Hospital Universitário de Jundiaí encerra Semana Mundial do Aleitamento Materno com encontro de doadoras e receptoras

193
Vanessa e Helena

A emoção marcou o encerramento da Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM) no Hospital Universitário de Jundiaí (SP), nesta terça-feira (7). O evento reuniu para um café da tarde cerca de 50 pessoas, entre mães doadoras e receptoras de leite humano. As mães doadoras tiveram a oportunidade de conhecer a UTI Neonatal e os recém-nascidos que recebem o leite doado. Já as mães receptoras tiveram a oportunidade de agradecer pelo gesto de amor. Na ocasião, todos os bebês ganharam bodies fornecidos gentilmente pela empresa Polo Wear, contendo as frases: “Eu divido meu leitinho” para os bebês doadores e “Movido a leite materno” para bebês receptores.

Para Josiane Ramalho Costa Caetano, 44 anos, receber o leite doado por meio do Banco de Leite Humano de Jundiaí, foi uma benção. “Eu tenho dois filhos, um de 23 e outro de 29 anos, amamentei os dois e tinha esperanças de poder doar leite com o nascimento deste terceiro filho. Porém, meu leite secou e hoje, meu bebê que tem 11 dias, é mantido graças ao leite doado. Fico triste por não ter conseguido amamentar desta vez, mas muito feliz em poder contar com essas mulheres que fazem este gesto de amor”, diz ela.

Cintia Maria Mangabeira Gomes, 35 anos, mãe do Lorenzo de 11 meses, começou a doar leite quando seu pequeno completou um mês. “Esperei um mês para eu me adaptar, tive ajuda do Banco de Leite. Considero a causa de extrema necessidade e a atitude um ato de amor. Você ajuda a evitar a mortalidade infantil, eu me sinto muito feliz em poder contribuir”, declara.

Outra doadora que faz questão de abraçar a causa é Vanessa Batistela, 33 anos, mãe de Helena de um ano e meio. “Eu sou nutricionista e sei o quanto o leite materno é importante para a milha filha, então eu faço o possível para poder ajudar aquelas mães que não conseguem amamentar. O leite materno ajuda muito no sistema imunológico dos bebês e dá um conforto emocional para aquelas que não podem amamentar. É o melhor alimento que existe para os bebês e se a gente pode dividir, vamos lá!, comenta.

A UTI Neonatal do HU conta com 25 leitos. As mães doadoras puderam ver os bebês a partir da sala de observação da equipe médica. “Achei muito emocionante, não vou me esquecer do quanto meu gesto é importante para estes pequenos”, finaliza Ana Maria Alvarez, 34 anos, mãe de Heloise, de seis meses.

Deixe seu comentário