Exame de sangue não precisa ser sinônimo de dor para as crianças

212

É comum as crianças temerem as picadas de agulha. Seja na hora de tomar uma vacina ou de fazer coleta de sangue. A maioria dos pequenos sofre quando o assunto é injeção e esse tipo de reação gera estresse e pode interferir nos resultados de alguns exames. “A ansiedade e o nervosismo no momento da coleta de sangue podem elevar hormônios como o cortisol, adrenalina e o de crescimento, alterando os resultados”, explica o diretor médico da Unimed Laboratório, Mauro Scharf.

Para minimizar o estresse e até mesmo evitar traumas é necessário que os pais estabeleçam uma relação de confiança com seus filhos e falem a verdade. “Cada criança reage de uma forma, por isso é importante ter sensibilidade para perceber o medo e auxiliar nesse momento para tranquilizá-la”.

O médico explica que não adianta mentir. Contar para a criança como vai ser o exame e explicar para ela como tudo funciona pode ajudar bastante. “Dizer que vai doer só um pouquinho e que logo vai passar acalma a criança. Mesmo assim, os pais precisam saber que ela vai chorar e que o choro faz parte. Não reprima, nem a deixe mais ansiosa. O indicado é agir com naturalidade e passar segurança. Diga palavras de conforto e carinho”.

A equipe de coleta e o ambiente também influenciam. Um local mais colorido, lúdico e um atendimento personalizado fazem toda a diferença. “Se a criança é recebida em um espaço acolhedor, por um profissional qualificado para esse atendimento, ela se sentirá mais segura e a coleta de sangue passará a ganhar novos significados na vida dela”, afirma Scharf.

Conforto e atendimento humanizado são prioridades da Unimed Laboratório. Especialmente para o público infantil, a empresa criou recentemente a Turminha Monstrinhos Saudáveis. Quatro personagens, cada um com um perfil, tornam o atendimento às crianças mais divertido. Eles ilustram o “Certificado de Bravura” e estão representados em materiais para colorir, painel e plaquinhas para as crianças tirarem fotos no laboratório. “Cada personagem representa a personalidade de muitos dos nossos pequenos pacientes e acreditamos que pais e filhos irão se identificar com eles”, comenta  Carolina Mello Dorneles, responsável pelo marketing.

Além dos mascotes, na Megaunidade as crianças são recebidas no espaço kids, que tem uma ampla área de lazer com parquinho e uma sala de estar colorida com televisão e programação infantil, além de uma parede toda de quadro-negro para as crianças exercitarem a criatividade.

Deixe seu comentário