclarecer as principais dúvidas sobre a mamografia, confira abaixo:

1) O que devemos saber sobre a mamografia? Como funciona?

O exame de mamografia funciona como uma espécie de radiografia da mama, capaz de detectar tumores que nem as mulheres nem os médicos conseguem perceber a olho nu. Esses tumores são os chamados de impalpáveis, geralmente são menos agressivos e com chances de cura quando diagnosticados e tratados de forma adequada. É importante ressaltar que a mamografia é um método radiológico aprimorado de estudo de partes moles, com equipamento adequado para avaliação seletiva das mamas.

2) Hoje em dia, se discute muito se a mamografia deve ser feita todos os anos. Isso é aconselhável? Por quê?

É aconselhável sim. No Brasil, segundo dados científicos – com avaliação estatística e demográfica -, é recomendável que o exame de mamografia seja realizado anualmente a partir dos 40 anos, ainda que em outros países o teste geralmente seja feito a partir dos 50 anos.

3) Existe alguma contraindicação para o exame? Quais os principais cuidados que a mulher deve tomar?

A mamografia não tem contraindicações. Apenas pacientes com mamas densas e com próteses de silicone merecem atenção especial.

4) É sabido que câncer de mama também atinge homens em uma menor proporção, claro, nestes casos, a mamografia também é indicada? Quando?

A incidência de câncer de mama no sexo masculino é pequena. Para cada mil casos, apenas um é diagnosticado em homens. Com isso há indicação para realização do exame em casos muito específicos e clinicamente bem definidos.

5) Quais os tipos de mamografias existentes?

Há dois tipos basicamente: a primeira delas é a mamografia com sistema cr que é a digital indireta. Ela utiliza equipamento convencional em placas específicas que armazenam a imagem que depois é processada.

A segunda é a mamografia digital com aquisição direta, sistema totalmente digital no qual o sensor que captura a imagem está incorporado ao aparelho. Altamente, sofisticado e com computação avançada, ela possibilita exames com elevada qualidade e facilita a introdução de sistemas adicionais como tomossíntese e mamografia com contraste.

A importância do exame preventivo

Diante do cenário atual, com altos índices do câncer de mama no Brasil e no mundo, o autoexame continua sendo um importante recurso para o diagnóstico precoce da doença. De acordo com pesquisa realizada pelo INCA, em 66,2% dos casos de câncer de mama, a própria mulher detecta os primeiros sinais da doença. Após a identificação suspeita, é importante que a paciente consulte seu médico para realizar exames preventivos como, por exemplo, a mamografia, que torna-se junto com as demais opções de exame (ultrassom, ressonância magnética, biopsia), um eficaz recurso para o diagnóstico precoce da doença. “A mamografia é um importante recurso para detecção precoce. São poucos segundos que podem salvar vidas”, ressalta dr. Kalaf.

Tecnologia: aliada contra o câncer de mama

A tecnologia exerce um papel fundamental para a prevenção e diagnóstico precoce da doença. No caso do câncer de mama, existem soluções que permitem a detecção de tumores com antecipação suficiente para que as pacientes possam se beneficiar de tratamentos menos traumáticos e invasivos, aumentando muito as chances de cura.

O ano de 1913 foi considerado o marco inicial da mamografia quando o cirurgião alemão Albert Salomon realizou radiografia das mamas após a mastectomia em um estudo sistemático. Já, em 1927, foi realizada a primeira mamografia do mundo de uma paciente, pelo cirurgião Otto Kleinschmidt em “Die Klinik der Bösartigen Geschwulste” (avaliação clínica de tumores malignos). Aproximadamente 30 anos depois, em 1957, a Universidade de Heidelberg, na Alemanha, desenvolveu o primeiro estudo sistemático sobre exames de mama.

Em 1972, para auxiliar na luta contra o câncer de mama, a Siemens desenvolve o MAMMOMAT. Pioneira nos cuidados com a saúde, a companhia tem desenvolvido soluções para avaliação de risco, prevenção, diagnóstico, terapia e cuidados posteriores.

A linha MAMMOMAT da Siemens evoluiu e está na sua décima versão. O equipamento de mamografia digital Mammomat Inspiration PRIME é o que há de mais moderno no mercado. A solução de diagnóstico realiza a captura de imagens e permite a redução de até 30% da dose de radiação, sem comprometer a qualidade do exame. Este equipamento pode realizar a tomossíntese, um exame que faz aquisições de múltiplas imagens da mama em diferentes ângulos. Dessa forma, é possível fazer uma avaliação tridimensional da mama, melhorando o resultado do diagnóstico.

Para conhecer mais sobre as tecnologias Siemens Healthineers voltadas para a saúde da mulher, acesse: www.healthcare.siemens.com.br/healthcare-company-profile/index.html


 

Artigo: #PacientesNoControle no Outubro Rosa

“Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas”. A frase está em um dos maiores tratados de estratégia de todos os tempos, “A arte da guerra”, de Sun Tzu, general chinês e filósofo nascido em 544 a.C. É uma lição de disciplina, de valorização do conhecimento, que pode ser aplicada em diversos momentos de superação em nossas vidas.

O câncer de mama cria essa sensação de guerra entre a pessoa e a doença. Para combatê-lo, portanto, é preciso compreendê-lo e desafiá-lo. Neste Outubro Rosa, a nossa luta é pelo empoderamento dos pacientes. Durante todo o mês – através da campanha #PacientesNoControle – incentivaremos a busca de mais informações sobre o tratamento com os médicos, além da participação ativa nas decisões e exigência dos direitos. O enfrentamento é o primeiro passo rumo à recuperação.

Engajar pacientes é um desafio de toda a área da saúde. Com tristeza, verificamos que muita gente se apequena perante a doença, com muitas barreiras para entender ou assumir o protagonismo – mesmo quando existem boas chances de cura e condições adequadas de tratamento. O câncer de mama é também uma guerra psicológica, travada com seus próprios sentimentos e expectativas. O que queremos incentivar é que não há motivação maior do que o domínio de suas possibilidades.

O Rio Grande do Sul é o estado com maior incidência de câncer de mama no Brasil. São 90 casos para cada 100 mil habitantes. Milhares de gaúchas (e algumas dezenas de gaúchos) neste exato momento enfrentam as incertezas da doença e seu tratamento. Podemos – amigos, familiares e profissionais da saúde – auxiliá-los a tomar o controle, com empatia e sensibilidade. Mesmo quem está de fora, mas se sensibiliza com a causa, pode ajudar, atuando como voluntário em grupos de apoio de instituições como o Imama (Instituto da Mama do RS).

Quando o paciente assume as rédeas do seu processo de recuperação e obtém o devido suporte, ele aumenta significativamente suas chances. O câncer de mama é um inimigo ardiloso, mas está longe de ser imbatível. #PacientesNoControle são guerreiras e guerreiros que conhecem suas chances e vão em frente, com amor à vida e sem medo de enfrentar cada batalha.

 

 

Maira Caleffi é Chefe do Serviço Médico de Mastologia do Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre (RS)

 

 

 

 


 

Santa Casa adere à campanha Outubro Rosa

Como forma de alertar as mulheres sobre a importância da prevenção do câncer de mama, o Hospital Santa Casa de Mauá (SP) aderiu à Campanha Outubro Rosa e estão previstas várias ações no decorrer deste mês.

Além de todas as suas instalações e ambulatórios ganharem decoração e iluminação  diferenciadas na cor da campanha, a Santa Casa de Mauá está distribuindo para as pacientes material explicativo sobre prevenção da doença; no dia 11 às 9h, um grupo de enfermeiros fornecerá orientações sobre autoexame de mama no Sindicato dos Metalúrgicos de Mauá e Santo André; dia 26 às 19h fará uma abordagem preventiva no Céu das Artes do Parque das Américas e, no dia 28 o grupo participará da Feira Cultural Rosa do Jardim Oratório.

A Santa Casa de Mauá também passa a partir deste mês a realizar 800 mamografias mensais em razão da parceria firmada com a Prefeitura Municipal de Mauá. E entre as pacientes já atendidas estava Lozilda Quitéria da Conceição, de 101 anos (nascida em 10 de junho de 1916), que realizou pela primeira vez um exame de mamografia.


 

Médica vira paciente e lança livro após vencer o câncer

“De médica a paciente” foi o nome que a autora Fabiola La Torre escolheu para retratar o desafio que mudou sua perspectiva de vida. Diagnosticada com câncer de mama em junho de 2016.

Fabíola é medica, pediatra e intensivista, além de mãee esposa. A autora decidiu expor e dividir em 404 páginas do livro todas as suas anotações e as suas experiências vividas nesse complicado momento. O lançamento será no dia 18 de outubro, às 18h30 na livraria da Vila (Shopping JK), em São Paulo (SP).

A proposta do livro é abraçar um público especial: pacientes com câncer, amigos, parentes e até médicos que convivem diariamente com a doença. Fabíola pisa em águas mais profundas e conta em detalhes todas as suas vivências desde o recebimento do diagnóstico.

Em cada página, a autora reforça a ideia que o câncer transformou a sua vida em uma forma positiva e despertou sentimentos que estavam escondidos. “Quando descobri meu câncer posso dizer que foi incrível, pois convivi com pessoas que sofriam do mesmo mal que eu. O câncer não tem de idade, classe social, cor, nada torna você diferente delas. Nesse momento, somos todos iguais. O câncer não sabe quem é quem”.

Fabiola deixa claro, a idéia de sua transformação se tornando paciente após muitos anos sendo médica. “A primeira coisa que posso dizer é que pode até parecer loucura, mas não derramei uma lágrima”.

A sua honestidade emocional também é um fator que se torna relevante durante toda obra pois a médica expressa que tratar a doença de forma positiva é o remédio essencial. “Acabei percebendo que ser careca pode ser bonito. Tive a oportunidade de ter experiências diferentes, que jamais pensei em vivenciar afinal eu estava sempre do outro lado como médica e agora como paciente.”

Com 404 páginas, o livro está nos formatos e-book, físico e estará disponível nas livrarias da Vila, Saraiva e pelo site da editora, com preço sugerido de R$ 49,90.


 

Acupuntura aumenta qualidade de vida de pacientes com câncer

Mulheres com câncer de mama encontram na acupuntura uma forma de melhorar a qualidade de vida e saúde emocional

O mês de outubro é conhecido pela realização da campanha internacional ‘Outubro Rosa’, que promove a conscientização sobre o câncer de mama, doença que atinge milhares de mulheres no Brasil e no mundo.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), surgem por ano no Brasil cerca de 60 mil novos casos de câncer de mama. Desses, 15 mil levam as mulheres a óbito. O Inca também estima que, do início de 2016 até o final de 2017, sejam diagnosticados quase 58 mil novos casos no país. Ainda, o Ministério da Saúde aponta que esse tipo de câncer corresponde a cerca de 25% dos casos novos por ano. O câncer de mama é a segunda causa de morte por câncer nos países desenvolvidos, atrás somente do câncer de pulmão.

Os tratamentos hoje existentes para a doença são bem agressivos ao corpo, causando diversos efeitos colaterais. Além de eliminar as células cancerígenas, também eliminam as saudáveis, causando mal-estar no paciente. A quimioterapia, por exemplo, pode acabar gerando queda de cabelo, feridas na boca, perda de cabelo, náuseas e dores. E a pior situação é quando as mulheres que sofrem com o câncer de mama precisam remover o seio, o que afeta também a saúde emocional.

Tratamento complementar

Diante da dificuldade dos tratamentos para o câncer de mama, a acupuntura vem trazer um alívio, servindo como um tratamento complementar às demais terapias e proporcionando mais qualidade de vida aos pacientes. O procedimento ajuda a aliviar dores e inchaços, além de contribuir para aumentar a imunidade, aspecto fundamental para pessoas com câncer.

A Fisioterapeuta Dermatofuncional e especialista em acupuntura Dra. Andressa Moraes, proprietária do Espaço Andressa Moraes, destaca que a acupuntura também pode melhorar os resultados das terapias convencionais para tratamento de câncer. “Após a quimioterapia e radioterapia, o tratamento com acupuntura pode contribuir para que o paciente com câncer possa ter uma recuperação mais rápida, pois melhora a qualidade de vida, aliviando sintomas como cansaço, lentidão, indisposição, vômito, entre outros. Além disso, a acupuntura tem um importante papel no sistema imunológico, ajudando os pacientes com câncer a sofrerem menos com a agressividade dos tratamentos”, afirma.

A especialista ainda ressalta que são diversas as contribuições que a acupuntura pode trazer, porém, ela deve ser tratada apenas como um tratamento complementar, ou seja, jamais deverá substituir outras terapias que visam à cura do câncer.

Mastectomia

Como forma de tratamento, atualmente, o câncer de mama faz com que muitas mulheres tenham que realizar a mastectomia, cirurgia para retirada da mama. Além de afetar diretamente a autoestima e a saúde emocional dessas mulheres, o pós-operatório geralmente requer o uso de fortes remédios para aliviar dores.

Nesse sentido, a Dra. Andressa Moraes aponta que, após a retirada da mama, o tratamento com acupuntura pode acelerar a recuperação, estimulando uma melhor e mais rápida cicatrização e minimizando os efeitos colaterais da cirurgia. “A acupuntura irá trabalhar toda a parte sistêmica e emocional da mulher, eliminando o estresse e diminuindo a ansiedade”, explica.

Prevenção

Prevenção e diagnóstico precoce são fundamentais. Se o câncer de mama é diagnosticado precocemente, a recuperação total chega a 95% das pacientes. O autoexame é de suma importância e quando identificado qualquer sinal diferente na mama, a mulher deve procurar um médico.

Além do autoexame, é recomendado que mulheres com mais de 40 anos façam uma mamografia ao menos uma vez a cada doze meses. Essa prática permite uma redução de 30% na mortalidade por câncer de mama em mulheres na faixa etária de 40 a 69 anos.


 

Outubro Rosa chama atenção para diagnóstico precoce e tratamento

O mês de outubro é dedicado à conscientização do câncer de mama. De acordo com estudos, se diagnosticado no início, este tipo de câncer tem até 90% de chance de cura. Além do diagnóstico precoce, o acesso à informação e ao tratamento são importantíssimos para evitar problemas e até falência.

Para promover e disseminar a importância da prevenção à doença, o Hospital Moriah, localizado em Moema, São Paulo (SP), ganhou uma iluminação rosada neste mês por conta da campanha de conscientização. Além de iluminar o jardim e a fachada em prol da causa, o hospital oferece condições especiais para exames preventivos e cirurgias de mama.

“Sabemos que além do diagnóstico precoce, o acesso à informação e ao tratamento são de extrema importância. E por isso, nesse mês, estamos oferecendo os principais exames para diagnóstico da doença como o ultrassom das mamas e mamografia, além da cirurgia plástica de mama”, destaca o cirurgião plástico responsável pelo Centro de Referência em Cirurgia Mamária do Hospital Moriah, Dr. Alexandre Mendonça Munhoz.


 

Senac Tiradentes realiza mesa redonda voltada à prevenção do câncer de mama

O encontro tem como objetivo ressaltar a necessidade da prevenção e do diagnóstico precoce da doença

Durante o Outubro Rosa, movimento internacional que chama a atenção para a importância da prevenção e o combate ao câncer de mama, o Senac Tiradentes, em São Paulo (SP) realiza, no dia 21 de outubro, das 10h às 12h a mesa-redonda Saúde da Mama – prevenção e diagnóstico, que reunirá especialistas da área para debater sobre a necessidade do diagnóstico precoce da doença.

Entre os profissionais convidados, estão Maria Isabela B. A. Caldas Sawada, Médica assistente no setor de Mastologia do Hospital Pérola, Instrutora no curso biópsias mamárias – Susan Komen for the cure, e Oficial-médica da Aeronáutica de São Paulo, responsável pelos atendimentos em Mastologia; Renato Cagnacci Neto, médico assistente do departamento de Mastologia do Hospital A. C. Camargo; e Angelina Helena Francisco, diretora da Clínica CRYA. Durante o encontro, os palestrantes darão dicas importantes de saúde, bem-estar e qualidade de vida, relacionadas a hábitos saudáveis que colaboram com a prevenção

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer, as estimativas de novos diagnósticos alcançam 57 mil e, apesar do bom prognóstico de sobrevivência quando diagnosticado precocemente, chegando a 98% de chances de cura, as taxas de mortalidade pela doença continuam elevadas no Brasil.

Para se inscrever, acesse a página da unidade no portal: www.sp.senac.br/tiradentes


 

Fleury Medicina e Saúde lança Sutiã Rosa pela causa da prevenção do câncer de mama com apoio da Riachuelo e renda líquida revertida para Hospital Amparo Maternal

Lingerie em prol do cuidado com a saúde é uma iniciativa educativa e social e estará à venda na rede de varejo a partir de 26 de setembro

O Sutiã Rosa, símbolo de uma campanha educativa e social criada pelo Fleury Medicina e Saúde para lembrar as mulheres desde a adolescência sobre a importância da prevenção quando o assunto é saúde, passa a ser comercializado pelas lojas Riachuelo a partir de 26 de setembro.

A lingerie com trama padronizada inspirada no laço rosa, ícone mundial do combate ao câncer de mama, terá toda a renda líquida da venda revertida para o Hospital Amparo Maternal, entidade selecionada pelo Fleury, considerada modelo de humanização para a saúde da mulher e que realiza em média 480 partos por mês.

“O Fleury é um aliado dos médicos e seus pacientes na luta contra o câncer. O sucesso de qualquer estratégia de prevenção passa pelo engajamento das pessoas nesta causa. Por isso, desenvolvemos esta campanha, que usa o sutiã como símbolo de conscientização para mulheres de diferentes gerações”, afirma Mariana Tolovi, diretora executiva de Relações Institucionais, Comercial e Marketing do Grupo Fleury.

A peça foi desenhada para diferentes idades e perfis, ideal para quem procura conforto e liberdade. Por não possuir costura e nem fecho, acomoda todos os tipos de bustos e seu bojo pode ser removido. As peças estarão à venda nas lojas Riachuelo em todo o Brasil e também no e-commerce da marca (www.riachuelo.com.br) ao preço unitário de R$ 39,90.

“Colocar a nossa estrutura à disposição para contribuir com uma causa tão importante como a prevenção do câncer de mama é gratificante para nós. Lembrando que todo o lucro das vendas do Sutiã Rosa nas nossas lojas será revertido para o Amparo Maternal, instituição filantrópica referência em saúde da mulher”, diz Marcella Kanner, gerente de Marketing da Riachuelo.

“Fazer parte de um projeto tão importante para as mulheres brasileiras e que contribui com a conscientização sobre o câncer de mama e o cuidado com a saúde é um grande reconhecimento do trabalho realizado por nós no hospital. A doação que receberemos contribuirá, ainda mais, para continuarmos com um serviço de referência às gestantes e mães da comunidade e também em condições de vulnerabilidade social que tanto precisam dessa assistência”, afirma Fernanda Allucci, diretora executiva do Amparo Maternal.

A campanha a favor da saúde feminina traz o slogan ‘O movimento contra o câncer de mama não sai de moda’ a partir do conceito Saúde é Poder da marca Fleury – expresso nessa iniciativa pela hashtag #saúdeépoder.

A iniciativa conta ainda com um hotsite exclusivo para mais informações: www.sutiarosa.com.br

Assista o vídeo da campanha:

PREVENÇÃO

O câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não melanoma, respondendo por aproximadamente 28% dos casos novos a cada ano. Relativamente raro antes dos 35 anos, a sua incidência cresce progressivamente acima desta idade, especialmente após os 50 anos. O INCA (Instituto Nacional de Câncer) estimou que seriam 58 mil novos casos diagnosticados somente em 2016.

De acordo com Giselle Mello, radiologista do Grupo de Mama do Fleury Medicina e Saúde, o Outubro Rosa é mais uma oportunidade para conscientização sobre a saúde feminina. Confira algumas dicas da especialista:

1)      Lembrar que, independentemente da idade, é preciso cuidar da saúde, consultando um médico regularmente e escolhendo a especialidade que faça mais sentido com o momento atual de vida. Pode ser um pediatra, um clínico geral ou um ginecologista, por exemplo;

2)      Procurar imediatamente o médico se notar qualquer anormalidade na mama;

3)      Frequentar regularmente o ginecologista, em média uma vez por ano;

4)      Realizar os exames necessários, como mamografia a partir dos 40 anos;

5)      Esclarecer as mulheres do seu círculo social sobre a importância da prevenção do câncer de mama.

O Fleury não receberá nenhum recurso financeiro decorrente dessa ação. A empresa tem, nesse projeto, o papel de instituição idealizadora e facilitadora, tendo estabelecido parceria com a Riachuelo para a confecção e viabilidade comercial do ‘Sutiã Rosa’ com toda a renda líquida revertida para o Amparo Maternal.


 

Einstein comemora o outubro rosa com todas as cores

No dia 10 de outubro, 12 pacientes de câncer de mama do Centro de Oncologia e Hematologia Família Dayan – Daycoval expuseram quadros pintados em conjunto com o muralista Eduardo Kobra, que realizou uma oficina de pintura com as mulheres, ensinando suas técnicas.

As pacientes mostraram suas pinturas e um painel de 12 metros, pintado por Kobra especialmente para o evento, com a ajuda do grupo.

O evento contou ainda com coquetel para cerca de 100 convidados entre pacientes, suas famílias e médicos.

Outubro Rosa no Einstein tem palestra com especialistas

O ciclo mensal de palestras promovido pelo Hospital Israelita Albert Einstein tem como foco alertar a sociedade sobre a importância da prevenção como forma de cuidar da saúde por meio de atividades de bem-estar e hábitos saudáveis.

Em especial ao mês que marca a campanha de prevenção contra o câncer de mama, no dia 17 de outubro, o Einstein preparou um encontro com os médicos Ana Carolina Rezende, radioterapeuto; Antonio Buzaid, oncologista e Fernanda Lima, geneticista, para falar sobre prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer de mama.

A palestra acontece na unidade Morumbi do Einstein, é gratuita e não necessita de inscrição prévia.


 

10 verdades sobre câncer de mama

Outubro Rosa chama atenção para prevenção e diagnóstico

Mês dedicado à conscientização, à prevenção e ao diagnóstico do câncer de mama, o Outubro Rosa tem se tornado fundamental na luta contra o aumento de casos de câncer de mama – o segundo tipo mais comum entre mulheres no Brasil e no mundo. Abaixo, a oncologista da Oncoclínica (RJ), Dra. Vera Lúcia Teixeira, explica 10 verdades sobre câncer de mama que todos devem saber.

1 – 1º mais frequente em mulheres: o câncer de mama é o primeiro tipo mais comum entre mulheres no Brasil (com exceção do tumor de pele não melanoma) e no mundo, sendo responsável por 28% dos casos, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), que estimou, só para 2016, 57.960 novos casos;

2 – Bons exemplos como espelhos para cura: histórias de cura, com final feliz e de superação, ajudam na recuperação de pacientes em tratamento;

3 – Principais sintomas: sinais como nódulos nas mamas e/ou axilas e pescoço, assimetria das mamas com alterações de pele como vermelhidão, edema que faz lembrar casca de laranja e retração e drenagem de secreção pelos mamilos são os principais indícios do câncer de mama;

4 – Rotina de exames como aliada: manter sempre a agenda de exames preventivos em dia é fator decisivo na identificação precoce do câncer de mama;

5 – Mamografia com protagonista no diagnóstico precoce: a mamografia cumpre papel decisivo na identificação precoce do câncer de mama. Sua realização anual é recomendada após os 40 anos, de acordo com a Sociedade Brasileira de Mastologia;

6 – Autoexame como salva-vidas: todas as mulheres podem e devem fazer o autoexame, mas tal prática não exclui a obrigatoriedade dos exames de imagem como mamografia e ultrassonografia das mamas;

7 – Faixa etária deve despertar cuidados mais atentos: o tumor de mama é relativamente raro antes dos 35 anos. Acima desta idade, sua incidência cresce de maneira progressiva, especialmente após os 50 anos;

8 – Acesso universal à informação como arma de prevenção: popularizar, os sintomas, as formas de prevenção e disseminar e reforçar sempre a importância de bons hábitos de saúde – como prática de exercício físico e alimentação saudável – são tão fundamentais quanto conhecer os fatores de risco;

9 – Principais fatores de risco: sedentarismo, obesidade e sobrepeso, consumo de bebida alcoólica, tabagismo, exposição à radiação ionizante, histórico familiar genético (que corresponde de 5% a 10% do total de casos), reposição hormonal e uso de contraceptivos (embora muitos estudos sobre o tema tenham resultados controversos, a OMS considera como fator de risco) são os fatores de risco mais importantes para o desenvolvimento do câncer de mama;

10 – Câncer de mama em homens: representa apenas 1% dos casos da doença, sendo considerado raro, quando comparado à incidência em mulheres. E, por ser pouco comum, costuma ter diagnóstico tardio pelo desconhecimento da possibilidade da doença em pacientes masculinos e a consequente falta de atenção aos sintomas. O sinal mais comum do câncer de mama no homem é o mesmo que na mulher: um nódulo endurecido na região mamária ou na axila que pode ou não atingir a pele e provocar uma ferida”, finaliza a Dra. Vera Lúcia Teixeira.


 

Caminhada quer chamar a atenção para câncer de mama e de próstata

Alertar, conscientizar, prevenir e estimular a qualidade de vida. É com este objetivo que será realizada a “2ª Caminhada Outubro Rosa e Novembro Azul”, no dia 21 de outubro, em Cuiabá (MT). Promovido pelo Hospital Santa Rosa, o evento pretende reunir mais de 200 participantes – entre colaboradores, parceiros e população em geral – para uma manhã repleta de informação e descontração.

Por meio do Outubro Rosa, a campanha visa conscientizar e orientar as mulheres sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama – que pode ser feito com auxílio do autoexame e por meio da mamografia. Enquanto que, pela temática do Novembro Azul, o alerta aos homens é voltado à importância dos exames regulares de próstata, bem como à prevenção e diagnóstico de um dos tipos de câncer mais comum entre a população masculina: o câncer de próstata.

“A palavra-chave é, sem dúvidas, ‘prevenção’. Apesar de ser um evento em prol das campanhas Outubro Rosa e Novembro Azul, é necessário que as pessoas se cuidem sempre – em todos os meses do ano. Precisamos, cada vez mais, abraçar essa ideia. Afinal, o controle da sua vida também passa pelas suas mãos. Sensibilizar e informar a população sobre estes temas é essencial para esta missão”, comenta a gerente de Marketing do Hospital Santa Rosa, Eli Candido Soares.

CAMINHADA – No dia 21 de outubro, a largada da caminhada será na Praça Miguel Maluf, em frente ao hospital Santa Rosa, às 7h, com chegada na Praça Cívica do Parque Mãe Bonifácia. No evento, os participantes poderão contar com orientações nutricionais, teste de glicemia e aferição de pressão. Além disso, várias atividades irão animar a manhã do público – que pode contribuir com a doação de alimentos não-perecíveis em prol de instituições de caridade.


 

Obesidade dificulta prevenção e tratamento do câncer de mama

Risco aumenta porque o excesso de peso aparece associado a outras doenças

O câncer de mama é um problema que atinge muitas mulheres em todo o mundo, mas se for diagnosticado precocemente, tem grandes chances de cura. A doença relativamente rara antes dos 35 anos começa a ter maior incidência após os 50 anos. Existem vários tipos de câncer de mama. Alguns evoluem de forma rápida, outros, não. Mas a maioria tem boas chances de cura.

Desde a década de 1990, durante todo o mês de outubro as instituições de saúde fazem campanhas para estimular a participação da população no controle do câncer de mama. O Outubro Rosa é celebrado anualmente, com o objetivo de compartilhar informações sobre a doença, promover a conscientização, proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico, tratamento e, consequentemente, contribuir para a redução da mortalidade pela doença.

Dentre todos os fatores considerados importantes para a prevenção, a alimentação talvez seja o que precise de mais atenção, pois a obesidade é um marcador de prognóstico ruim para o câncer de mama.

Segundo o Dr. Marcello Ferretti Fanelli, oncologista do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, de São Paulo (SP), alguns dados já solidificados apontam para uma associação de obesidade com câncer de mama, especificamente em tumores que tem velocidades de crescimento mais brandos. “Os tumores mais agressivos aparecem menos relacionado com a obesidade, já os tumores dependentes dos hormônios estrógeno e progesterona têm alta relação”, esclarece o oncologista.

Esse risco maior se dá porque a excesso de peso normalmente aparece com duas ou mais doenças associadas, fazendo com que esse paciente carregue consigo outros problemas de saúde que podem vir a agravar a sua condição geral, como diabetes, hipertensão ou problemas cardiovasculares, por exemplo.

Para o Dr. Marcello, as pessoas devem preconizar um estilo de vida saudável, com boa alimentação, atividade física regular e interrupção do tabagismo, quando ele é presente. “A prevenção deve ser feita o ano todo e não somente durante as campanhas”, orienta.

O diagnóstico do câncer de mama é feito por meio de biópsia das lesões palpáveis, visíveis ou que foram identificadas em exames de imagem da mama (mamografia, ultrassonografia ou ressonância magnética).

O tratamento sempre é individualizado, pois depende de características importantes como estadiamento, que é o processo para determinar a extensão do câncer e onde está localizado, além das características clínicas do paciente. Pode ser incluído: cirurgia, quimioterapia, radioterapia, terapia alvo ou hormonioterapia, tudo dependerá do diagnóstico.


 

FSFX dá início às ações do Outubro Rosa

Marcando a chegada do mês de conscientização e prevenção ao câncer de mama, a Fundação São Francisco Xavier dá início ao ciclo de ações para a campanha Outubro Rosa. Além das fachadas das unidades do Hospital Márcio Cunha, em Ipatinga (MG), ganharem iluminação na cor símbolo do projeto, em 2017, o hospital receberá, para os exames de mamografia, as pacientes que realizarem requisições junto às unidades de saúde do município.

O exame, viabilizado por meio de uma parceria entre a Prefeitura Municipal de Ipatinga e o HMC, é imprescindível para o diagnostico precoce da doença e é considerado o fator mais importante para o sucesso do tratamento e cura. É gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS), e é voltado para mulheres – com idade entre 50 a 69 anos – das microrregiões de Ipatinga, Coronel Fabriciano e Caratinga – aproximadamente 35 municípios.

Importante frisar que, para acesso ao benefício, as mulheres devem procurar uma unidade básica de saúde, solicitando o exame. A atendente irá preencher a requisição do SUS e encaminhar ao HMC para agendamento. A data e horário da avaliação serão repassados à solicitante, pela prefeitura, por telefone, e será realizada nas unidades I e II do Hospital Márcio Cunha e na Unidade Avançada FSFX, no bairro Canaã. As pacientes, na data do exame, deverão apresentar a requisição totalmente preenchida, cartão SUS e documentos pessoais.

“A campanha Outubro Rosa é uma oportunidade de colocar em evidência uma das doenças que mais atinge mulheres no Brasil. A conscientização sobre o câncer de mama é importante, pois ressalta como um diagnóstico precoce pode possibilitar até 95% de cura da doença. E o Hospital Márcio Cunha tem muito orgulho de fazer parte desta iniciativa”, frisa Mauro Oscar Soares de Souza Lima, superintendente Geral de Hospitais da FSFX.

“A cada ano, o câncer de mama responde por cerca de 28% dos casos novos da doença no Brasil e no mundo. Ele é relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta idade sua incidência cresce progressivamente, especialmente após os 50 anos. Existem vários tipos de câncer de mama, a maioria dos casos tem bom prognóstico quando diagnosticado precocemente. Por isso, queremos incentivar as mulheres a compartilharem esse assunto em casa, no trabalho, na comunidade e, principalmente, com outras mulheres, estimulando a realização da mamografia conforme orientação médica”, explica a gerente de Promoção de Saúde, Fernanda Ferreira Monteiro de Souza.

Além da mamografia, a campanha de conscientização também reforça a importância do autoexame. “É imprescindível que as mulheres observem suas mamas. Seja no banho, no momento da troca de roupa ou em outra situação do cotidiano. Se, ao fazer o toque, sentir algum nódulo ou caroço, se houver vermelhidão na pele, alterações no mamilo ou saída espontânea de líquido, ela deve procurar imediatamente um serviço médico para avaliação diagnóstica”, explica o médico coordenador da Unidade de Oncologia do HMC, Luciano de Souza Viana.

Dia Rosa

Internamente, o Hospital Márcio Cunha realiza junto às pacientes em tratamento o Dia Rosa, na Unidade de Oncologia. Marcada para o dia 11 de outubro, a ação visa dedicar um dia de beleza inteiramente às mulheres que enfrentam a doença, com o objetivo de resgatar a autoestima e elevar a satisfação.

“O câncer tem um impacto psicológico significativo na vida da paciente. Mas, quando esse momento é vivido com conhecimento, compreensão e vontade de vencer, a resposta ao tratamento é muito mais positiva. Assim, no Dia Rosa, queremos oferecer para as mulheres um momento especial de embelezamento, compartilhamento de experiências e valorização pessoal, entendendo que tudo isso contribui para o processo de tratamento e cura”, finaliza a gerente de Oncologia do HMC, Ledvania Chaves Ribeiro.

Entre as atividades, realizadas por voluntários, estão oficina de maquiagem, sorteio de brindes dos cosméticos doados por empresas da região, entrega de turbantes e lenços confeccionados por pessoas da comunidade, oficinas de amarrações de lenços e turbantes com a estilista Vanuza Bárbara e campanha de conscientização do grupo Se Toque.


 

RTE Rodonaves doará mechas de cabelos para o Hospital do Câncer de Ribeirão Preto

Em apoio ao Outubro Rosa, empresa montará um mini-salão de beleza dentro da matriz para promover a ação junto aos colaboradores

A RTE Rodonaves realiza em 16 de outubro, na matriz localizada em Ribeirão Preto (SP), campanha para arrecadar mechas de cabelo que serão doados à Fundação Sobeccan – Hospital do Câncer de Ribeirão Preto, especializada em câncer de mama. Todo o cabelo coletado vai ser transformado em perucas.

A empresa vai montar internamente um mini-salão de beleza com profissional para cortar o cabelo dos colaboradores que quiserem participar da campanha. Outras unidades da RTE Rodonaves também participam dessa ação solidária em apoio ao Outubro Rosa, pois visa contribuir para a melhoria do bem-estar das mulheres ao estimular a autoestima, que acaba se abalando por causa do tratamento agressivo que ocasiona a queda de cabelo.

Além dessa ação, todo o dinheiro arrecadado com a venda do livro com a biografia de João Naves, fundador e presidente da RTE Rodonaves, é revertida para o hospital. A obra “Uma Vida de Entrega” conta a história visionária de empreendedorismo, que iniciou na década de 70, na rodoviária da cidade. A partir de uma bicicleta, a “charmosinha”, originou-se a RTE Rodonaves, que se consolidou no decorrer dos anos como uma das maiores empresas de transportes do país. Para adquirir um exemplar, que custa R$ 29,90, os interessados podem enviar um e-mail para marketing@rte.com.br ou ligar no (16) 2101-9936.


 

Exposição em Suzano (SP) resgata a autoestima de pacientes com câncer de mama

‘Apaixone-se por si’ fica exposta no Suzano Shopping até o dia 22 de outubro

O Suzano Shopping recebe, a partir de 12 de outubro, mais uma ação especial da campanha Outubro Rosa. Durante 10 dias serão expostas no empreendimento fotos de mulheres que lutaram ou ainda estão lutando contra o câncer de mama. As imagens visam resgatar a autoestima de pacientes oncológicas e acontece na loja 42.

A exposição ‘Apaixone-se por si’ foi criada por Sandra Gonçalves, moradora de Suzano que enfrenta a doença há quatro anos e viu, na fotografia, uma chance de incentivar e ajudar outras tantas mulheres que estão em tratamento. “As fotos conseguem mostrar às mulheres que enfrentam essa doença, e às demais pessoas, que, independente de ter câncer e estarem em tratamento, elas continuam lindas”, conta Sandra.

Ao todo, 10 mulheres ilustram o projeto. As imagens, feitas por Alessandra Sena e Ana Di Castro, alunas do SENAC, foram registradas durante um evento que teve como tema a celebração da vida.

No local da exposição haverá também a arrecadação de lenços, que serão posteriormente entregues a pacientes carentes nos hospitais Pérola Byington e Luzia Pinho de Melo. A mostra também contará com palestras dos profissionais de saúde, Thalita Rodrigues Eufemia, Danysa Nascimento, Renata Perrella e Jorginho Abisamra. Além disso, no local será instalado um mural explicando o autoexame e passando informações sobre os cuidados necessários durante o tratamento oncológico.


 

Evento em apoio ao Outubro Rosa promove dia de atividades educativas

No dia 7 de outubro, a Associação de Prevenção ao Câncer da Mulher (ASPRECAM) em parceria com a Clínica Personal Oncologia de Precisão e Personalizada, CAA-MG, dentre outros órgãos, realizaram o “Circuito Mamamiga pela Vida”, em apoio ao movimento Outubro Rosa. “A mamografia é extremamente importante, ela é fundamental para detectar precocemente a doença, mas ela não se presta totalmente para evitar, é para prevenir. Ela é muito importante para a prevenção de um câncer, ao impedir que ele apareça”, explica André Murad, oncologista e diretor da clínica Personal.

Com o intuito de promover o diagnóstico e tratamento precoce do câncer de mama, o circuito realizou ações como um desfile de moda com a participação de mulheres que já tiveram ou estão em tratamento do câncer de mama; rodas de conversas com especialistas; disponibilização de orientações nutricionais e jurídicas para a mulher com câncer; realização de procedimentos de beleza e estética; e explicação sobre a forma correta de realização do autoexame, fazendo uso do dispositivo Mamamiga.

“Nós estamos precisando unir Minas Gerais em torno de uma causa ligada ao câncer. O câncer passa a ser hoje no Brasil e no mundo, a doença que mais avança e vai se tornar nos próximos anos a maior causa de mortes no mundo”, afirma Thadeu Rezende, mastologista e cirurgião plástico titular da Sociedade Brasileira de cirurgia plástica e superintendente da ASPRECAM.


 

Câncer de mama: é possível prevenir

Muita gente pergunta se é possível prevenir o câncer de mama. A Fundação do Câncer mostra que sim: o desenvolvimento de até 13 tipos tumores está relacionado a comportamento. Neste Outubro Rosa, a instituição reforça que, com a adoção de medidas simples no dia a dia, é possível reduzir a incidência do câncer de mama, o mais comum entre as mulheres, depois do não melanoma.

No Brasil, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de mama responde por cerca de 25% dos novos casos registrados anualmente da doença. Pesquisa divulgada pelo Inca para o biênio 2016-2017 estimou a ocorrência de 57.960 mil casos novos no país em 2016.

Apesar de os números serem grandiosos, o câncer de mama é um tumor curável, em até 98% dos casos, se detectado na fase inicial, reduzindo significativamente a necessidade da mastectomia (retirada dos seios), tão temida pelas mulheres.

A recomendação da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) é a realização da mamografia de rastreamento (quando não há sinais nem sintomas) em mulheres entre 40 e 69 anos, ou antes dessa faixa etária caso haja histórico familiar de câncer de mama ou a indicação de um profissional de saúde a partir de um exame clínico.

“Somente o exame de mamografia pode mudar a curva da doença. Uma das barreiras para a detecção precoce do câncer de mama é o medo. Por isso, as campanhas de conscientização são importantíssimas para que as mulheres não demorem a procurar orientação médica para realização do exame”, afirma o mastologista e diretor do Hospital Fundação do Câncer, Carlos Frederico Lima.

Confira algumas dicas importantes da Fundação do Câncer:

·         Procure um profissional de saúde e mantenha os exames atualizados

Especialmente na fase inicial – quando o nódulo tem tamanho muito reduzido e, consequentemente, a chance de cura é maior – é imprescindível a realização da mamografia para detecção da doença.

O autoexame é uma maneira importante de a mulher conhecer o próprio corpo e perceber possíveis alterações, mas, muitas vezes, o tumor não consegue ser percebido apenas pelo toque. Por isso, a premissa básica é: faça acompanhamento regular com um profissional de saúde, que irá avaliar clinicamente a paciente e fazer as prescrições de acordo com o seu perfil e necessidades.

·         Pratique atividade física

A prática de atividade física diminui em cerca de 1/3 os riscos de desenvolver câncer de mama. Pratique 30 minutos de exercício aeróbico, pelo menos três vezes na semana, ou de acordo com as suas necessidades. Procure um profissional da área para pedir orientação na escolha da atividade física e acompanhamento para ter uma prática mais adequada.

·         Controle a alimentação

Uma dieta equilibrada evita o sobrepeso e melhora a qualidade de vida. Alimentos industrializados, enlatados e conservados contêm agentes cancerígenos na composição e devem ser evitados. É o caso das carnes processadas, defumadas, curadas ou salgadas (carne de sol, charque e peixes salgados) e embutidos, como salsicha, linguiça, mortadela e salame.  Dê prioridade aos vegetais e coma pelo menos cinco porções ao dia de frutas, legumes e verduras. São alimentos ricos em vitaminas essenciais, sais minerais e fibras, além de substâncias antioxidantes que protegem contra a maioria dos tipos de câncer.

·         Não fume

O cigarro contém cerca de 4.720 substâncias tóxicas, que levam a uma série de doenças, entre elas, o câncer.  O tabagismo é considerado a principal causa de morte evitável pela Organização Mundial da Saúde (OMS) – 4,9 milhões pessoas (mais de 10 mil por dia) morrem todos os anos em decorrência do cigarro – e estima-se que 30% de todos os casos de câncer são devido ao tabagismo. Por isso, não fume e proteja-se da fumaça do cigarro. Deixar de fumar é uma das decisões mais importantes na vida de um fumante e para quem convive com quem fuma. Sempre vale a pena!

·         Não consuma álcool

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o alcoolismo causa entre 2% e 4% das mortes por câncer, sendo um dos fatores de risco para o desenvolvimento de diversos tumores, incluindo o de mama, principalmente se o uso for combinado com o tabaco. Além do câncer, o consumo de álcool está associado a mais de 200 tipos de doenças, entre cardiovasculares, mentais e hepáticas. Reduzir a frequência do consumo pode diminuir as chances de desenvolver a doença, mas a escolha mais saudável é não beber ou evitar ao máximo a ingestão de bebidas alcoólicas.


 

Flávia Flores lança livro Quimioterapia e Beleza na Livraria da Vila

Lançamento acontece no dia 16 de outubro

A Livraria da Vila da Fradique recebe em 16 de outubro a administradora e escritora Flávia Flores para o lançamento de seu primeiro livro, Quimioterapia e Beleza. O evento acontece das 19h às 21h30.

Diagnosticada com câncer de mama em 2012, Flávia começou a pesquisar sobre a quimioterapia e criou uma página no Facebook – Quimioterapia e Beleza -, para compartilhar com outras mulheres tudo sobre beleza, autoestima e bem-estar. Agora a página resultou no livro de mesmo nome, reunindo suas dicas para superar o câncer e manter a saúde, a sensualidade e o alto astral.

Sobre a autora

Diagnosticada com câncer de mama em 2012, Flávia começou a pesquisar sobre a quimioterapia e transformou a falta de informação para manter a autoestima nesse momento delicado em uma página no Facebook – Quimioterapia e Beleza, para compartilhar com outras mulheres tudo sobre beleza, autoestima e bem-estar.


 

Hospital São Vicente promove palestras gratuitas

No dia 19 de outubro, o Hospital São Vicente – Funef, de Curitiba (PR), realizará duas palestras gratuitas sobre a prevenção do câncer de mama. Às 15h, o tema será a Prevenção do Câncer de Mama – Riscos Evitáveis, com o Dr. Murilo Saboia, Oncologista Cirúrgico. E, às 16h30, a nutricionista Adriana Zadrozny abordará O Poder da Alimentação na Prevenção do Câncer de Mama. Ambas serão no auditório do Hospital São Vicente.

Segundo a nutricionista Adriana Zadrozny, a alimentação interfere em todos os processos relacionados ao câncer, da prevenção, passando pelo tratamento e também ajudando a evitar a recidiva da doença.

“Durante o tratamento, a nutrição oncológica ajuda o paciente a se sentir melhor, diminuindo as náuseas. O alimento também tem ação direta interferindo no crescimento do tumor e aumentando a imunidade. Brócolis e chocolates 70% cacau podem contribuir na conduta, por exemplo”, explica a especialista. Vale lembrar que o câncer de mama está relacionado com a obesidade, citando o excesso de açúcares, gordura animal e abusos alimentares.

A obesidade X o câncer de mama também será um dos temas abordados pelo oncologista cirúrgico do Hospital São Vicente, Dr. Murilo Saboia: “A obesidade é considerada o segundo maior fator de risco evitável, levando-se em conta o câncer em geral, atrás apenas do tabagismo. Em relação ao câncer de mama, é especialmente importante nas mulheres após a menopausa, devido à produção do estrogênio (hormônio feminino envolvido no desenvolvimento do câncer) pelas células de gordura. Daí a importância de uma alimentação saudável e a prática regular de atividade física”.

Informações: www.hospitalsaovicente.com.br l www.facebook.com/hospitalsaovicentecuritiba


 

Centro Oncológico do Triângulo participa do Outubro Rosa com palestras e campanha lúdica para orientar o público

O câncer de mama, que embora tenha 95% de probabilidade de recuperação total quando descoberto e tratado no início, ainda é considerado o segundo tipo de câncer que mais mata mulheres, de acordo com a Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer. Neste mês, em que a importância da prevenção e do diagnóstico precoce são lembrados por meio da campanha Outubro Rosa, o Centro Oncológico do Triângulo adere ao movimento e promove uma série de palestras e ações com stands em entidades e empresas de Uberlândia e Araguari, com o objetivo de alertar e oferecer orientações para o público feminino. As ações fazem parte do programa COT Educação e Saúde e seguem até o fim do mês.

Além das palestras, a clínica também incentiva a prevenção com uma campanha lúdica que utiliza um vídeo que remete a personagem da Rapunzel chamando a atenção para a importância do diagnóstico precoce. O vídeo pode ser conferido na página do Facebook e no Instagram do COT. A coordenadora de marketing do Centro Oncológico do Triângulo, Ana Mendonça, explica que o objetivo é promover uma conscientização sobre a importância da prevenção. “Participamos por mais um ano deste movimento tão importante que é o Outubro Rosa e além de uma campanha lúdica, reforçamos a importância do diagnóstico precoce por meio do autoexame das mamas e da mamografia, assim como do acompanhamento oncológico, que pode evitar a descoberta da doença em estágios já avançados e aumentar as chances de cura”, destaca a coordenadora.

Para ampliar a divulgação da campanha, a clínica também desenvolve uma ação na sede, com um enorme balão iluminado de rosa para chamar atenção do público que passa pelo local sobre a importância do movimento Outubro Rosa.


 

Amigas do Peito realiza VIII Mutirão Outubro Rosa no Hospital Estadual de Bauru

Agendamento para exame clínico das mamas começa no dia 18 de outubro. Podem participar mulheres de todas as idades; as vagas são limitadas

No dia 28 de outubro, o Grupo Amigas do Peito vai realizar o VIII Mutirão Outubro Rosa de Exame Clínico das Mamas, das 8h às 15 horas, no Hospital Estadual de Bauru (SP). Podem participar mulheres de todas as idades. As vagas são limitadas e a oferta poderá ser ampliada à medida que houver maior adesão de médicos voluntários. O evento é uma realização do Grupo Amigas do Peito com apoio do Hospital Estadual de Bauru (HEB) e da Famesp (Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar) e conta com a atuação voluntária de médicos, profissionais de enfermagem e administrativos.

Agendamento

Para ser atendida, basta fazer agendamento via Call Center da Secretaria de Estado da Saúde (0800 7790000, opção 1) a partir do dia 18 de outubro, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h (a paciente deverá mencionar que o agendamento se refere ao  mutirão do Grupo Amigas do Peito). As mulheres que apresentarem critério clínico caracterizado como urgente farão mamografia no Hospital no mesmo dia do evento. Aquelas que se enquadrarem nos requisitos médicos, como, por exemplo, ter mais de 50 anos e não ter feito mamografia no ano passado, terão agendamento de exame de mamografia nos serviços de referência.

No ano passado, o Mutirão realizou 942 exames clínicos das mamas e 59 mulheres apresentaram alterações e fizeram mamografia no mesmo dia.

O Mutirão Outubro Rosa integra o calendário oficial do mês de prevenção ao câncer de mama e de conscientização sobre a importância da realização de exames preventivos.

Médicos voluntários

O Mutirão de Exame Clínico das Mamas é realizado com a participação de médicos voluntários. As vagas são disponibilizadas de acordo com o número de profissionais participantes.

Os interessados em ajudar podem se inscrever pelo site do Grupo (www.amigasdopeito.com) e clicar na aba “voluntariado” para informar nome completo, número do CRM, especialidade e horário em que deseja participar do Mutirão. Os voluntários também podem mandar os dados por e-mail: contato@amigasdopeito.com ou ainda se inscrever pelo telefone do HEB: 3103-7777, ramal 3396. Podem participar médicos de qualquer especialidade.


 

Semana com ações de conscientização e campanhas de arrecadação lembra Outubro Rosa na Maternidade Maria Amélia

Entre os dias 16 e 20 de outubro, a Maternidade Maria Amélia Buarque de Hollanda (MMABH) e a Coordenação Regional de Emergência (CER) Centro, pertencentes à rede pública municipal do Rio de Janeiro, terão programação especial e campanhas de arrecadação em alusão ao Outubro Rosa, ação que alerta para a prevenção do câncer de mama, que, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), é responsável por cerca de 25% dos novos casos de câncer.

Para o público externo, as unidades de saúde oferecerão as palestras ‘Alimentação e Saúde’, ministrada pela nutricionista Carla Navarrete, e ‘Vamos Tocar Nesse Assunto’, ministrada pela mastologista Patricia Frankel. As atividades acontecerão no Auditório Zilda Arns, localizado na Maternidade, nos dias 16 (segunda-feira), às 10h, e 18 (quarta-feira), às 15h, respectivamente.

No dia 17 (terça-feira), às 13h, também no Auditório Zilda Arns, a oficina de Constelação Familiar ‘O Amor que Adoece e o Amor que Cura’ acontece sob o olhar da terapeuta consteladora Chris Leanza. A ação busca tornar acessível tal terapêutica à população, promovendo um novo olhar sobre a saúde sistêmica.

Campanha para instituições de apoio ao câncer

Ainda durante a semana, a MMABH e a CER Centro estarão arrecadando lenços, cabelo e leite em pó para institutos que cuidam de pacientes com câncer. As doações devem ser entregues na recepção da Maternidade Maria Amélia Buarque de Hollanda, localizada na Rua Moncorvo Filho, 67 – Centro, Rio de Janeiro.

Os lenços serão doados para o INCAvoluntário e as latas de leite Ninho para o INCA e Casa Ronald McDonald. As mechas de cabelo arrecadadas irão para a Casa Ronald McDonald. Quem desejar, poderá cortar o cabelo na própria Maternidade, que estará disponibilizando cabeleireiro para realizar o corte da doação.


 

Câncer: a importância da prevenção

A luta contra o câncer ganha força com o diagnóstico precoce da doença

Outubro Rosa chega para a conscientização das questões ligadas ao câncer de mama. A doença que deverá registrou aproximadamente 600 mil novos casos em 2016, sendo 295.200 em homens e 300.800 em mulheres, de acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), questões como prevenção e detecção precoce se tornam primordiais, principalmente quando se considera que cerca de 85% dos cânceres podem ser potencialmente evitáveis.

“A maior parte das mulheres só identifica a doença quando ela já está em desenvolvimento, devido ao aparecimento de irregularidades na pele, caroços nos seios, ou alterações no útero“ pontua José Karam, ginecologista obstetra da CISE – Clínica Integrada Santo Expedito. O especialista alerta que, muitas vezes, a enfermidade chega de forma silenciosa.

Tabagismo, sedentarismo e obesidade são fatores de risco que contribuem para um aumento da incidência da doença. “Ter hábitos saudáveis que vão desde a boa alimentação até a prática de exercícios físicos, diariamente, são grandes aliados na prevenção de doenças e dos variados tipos de câncer, como de mama, colo do útero ou próstata”, afirma o médico. Ele ressalta ainda, que os homens podem ser afetados pelo câncer de mama e, apesar de a incidência ser bem menor, não devem se esquecer de visitar o médico regularmente.

Prevenção

Os homens entre 50 e 70 anos precisam investigar o câncer de próstata nas consultas médicas, principalmente se houver histórico familiar da doença. As mulheres, por sua vez, precisam fazer exames preventivos ginecológicos. A mamografia é recomendada uma vez por ano para aquelas com mais de 35 anos, mesmo que não percebam nenhum sintoma.

Tratamento

O tratamento varia de acordo com a gravidade da doença e das condições biológicas do paciente, e podem ser divididos em dois tipos de terapias: local e sistêmica. A local inclui a cirurgia e a radioterapia, que são formas de tratar o tumor sem afetar o restante do corpo. Já a sistêmica trabalha com medicações orais ou pela corrente sanguínea, como é o caso da quimioterapia, capaz de atingir as células cancerosas em qualquer parte do corpo. O médico faz a indicação de cirurgia, quimioterapia e radioterapia ou das práticas combinadas, de acordo com cada caso. “O primeiro passo é fazer o diagnóstico completo com análises clínicas e biopsia para descobrir se o tumor é benigno ou maligno”, ressalta o ginecologista obstetra.

Os procedimentos, muitas vezes, podem implicar na perda de cabelos e, em casos de câncer de mama, na realização da mastectomia – retirada da mama, podendo abalar o emocional do paciente.

Infertilidade

A quimioterapia pode causar infertilidade para ambos os sexos. No caso das mulheres, o tratamento diminui os hormônios que produzem os óvulos saudáveis nos ovários. Essa queda nos hormônios pode levar a uma menopausa antecipada e, consequentemente, levar o paciente a infertilidade.

Nos homens, a quimioterapia pode afetar as células dos espermas, impedindo que eles cresçam e se dividam rapidamente, consequentemente, reduzindo o número de espermatozóides.

“O paciente em tratamento poderá ou não se tornar infértil. Tudo depende de qual tipo de quimioterapia você vai tomar, de sua idade ou outros problemas de saúde”, revela o especialista.


 

Rio de Janeiro promove Dia D pelo Outubro Rosa

Evento será realizado em 17 de outubro no Rio Imagem. Pacientes poderão visitar exposição fotográfica sobre mulheres que venceram o câncer de mama. Tatuador vai oferecer tatuagem gratuita a mulheres que passaram por mastectomia

Faby Cardoso. Foto: Priscila Ferrari

Em 17 de outubro, a partir das 9h, a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro realiza o Dia D pelo Outubro Rosa – o movimento mundial que visa chamar a atenção para a prevenção do câncer de mama, no Rio Imagem, no Centro. As pacientes que passarem pelo local poderão visitar uma exposição fotográfica sobre mulheres que venceram a doença. Além disso, o tatuador Beto Tattoo estará no local cadastrando mulheres que passaram por uma mastectomia, para oferecer a tatuagem de reconstrução do mamilo gratuitamente. O evento terá a presença do secretário estadual de Saúde, Luiz Antônio Teixeira Jr. e da primeira-dama do Estado, Maria Lucia Horta Jardim Cautiero.

Neste dia, para reforçar a importância do diagnóstico precoce da doença, o Rio Imagem vai funcionar em um esquema especial, oferecendo vagas extras para o exame de mamografia, que foram previamente agendadas pelos municípios. O Palácio Guanabara também vai aderir à campanha e estará iluminado com a cor rosa, para lembrar a luta contra a doença.

“Felizmente conseguimos retomar 100% dos serviços do Rio Imagem e colocar todos os exames à disposição da população. A realização da mamografia não é uma atribuição do Estado, mas mesmo assim estamos atendendo toda a demanda que chega para nós. Não temos pacientes aguardando vaga. As mulheres encaminhadas ao Rio Imagem levam em média, 15 dias para agendar a mamografia e após se submeterem ao procedimento, o resultado sai em até 7 dias. Caso seja preciso fazer uma biópsia, a paciente é encaminhada automaticamente a realizar lá mesmo o procedimento. É uma corrida contra o tempo, por isso o diagnóstico precoce é tão importante”, ressalta o secretário de saúde do Estado, Luiz Antonio Teixeira Jr.

O Rio Imagem receberá a exposição do Projeto Peito Aberto, “Resiliência – Elas Passaram Pelo Câncer de Mama”, com fotos de modelos do grupo “Poderosas Amigas da Mama”, formado por mulheres que venceram o câncer. São pacientes que se conheceram fazendo a fisioterapia mastológica, um dos principais tratamentos para quem teve a doença e que auxilia na recuperação pós-mastectomia. Mulheres que superaram a doença e posaram para as fotos para mostrar como é possível dar a volta por cima, vencer essa etapa e resgatar a feminilidade.

O evento terá também o apoio do tatuador Roberto Santos, o Beto Tattoo, que realiza um projeto de reconstrução do mamilo em mulheres que passaram pela mastectomia. Ele oferece o serviço gratuitamente durante todo o ano em seu estúdio e durante o Dia D, cadastrará as mulheres interessadas em fazer o desenho.

“Eu comecei a desenvolver esse trabalho porque uma vizinha que nasceu com um problema no seio me pediu para reproduzir o desenho do mamilo nela. E foi tão bom que eu comecei a ser procurado pelas pessoas, principalmente pelas que tiveram câncer. Então eu decidi fazer isso gratuitamente. Eu costumo dizer que o meu pagamento é um abraço. Eu faço a tatuagem e recebo muito afeto, isso é o maior retorno”, explicou o tatuador.

Câncer de mama

Esse é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo. Depois do câncer de pele não melanoma, o de mama responde por cerca de 25% dos casos novos a cada ano. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), só no ano passado, a previsão era mais de 57 mil novos casos de câncer de mama no Brasil.

A importância do diagnóstico precoce

O Rio Imagem disponibiliza mensalmente cerca de seis mil vagas para a realização do exame. A indicação do Ministério da Saúde é que a mamografia de rastreamento seja realizada a cada dois anos em mulheres entre 50 e 69 anos. Mas em casos específicos, como casos da doença na família, a recomendação dos médicos é que a avaliação seja feita antes dos 35 anos. Além disso, o Ministério também preconiza que o tempo entre a detecção da doença e o início do tratamento seja de até 60 dias.

“Quando detectado em fases inicial, há mais chances de tratamento e cura. O autoexame também é muito importante. A paciente precisa observar qualquer sintoma fora do comum e conversar com o seu médico. A mamografia é o principal método de triagem para detectar precocemente os tumores de mama. Por isso o médico deve fazer o alerta e explicar ao paciente a importância de realizar esse exame” diz Bruno Kozlowisk, chefe de ginecologia do Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti.

Programação Dia D

9h – Abertura do evento, com participação do secretário de estado de Saúde, Luiz Antônio Teixeira Junior; a primeira-dama Maria Lucia Horta Jardim Cautiero e o produtor executivo da exposição, Alessandro Swinerd

9h30 – Abertura da exposição “Resiliência – Elas Passaram Pelo Câncer de Mama”, com palestra das modelos que venceram a doença

10h – Visitação à exposição

10h30 – A partir deste horário a equipe de tatuadores cadastrará as mulheres interessadas em fazer a tatuagem

11h – Coffee Break


 

Cirurgias conservadoras predominam nos tratamentos de câncer de mama no Brasil

Desde 2013 o número de procedimentos para retirada de tumores que mantém a mama é maior que o quantidade de cirurgias de remoção total do órgão

A série histórica de procedimentos cirúrgicos para tratamento de câncer de mama no Brasil mostra que as cirurgias que preservam parte da mama são mais realizadas do que os procedimentos de remoção do total do órgão.

De acordo com os dados do Ministério da Saúde, entre 2013 e 2016, foram realizadas pelo SUS (Sistema Único de Saúde) 46897 quadrantectomias e ressecções de nódulos não palpáveis (procedimentos conservadores) contra 35036 mastectomias (retirada da mama).  Até 2013 a proporção era inversa.

Na visão dos especialistas, esses números representam mais que uma comparação quantitativa entre os dois tipos de tratamento cirúrgico.  Uma análise mais ampla revela que as cirurgias estão sendo feitas na fase inicial dos tumores, fato que aumenta as chances de sucesso no tratamento. “Na hora de decidir qual o procedimento será realizado, o cirurgião avalia muitos fatores que incluem o tamanho e a localização da lesão, as características da mama, o quadro clínico e o histórico da paciente. Mas é possível afirmar que uma quantidade maior de cirurgias conservadoras está sim ligada ao fato de os tumores serem iniciais e consequentemente detectados precocemente”, observa Giuliano Noccioli Mendes, cirurgião oncológico especialista em mama e membro da Sociedade Brasileira de Cancerologia.

“Isso não quer dizer que todos os procedimentos de remoção de mama tenham sido realizados em pacientes com o câncer mais avançado. Há casos em que o médico pode ter indicado por ser mais adequado e há outros em que as mulheres podem ter optado por remover a mama inteira mesmo tendo descoberto o tumor com antecedência”, ressalta Mendes.

Diferença entre as cirurgias

O tratamento de câncer de mama obedece a protocolos técnicos que combinam procedimentos cirúrgicos com terapias complementares como a radioterapia e a quimioterapia. A decisão de qual abordagem cirúrgica é a mais indicada é definida pelo cirurgião oncologista e compartilhada com a paciente.

A quadrantectomia ou ressecção segmentar é indicada para carcinomas com até 3 cm. Nesse tipo de procedimento, o tumor é retirado com uma margem de tecido adjacente saudável, mas a maior parte da mama é mantida. “Essa margem é um tipo de precaução para certificar que não há resquícios do tumor no restante da mama. Para isso contamos com a ajuda de um patologista que analisa esse tecido ”, esclarece Mendes.

A mastectomia é mais agressiva porque a mama é retirada totalmente, incluindo mamilos, auréola e pele. Geralmente é realizada quando a paciente apresenta tumores extensos.

Retirada dos linfonodos

Durante a cirurgia de remoção de um tumor o cirurgião pode retirar linfonodos ou gânglios linfáticos localizados nas axilas. O linfonodo contém células do sistema imunológico, cuja análise no microscópio possibilita identificar o estadiamento da doença. Segundo informações do SUS, 88% das mastectomias realizadas entre 2010 e 2016 foram feitas com retirada de linfonodos auxiliares.

Cirurgia de câncer de mama avançado

Quando o câncer de mama apresenta forma avançada, o objetivo da cirurgia deixa de ser a cura e passa a ter como foco a redução de danos à paciente.  Aliviar dores ou a retirada de tumores que estão comprimindo outros órgãos são exemplos de situações que levam à cirurgia nesse estágio.

Reconstrução mamária

Como o próprio nome sugere, a reconstrução mamaria é uma cirurgia plástica para que a mama volte a ter um aspecto estético mais próximo possível de como era antes de uma quadrantectomia ou mastectomia. Ela pode ser feita no momento da cirurgia para retirada do tumor ou em outra intervenção específica.


 

Huapa promove palestra em alusão ao Outubro Rosa

Com o intuito de alertar mulheres e homens sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama no mês em que é celebrada em todo o mundo a campanha Outubro Rosa, o Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (Sesmt) do Huapa – Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (GO) promove em 18 de outubro palestra sobre as formas de evitar a doenças e métodos de tratamento. A ministração será feita pelo médico patologista Cláudio Gonzaga Amorim, da Superintendência de Política de Atenção Integral à Saúde (Spais), da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO). A pedido da equipe organizadora, os participantes deverão comparecer ao evento vestidos com peças de roupa cor de rosa, em alusão à campanha. Ao final da palestra, haverá uma apresentação musical sobre a temática, promovida pelos próprios colaboradores do hospital.


 

Rio de Janeiro anuncia mutirão para diagnóstico e retomada do mamógrafo móvel

Foto: Divulgação SES/ Maurício Bazílio

O secretário de Estado de Saúde, Luiz Antonio Teixeira Jr. anunciou em 17 de outubro, durante o Dia D pelo Outubro Rosa, no Rio Imagem, um mutirão da SES para zerar a fila de diagnóstico para o câncer de mama. Luiz Antônio informou também que a partir de novembro o mamógrafo móvel – caminhão itinerante para realização de mamografia – retomará os serviços, percorrerá as cidades oferecendo exames e dando apoio aos municípios. A ação também contou com a presença de Liliane Pinneli diretora do RioSolidário, apoiador do evento.

“Vamos fazer um mutirão e zerar a fila de pacientes que aguardam exames para diagnóstico desse tipo de câncer dentro do Estado do Rio. Além disso, a partir de novembro, retomaremos o serviço do mamógrafo móvel, especialmente em municípios que não contam com o equipamento. O objetivo é que as mulheres tenham diagnóstico precoce aumentando as chances de cura da doença”, disse Luiz Antonio.

O evento contou ainda com a exposição do Projeto Peito Aberto, “Resiliência – Elas Passaram Pelo Câncer de Mama”, com fotos de modelos do grupo “Poderosas Amigas da Mama”, formado por mulheres que venceram o câncer. Uma delas, Magali Reis, a Meg, de 49 anos, moradora de São João de Meriti, participou da ação no Rio Imagem e deixou um recado para quem está enfrentando a doença.

“Eu venci o câncer e estou viva, toda mulher é guerreira e pode superar isso também. Eu sempre fui muito vaidosa e com a doença tive que retirar um pedaço do meu seio. Quando me convidaram para fazer parte do ensaio fotográfico tive um pouco de vergonha, mas logo decidi participar. É preciso ter garra e fé, hoje sei que minha foto também pode ajudar outras mulheres a retomar a autoestima”, disse Meg.

O Dia D também teve o apoio do artista Beto Tattoo, que ofereceu tatuagens gratuitas feitas durante o evento, com o laço rosa, a marca da campanha. O artista também cadastrou mulheres que passaram pela mastectomia para oferecer a tatuagem de reconstrução do mamilo gratuitamente em seu atelier. A dona de casa Leda Paixão, de 46 anos, teve câncer de mama aos 37 e foi ao local para entrar na lista de espera pela tatuagem.

“No meu caso, por causa do câncer, foi preciso retirar quase todo o seio esquerdo. Então eu fiquei sabendo desta ação e quis vir aqui hoje para tentar fazer o desenho. Estou muito feliz pois hoje é meu aniversário e  vou ganhar de presente a tatuagem de reconstrução do mamilo já na semana que vem. Isso é muito importante para mim”, explicou Leda, que também fez o laço rosa no antebraço durante o evento, como forma de lembrar que já superou a doença.

No momento em que chegou ao Rio Imagem o secretário de saúde foi homenageado pelas integrantes do grupo Poderosas Amigas da Mama que cantaram para ele e agradeceram todo o apoio à causa.

“Fico muito agradecido com essa demonstração de carinho, o grupo das Poderosas me ensinou o quanto é importante o apoio na vida da mulher quando ela descobre uma doença tão difícil quanto o câncer de mama. O trabalho de vocês oferece muito mais que uma recuperação pós mastectomia, representa o resgate da vontade de viver e da dignidade. A ideia da exposição fortalece a importância da autoestima para a recuperação dos pacientes”.

Câncer de mama

Esse é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo. Depois do câncer de pele não melanoma, o de mama responde por cerca de 25% dos casos novos a cada ano. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), só no ano passado, a previsão era mais de 57 mil novos casos de câncer de mama no Brasil.

A importância do diagnóstico precoce

O Rio Imagem disponibiliza mensalmente cerca de 6 mil vagas para a realização do exame. A indicação do Ministério da Saúde é que a mamografia de rastreamento seja realizada a cada dois anos em mulheres entre 50 e 69 anos. Mas em casos específicos, como casos da doença na família, a recomendação dos médicos é que a avaliação seja feita antes dos 35 anos. Além disso, o Ministério também preconiza que o tempo entre a detecção da doença e o início do tratamento seja de até 60 dias.

“Quando detectado em fases inicial, há mais chances de tratamento e cura. O autoexame também é muito importante. A paciente precisa observar qualquer sintoma fora do comum e conversar com o seu médico. A mamografia é o principal método de triagem para detectar precocemente os tumores de mama. Por isso o médico deve fazer o alerta e explicar ao paciente a importância de realizar esse exame”, Bruno Kozlowisk, chefe de ginecologia do Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti.


 

Alta Excelência Diagnóstica lança campanha com histórias de superação do câncer de mama através de pinturas de Emma Cammack feitas na pele

Intitulada “Histórias na pele – Retratos de Coragem” a série tem seis episódios e traz a artista transformando sentimentos em arte

Com a sensibilização que o Outubro Rosa traz na conscientização e prevenção do câncer de mama, o Alta Excelência Diagnóstica, laboratório focado no cliente Premium do Grupo DASA, irá divulgar, durante todo o mês, relatos de superação através de episódios com mulheres que venceram a doença. O objetivo é alertar de maneira poética e lúdica sobre o câncer de mama, além de incentivar a discussão sobre a importância da comunicação em relação a um dos cânceres mais comuns em mulheres de todas as idades no mundo inteiro.

Mesmo sendo o tipo de câncer mais comum, é possível perceber, por meio dos depoimentos das personagens Fátima, Suzana, Fernanda, Fabiana e Juliana, que cada luta é única e particular das pacientes. Por isso, cada corpo pintado pela artista inglesa Emma Cammack, que com delicadeza e sensibilidade transformou a pele dessas personagens, traz uma arte tão distinta uma da outra. “Essa foi uma experiência muito profunda e comovente, que me deixa muito feliz em poder compartilhar com as pessoas”, comenta Emma, referência em body painting. Os episódios serão lançados ao longo do mês de outubro no YouTube, assista pelo link bit.ly/historiasnapele.


 

Exposição “Outubro Rosa: uma causa legal” alerta sobre a importância da prevenção

CAA/PR desenvolve diversas ações neste mês de combate ao câncer de mama. Mostra de fotos e depoimentos pode ser vista no Edifício Maringá

Com depoimentos de superação, esperança e mudança de vida a Caixa de Assistência dos Advogados do Paraná abriu na terça-feira (10) a exposição “Outubro Rosa: Uma causa legal” no Edifício Maringá, em Curitiba (PR). A mostra é uma das ações da campanha Prevenção : Palavra de Ordem , engajada na campanha mundial de prevenção e combate ao câncer de mama Outubro Rosa, organizada pela diretora da Caixa dos Advogados Iolanda Gomes. A mostra apresenta fotos e depoimentos de cinco advogadas paranaenses que enfrentaram o câncer de mama: Daniela Banzzatto, Edula Wille Posniak, Karla Osinski Ferreira, Rose Mary Bastos Iacomini e Sibele Gurski.

A abertura da exposição contou com a presença da vice-presidente da CAA/PR, Daniela Ballão Ernlund ; da secretária-geral da Caixa Márcia Helena Bader Maluf Heisler ; da secretária-geral da OAB Paraná, Marilena Winter; da ouvidora-geral da Seccional Maria Helena Kuss; da presidente da Comissão da Mulher Advogada (CMA) da Ordem, Luciana Sbrissia e Silva; da advogada Edivana Venturin, membro da Comissão de Esportes da OAB Paraná e coordenadora do Vôlei Legal; da presidente da Comissão do Direito do Idoso, Rosangela Maria Lucinda; da presidente e vice-presidente da Associação das Amigas da Mama, Gladys Haluch e Heliana Maia entre outras. O Coral da CAA e OAB Paraná fez uma participação na abertura e no encerramento da mostra que pode ser visitada no 4º andar do Edifício Maringá durante o mês de outubro(Rua Cândido Lopes, 146).

“Este ano, para realização da campanha Outubro Rosa, uma tradição dentro da Ordem abraçada pela Caixa dos Advogados, inauguramos a exposição dessas mulheres que superaram a doença porque diagnosticaram de maneira precoce, o que lhes deu sobrevida e esperança de produzir mais, trabalhar mais, viver mais. Juntando isso com o dado alarmante de que a mulher advogada paranaense não faz seus exames, sequer procura seu médico anualmente para consulta de rotina, estamos investindo na prevenção e fazendo um alerta para que as mulheres advogadas façam os exames preventivos, procurem os serviços que a Caixa de Assistência oferece e previnam-se”, alertou a vice-presidente. Ainda na abertura da exposição Daniela Ballão Ernlund destacou as atividades esportivas e de bem-estar oferecidas pela CAA/PR, como o vôlei, corrida e o coral. Durante este mês a CAA/PR abriu as aulas de pilates, yoga e de cardio dança a qualquer advogado ou advogada interessada, sem qualquer custo.“Queremos nossos advogados e advogadas praticando saúde”, afirmou Daniela Ballão.

Conforme informações repassadas por empresas da área de saúde parceiras da CAA/PR apenas 30% das mulheres paranaenses realizam consultas ginecológicas e fazem exames preventivos anualmente contra o câncer de mama e de colo de útero.Também é alarmante o dado de que há advogadas em estágio avançado da doença. O número é preocupante pois as mulheres com diagnóstico precoce de câncer de mama tem de 90 a 95% de chances de cura. Por isso a importância de datas como Outubro Rosa para conscientizar as pessoas sobre a doença.

Para a advogada Rose Mary Iacomini Bastos, que superou o câncer de mama e esteve presente no evento de abertura da mostra, a iniciativa da CAA/PR é importante para conscientização sobre a doença e alertar para a importância da prevenção.

Já a advogada Sibeli Gurski, delegada da CAA/PR em São José dos Pinhais, falou em nome das advogadas fotografadas e agradeceu o convite e a iniciativa da CAA/PR. “Foi difícil mas encarei o tratamento com a leveza possível. Hoje estou 100% curada e posso dizer que o câncer mudou a minha vida de forma positiva”, comentou Sibeli Gurski que publicou vídeos em redes sociais mostrando sua mudança durante o tratamento e que alcançaram altos índices de visualização.

Cartilha: Durante a abertura da exposição também foi lançada a segunda edição da cartilha Prevenção: Palavra de Ordem, organizada pela Caixa de Assistência dos Advogados e Comissão da Mulher Advogada da OAB Paraná e que traz informações importantes sobre os direitos da paciente oncológica. Trata-se de uma cartilha didática para esclarecer a população em geral sobre os direitos garantidos por lei como isenção para realização de exames, isenção do pagamento de pedágio, de transporte municipal, além de indicar os endereços para o atendimento médico e assistencial.

A advogada Ana Luiza Manzochi, coordenadora da Cartilha e membro da CMA, também falou do trabalho desenvolvido destacando que a CAA/PR e a OAB Paraná cumprem com o seu papel oferecendo à sociedade um material rico de informação, com objetivo de colaborar com a sobrevida das mulheres com câncer. (clique aqui para acessar a cartilha)

Espaço: Na ocasião também foi inaugurado o Espaço Rosa Saúde e Bem-Estar da CAA/PR no Edifício Maringá, que vai funcionar durante o mês de outubro com informações sobre o câncer de mama e alimentação, uma vez que a obesidade também é causa de mortalidade entre as mulheres.

Neste espaço esteve presente a enfermeira Bruna Reis, especializada em pacientes oncológicos da Unimed Paraná, que falou em nome da entidade parceira da CAA/PR nestas ações, além de tirar dúvidas individuais das pessoas presentes. Foi lançado também um folder de informação de saúde da Mulher em colaboração com a Unimed Paraná (clique aqui para acessar o folder eletrônico).

A nutricionista da CAA/PR, Edna Messa, que além de ser a consultora nutricional do cardápio oferecido pelo Espaço da CAA/PR, conversou com o público com o objetivo de conscientizar sobre a importância de hábitos saudáveis.

Campanha: Até o dia 31 de outubro, a Caixa dos Advogados está arrecadando lenços de cabelo e itens de maquiagem, novos ou usados, que serão destinados às mulheres em tratamento contra o câncer de mama, assistidas pela Associação das Amigas da Mama (AAMA). As doações podem ser entregues em horário comercial na sede da OAB Paraná (Rua Brasilino Moura, 253 – Ahú) ou no Edifício Maringá (Rua Cândido Lopes, 146 – Centro).

Mamografia: As advogadas em dia com a anuidade da OAB, que não tenham plano de saúde, podem realizar exames de mamografia com o custo de apenas R$ 30,00, mediante subsídio da Caixa de Assistência. Para as profissionais da categoria com mais de 60 anos, sem plano de saúde, a CAA/PR oferece o exame gratuitamente. Para dependentes estatutários o valor é de R$ 70,00. Os exames serão realizados nos centros de diagnóstico por imagem CEDIP e IMAX. Para agendar, é necessário ter a requisição médica do ginecologista e solicitar a liberação do exame pelo telefone 0800-6452005. Também em Pato Branco estão sendo realizados os exames com subsídio da Caixa.

Consultórios: O serviço Médico da Família disponibilizado pela Caixa de Assistência no Edifício Maringá é outra opção para prevenção de doenças. As consultas têm em média 40 minutos de duração, quando o paciente passa por uma avaliação completa inclusive sobre o contexto familiar, e se necessário é encaminhado para especialistas.


 

Outubro Rosa no Einstein tem palestra com especialistas

O ciclo mensal de palestras promovido pelo Hospital Israelita Albert Einstein tem como foco alertar a sociedade sobre a importância da prevenção como forma de cuidar da saúde por meio de atividades de bem-estar e hábitos saudáveis.

Em especial ao mês que marca a campanha de prevenção contra o câncer de mama, no dia 17 de outubro, o Einstein preparou um encontro com os médicos Ana Carolina Rezende, radioncologista; Antonio Buzaid, oncologista clínico e Fernanda Lima, geneticista, para falar sobre prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer de mama.

A palestra acontece na unidade Morumbi do Einstein, é gratuita e não necessita de inscrição prévia.


 

Intercâmbio solidário no Outubro Rosa

Quem pretende colocar o pé na estrada e se aventurar em outros países para estudar terá um motivo a mais este mês. É que durante todo o Outubro Rosa IE, os estudantes que fecharem pacotes de intercâmbio automaticamente estarão ajudando o Instituto Neo Mama, referência no tratamento deste tipo de câncer.

A campanha é uma parceria entre o instituto e as 50 agências da IE intercâmbio espalhadas por todo o Brasil. A cada pacote vendido, a IE doará 10 dólares para a entidade. A renda arrecadada contribuirá para a expansão do instituto Neo Mama, que inaugura sua segunda unidade na cidade de Santos. “Nosso objetivo é prevenir e conscientizar. Queremos despertar em nossos estudantes o importante envolvimento em causas sociais”, revela César Sá, diretor da IE. “É legal abrir esse diálogo para a sociedade, por isso, parabenizamos a IE Intercâmbio pela responsabilidade em apoiar uma causa de interesse comunitário”, ressaltou o coordenador de projeto do Instituto Neo Mama José Luis.

De acordo com o Instituto, o objetivo desse ano é conseguir fundos para a ampliação de equipamentos de ponta e melhorar o tratamento das pacientes. “Queremos usar métodos como a terapia oncolaser que ameniza o efeito colateral do câncer nas mulheres”, informou José Luis.

Esse serviço é oferecido em hospitais particulares, mas a instituição pretende estender o acesso para a rede pública de forma gratuita. O investimento será em torno de 300 mil reais para a instalação dos equipamentos. Além de melhorar os serviços oferecidos como fisioterapia, atividades culturais, esportivas e resgate da autoestima das pacientes. A campanha acontece até o dia 31 de outubro.

Informações: www.ie.com.br


 

Mambo arrecada lenços para pacientes em tratamento contra câncer

Em ação do Outubro Rosa, a rede de supermercados lança campanha de conscientização sobre a prevenção do câncer de mama

Durante todo o mês de outubro, a rede de Supermercados Mambo realizará uma ação especial para angariar lenços a serem doados ao Banco de Lenços da Flavia Flores do Instituto Quimioterapia e Beleza, que disponibiliza às pacientes em tratamento de câncer as peças e também a troca de experiências. Em todas as lojas da rede há uma caixa, na qual os clientes poderão depositar os lenços.

O câncer de mama é o tumor mais comum entre as mulheres brasileiras, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), e a estimativa é de 60 mil novos casos por ano em mulheres cada vez mais jovens.

Por isso, os Supermercados Mambo estão investindo na conscientização das suas colaboradoras e clientes. Além da arrecadação de lenços, a rede também gravou vídeos para as redes sociais com a blogueira, escritora​ e idealizadora do projeto “Quimioterapia e Beleza”, Flavia Flores. “O autoexame foi primordial para meu tratamento. Percebi um carocinho durante o banho e corri para o médico. Não tenha medo de ir atrás e procurar um especialista. Pode não ser nada. E se for, quanto antes diagnosticada, maior a chance ​de cura, como foi o meu caso”, conta Flores.

O Outubro Rosa está cada vez mais conhecido e iniciativas como essas são importantes para relembrar ​as mulheres de fazerem o autoexame e também procurarem com frequência um médico. “Estamos felizes com a parceria com o Banco de Lenços, porque podemos ajudar a minimizar um pouco os impactos causados pela doença. Muitas mulheres perdem a autoestima quando estão fazendo o tratamento e o Instituto da Flávia ajuda na motivação durante a recuperação e na troca de experiência entre quem está passando ou já superou o câncer”, diz Francine Marchetto, diretora de marketing do Grupo MGB.

Atualmente são aproximadamente 1.000 colaboradoras que trabalham na empresa e por dia circulam milhares de mulheres nas lojas. “Esperamos conseguir um número bom de lenços para doação e, a partir desta iniciativa, o objetivo é conscientizar boa parte delas sobre a importância de fazer o autoexame e de um diagnóstico e tratamento precoce”, completou.

De acordo com médicos especialistas, a partir dos 40 anos, toda mulher deve fazer a mamografia pelo menos uma vez por ano. Mulheres mais jovens precisam realizar o autoexame com frequência e caso notem alguma diferença devem procurar um especialista.

Confira o vídeo no link:


 

Loja de acessórios doa 60% do lucro obtido em outubro para o Hospital Amaral Carvalho

Empresa investidora do hospital, Pinju criou a campanha “Espalhe Amor-Outubro Rosa” para ajudar a instituição; compras online podem ser feitas até 4 de novembro

Mais uma empresa investidora firmou parceria com o Hospital Amaral Carvalho (HAC), de Jaú (SP), para ajudá-lo a manter o apoio social aos pacientes carentes que procuram a instituição para cura do câncer. Dessa vez foi a Pinju, comércio online de acessórios, com sede no município de Junqueirópolis. Com a criação da campanha “Espalhe Amor – Outubro Rosa”, a empresa irá destinar ao HAC 60% do lucro obtido com as vendas de produtos durante o mês de outubro de 2017.

Para o sócio-proprietário da Pinju Gustavo das Neves Ubeda, a escolha do HAC como instituição beneficiada se deve pelo fato de ser referência nacional no tratamento de câncer e também devido à credibilidade do hospital. “Temos grande admiração pelo trabalho realizado pelo Amaral Carvalho. Logo, resolvemos iniciar a campanha para ajudá-lo financeiramente”, disse.

A campanha é válida até 4 de novembro. Todas as compras online feitas até a data terão parte revertida para o hospital. O endereço eletrônico é www.pinju.com.br.

A Pinju é uma das empresas investidoras do HAC. A Dubom, a Marka Veículos, a Ziovara, lojas do comércio de Jaú e hotéis da cidade e da região também participam de campanhas para ajudar a instituição.


 

Com Mousse Rosa, restaurante barretense adere campanha Outubro Rosa e reverte 50% da venda ao Hospital de Câncer de Barretos

Entre outras ações de conscientização à prevenção do Câncer de Mama, o restaurante barretense Sabores de Los Andes criou a sobremesa Mousse Rosa, que será comercializada até dia 31 de outubro com 50% da venda em prol ao Hospital de Câncer de Barretos (SP).

Criada pela chef Ana Maria Santana, a sobremesa é oferecida pelo valor de R$ 15,00, a taça, que é preparada com leite condensado, creme de leite, morangos, paçoca de bolacha e beterraba, ingrediente que dá ao mousse o tom rosado. Para a chef, criar sobremesa alusiva é uma oportunidade de chamar a atenção da sociedade para a prevenção e informar sobre a doença. Além da sobremesa, o restaurante está distribuindo material informativo do hospital, que esclarece sobre a importância do autoexame e exame mamográfico e dá outras dicas de prevenção. “Infelizmente o desconhecimento mata mais que a doença, por isso é nossa missão apoiar e massificar a Campanha”, disse.


 

Opet promove ações de bem-estar para o Outubro Rosa

As alunas e alunos do curso de Estética da Faculdade Opet, de Curitiba (PR), realizam uma série de atividades direcionadas para o bem-estar e qualidade de vida durante o mês de outubro em homenagem ao Outubro Rosa. A programação prevê ações como estética humanizada, cortes de cabelo para doações e automaquiagem.

Segundo a coordenadora do curso, Roxane Wirschum Silva, as atividades previstas são uma forma de contribuir para o fortalecimento da autoestima. “Oportunizamos aos alunos a participação em uma série de atividades que promoverão o bem-estar e o fortalecimento da autoestima das mulheres em tratamento de câncer de mama e também a preocupação com o próximo”, explica.

A programação se estende até 31 de outubro, quando ocorrerá a ação de arrecadação de material de higiene pessoal em troca de hidratação facial. Os itens arrecadados serão doados para a Associação Paranaense de Apoio à Criança com Neoplasia (APACN) e para o Lar Hermínia Scheleder.

Quando: até 31 de outubro

Onde: Avenida Getúlio Vargas, 892, Rebouças, Curitiba – Faculdade Opet

Entrada gratuita

Informações: (41) 3028-2828

 

Programação

 

19/10

13h30 às 16h30

Corte de cabelo pela ONG “Atitude na Cabeça”

Escova lisa (lavado simples) para as pessoas que fizerem a doação de cabelo

 

24/10

13h30 às 16h30

Oficina de Automaquiagem para a AAMA (Associação das Amigas da Mama) –

 

27/10

8h às 11h e 19h às 22h

Corte de cabelo para doação para a ONG “Atitude na Cabeça”

Escova lisa (lavado simples) para as pessoas que fizerem a doação de cabelo

 

31/10

13h30 às 16h30

Oficina sobre “Diferentes formas de usar lenços”

Ação de arrecadação de Material de Higiene Pessoal em troca de Hidratação Facial

* O Kit de material de higiene pessoal deve conter (no mínimo):

1 creme dental

1 escova dental ou 1 fio dental ou 1 shampoo ou 1 condicionador

1 sabonete

1 desodorante feminino antitranspirante

1 pacote de absorventes higiênicos

Outubro Rosa

O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades. Este movimento começou nos Estados Unidos, onde vários estados tinham ações isoladas referentes ao câncer de mama e ou mamografia no mês de outubro, posteriormente com a aprovação do Congresso Americano o mês de outubro se tornou o mês nacional (americano) de prevenção do câncer de mama.


 

Grupo Luta Pela Vida e Hospital do Câncer levam conscientização sobre câncer de mama para funcionários de empresas de Uberlândia

As orientações são feitas pelos pesquisadores do Núcleo de Prevenção e Pesquisa do Câncer (NUPPEC) do hospital

Durante o Outubro Rosa o câncer de mama entra em pauta, e umas das principais formas de combater a doença é por meio da prevenção. Pensando nisso, o Grupo Luta Pela Vida, a ONG do Hospital do Câncer em Uberlândia (MG), realiza uma série de palestras em empresas e instituições para levar informação e sensibilizar mulheres sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama. Este é um momento de intensificar o compartilhamento de informações sobre a doença, que responde por 28% dos novos diagnósticos de câncer, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA).

As palestras serão realizadas pelo Núcleo de Prevenção e Pesquisa de Câncer do (NUPPEC) do Hospital do Câncer e serão realizadas em diversas empresas de Uberlândia. Entre as empresas já visitadas, estão a Arcom e UP, e ainda serão feitas palestras nas empresas Reptec, Brilho do Sol, Sankhya e Senai.

Além disso, o Grupo Luta Pela Vida realizará o Projeto “Intervenções Outubro Rosa”, em parceria com o Serviço Social da Indústria (Sesi) de Minas Gerais, nas empresas industriais da região. Representantes do Grupo participarão da Ginástica Laboral nas empresas em que o Sesi atua, para falar sobre o atendimento realizado pelo Hospital do Câncer, números atuais, além de dicas e orientações de prevenção do câncer de mama.

“Nós vamos trabalhar a conscientização de mais de 4 mil industriários que atendemos todos os dias. Além disso, a ideia é munir homens e mulheres de informações para que sejam multiplicadores da conscientização da importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama”, ressalta a supervisora de Lazer e Esportes do Sesi Uberlândia, Kênia Medeiros.

Outubro Rosa

O Outubro Rosa é um movimento internacional durante todo o mês de outubro em conscientização da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. Embora esse seja um problema recorrente o ano inteiro, o Outubro Rosa é importante porque faz com que as mulheres despertem para cuidarem de si mesmas.

Além de chamar a atenção das mulheres para a necessidade de frequentar o médico e fazer a mamografia, essa campanha também estimula que as mulheres observem e conheçam seu corpo constantemente para que possam detectar alterações.


 

Artigo – Como estamos tratando nossos pacientes com câncer? 

Apesar de ter sido sempre muito atenta a todas as queixas apresentadas pelos meus pacientes e muito carinhosa com todos eles, foi quando meu pai teve câncer e fez quimioterapia, que percebi como é importante nos aprofundarmos nessas questões na nossa rotina medica.

Sou oncologista e trabalhei no Instituto Nacional do Câncer (INCA), na unidade que trata câncer de mama por 7 anos. Meu pai é mastologista e em 2015 ele foi diagnosticado com com a doença. E então, passei a viver a rotina que acompanhei por anos com todos os meus pacientes. Só que dessa vez, eu era familiar de um paciente. Eu estava do outro lado.

Não foi fácil. Cada etapa do tratamento: exames, cirurgia e quimioterapia; foi sempre acompanhada  de medo, insegurança e sentimentos que só quem vive, consegue dimensionar. Percebi também, que durante a quimioterapia, as queixas dos pacientes, só são abordadas com mais profundidade nos dias das consultas. E muitas vezes, os pacientes deixam de relatar vários sintomas, seja por não se sentirem à vontade com seus médicos, ou porque o tempo entre as consultas costuma ser relativamente longo.

Por isso, escrevi o livro “Como estamos?, um diário de fé e coragem”, para dividir a minha historia não só com os pacientes, mas com seus familiares, amigos e curiosos. Para mostrar que os sentimentos são os mesmos independente da nossa profissão.

Qual não foi a minha surpresa, quando nesse ano no maior Congresso de Oncologia do mundo, a ASCO, assisti na sessão plenária – a maior do evento – a apresentação de um estudo que traduzia cientificamente tudo que percebi durante minha vivência com meu pai e meus pacientes.

O estudo LBA2 com 766 pacientes, utilizou uma ferramenta online que permitiu aos pacientes relatarem seus sintomas em tempo real a uma equipe de cuidados, que pôde intervir precocemente na resolução dessas queixas.  O resultado desse trabalho foi surpreendente: os pacientes com doença avançada que usaram a ferramenta, tiveram uma média de vida 5 meses maior em comparação com aqueles que não usaram esses sistema de coleta de dados e também toleraram a quimioterapia por mais tempo. Além disso, o uso dessa tecnologia foi associado a melhor qualidade de vida e menor numero de idas a emergência e intervenções hospitalares.

Esse resultado, pode parecer modesto, mas é muito maior do que várias drogas utilizadas para o tratamento do câncer atualmente. Fiquei muito feliz, ao ver o resultado desse estudo. Eu tive a comprovação de que estou no caminho certo. Há anos venho falando sobre a importância do tratamento multidisciplinar e de estarmos mais presentes em todas as etapas desse processo.

Agora, tenho todos os argumentos necessários para seguir lutando para um acompanhamento mais abrangente e humanizado aos pacientes que têm câncer. E sim, a luta não é só dos pacientes e familiares, é minha e de todos os profissionais que os cercam também!

 

 

Dra. Sabrina Chagas é médica oncologista e professora da PUC Rio

 

 

 


 

Prevenção e diagnóstico precoce de câncer de mama são tema de palestra no Huapa

“Se o câncer de mama for diagnosticado precocemente, a chance de cura é de 90%. Mas, se descoberto tardiamente, a chance não chega a 10%”, afirmou o médico patologista Cláudio Gonzaga Amorim, da Superintendência de Política de Atenção Integral à Saúde (Spais), da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO), em palestra aos colaboradores do Huapa – Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (GO) no dia 18 de outubro. O evento organizado pelo Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (Sesmt) da unidade e realizado no auditório do Huapa teve como enfoque a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.

O palestrante também explicou aos presentes sobre os fatores de risco do câncer de mama, a importância do auto-exame e tratamentos para a doença. “Ter mais de 50 anos, histórico familiar e alterações genéticas são alguns dos motivos que podem desencadear o câncer de mama na mulher. Mas é sempre válido ficar atenta aos sinais e sintomas que podem servir de alerta. O corpo avisa, basta estar atenta”, enfatizou Cláudio. Outro ponto abordado foi a presença do câncer também em homens, o que chamou atenção do público masculino. “Para cada 100 mulheres que têm câncer de mama, um homem também é diagnosticado com a doença. Porém, nos homens ele se desenvolve de forma mais agressiva. Por isso, todos precisam se cuidar”, alertou.

Para o coordenador da Ouvidoria do Huapa, Alex Francisco, o evento superou as expectativas. “Achei fantástico. Foi um evento com um conteúdo muito importante, com informações completas e necessárias de serem compartilhadas”, afirmou. Ao final da palestra, Cláudio ainda fez uma reflexão importante. “Que não deixemos esses cuidados apenas para o mês de outubro. Que possamos lembrar o ano todo da importância de prevenir o câncer de mama, para que assim possamos reverter os indicadores mundiais, uma vez que essa patologia é a que mais mata mulheres em todo o planeta. Num simples bate-papo, podemos salvar vidas”, finalizou.


Cuponomia e Banco de Lenços se unem em prol da campanha Outubro Rosa

Usuários de cupons de desconto podem fazer doações de lenços utilizando o programa de fidelidade

Em apoio à campanha Outubro Rosa de conscientização sobre o câncer de mama, o Cuponomia, portal que reúne cupons de desconto e ofertas para compras online, promove doações de lenços para mulheres que estão sob tratamento de câncer em hospitais de todo Brasil.

Os usuários de cupons de desconto, cadastrados no programa de fidelidade do site, poderão trocar os pontos por resgates de lenços que serão entregues pelo Banco de Lenços, unidade de ação do Instituto Quimioterapia e Beleza.

“A missão do instituto Quimioterapia e Beleza é fortalecer quem enfrenta o câncer, usando a beleza como uma das ferramentas de superação. Arrecadamos solidariedade e entregamos alegria e auto-estima, colocando lindos lenços ao alcance de pacientes em tratamento de câncer”, define Flávia Flores, idealizadora do instituto.

A campanha Outubro Rosa vai até o dia 31 de outubro e os pontos utilizados para doação por meio do site Cuponomia serão convertidos em recursos financeiros que incluem os custos de triagem e logística para ajudar que os lenços cheguem às pacientes.


 

O que você faria se você tivesse mais tempo para você?

Com a correria do dia a dia quase nunca paramos para pensar nessa possibilidade, não é mesmo? Ainda mais quando o assunto é o cuidado com a saúde.

Por isso, no mês da prevenção ao câncer de mama, a BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo convidou Renata Quintella, do Instituto A Nossa Jornada, para ir às ruas de São Paulo e perguntar para algumas mulheres: o que você faria se tivesse mais tempo para você?

As respostas foram surpreendentes assim como o mimo que elas ganharam! Quer saber como foi? Clique no link e assista, em primeira mão, a íntegra o vídeo que está sendo veiculado nas redes sociais da BP: lion.box.com/s/8s3i98abh1pkva9em77smrpoxfhr73yx


 

Território Rosa alerta sobre câncer de mama

Ação do Território do Calçado divulga a prevenção da doença e incentiva doações ao Hospital Amaral Carvalho, referência em oncologia

Banner na entrada do Território do Calçado é um convite para apoiar a campanha: os clientes podem tirar selfies na frente do painel e compartilhar nas redes sociais

O Território do Calçado de Jaú (SP) se vestiu de rosa em apoio ao Hospital Amaral Carvalho (HAC) em outubro, mês de conscientização sobre o câncer de mama. Com mais de 100 lojas, o local que recebe pessoas de toda a região orienta sobre prevenção e incentiva doações ao serviço de saúde na ação intitulada Território Rosa.

Com decoração alusiva ao Outubro Rosa e distribuição de folders, o espaço chama a atenção das mulheres para hábitos saudáveis que ajudam a prevenir a doença, além de ressaltar a importância do diagnóstico precoce, que possibilita tratamentos menos agressivos e aumenta as chances de cura.

Quem passar por lá pode mostrar seu apoio à causa. “Logo na entrada colocamos um banner onde as pessoas podem tirar fotos e postar nas redes sociais. Nosso objetivo é engajar os clientes, fazê-los interagir e disseminar informações sobre saúde”, comenta o presidente da Associação dos Lojistas do Território do Calçado, Rauf Martins.

Para ajudar o hospital a manter atendimento de qualidade a pacientes de todo o País, a campanha incentiva os lojistas a destinarem parte da arrecadação com as vendas de outubro ao HAC. “As lojas que topam participar recebem um adesivo onde indicam qual a porcentagem que será doada, assim os clientes sabem quando sua compra beneficia o Amaral”, explicou Rauf.

Também estão à venda na recepção camisetas do Território Rosa por R$ 25,00 cada, com parte da arrecadação destinada ao HAC. De acordo com o diretor de Negócios Institucionais do hospital, Francisco Guetti, a parceria mostra a preocupação com a saúde e bem-estar da população, além de possibilitar a divulgação e melhorias do serviço que é referência nacional em oncologia e outras especialidades. “Juntos, Território, HAC e a comunidade, podemos fazer a diferença”, disse.


 

Doutor123 oferece preços acessíveis para exames e consultas de prevenção ao câncer de mama

Startup conta com plataforma que facilita a busca e agendamento de serviços de saúde

O Doutor123 oferece diferentes tipos de consultas e exames relacionados ao tratamento e detecção do câncer de mama. Os pacientes têm à disposição especialidades médicas, tais como ginecologia, mastologia e oncologia. Entre os exames, ultrassom e biopsia de mama, mamografia, ressonância magnética e análises de sangue.

A doença é o foco da campanha Outubro Rosa, que promove a conscientização da importância do diagnóstico precoce e de tratamentos preventivos. Com 60 mil novos casos por ano, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), a chance de recuperação total é de 95% quando descoberta no início.

Para as quase 2,8 milhões de pessoas que perderam o acesso ao plano de saúde nos últimos dois anos, segundo pesquisa da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o Doutor123 chega ao mercado como uma alternativa com preços acessíveis para serviços de saúde, inclusive para tratamentos oncológicos, que carecem de profissionais disponíveis para atendimento e medicamentos básicos no Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo Maurício Trad, CEO do Doutor123, o rápido agendamento dos exames e consultas, por exemplo, é um diferencial da empresa, uma vez que segundo o executivo, muitas mulheres deixam de lado os cuidados com sua saúde por falta de tempo ou conhecimento sobre a forma correta de se prevenir. “Buscamos alcançar os dois aspectos, com um sistema de fácil utilização e com o fornecimento de conteúdo informativo para o público que acessa a plataforma”, comenta Trad.


 

Wonder Woman Way acontece entre 27 e 29 de outubro, em São Paulo (SP)

Com mote do Outubro Rosa, evento também destaca a saúde da mulher

O Sheraton São Paulo WTC sedia um evento especialmente formatado para mulheres nos dias 27, 28 e 29 de outubro: o Wonder Woman Way (WWW). A proposta do evento é proporcionar uma imersão no mundo feminino, para unir e conectar mulheres que enfrentam os mesmos obstáculos no dia a dia. O objetivo é debater temas relevantes do dia a dia da mulher, nos mais variados papeis que ela exerce e, com isso, contribuir para o empoderamento feminino. Um dos focos do evento é discutir saúde e bem estar, aspectos fundamentais para que se possa ter sucesso em outras áreas da vida. O evento ocorre durante o último final de semana do Outubro Rosa – mês da conscientização sobre o câncer de mama – e traz palestras sobre saúde, nutrição e bem estar.

O câncer de mama é o que mais mata mulheres no Brasil. São ao todo mais de 57 mil novos casos a cada ano. A equipe do Wonder Woman Way quer alertar para a importância de realizar o autoexame mensalmente – sempre após o quarto e sexto dia do fim do fluxo menstrual. Autoexame, mamografia e hábitos de vida saudáveis precisam estar na rotina da mulher moderna. Praticar regularmente exercícios físicos, deixar de fumar, reduzir ou eliminar o consumo de álcool e manter uma alimentação equilibrada são hábitos fundamentais para a prevenção da doença.

Além disso, o evento vai abordar também os sintomas do câncer de mama, como o que fazer se encontrar nódulos palpáveis na mama ou região das axilas durante o autoexame, ou se notar alterações na pele na região da mama ou axila com aspecto parecido com casca de laranja.

Entre os palestrantes da área de saúde e bem estar estão: o médico ginecologista e obstetra José Bento; a nutricionista Lara Nisteruk; o dermatologista Amilton Macedo; o cirurgião plástico Dr. Rey; a nutricionista Bruna Vilela; a dentista Fernanda Gorini; e o personal trainer Maurício Grechi; a chef de cozinha express Helena Jang; a coach de relacionamento e sexóloga Cátia Damasceno; entre outros.

Além de saúde, o evento também trará palestras sobre organização do tempo e produtividade, empreendedorismo, maternidade e outros temas.

É possível comprar o ingresso e conferir mais detalhes da programação através do site: www.wonderwomanway.com. Mas, vale ressaltar que as vendas são em formato de pacotes que dão acesso aos três dias do WWW.


 

Pedalada solidária em prol do Hospital do Câncer em Uberlândia acontece em 29 de outubro

O passeio ciclístico tem o objetivo de arrecadar doações de leite para a instituição

“Pedalar para ajudar ao próximo”. Este é o objetivo da “Pedalada Rosa”, organizada pela TV BAND Triângulo, em parceria com o Grupo Luta Pela Vida, a ONG do Hospital do Câncer em Uberlândia (MG). O passeio ciclístico tem a finalidade de arrecadar doações de leite para a instituição que oferece tratamento gratuito para mais de 7.500 pacientes. A pedalada acontece em 29 de outubro, a partir das 8h30, com largada e chegada no estacionamento do Center Shopping.

Para participar do evento não é necessário fazer inscrições antecipadamente, os interessados em ajudar o hospital podem levar dois litros de leite que serão destinados aos pacientes da instituição. As 500 primeiras pessoas que levarem os leites ganharão uma camiseta do evento.

Para o presidente do Grupo Luta Pela Vida, Renato Pereira, a pedalada é um momento de reunir a população em prol do Hospital do Câncer. “A pedalada é uma oportunidade para reforçar com a comunidade a importância do trabalho que realizamos e conseguir mais apoio da sociedade na luta contra o câncer”, finaliza.

E para deixar o evento ainda mais animado, um trio elétrico será o responsável por animar os participantes com muita música boa durante os 7 km que serão percorridos. Ao final da corrida serão sorteados diversos brindes pela Band para os participantes.


 

Outubro Rosa é tema de palestra no Centro de Oncologia Quinta D’Or

Especialistas alertam para a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama

O Centro de Oncologia Quinta D’Or, em São Cristóvão, no Rio de Janeiro (RJ), que ganhou tons de rosa em homenagem ao Outubro Rosa, dará continuidade às suas ações de conscientização do câncer de mama com um encontro gratuito, a ser realizado no dia 27 de outubro, a partir das 9h. O evento conta com a organização do Grupo Oncologia D’Or.

O oncologista clínico do Grupo, Jacques Bines; o mastologista Marconi Luna, a coordenadora do Centro de Mama do Quinta D’Or, Ellyete Canella; e a rádio-oncologista Thais Xavier se reunirão em um bate-papo para esclarecer as principais dúvidas sobre o assunto, como: diagnóstico, autoexame e tratamento, além dos principais sinais que podem ajudar a reconhecer se há algo de errado nos seios.

A visagista especializada em pacientes oncológicos, Priz Azevedo também participará do encontro dando dicas de como cuidar da autoestima e do equilíbrio emocional pela recuperação da imagem. Ainda fazem parte da programação a psicóloga do Grupo Oncologia D’Or, Ana Paula Hubber, e a ex-paciente Patrícia Figueiredo, blogueira e autora do blog “Das coisas que tenho aprendido”, que dividirá sua história e experiência com a doença.

Outubro Rosa #SeLigueNosSinais
Data: 27 de outubro (sexta-feira)
Horário: das 9h às 12h
Local: Auditório do Hospital Quinta D’Or
Hospital Quinta D’Or – Rua Almirante Baltazar, 467, São Cristóvão.
Palestra gratuita e aberta ao público com sorteio de camisetas e brindes.


 

Hospital Paulistano realiza oficina de maquiagem para pacientes em tratamento de câncer

Resgatar a autoestima em um momento delicado como o do tratamento contra um câncer: esse é o objetivo da ação que o Hospital Paulistano, de São Paulo (SP), promove, de 24 a 26 de outubro, em alusão ao Outubro Rosa – que marca a conscientização pela prevenção do câncer de mama. As pacientes da instituição terão aulas de automaquiagem, além de dicas especiais para os cuidados com a imagem. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o Brasil registra, por ano, cerca de 300 mil novos casos de câncer em mulheres, sendo que o de mama representa 28% desse total. No Paulistano, mulheres representam, em média, 60% dos pacientes. Nesse sentido, ações que auxiliem no resgate da autoestima nesse momento, potencializando as qualidades dessas mulheres, são importantes para que elas sigam de maneira saudável no tratamento, melhorando a qualidade de vida e o relacionamento com família, parceiros e até no trabalho.


 

Campanha Edenred Toda de Rosa incentiva a doação de lenços e cabelos para mulheres com câncer

As colaboradoras foram convidadas a participar do Outubro Rosa, redobrar os cuidados com a saúde e ajudar o Instituto Oncoguia e Fundação Laço Rosa

A Edenred Brasil, especialista em soluções transacionais para empresas, comerciantes e empregados, vai proporcionar, pela primeira vez, cortes de cabelos gratuitos para suas funcionárias. A ação faz parte da campanha Edenred Toda de Rosa, promovida de 17 de outubro a 16 de novembro, para incentivar as mulheres a doar seus cabelos ao Instituto Oncoguia, que confecciona perucas para pacientes em tratamento contra o câncer. Nesse período, as funcionárias também poderão doar lenços, que serão encaminhados à Fundação Laço Rosa.

A campanha também quer estimular as funcionárias a redobrar os cuidados com a saúde. As 10 primeiras colaboradoras que levarem mamografias atualizadas até o dia 16 de novembro ao médico do trabalho receberão um brinde especial. Essa premiação cria uma corrente do bem e incentiva as colegas a pensar na importância da realização de exames periódicos, além da orientação sobre o autoexame, alimentação balanceada e exercícios físicos.

O diretor de Recursos Humanos da Edenred Brasil, José Ricardo Amaro, destaca que desenvolver ações com esse foco é uma forma de estimular a prevenção e os cuidados com a saúde. “Essa campanha mostra que manter hábitos saudáveis e realizar exames periódicos é a melhor prevenção no combate ao câncer. Uma vida equilibrada, com alimentação saudável e exercícios físicos, traz grandes benefícios à saúde”, explica.

Os cortes de cabelo poderão ser feitos até 16 de novembro, no Espaço Beleza, na sede da empresa, em Pinheiros, com agendamento prévio. A arrecadação de lenços contará com postos de coleta em pontos focais em todas as unidades da Edenred. Quem preferir cortar em local de sua preferência pode enviar a doação para o RH. Aquelas que fazem home office, tem como opção encaminhar diretamente para a instituição Laço Rosa via correio.


 

Hospital Angelina Caron realiza ação de conscientização e bem-estar no “Outubro Rosa”

Cronograma de atividades prevê apresentação de dança, entrega de anjos, lenços, batons e muito carinho

O vestir rosa em Outubro tornou-se uma tradição para alertar e conscientizar o mundo inteiro para a luta contra o câncer de mama. O movimento reforça a importância da detecção precoce para vencer a batalha contra a doença. A trajetória do tratamento exige esforço e dedicação física das pacientes e também das famílias. Pensando na humanização do tratamento, o Hospital Angelina Caron, em Campina Grande do Sul (PR), que atende mais de 280 mil pessoas pelo SUS todos os anos, realiza, em 31 de outubro, às 13h, o encerramento das atividades de conscientização sobre o câncer de mama.

O cronograma de atividades prevê apresentações de dança, entrega de anjos de tecido produzidos por mulheres da comunidade, entrega de lenços, batons e muito carinho. Vale lembrar que o câncer de mama é o tipo mais comum em mulheres do Brasil e do mundo, mas com grande chance de cura se detectado no início.

A assistente social do Hospital Angelina Caron, Beatriz Paternoster, reforça a importância das ações para a evolução do tratamento e a conscientização sobre o tema. “O envolvimento das voluntárias na produção de anjos, entrega de lenços e batons, além da doação de muito carinho e amor promovem o bem-estar das mulheres em tratamento. O alerta e a conscientização para o câncer mais comum entre as mulheres devem ser diários no autoexame, em conversas com os médicos e ao procurar um especialista”.

Informações: (41) 3679-8100


 

Campanha “Abrace o Rosa” incentiva o agendamento de mamografias

Realizada pelo Minha Vida, a campanha tem parceria com influenciadores para engajar também o público mais jovem

O Minha Vida, maior portal de saúde e bem-estar do Brasil, investe em uma campanha para influenciar milhares de mulheres a agendarem suas mamografias. O objetivo da campanha, realizada durante o mês de outubro, é ir além do uso do rosa, produzindo conteúdo relevante sobre o câncer de mama para reforçar a importância do exame de mamografia. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Mastologia, o diagnóstico precoce do câncer aumenta em até 95% as chances de cura das pacientes. Contudo, ainda de acordo com a SBM, as mulheres encontram dificuldade para receber o tratamento pelo SUS. Pensando na importância do exame, o portal criou a campanha “Abrace o Rosa”, que reúne o conteúdo do site especializado com apoio de influenciadores e um bate-papo exclusivo com um oncologista no Facebook do Minha Vida.

O diferencial da campanha é apostar na interação com o público. Segundo a pesquisa Life Insights, realizada anualmente pelo Minha Vida, a internet é a principal fonte de informações sobre saúde para as mulheres. Além das matérias sobre a doença, o portal está promovendo ações para tirar as dúvidas dos usuários, com um mutirão na seção “pergunte ao especialista” do site e um vídeo ao vivo no Facebook da marca. “Para complementar todo o conteúdo sobre o diagnóstico do câncer de mama, fizemos posts com o passo a passo do agendamento da mamografia e produzimos mensagens de incentivo para a base de fãs do portal”, explica Márcia Netto, diretora de produto e conteúdo do Minha Vida.

A campanha não foi idealizada somente para o grupo de risco da doença, que são as mulheres com idade superior a 40 anos ou aquelas maiores de 25 anos que têm histórico da doença na família. O portal fez parceria com influenciadores da Digital Stars, como o Felipe Castanhari, do Canal Nostalgia; e Eduardo Benvenuti, do BRKsEDU para engajar também o público mais jovem. “Os blogs e as redes sociais são meios de informação que estão em crescimento no Brasil. Nossas pesquisas de 2017 apontaram que a influência das blogueiras é uma realidade e que a opinião dos pares é levada em consideração pelo público”, comenta a executiva.

Os influenciadores vão publicar fotos em seus canais, abraçando suas mães, para dar visibilidade à campanha e incentivar os jovens a cuidarem das mulheres da família e estimularem as mesmas a agendarem a mamografia. “Nós temos um dos conteúdos mais acessados por mulheres com mais de 45 anos, temos como missão desenvolver campanhas de forma simples e com credibilidade. O nosso “Abrace o Rosa” quer incentivar a prevenção, agindo antes de desenvolver o câncer”, completa Márcia.

Os resultados da pesquisa Life Insights também mostram que as mulheres entre 25 e 59 anos, da classe C, se preocupam em envelhecer com saúde. 73% delas consultou o ginecologista nos últimos 12 meses, dado que revela a preocupação desse público com a saúde íntima. Márcia Netto explica que “o estudo apresentou as percepções das brasileiras sobre as doenças. O câncer é considerado a doença mais fatal pelas mulheres, reforçando a importância da criação de campanhas que a desmistifiquem”.


 

Hospital Municipal Evandro Freire realiza palestras em apoio ao Outubro Rosa

Em apoio à Campanha Outubro Rosa, o Hospital Municipal Evandro Freire, na Ilha do Governador, Rio de Janeiro (RJ), realizará palestras de conscientização dos cuidados e do diagnóstico precoce do câncer de mama. No dia 26 de outubro, a nutricionista Rafaela Dodde, supervisora do serviço de nutrição do hospital, ministrará a palestra “Alimentação Saudável na prevenção de Câncer” e no dia 27 o tema será “O cuidado à mulher: rastreamento do câncer de colo uterino e de mama”, apresentado pela enfermeira Lívia Câmara, responsável pela linha de Cuidados da Saúde da Mulher da CAP3.1. Ambas palestras acontecerão às 15h e serão abertas ao público.


 

Cruz Vermelha e Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro organizam caminhada contra o câncer de mama

Objetivo é chamar a atenção para a importância do diagnóstico precoce da doença

A Cruz Vermelha de Nova Iguaçu e a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro promovem em 26 de outubro uma caminhada pela campanha do Outubro Rosa. O evento fecha a programação da SES, que aconteceu ao longo desse mês, e tem o objetivo de alertar mulheres e homens para a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama. A concentração acontece às 8h30, em frente à Cruz Vermelha de Nova Iguaçu.

Para apoiar os municípios, o Rio Imagem, unidade da Secretaria de Estado de Saúde, disponibiliza mensalmente cerca de 6 mil vagas para a realização do exame. A indicação do Ministério da Saúde é que a mamografia de rastreamento seja realizada a cada dois anos em mulheres entre 50 e 69 anos. Mas em casos específicos, como casos da doença na família, a recomendação dos médicos é que a avaliação seja feita antes dos 35 anos. Além disso, o Ministério também preconiza que o tempo entre a detecção da doença e o início do tratamento seja de até 60 dias.

A partir de novembro o mamógrafo móvel – caminhão itinerante para realização de mamografia – retomará os serviços, percorrerá as cidades oferecendo exames e dando apoio aos municípios.


 

JK Iguatemi doa receita de estacionamento em prol da instituição Américas Amigas

Shopping abraça mais uma vez a campanha mundial Outubro Rosa e incentiva a conscientização da prevenção do câncer de mama

O mês internacional de conscientização sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama chegou e, com isso, o Shopping JK Iguatemi, de São Paulo (SP), irá promover uma campanha especial, chamando atenção para o movimento. Além de ações especiais, o shopping irá doar um dia de receita de seu estacionamento para a instituição Américas Amigas, apoiadora da causa.

Este é o 5º ano consecutivo que o shopping realiza o “Estacionou, Doou”, campanha da rede Iguatemi, o qual na última quarta-feira do mês, todo o valor arrecadado do estacionamento é doado a uma instituição para auxílio da prevenção do câncer de mama.

A instituição Américas Amigas surgiu da união de brasileiros e norte-americanos, movidos a informar e conscientizar as mulheres sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama, diminuindo, assim, o número de mortes causadas pela doença no Brasil, especialmente entre a população de baixa renda.

“Integrar o movimento Outubro Rosa é motivo de muito orgulho para nós. Ao participar, reforçamos nosso compromisso com a comunidade, engajando o público e ressaltando este nobre projeto mundial, símbolo da prevenção ao câncer de mama. Além disso, contaremos com mais uma edição do Estacionou, Doou, que é sempre um sucesso entre os nossos clientes”, conta Marcelo Miranda, vice-presidente comercial e de marketing da Iguatemi Empresa de Shopping Centers.

A campanha dá continuidade ao apoio da companhia a causas sociais e permanecerá durante todo o mês de outubro.


 

Edição especial do Mitos e Verdades debate genética e câncer de mama

A ação aberta ao público será realizada no dia 31 de outubro, no Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre (RS)

Para encerrar o Outubro Rosa, o Hospital do Câncer Mãe de Deus, de Porto Alegre (RS), promoverá uma edição especial do Mitos e Verdades para que o público interessado tenha oportunidade de conversar com a equipe de especialistas sobre genética e câncer de mama, tumor mais comum em mulheres no Brasil e no mundo. Cerca de uma em cada 10 mulheres com câncer de mama tem uma alteração genética que origina o tumor e pode ser transmitida ao longo das gerações. “É um grupo relativamente pequeno entre as mulheres com câncer de mama, mas com um risco de oito a dez vezes maio do que as demais pessoas”, afirma a médica geneticista Dra. Patrícia Prolla. Por isso, identificar entre as mulheres com câncer de mama aquelas que possuem uma alteração genética, pode fazer uma grande diferença no tratamento e trazer benefícios para outros familiares que podem agir preventivamente.

O Mitos & Verdades sobre genética e câncer de mama terá a participação da Dra. Patrícia Prolla, Dra. Cristina Netto e Dra. Camila Bittar, ambas também geneticistas, e como convidados debatedores estarão os médicos mastologista Dr. Felipe Zerwes, oncologista Dr. Pedro Liedke e radiologista Dr. Lucio de Carli para que o tema possa ser abordado de uma forma mais ampla.

Confira alguns mitos e verdades sobre o tema:

Mitos

– A história familiar de câncer de mama na família do pai não importa;

– A história de outros tipos de câncer não tem relação com risco para ter câncer de mama;

– Não adianta prevenir, pois quem procura acha;

– Toda mulher com mutação genética vai ter câncer;

– Homens nunca terão câncer de mama;

– Mulheres que têm mãe ou avó com câncer de mama certamente terão câncer de mama;

– Em mulheres com mutação genética, a cirurgia de retirada das mamas não tem bons resultados.

Verdades

– Mulheres com câncer de mama em idade muito jovem, mais de um tumor de mama ou câncer de mama e um outro tumor distinto têm maior chance de ter uma alteração genética;

– Algumas mulheres precisam fazer exames adicionais, além da mamografia, todos os anos por terem um risco maior de desenvolver câncer de mama;

– Nem toda mulher com história familiar de câncer de mama tem predisposição genética ao câncer de mama;

– Existem várias estratégias para reduzir as chances de câncer de mama em mulheres com uma alteração genética;

– Homens com alterações genéticas relacionadas a câncer de mama podem também ter risco aumentado de desenvolver alguns tumores;

– Uma pessoa com alteração genética tem 50% de chance de transmitir e 50% de chance de não transmitir essa alteração para os seus filhos e filhas.


 

Testes genéticos contribuem para diagnóstico e tratamento no câncer de mama

Estima-se que entre 5 e 10% dos casos de câncer têm um forte componente hereditário; Especialista explica como o exame é feito e como esses resultados por contribuir para identificação de mutações genéticas hereditárias

Desde que a atriz norte-americana Angelina Jolie declarou, em 2013, ter realizado um exame que apontava um risco aumentado de desenvolver câncer de mama, muitas mulheres vêm considerando a realização do teste genético que detecta alterações no DNA que podem levar ao surgimento de tumores malignos como uma espécie de teste pré-diagnóstico. No caso da famosa, o resultado indicava uma mutação em genes especificamente relacionados ao câncer de mama, elevando em 87% a probabilidade de desenvolver a doença, o que levou Jolie a realizar uma mastectomia bilateral preventiva – que consiste na retirada de ambos os seios -, sem que houvesse, todavia, a presença de nódulos cancerígenos.

À época, Jolie declarou que contava com um histórico familiar de câncer de mama e que optou pela cirurgia com suporte de uma equipe médica qualificada, que a apoiou na tomada de decisão. A hereditariedade é um dos fatores de risco para casos de câncer de mama, mas vale lembrar que a genética familiar representa um percentual baixo de todos os diagnósticos da doença.

“Estima-se que entre 5 e 10% dos casos de câncer têm um forte componente hereditário, quando uma mutação transmitida de geração para geração é responsável por aumentar as chances de uma pessoa desenvolver a doença. É preciso ressaltar, contudo, que exames como o realizado por Angelina Jolie indicam uma alteração que aumenta à predisposição ao câncer de mama, mas isso não é um diagnóstico da doença em si. É um indicativo de probabilidade aumentada, que pode ou não se concretizar”, explica Raphael Parmigiani, biomédico PhD em oncologia e sócio-fundador do Idengene, laboratório de análises especializado em testes genéticos para ajudar no tratamento e prevenção de doenças.

Segundo o especialista, os testes genéticos são indicados apenas quando há uma forte suspeita da presença de mutações hereditárias associadas ao histórico familiar de câncer de mama em parentes próximos (mãe e/ou irmã) e que tenham apresentado tumores com idade inferior aos 50 anos. Para se ter uma ideia, em 2017, o Brasil deve somar 60 mil novos casos de câncer de mama entre mulheres. “Isso quer dizer que de toda a população feminina diagnosticada com a condição neste ano, em média seis mil pacientes contam com um proponente genético importante que poderiam ter tido seus tumores identificados de maneira precoce diante dos resultados dos estudos de DNA e, eventualmente, até evitados a partir de cirurgia preventiva”, pontua o Dr. Parmigiani.

Um dos pontos destacados pelo geneticista neste sentido é que a análise de possíveis mutações genéticas hereditárias deva ser feita, preferencialmente, primeiro nas mulheres da família com diagnóstico efetivo de câncer de mama. Isso porque o material biológico coletado a partir do sangue ou da saliva do paciente em tratamento trará evidências mais precisas, que servirão de subsídios para outros membros da família caso ocorra a detecção de uma alteração hereditária. Para ele, a descoberta de um fator familiar do câncer deve ser entendida como mais uma aliada no aconselhamento preventivo da condição.

“Os benefícios são inúmeros, considerando a importância do diagnóstico precoce na luta contra o câncer. Ao identificarmos a presença de mutação em uma paciente com tumor de mama, tornamos muito mais preciso o direcionamento de medidas para detecção dessa mesma mutação em outras gerações da família”, diz Parmigiani.

Entenda o teste genético

A finalidade principal do exame genético é identificar mutações em alguns genes que ampliam as chances do paciente em desenvolver a doença. Entre eles, destacam-se o BRCA1 e BRCA2, envolvidos em até 30% dos casos de câncer de mama e ovário hereditários.

O exame é muito simples e funciona assim: a partir de uma amostra de sangue ou saliva, o laboratório extrai o DNA do paciente. Os genes então são comparados a uma amostra saudável e, a partir disso, é possível identificar se há evidências de mutação. Em caso positivo, o ideal é que seja buscado aconselhamento médico especializado para definição da estratégia de acompanhamento.

“Vale lembrar que a mutação, se identificada, não significa que esta mulher terá necessariamente câncer, mas sim é um indicio de predisposição maior ao risco de desenvolver futuramente um tumor. Por isso, essa é uma ferramenta que pode levar a uma indicação de realização de exames preventivos com maior constância”, reforça Parmigiani.

Quando o teste genético é recomendado

O exame é recomendado quando há um histórico familiar de câncer que sugira a possibilidade de mutação genética hereditária. O ideal é que pessoas de uma mesma família realizem o teste após a identificação de mutação em parentes próximos (mãe ou irmã) que tenham sido diagnosticadas com a condição. Isso porque a análise se tornará muito mais assertiva.

“É importante que a paciente saiba que não basta ter o desejo de fazer o mapeamento genético. É preciso que um médico geneticista, mastologista ou oncologista, seja consultado previamente para que avalie a história familiar e com base nisso, se necessário, gere um pedido médico para realização do exame laboratorial”, explica Parmigiani.

Alguns requisitos que levam a um pedido de exame genético:

– Familiares próximos com câncer de mama diagnosticado e que apresentaram mutação nos genes BRCA1 e BRCA2;

– Parentes de primeiro grau com histórico de câncer de mama antes dos 50 anos;

– Caso de câncer de mama masculino na família;

– Câncer de mama bilaterial (nas duas mamas).


 

As doenças da mulher: cuidados e prevenção

Não é só no “Outubro Rosa” que elas devem pensar na saúde. Especialista comenta as principais doenças que as afetam

Não é segredo para ninguém, ter uma alimentação saudável, praticar exercícios e ir ao médico regulamente são algumas atitudes básicas para quem busca qualidade de vida e longevidade. Mas na correria do mundo moderno, fica cada vez mais difícil tirar alguns minutos do dia para cuidar da saúde, ainda mais quando tratamos das mulheres, que cumprem a famosa “dupla jornada”. Segundo a Dra. Márcia Araújo, ginecologista do Docway, alguns cuidados básicos são a melhor forma de prevenir as principais doenças que afetam a saúde da mulher.

As múltiplas funções da mulher e a falta de tempo, para um cuidado adequado da saúde, acabam por aumentar o número de casos de doenças como Câncer de Mama, Depressão e Câncer de Colo de Útero. Por isso, a especialista alerta sobre a importância dos cuidados com a saúde mesmo com essa rotina agitada. “Nosso papel na sociedade vem evoluindo, hoje nós mulheres desempenhamos várias funções e acabamos descuidando da saúde. O que não pode acontecer e não é desculpa para a negligência com os cuidados pessoais. Com os avanços tecnológicos e as facilidades que eles nos trouxeram, podemos manter nossa rotina e acompanhamento médicos em dia, evitando tais problemas”, explica a especialista.

Câncer de Mama

Esse tipo de câncer é o que mais comum entre mulheres no Brasil e no Mundo, correspondendo a 25% dos novos casos de câncer a cada ano. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), no ano passado, os casos de câncer de Mama ultrapassaram a casa de 57mil no Brasil. O câncer de mama tem diversos tipos, porém na maioria deles, quando diagnosticados em fases iniciais, é passível de tratamento, com boas perspectivas de cura.

“Nós mulheres devemos estar atentas, pois fazer os exames preventivos é fundamental. A maioria dos casos não tem sintomas em estágios iniciais. Por esse motivo, a mamografia tem grande importância. Dentre os sinais de alerta, um dos mais comuns é o nódulo no seio, que pode vir acompanhado ou não de dor. Porém, existem outros sintomas que devem chamar a atenção como secreção no mamilo, alterações na pele que recobre a mama e nódulo na axila. Vale lembrar que o autoexame não substitui a mamografia e o exame clínico cuidadoso feito por um profissional qualificado”, detalha a Dra. Márcia Araújo.

Depressão

Estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS) alertam que até o ano de 2020, a depressão será a doença com maior impacto no mundo. Aqui no Brasil, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) estima que uma faixa de 20% da população teve, têm ou terá um episódio em algum momento de sua vida. Falta de interesse, concentração, perda da autoestima e mudanças bruscas de humor são alguns dos sintomas da depressão. A doença atinge significativamente mais as mulheres do que os homens. Cientistas e especialistas não têm um real motivo para essa diferença, mas acreditam que ela tem relação com a influência dos hormônios femininos.

“Quadros depressivos devem ser diagnósticos e tratados com muita cautela e por profissionais capacitados. Mas podemos ajudar a melhorar esse quadro com, por exemplo, a prática regular de atividade física e a vinculação da pessoa a atividades coletivas, entre eles cursos e voluntariados. Essas ações ajudam a reduzir a ansiedade, melhora o humor e a interação com o meio social”, comenta a especialista.

Câncer de colo de útero

Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) mostram que esse tipo de câncer é considerado um dos mais importantes problemas de saúde pública do mundo. Só no ano de 2016 foram estimados mais de 16 mil casos novos de câncer do colo do útero no Brasil, o que significa 15 novos casos a cada 100 mil brasileiras. As principais causas da doença são o início precoce da atividade sexual da paciente, a variedade de parceiros sexuais, a higiene íntima inadequada e o Papilomavírus Humano (HPV).

“O câncer do colo do útero tem um grande potencial de prevenção e cura se diagnostico a tempo. Sintomas podem servir de alerta, entre eles sangramento vaginal após a relação sexual, corrimento vaginal de cor escura e com mau cheiro, e em estágios mais avançados, hemorragias, dores lombares e abdominais, perda de apetite e de peso. Uma ótima opção para a prevenção da doença é a vacina, que se destina a jovens, principalmente antes inicias as atividades sexuais. Para todas, o Papanicolau e o exame clínico anual são fundamentais”.


 

Lu Make Up realiza 1ª edição do “We’re Strong Together

A ação é focada em devolver a autoestima por meio da técnica de micro pigmentação às mulheres, que venceram o câncer de mama

We’re Strong Together” – esse é o nome escolhido pela empresária Lu Rodrigues – linergista conhecida por manter a beleza e estética facial de várias celebridades brasileiras – para o primeiro evento da empresa em prol das mulheres, que venceram o câncer de mama, como a madrinha do evento, a modelo Suzana Gullo, que enfrentou a doença em 2015. O evento acontece no dia 31 de outubro, na nova sede da Lu Make Up, em São Paulo, e conta com o apoio de marcas parceiras como Audi, Banditte, Darling, Keep Light, Scarf Me, Walory, entre outros.

A ação é focada em devolver a autoestima de mulheres que passaram pela retirada das mamas ou que no momento estão se submetendo às sessões de quimioterapia e enfrentam os efeitos colaterais do tratamento, entre eles, a queda dos cabelos. Quinze mulheres convidadas, que fazem parte do grupo de pacientes oncológicas “Somos Todas Uma”, realizarão procedimentos estéticos de micro pigmentação para reconstruir auréolas e mamilos, e também as sobrancelhas.

Escolhida para dar voz à ação, a Suzana Gullo estará presente no evento e fará uma palestra sobre como foi ser diagnosticada com o linfoma. Mais do que falar sobre a doença, Suzana poderá compartilhar um pouco da sua experiência e como os desafios ainda continuam para todos os “vencedores” ao longo da vida, como efeitos dos medicamentos, sequelas emocionais e muitas vezes físicas. “O pior já passou, vencemos! Mas ainda não acabou o tratamento. Temos radioterapia pela frente, acompanhamentos, etc., mas é isso aí”, explica Suzana em um desabafo nas redes sociais.

“A iniciativa é uma mobilização entre a Lu Make Up e seus parceiros para devolver a autoestima dessas mulheres guerreiras. Vamos unir talento e forças para tentar amenizar a dor dessa batalha e ter histórias de sucesso para compartilhar”, completa a empresária Lu Rodrigues.

Participação dos parceiros

A empresa Audi disponibilizará um automóvel, modelo SUV, para transportar as convidadas no dia do evento. Já a Banditte cederá as camisetas para vestirem as todas as mulheres envolvidas no evento, assim como a Darling, que doará 15 lingeries para as pacientes da ONG. A Keep Light servirá brigadeiros e Ginger Shot, a Scarf Me doará dois lenços para as convidadas, além de oferecer um workshop de opções de amarração dos lenços durante o evento. Por fim, a Walory presenteará as convidadas com 15 kits de tratamento para crescimento e fortificação dos fios do cabelo. A ambientação do evento e decoração ficam por conta de Gabriela Nora, da Mesa Divina.


 

Caminhada do Outubro Rosa reúne cerca de três mil pessoas em Nova Iguaçu

Homens e mulheres se vestiram de rosa e percorreram as ruas da cidade para alertar sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama

Foto: Divulgação SES/ Everton Barsan

Nova Iguaçu (RJ) se vestiu de rosa na em 26 de outubro para lembrar a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama. A ação realizada pela Cruz Vermelha de Nova Iguaçu em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro atraiu cerca de três mil pessoas, e encerra as atividades promovidas pelo Estado durante o Outubro Rosa.

O secretário de Estado de Saúde Luiz Antonio Teixeira Jr. fez todo o percurso acompanhado por mulheres que venceram a doença. “O câncer de mama atinge milhares de mulheres e também homens, os eventos são fundamentais para alertar a população sobre a importância do diagnóstico precoce. Estamos oferecendo seis mil vagas mensais para a realização da mamografia no Rio Imagem e um mutirão pra zerar a fila pro diagnóstico de câncer de mama. A partir de novembro o mamógrafo móvel volta a circular pelos municípios para apoiar as prefeituras e realizar o exame de forma rápida”, anunciou o secretário.

O cantor Neguinho da Beija Flor esteve presente na caminhada e com sua voz inconfundível deu o sinal para o início do evento. “Todos sabem que há alguns anos eu tive um câncer e venci. O câncer é uma doença que pode ser vencida, mas diagnosticar rápido é muito importante, por isso, estamos aqui”, disse.

A dona de casa Joelma Ali passou pelo câncer de mama há 16 anos e atualmente faz parte do grupo Poderosas Amigas da Mama de Nova Iguaçu. Ela acredita que o Outubro Rosa ajuda a desmistificar o câncer e a mostrar que a cura é possível. “Falar do câncer é muito importante porque muitas pessoas acreditam que o diagnóstico é uma sentença de morte e não é. Nosso grupo das Poderosas é um exemplo disso, estamos vivas, lindas e felizes, sobrevivemos ao câncer e é esse exemplo que queremos levar pra todos os lugares por onde passamos”, disse.

Confira o passo a passo para realizar a mamografia na rede estadual de saúde:

1 – É preciso procurar uma unidade básica de saúde (Clínica da Família, Posto de Saúde, etc.). Durante a consulta com um médico, ele irá avaliar e após examinar a paciente vai solicitar o exame, se necessário.

2 – Com o pedido em mãos, a paciente deverá solicitar que a própria unidade básica realize o agendamento de exame, que é feito direto pela unidade no sistema do Rio Imagem.

3 – Após receber os dados e o agendamento da paciente, a equipe do Rio Imagem entra em contato com ela para confirmar a data e o horário. Por isso é importante que os dados estejam corretos.

4 – O paciente realizará o exame na data marcada e o resultado estará disponível para ser retirado na unidade.

5 – Caso o resultado do exame aponte a necessidade da realização de uma biópsia, a equipe do Rio Imagem fará contato com o a paciente para agendar uma data para o procedimento, que é feito no próprio Rio Imagem.

6 – Após a realizar a biópsia, o paciente poderá retirar o resultado e estará com o diagnóstico em mãos para dar início ao tratamento, caso seja confirmado o câncer.


 

Maternidade Nossa Senhora de Lourdes celebra Outubro Rosa com palestra sobre cuidados e relato de caso emocionante

A Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (MNSL), de Goiânia (GO), promoveu no dia 27 de outubro uma programação especial em prol da campanha Outubro Rosa, com o intuito de alertar aos colaboradores da unidade sobre a importância da prevenção, diagnóstico precoce e tratamento em tempo hábil, em caso positivo para a doença. O apoio da família e amigos para auxiliar a enfrentar todas as etapas do câncer também foi abordado. As palestras aconteceram no auditório da MNSL com a presença de cerca de 30 funcionários.

O mastologista da unidade, Humberto Borges, foi o responsável por explicar sobre a parte técnica aos participantes, ilustrada por imagens reais de pacientes que tiveram câncer de mama, uma forma de mostrar a relevância da discussão do assunto. “1.680 casos de câncer de mama surgiram em Goiás no ano de 2016, sendo, destes, aproximadamente 15% apenas em Goiânia. É um número extremamente preocupante. Por isso é tão importante fazer sempre o auto-exame, um dos principais meios para o diagnóstico deste tipo de câncer”, reforçou.

Diagnosticada com câncer de mama em 2002, a convidada Júlia Salomão contou aos presentes como foi todo o processo, desde a descoberta até a alta médica. “Em 1992, meu médico encontrou um nódulo na minha mama direita e me alertou sobre a possibilidade daquilo se tornar um câncer, mas eu não dei tanta importância. Eu tinha uma vida extremamente agitada e nada saudável. Anualmente eu fazia os exames necessários para monitorar aquele nódulo, até que eu recebi a notícia dez anos depois, após fazer a mamografia três vezes. Saí da clínica chorando desesperadamente e desnorteada, sem saber o que fazer”, relembrou.

Enquanto relatava sua experiência, Júlia enfatizou a importância do círculo familiar durante o tratamento. “Foi uma loucura na família, um sofrimento muito grande. Eu tive medo de morrer. Mas eu tinha uma estrutura familiar e de amigos para passar comigo essa fase terrível. Foi então que tive forças para encarar tudo o que passei”, declarou. E, depois da luta contra o câncer de mama, ela descobriu um câncer no útero, motivo pelo qual passou três anos em tratamento, el também foi vencido. “De tudo isso, eu aprendi que o amor é fundamental numa hora dessa. A vontade de lutar também. E eu tive ambos”, finalizou.


 

Hospital Santa Cruz oferece palestras gratuitas sobre câncer de mama e colo de útero

No dia 30 outubro, em mais uma de suas ações voltadas ao Outubro Rosa e à saúde da mulher e em parceria com a ONG Viver Melhor, o Hospital Santa Cruz, de São Paulo (SP), promove duas palestras gratuitas para funcionários e para o público em geral.

No período da manhã, a partir das 9h, a Dra. Ângela Maggio da Fonseca, ginecologista e obstetra, e pela Sra. Vera Teruel, fundadoras da ONG Viva Melhor, falam sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama e de colo de útero.

A partir das 15h, haverá uma nova rodada de conversas, conduzida pelo especialista em ginecologia, obstetrícia e mastologia Dr. Alípio Naphal Martins, em conjunto com a Sra. Vera Teruel. Ambas as palestras acontecerão no auditório do Centro Administrativo do Hospital Santa Cruz, muito próximo da estação Santa Cruz (linha azul do metrô).

Endereço: Rua Santa Cruz, 255 – Vila Mariana – São Paulo (SP)


 

Após oficina de estamparia, pacientes com câncer receberão lenços com desenhos que criaram

Mulheres que fazem quimioterapia no Hospital Santa Rita, em Porto Alegre (RS), pintaram flores para os acessórios de cabeça

Com câncer de mama, Maria de Lurdes Schwert recebeu o lenço que estampou da professora de Design de Moda da UniRitter Tatiana Laschuk

Mulheres que fazem tratamento contra o câncer no Hospital Santa Rita, em Porto Alegre (RS), receberão lenços para a cabeça com desenhos que criaram durante uma oficina de estamparia. O primeiro acessório foi entregue a uma paciente na tarde desta sexta-feira, no Centro de Tratamento Quimioterápico do local. Proposta pelo curso de Design de Moda da UniRitter, a atividade tem o objetivo de fortalecer a autoestima das pacientes.

Enfrentando um câncer de mama desde fevereiro, Maria de Lurdes Schwert, 52 anos, foi a primeira a receber o lenço. Por causa da medicação na mão, que impedia alguns movimentos, ela pintou flores rosas com ajuda da filha e da neta para estampar um tecido azul marinho. “Me senti valorizada, porque agora eu tenho o meu lenço. O projeto fez diferença na minha vida”, afirmou a paciente, emocionada.

As estampas foram criadas durante uma oficina no hospital, no dia 13 de outubro. “A atividade animou as pacientes que estavam realizando o tratamento. Mesmo com a dificuldade de movimentar a mão por causa do cateter, elas foram colorindo como queriam as estampas”, conta a professora Tatiana Laschuk.

Os desenhos foram digitalizados e impressos nos tecidos dos lenços, o que fez deles peças exclusivas, criadas pelas próprias donas. “Foram as pacientes também que escolheram a cor dos tecidos, onde também imprimimos o nome delas”, completa a acadêmica Letícia Sanches. Responsável pela digitalização das estampas, a aluna ainda contou que priorizou efeitos que se assemelhassem ao traço do lápis de cor, para deixar os desenhos o mais realista possível.

Moradoras de outras cidades no Estado, cinco mulheres que participaram da oficina ainda receberão os lenços, conforme a disponibilidade de vir a Porto Alegre. É o caso de Marlene Baches, 66 anos, que reside em Gravataí. “Achei muito boa a oficina, porque saímos da rotina do hospital”, comentou a paciente, que luta contra um câncer de mama desde maio. Ela pintou flores coloridas e escolheu azul para a cor de fundo do lenço.

A ação faz parte da programação do Outubro Rosa da UniRitter, que integra o Laureate Global Days of Service 2017, programa que reúne as instituições de ensino da Laureate International Universities na promoção de ações sociais voltadas para as comunidades em que estão inseridas.


 

Einstein disponibiliza conteúdo interativo sobre câncer de mama

Para encerrar o mês de conscientização de câncer de mama, o Hospital Israelita Albert Einstein preparou um material interativo que contém a jornada percorrida pela paciente de câncer de mama, para tumores iniciais e para os avançados.

O material, elaborado por médicos do Einstein, foi criado para informar e conscientizar sobre a doença, que no Brasil representa 28% de todos os diagnósticos de câncer, além disso, é o segundo mais comum entre as mulheres.

Acesse e conheça: jornadadamulher.einstein.br/cancerdemama


 

Lançamento da nova Carta Global da ABC

Uma iniciativa de diversos participantes, estabelecendo 10 metas para mudar o futuro do câncer de mama avançado até 2025

A Advanced Breast Cancer (ABC) Global Alliance lançou a Carta Global da ABC, uma robusta nova iniciativa que estabelece 10 metas claras para gerar melhorias globais para os cuidados e a sobrevivência ao câncer de mama avançado (ABC, em inglês) – até 2025. A Carta Global da ABC trata das lacunas mais urgentes e resolvíveis no tratamento e cuidados dos pacientes de câncer de mama avançado, para definitivamente melhorar e estender suas vidas. A ABC Global Alliance, apoiada pela Escola Europeia de Oncologia – uma plataforma de diversos participantes, iniciada em 2016 – vai promover a Carta Global da ABC, encorajando a comunidade mundial do câncer de mama, elaboradores de políticas e o público a se reunirem para ajudar a mudar o futuro dos pacientes de câncer de mama avançado.

Muitos progressos têm sido feitos no diagnóstico, gestão e resultados do câncer de mama inicial – no entanto, importantes lacunas ainda existem no tratamento e gestão do câncer de mama avançado, e a média das sobrevivências tem permanecido teimosamente emperrada em dois a três anos pós-diagnóstico, com 50% dos casos e 58% das mortes ocorrendo em países menos desenvolvidos.

“Os cuidados do câncer de mama avançado têm ficado atrás daqueles do câncer em estágio inicial, com muitas pessoas ainda morrendo muito cedo, e uma mudança é urgentemente necessária”, comenta Fatima Cardoso, diretora da Unidade de Mama do Centro Clínico Champalimaud, Lisboa, Portugal, e diretora da ABC Global Alliance. “A Carta Global da ABC é uma ambiciosa carta de mudança. Nossa meta é unir a comunidade de câncer de mama avançado, para trabalharmos juntos rumo a metas comuns e realizáveis, em níveis locais e internacionais”.

A carta centra em 10 Ações para Mudar, tratando lacunas na pesquisa do câncer de mama avançado, cuidados com pacientes de câncer de mama avançado e câncer de mama avançado na sociedade, como identificado pelo Status Global do Câncer de Mama Avançado/Metastático: Relatório da Década 2005-2015, que levou à Visão da ABC para 2025 – ‘Chamada à ação’.

As 10 Ações para Mudar:

1 – Dobrar a sobrevivência media geral dos pacientes com câncer de mama avançado para pelo menos quatro anos, até 2025
2 – Melhorar a qualidade de vida dos pacientes de câncer de mama avançado na clínica prática
3 – Melhorar a disponibilidade de dados sólidos de epidemiologia e dos resultados do câncer de mama avançado
4 – Aumentar a disponibilidade e o acesso a cuidados multidisciplinares, incluindo assistência paliativa, de suporte e psicossocial para pacientes, famílias e cuidadores, de modo a garantir que os pacientes estejam recebendo a melhor experiência de tratamento
5 – Lutar para que todos os pacientes com câncer de mama avançado tenham apoio financeiro para o tratamento, cuidados e assistência, se impossibilitado de trabalhar
6 – Oferecer treinamento de habilidades em comunicação para todos os provedores de tratamento de saúde
7 – Fornecer informações específicas do câncer de mama avançado, precisas e atualizadas, para todos os pacientes que as desejarem
8 – Aumentar o entendimento público do câncer de mama avançado
9 – Melhorar o acesso a serviços não clínicos de apoio ao câncer de mama avançado
10 – Proteger os direitos trabalhistas para pacientes com câncer de mama avançado

As Ações para Mudar serão discutidas em detalhes no primeiro encontro da ABC Global Alliance, em 4 e 5 de novembro de 2017, em Lisboa, Portugal, que se seguirá à Conferência ABC4.

Informações: www.abcglobalalliance.org


 

Como manter a fertilidade em pacientes oncológicos

Preservação dos gametas antes do início dos tratamentos de radio e quimioterapia garantem aos pacientes com câncer boas chances de gravidez futura

Os meses de outubro e novembro são dedicados ao combate do câncer de mama e de próstata e, diante disso, vêm à tona discussões sobre prevenção, tratamento e consequências dessas doenças. Uma questão importante nesse aspecto refere-se à fertilidade dos pacientes em tratamento, já que as drogas utilizadas na quimio e na radioterapia podem interferir na reserva ovariana ou na produção de espermatozóides pelos testículos, o que prejudica significamente as chances de gravidez.

Hoje em dia, graças à tecnologia e aos estudos cada vez mais avançados na área de reprodução assistida, pode-se dizer que é possível um paciente com câncer ter chances semelhantes de gestação as de alguém sem a doença, por meio da fertilização in vitro. “Isso  é possível com a preservação dos gametas, seja pelo congelamento dos espermatozoides, seja pela indução da ovulação e aspiração dos óvulos, chamada criopreservação. Em qualquer um desses casos, é importante fazer antes do início do tratamento”, explica Dr. Ricardo Marinho, diretor clínico da Pró-Criar Medicina Reprodutiva.

Se há tempo suficiente para a coleta de material, a criorpreservação e congelamento do sêmen são as melhores alternativas. A coleta de óvulos pode demorar de duas a seis semanas. Já a coleta de esperma é mais rápida e simples, a menos que a ejaculação não seja possível. “Também existem medicamentos protetores para os ovários durante a quimioterapia, cuja eficácia é controversa, e também o congelamento de fragmentos do tecido ovariano para posterior retransplante, ainda em fase experimental”, ressalta Dr. Ricardo.

A chance da pessoa ficar estéril após o tratamento contra o câncer varia de 0 à 90%, de acordo com o tipo de remédio utilizada, a dosagem e o tempo de duração da medicação. Às vezes, o impacto na fertilidade pode ser transitório, com a volta espontânea da ovulação e da produção de espermatozoides. “É importante que a liberação para engravidar seja feita pelo oncologista responsável pelo paciente, geralmente é necessário esperar de 2 a 5 anos dependendo do tipo e da estabilização da doença”, conclui Dr. Ricardo.


 

Sexualidade de pacientes com câncer de mama é tema de encontro no Hospital Moinhos de Vento

O Centro de Oncologia do Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre (RS), promove, em 1º de novembro, uma nova edição do encontro “Juntas”. Desta vez, o tema será sexualidade. O evento acontece às 15h na sala 2 de Educação Corporativa da instituição (acesso pela Rua Tiradentes, 333).

O ciclo de palestras visa proporcionar um momento de apoio e orientação a pacientes com câncer de mama e familiares. As reuniões, realizadas mensalmente, são abertas ao público, gratuitas e para participar não é necessário fazer inscrição. O próximo encontro acontece no dia 6 de dezembro.


 

Startup desenvolve anticorpo que combate o câncer de mama

A Veritas, empresa ligada ao Supera Parque de Inovação e Tecnologia, está desenvolvendo uma pesquisa que tem como objetivo contribuir para o combate ao câncer de mama. Desenvolvido desde 2009, o estudo propõe a criação de um novo anticorpo para terapia e diagnóstico do câncer. Com resultados promissores a empresa depositou recentemente uma patente nos Estados Unidos.

Sandra Faça, diretora de Pesquisa e Desenvolvimento da Veritas, explica que o estudo está em fase pré-clínica, ou seja, ainda está sendo testado em modelos animais. “Desenvolvemos a pesquisa para descobrir moléculas biológicas que posteriormente, possam ser interessantes para as empresas farmacêuticas desenvolverem novos medicamentos”.

Ela explica, entretanto, que é preciso paciência, uma vez que, de forma geral, o tempo para o desenvolvimento de um novo medicamento pode chegar a 14 anos. “São cinco anos de pesquisa básica, dois anos de testes em modelos animais e cinco anos de desenvolvimento clínico”, diz. Acrescenta que na fase de desenvolvimento clínico, serão avaliadas a segurança e a eficácia dos anticorpos em pacientes. “Depois disso, ainda serão necessários mais dois anos para que o medicamento chegue ao mercado”, destaca.

Apesar do longo tempo para seu desenvolvimento, a pesquisa da Veritas traz resultados promissores já que seu anticorpo inibe uma proteína alvo envolvida em metástase, evitando, assim, a migração celular para outras partes do corpo. “Além disso, o anticorpo reconhece o alvo na superfície das células de câncer de mama, e também de ovário, obtidas de tecidos tumorais de pacientes”.

Nos estudos in vivo realizado em camundongos de laboratório, o anticorpo não apresentou toxicidade e se demonstrou eficiente na redução do crescimento de tumores implantados. “Ele também potencializa a ação da droga que já  é utilizada, atualmente, no tratamento de pacientes”, comemora. “Demonstramos em modelo animal que a combinação da droga utilizada hoje com o nosso anticorpo foi mais eficiente na redução do tumor do que quando as drogas foram utilizadas isoladamente. O futuro das terapias contra o câncer é justamente as combinações de drogas e uma medicina mais personalizada”, prevê.

De acordo com Sandra, nos últimos anos, o tratamento do câncer com anticorpos monoclonais tem sido uma das estratégias mais bem-sucedidas e importantes para o tratamento de pacientes. “Os anticorpos são reconhecidos por terem alta especificidade ao alvo e baixa incidência de efeitos colaterais”, diz.  “Exemplo disso são os anticorpos utilizados para o tratamento do câncer que inclui a Herceptin, que é um anticorpo para o câncer de mama dirigido a proteína HER-2”.

Desafios

Sandra Faça explica, ainda, que a ideia da pesquisa surgiu a partir da sua própria experiência pessoal. “Depois que tive meu primeiro filho, apresentei um nódulo grande na mama, que se fosse maligno haveria pouco a ser feito, pois a sua progressão é realmente rápida”, conta. “Por isso todo o esforço e importância do diagnóstico precoce, quando é possível ainda tratar e curar a doença. Retirei o nódulo, que felizmente era benigno, mas o susto foi muito grande”.

Unida a outros dois pesquisadores, Sandra também conta com o apoio de agências de auxílio para manter suas atividades de pesquisa. Entre elas, a Veritas recebe fomento da FAPESP, CNPq e FINEP, além de contar com recursos próprios gerados a partir de prestação de serviços na área de pesquisa e análise de proteínas.

Ela informa que existem ainda alguns estudos que precisam ser realizados antes que a nova molécula seja testada em pacientes, ou como se diz na área médica, atingir o estágio de pesquisa clínica. “Considerando que encontraremos um parceiro que viabilize esse processo em breve, e que os resultados mostrem benefícios aos pacientes tratados, acreditamos que levaria mais cinco a sete anos para atingir a etapa de comercialização para tratamento de seres humanos”, ressalta.

O próximo passo será identificar qual nicho de pacientes o anticorpo poderia ser melhor indicado e expandir o estudo para outros modelos de câncer mais letais, como os de ovário, cervical, pulmão e pâncreas. “Esperamos fechar com sucesso um ciclo de desenvolvimento de um produto biotecnológico inovador no país e conseguir parceria com uma grande empresa farmacêutica e hospital para seu desenvolvimento clínico e comercial”, finaliza.


 

Artigo – O câncer de mama e as técnicas de prevenção

O movimento conhecido como Outubro Rosa é comemorado mundialmente. O nome se refere à cor do laço que simboliza a luta contra o câncer de mama, estimulando o engajamento da população, empresas e entidades no combate à doença. Segundo um estudo realizado por 14 anos pela equipe médica do Hospital do Câncer de Barretos (SP), a taxa de mortalidade pela patologia em mulheres caiu 42,85% devido ao diagnóstico precoce.

Apesar da queda, em se tratando de saúde, quanto maior a conscientização, melhor a garantia de saúde e qualidade de vida de milhões de mulheres – pois apesar de atingir os homens, os casos de câncer de mama são mais frequentes na população feminina.

Conheça o seu corpo

O autoexame deve ser feito mensalmente logo após a menstruação. Para realizá-lo, a mulher deve estar deitada ou no chuveiro, efetuando a palpação de toda a mama com as pontas dos dedos, sendo que a mão direita deve ser utilizada para examinar a mama esquerda e vice-versa. É importante que haja uma periodicidade, permitindo que a mulher seja capaz de notar qualquer anomalia.

Prevenção primária

No Brasil, a medicina ainda está em um período curativo, ou seja, espera-se o aparecimento e diagnóstico da doença para realizar o tratamento. Por isso a importância da descoberta precoce. Ainda assim, existe a prevenção primária, que visa promover a saúde. Veja alguns pontos:

– O suor é um excelente método de desintoxicação natural;
– Os antitranspirantes devem ser evitados, promovendo uma maior eliminação das toxinas da mama;
– O consumo de gorduras boas e óleos vegetais crus, ricos em vitamina E, são recomendados por serem antioxidantes;
– Exercício físico regular ajuda na prevenção de muitas doenças, inclusive o câncer;
– O sol promove a produção da vitamina D;
– Substância tóxicas (poluentes, agrotóxicos e etc), artificiais e defumadas devem ser evitadas;

Seguir uma vida saudável enquanto realiza os exames periódicos é a melhor forma de garantir a prevenção e promoção da boa saúde, essencial para que se tenha uma boa qualidade de vida.

Prevenção secundária: faça exames!

O exame de ultrassom é um excelente aliado e pode ser realizado em qualquer idade, principalmente em mulheres que ainda não amamentaram, pois nesse caso a mamografia tem pouca visão, devido à condensação das glândulas. A mamografia, por sua vez, ainda é o principal método de escolha no Brasil em pessoas acima dos 40 anos. Enquanto a ressonância magnética oferece grande visibilidade de tumores e cistos, a termografia, procedimento relativamente novo, está ficando conhecida e popular no país, tendo a vantagem de ser isenta de radiação.

Alerta aos sinais

Os principais sintomas que evidenciam alterações de doença estabelecida são nódulos sólidos e endurecidos, que não diminuem de tamanho após a menstruação e também não se movimentam à palpação. Na aparição de qualquer anormalidade, o médico deve ser acionado, indicando qual o melhor exame complementar a ser realizado.

Lorena Gloria Silvia Aguirre Zambrano Velho é médica (CRM 75693) cadastrada na rede de profissionais da saúde do Doutor123 e trabalha com Medicina Ortomolecular em Campinas (SP)


 

Câncer de mama: Pesquisa mostra a eficácia das sementes radiativas na localização de lesões no mapeamento cirúrgico

O trabalho inovador da especialista da clínica UDDO revela que a técnica traz vantagens às pacientes e cirurgiões

Comumente usadas no tratamento de tumores de próstata e colo de útero, as novas sementes de iodo com um nível mínimo de radiação também são altamente eficazes como marcadores de tumores não-palpáveis na mama, que ajudam a localizar e extrair os nódulos durante a cirurgia radioguiada. A constatação é do projeto de pesquisa desenvolvido pela médica nuclear Márcia Tavares, da UDDO, rede de clínica especializada em medicina nuclear diagnóstica de São Paulo e uma das pioneiras do segmento, em parceria com Ipen (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares).

As sementes de titânio com iodo radiativo são bem pequenas, do tamanho de um grão de arroz e podem ser aplicadas com ajuda de ultrassom ou mamografia antes do procedimento cirúrgico. Segundo Dra. Márcia Tavares, no Brasil a aplicação das sementes de iodo 125 na marcação de nódulos mamários é relativamente recente e está sendo feita em pequena escala, a maioria no âmbito da pesquisa.

O trabalho inovador da especialista da UDDO tem como objetivo promover treinamento à equipe médica, observando os benefícios da técnica em 50 pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) com em estágio inicial da doença, quando o tumor não pode ser detectado ao exame de toque. As sementes de iodo 125, fornecidas pelo Ipen, são importadas e, devido a baixíssima radiação, não trazem problemas à saúde das pessoas envolvidas na aplicação e são retiradas no centro cirúrgico.

O projeto está em fase de conclusão. “Os resultados apresentados comprovam que as sementes de iodo radiativas não têm contraindicação, podendo ser aplicadas inclusive em pacientes que serão submetidas a tratamento de quimioterapia neoadjuvante ( antes da cirurgia) para redução do tumor, e substituem com vantagens as duas técnicas mais usadas atualmente para mapear os tumores antes da cirurgia”, afirma Dra. Márcia.

Hoje, as técnicas ainda mais utilizadas são a de agulhamento com fio guia que se prende ao local do nódulo ou microcalcificação; e a de aplicação do líquido radioativo (para ROLL – sigla em inglês para localização radioguiada de lesões ocultos) nas áreas  afetadas guiada através da ultrassonografia ou mamografia. As técnicas que usam o radiofármaco, assim como as sementes, são localizadas na cirurgia por um aparelho portátil chamado Gama Probe, que orienta o cirurgião a retirar de forma mais precisa o local da lesão.

Uma vantagem importante da semente de iodo 125 é a sua característica radiopaca, que permite a confirmação da marcação pela mamografia antes da cirurgia. É possível informar ao cirurgião o seu posicionamento e, dessa forma, programar a retirada de uma quantidade menor de tecido mamário e ter melhores resultados estéticos. Como o iodo 125 tem meia vida de 60 dias, maior do que a do radiofármaco com meia vida de 6 horas, a aplicação pré-cirúrgica pode ser realizado com certa antecedência, minimizando a ansiedade da paciente, e não precisa ser refeito caso a cirurgia seja adiada. Enquanto a marcação com radiofármaco perde a sua ação e com agulhamento a agulha pode se deslocar.

O procedimento da semente de iodo 125 deve ser supervisionado em todas as etapas pelo serviço de medicina nuclear, que recebe o material, encaminha para esterilização, aplica antes da cirurgia, acompanha a sua retirada e devolve para o setor nuclear até que possa ser descartada, sem radiação residual.

“O protocolo de pesquisa vem sendo elaborado desde 2016 e realizado com sucesso ao longo deste ano, contando sempre com o importante apoio do Ipen de São Paulo. O próximo passo é tentar viabilizar esse método no rol de serviços da UDDO”, afirma Dra. Márcia Tavares.

Deixe seu comentário