IV Fórum de Políticas Públicas para o Câncer de Mama

    75
    Quando:
    15/08/2019@9:00 – 18:00
    2019-08-15T09:00:00-03:00
    2019-08-15T18:00:00-03:00
    Onde:
    Palácio Itamaraty
    Av. Mal. Floriano
    196 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, 20080-002
    Brasil
    Custo
    Grátis

    Em nosso país, os desafios enfrentados pelo paciente com diagnóstico de câncer de mama são muitos. É por isso que, ano a ano, o Fórum de Políticas Públicas para o Câncer de Mama da Fundação Laço Rosa, prioriza pautas que possam alavancar a tomada de decisões e melhorar essa realidade. Na quarta edição do evento, marcada para 15 de agosto, no Rio de Janeiro (RJ), um dos assuntos que promete chamar mais atenção é a importância de mudar a legislação brasileira, que hoje não garante estabilidade de emprego para pacientes com câncer. Em xeque estará a PL 8057/2017, que aborda a estabilidade de um ano nesses casos, e inclusive motivou o mais recente projeto da Laço Rosa, CONTRATADA.

    Esta é a primeira plataforma de empreendedorismo e emprego para mulheres que passaram pelo câncer de mama, um canal de diálogo entre empresas e pacientes. Marcelle Medeiros, presidente da Fundação Laço Rosa, acredita que a pessoa em tratamento precisa ser respeitada no ambiente de trabalho, por isso conhecer os seus direitos é o primeiro passo.

    “O preconceito é velado e desculpas como ‘a vaga foi preenchida’ e ‘estamos enxugando a equipe’ são rotina na vida de pacientes com câncer de mama que, após o diagnóstico da doença, precisam voltar ao mercado de trabalho. Isso é uma forma cruel de violência!”, destaca Marcelle, ressaltando a importância de pacientes, gestores públicos e privados, associações médicas, entidades de classe, organizações não governamentais, sociedade civil, parlamentares e pacientes, juntos, conhecerem mais sobre esse assunto. “O projeto também tem um papel educativo junto às empresas”, complementa.

    As palestras do Fórum abrirão portas para outros temas quentes, como a Navegação de Pacientes, a atualização de procedimentos e medicamentos no rol da ANS, os principais estudos para o câncer de mama, os fatores genéticos para o controle da doença, o impacto financeiro da judicialização na saúde no Brasil e o impacto da tabela SUS na saúde pública.

    Em 14 de agosto, dia anterior ao Fórum, acontece o Encontro de Pacientes, um evento também gratuito que tem o objetivo de empoderar o paciente na defesa de seus direitos a partir do conhecimento. Estarão lá grupos de pacientes do Rio de Janeiro e de outros estados, como Fortaleza, Porto Alegre, São Paulo, e também do Distrito Federal e, assim como no Fórum, debates polêmicos prometem levar o público à reflexão com temas como imunoterapia, sexualidade e câncer de mama, espiritualidade e cuidados paliativos.

    “Manter o câncer de mama nas pautas, agendas e prioridades de políticas públicas é fundamental para que seja possível controlar o avanço da doença do país. Conhecimento é algo transformador e a proposta dos eventos é levar conhecimento e engajar a sociedade a fim de motivar maior participação nos processos decisórios da saúde. São questões que impactam diretamente a vida do paciente e não podem ser pautadas apenas pelo custo financeiro. Afinal de contas, a vida humana não tem preço”, defende Marcelle Medeiros.

    O Fórum está com inscrições esgotadas. Organizações como Femama e Movimento Todos Juntos Contra o Câncer, além da Oncologia D’Or são apoiadoras institucionais da iniciativa, que tem patrocínio das farmacêuticas Roche, Pfizer e Novartis.

    Deixe seu comentário