Bolsonaro, Doria e Witzel receberão propostas para reduzir desperdício de R$ 100 bi na saúde

171

A falta de diálogo no setor de saúde é um dos principais motivos para o desperdício de cerca de 20% dos R$ 500 bilhões gastos anualmente em saúde pública e privada, segundo dados da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) . Para reduzir este índice alarmante, o Fórum Inovação Saúde (FIS 2018) apresentará propostas e soluções ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, e aos futuros governadores do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e São Paulo, João Doria.  A segunda edição do FIS reunirá as maiores lideranças e gestores do país no setor. O Fórum terá participação de cerca de 400 executivos, gestores públicos, privados e profissionais do setor, dia 12 de novembro no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. A programação inclui painéis e debates entre autoridades e especialistas nacionais e internacionais no setor.

O SUS e o sistema privado de saúde suplementar não trocam informações e pouco investem em ferramentas modernas de governança, como Big Data, inteligência analítica, Blockchain e outras, gerando desperdícios bilionários e déficit de atendimento à população.  Esses são os principais pontos a serem debatidos no Fórum Inovação Saúde (FIS 2018).

Apresentando o tema “O diálogo na saúde: dilemas, paradoxos e desafios”, a segunda edição do FIS, O  principal fórum do país, debaterá a  construção de caminhos e soluções de integração para maior eficiência nos setores de saúde pública e privada. O Fórum colocará frente à frente especialistas nacionais e internacionais para apresentar experiências de alto impacto para o setor de saúde.

Segundo Josier Vilar, médico e presidente da Câmara Empresarial do Rio de Janeiro e um dos organizadores do FIS, “dos R$ 500 bilhões gastos anualmente com saúde publica e privada no país, estima-se que cerca de 20% são desperdiçados. Sejam por dificuldade de acesso pela população, atrasando o diagnóstico e o tratamento, ou por questões clínicas como diagnóstico mal feito e exames desnecessários, sejam por questões operacionais resultantes da excessiva burocracia que atrasam o inicio do tratamento, ou pela necessidade de repetição de exames por conta dos serviços não estarem integrados. Em suma, por ineficiente governança e gestão de toda a cadeia produtiva da saúde, joga-se recursos financeiros, que já são limitados, no lixo”.

Além disso, afirma Vilar, “No setor saúde, todos desconfiam de todos. Os médicos desconfiam dos planos de saúde, os planos de saúde desconfiam dos médicos e dos hospitais, a população desconfia dos governos e da ANS, os sanitaristas que idealizaram o SUS desconfiam que estão querendo destruir o SUS para fortalecer o privado. Em resumo, ninguém confia em ninguém. Assim nenhuma proposta de sustentabilidade consegue avançar. somente com diálogo e resiliência o setor será sustentável”, alerta.

Dez horas de conferências, painéis e debates com as maiores autoridades do setor de saúde do Brasil

O FIS 2018 contará com a participação dos maiores representantes do setor de saúde do país. Serão 11 conferências e painéis de debates sobre as diversas verticais do setor. Um dos temas em destaque será a proposta de criação de complexo econômico-industrial da saúde no Rio de Janeiro, com participações de Carlos A. Grabois Gadelha, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e Embaixador Eduardo Prisco (chefe do Itamaraty). Outro ponto alto do Fórum será o debate “Organização integrada de serviços de saúde”, entre os especialistas Sidney Klajner, Presidente do Hospital Israelita Albert Einstein, Alfredo Cardoso, Diretor Executivo da Gama Saúde e Martha Oliveira, CEO da Anahp (Associação Nacional dos Hospitais Privados).

Experiências internacionais em pautas: os modelos de saúde de Portugal e Catalunha

O Fórum Inovação Saúde promoverá ainda o intercâmbio com modelos internacionais de sucesso na área da saúde. Serão duas conferências dedicadas ao tema. “A experiência do relacionamento público-privado no sistema de saúde português”, apresentada por Oscar Gaspar, Presidente Executivo da Associação Portuguesa de Hospitais Privados. E “A Experiência da Catalunha na Gestão da Saúde”, em conferência de Manel Jovells Cases,  Diretor Geral da Fundação Althaia e ex-presidente da União Catalã de Hospitais.

Você encontra a programação do FIS 2018 na íntegra abaixo:

Aplicativo fomentará diálogo e integração entre os profissionais do setor

Durante o FIS 2018, será lançando também o aplicativo oficial do Fórum Inovação Saúde. Através dele, executivos e demais profissionais do setor poderão não apenas aprofundar as discussões em pauta no fórum, mas também interagir diretamente sobre quaisquer temas do setor de saúde do Brasil. Este diálogo e troca de experiências se dará permanentemente, ampliando o alcance dos temas debatidos para mais pessoas e durante todo o ano. O app terá grupos de discussão, formando uma rede de conexão permanente de profissionais do setor de saúde.

Desafio de Startups apresentará soluções inovadoras para o sistema de saúde

O dia de debates, troca de experiências e criação de propostas será encerrado com um desafio de Startups. Cinco startups pré-selecionadas por suas contribuições inovadoras para o setor saúde concorrem nesta premiação fazendo uma apresentação de suas soluções para a plateia. A vencedora será escolhida por um júri qualificado e pelo público.  O júri será formado por 10 especialistas em inovação em saúde. Executivos como Martha Oliveira, Diretora Executiva da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp),  Cláudio Terra, diretor de Inovação e Gestão do Conhecimento do Hospital Israelita Albert Einstein, e João Pieroni, chefe do Departamento do Complexo Industrial e Serviço de Saúde do BNDES, entre outros. Além de apresentar seu projeto para os maiores líderes e executivos do setor no Brasil, a startup vencedora ganhará o Prêmio Edson de Godoy Bueno de Inovação em Saúde, em homenagem ao fundador da Amil, e ainda uma premiação em dinheiro.

O FIS 2018 propõe a construção de um ambiente de diálogo, em que o público e o privado possam conversar e construir um modelo de saúde viável. “Precisamos fazer nosso planejamento anual de custeio a partir do dinheiro que temos. Então, vamos organizar um plano assistencial, integrando o sistema público ao privado, para que não ocorra redundância de exames e procedimentos, com base em um sistema de informações corretas e compartilhadas por todos, utilizando todas as ferramentas analíticas possíveis, para custear as necessidades de saúde da população. Ao final dos debates e discussões do FIS 2018, a comissão organizadora do Fórum desenvolverá um documento com propostas e soluções para o setor ao presidente da república eleito e aos  governadores do Rio de Janeiro e São Paulo”, finaliza Josier Vilar.

O Fórum Inovação Saúde 2018 é organizado pelo Comitê Gestor do FIS, com a chancela do Colégio Brasileiro de Executivos da Saúde (CBEXs),  e tem patrocínio máster de Assim Saúde, Bradesco Seguros, Centro de Treinamento Edson Bueno, Américas Serviços Médicos, Dasa, Pronep e Sodexo.

Informações: fis.cbexs.com.br

Deixe seu comentário