Médicos buscam capacitação por meio de programas de monitoria

187

A última edição da pesquisa “Demografia Médica no Brasil 2018”, realizada pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo) com apoio do Conselho Federal de Medicina e do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), revela que 62% dos egressos dos cursos de medicina pelo país citam priorizar a qualidade de vida na hora de optar por se fixar a uma instituição e na escolha da área médica a seguir. A monitoria médica e os cursos de capacitação, são uma opção, onde os médicos dizem encontrar condições favoráveis para desenvolverem suas habilidades e competências.

O médico Gabriel Azevedo é um bom exemplo disso. Entrou na Universidade do Estado do Amazonas, em Manaus, para cursar Medicina e, como todos os colegas, formou-se e foi em busca de uma residência. “Eu tinha uma vontade fixa de ser cirurgião e, depois da faculdade, entrei em uma residência de cirurgia geral, não gostei e saí pouco tempo depois. Eu chegava no hospital às 5 horas, saía às 23 horas e por três dias na semana eu dormia por lá mesmo. Ou seja, não me sobrava tempo para mais nada, nem para absorver o que eu tinha aprendido”, relembra.

Atualmente, Azevedo é aluno inscrito no Programa Completo em Ultrassonografia do Cetrus, um curso no formato de monitoria e que abrange módulos regulares na área de Ultrassonografia. A duração é de 2 anos, com carga horária total de 4.000 horas, divididas entre aulas teóricas e práticas, em que o aluno atua como monitor em cursos e no atendimento a pacientes, sempre sob a coordenação de profissionais experientes na área de diagnóstico por imagem. “No meu período de experiências, logo após a faculdade, passei pela residência em hospital, trabalhei no Exército, em pronto socorro, ambulância, como médico da família e tive experiência com a ultrassonografia. Fiz de tudo um pouco e, essa vivência, além de reforçar o que aprendi na faculdade, ainda me mostrou outros caminhos na medicina que até então não havia prestado muita atenção. A ultrassonografia é um desses caminhos, um campo muito promissor”, completa.

O Dr. Claudio Pires, um dos fundadores do Cetrus, doutor em Medicina pela Unifesp, e membro titular do Colégio Brasileiro de Radiologia, corrobora a afirmação do Dr. Gabriel Azevedo. “Há 23 anos, quando fundamos o Cetrus, nosso intuito era oferecer à classe médica a oportunidade de ter acesso a conteúdo atualizado e de qualidade. Com o passar do tempo, a ultrassonografia ganhou muito espaço no Brasil e hoje é um método de diagnóstico por imagem de grande relevância, além de um campo profissional extremamente fértil”, afirma. Ele completa dizendo que “é recomendável que o profissional avalie todas as opções disponíveis antes de optar pela melhor forma de capacitação. Além da questão profissional, momento de vida, ritmo de trabalho e estudo que devem ser considerados”.

Para o médico ultrassonografista tornar-se especialista em ultrassonografia geral, deve submeter-se à prova do Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR), após 04 anos de atividade prática.

Ultrassonografia: uma opção de carreira promissora

O mercado de trabalho para ultrassonografistas é muito promissor. Como uma área em constante, e significante, crescimento, a demanda por médicos especializados acompanha esse ritmo.

Para se ter uma ideia, nos últimos 06 anos, a procura por cursos voltados para a área de ultrassonografia cresceu 65%, segundo dados do Cetrus. “Essa procura se dá por dois motivos principais: de um lado, temos recém-formados que já perceberam que a área é próspera; e, de outro, profissionais de áreas clínicas que veem na ultrassonografia uma boa chance de dar novos rumos as suas carreiras”, enfatiza o Dr. Claudio Pires.

Outros dados da última edição da pesquisa Demografia Médica no Brasil revelam que o país alcançou neste ano o maior número de médicos da sua história. São mais de 450 mil e o marco de meio milhão deve ser alcançado muito em breve, em 2020, quando a taxa de médicos por cada grupo de mil habitantes deve chegar a 2,5 – similar à de países desenvolvidos.

Essa é uma ótima notícia e chama atenção para o fato de que, como em qualquer mercado de trabalho, o aumento no número de profissionais traz consigo uma concorrência mais acirrada por vagas. No entanto, o Dr. Pires destaca que a ultrassonografia tem algumas vantagens que devem ser consideradas pelos médicos. “É uma área muito ligada ao avanço tecnológico e isso vem acontecendo de maneira muito rápida. Sendo assim, constantemente há oportunidades de emprego de novas técnicas. Técnicas à parte, o uso da ultrassonografia também vem crescendo. “A ultrassonografia vem ampliando, e muito, as áreas de atuação. Há algumas décadas, a sua aplicação se dava primordialmente nas áreas de medicina interna e ginecologia e obstetrícia. Hoje, são incontáveis as áreas médicas que se apoiam na ultrassonografia para diagnósticos mais precisos”, completa.

Há boas notícias para quem pretende se dedicar a esta área, a remuneração é significativamente boa e quem estiver mais preparado, tiver formação mais sólida e estiver mais capacitado vai contar com oportunidades de crescimento e desenvolvimento profissionais significativos.

As inscrições para o Programa Completo em Ultrassonografia do Cetrus já estão abertas.

Informações: www.cetrus.com.br

Deixe seu comentário