Prêmio reconhece boas ações em saúde

378

A atenção primária é a porta de entrada do cidadão no SUS, e pode resolver até 85% dos problemas de saúde da população, evitando agravamento no estado de saúde e economizando recursos públicos. Depois de passar por um processo de reformulação em seus serviços, a Unidade de Saúde Sol Nascente, em Luziânia (GO), comprovou esta tese e em seis meses a quantidade de pessoas cadastradas no posto saltou de 1.553 para 12.175. Deste total, 4.880 pessoas residem no Setor Sol Nascente; as demais, nos bairros vizinhos.

Sara da Rocha Viana, médica da unidade, informa que o avanço e êxito no atendimento foram conseguidos com medidas simples. Os agentes de saúde fizeram um remapeamento da área, por meio de visitas, de casa em casa, e realização de novos cadastros; passaram a prestar atendimento com hora marcada (bloco de horas); implantaram o prontuário familiar; classificação de prontuário; classificação de risco das famílias; estruturação do grupo diabético insulina e do grupo pré-natal de primeira vez.

A iniciativa da Unidade de Sol Nascente é um exemplo de ações de sucesso em condições de participar do Prêmio Goiano de Gestão da Atenção Primária. O concurso é uma promoção da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás, com o apoio da Secretaria de Planejamento, Instituto Mauro Borges (IMB) e Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública (IPTSP/UFG), com o objetivo de reconhecer as experiências bem sucedidas das Equipes de Saúde da Família, responsáveis por desenvolver ações de Atenção Primária à Saúde, nos 246 municípios goianos.

Os profissionais de saúde como a técnica de enfermagem Marlúcia Rodrigues Pereira Martins, da Equipe de Saúde da Família de Rubiataba, município da região do Vale do São Patrício, distante 220 quilômetros distante de Goiânia, podem se inscrever até o dia 30 de abril pelo site www.saude.go.gov.br/page/272/premio-goiano-de-gestao-da-atencao-primaria. O prazo final se encerra às 23h59 (horário de Brasília).

O prêmio traz duas categorias: “experiências Inovadoras” e “destaque em serviço”. Serão premiadas as 15 melhores práticas em cada categoria, avaliadas segundo critérios previamente estabelecidos, como capacidade transformadora, criatividade, eficácia e comunicação.

Marlúcia se destaca na sua atividade. Ela atua como agente de saúde há 18 anos e, durante as visitas domiciliares, realiza atividades como medir pressão arterial dos moradores da sua região de atuação, conferir como está o índice de glicemia dos diabéticos, verificar a caderneta de vacinação, o quadro clínico de crianças e de pessoas idosas ou de pessoas com doenças crônicas, entre outras ações. Caso seja necessário, encaminha para a Unidade Básica de Saúde ou até mesmo o hospital da cidade.

Esta senhora de 47 anos tem muita história para contar como agente comunitária de saúde. Nesta trajetória de 18 anos de trabalho, certo dia ao visitar uma casa percebeu que um dos moradores passava mal. Mediu a pressão arterial e os batimentos cardíacos e constatou que a frequência cardíaca dele estava em torno de 40 batimentos por minuto. O índice normal oscila entre 70 e 80 batimentos por minuto. “Não tive dúvidas. Encaminhei o paciente para o hospital. Dois dias depois, ele, um homem com cerca de 40 anos, colocou um marcapasso. Ele retornou para casa e eu tenho certeza que cumpri o meu papel: salvei uma vida”, relata a técnica de enfermagem, que perdeu o contato com a pessoa, que se mudou para outro bairro de Rubiataba.

“São profissionais como a técnica de enfermagem Marlúcia, que cumprem com excelência seu papel, que pretendemos homenagear com o prêmio Goiano de Boas Práticas, em Saúde da Família. Por isso, convidamos a todos os interessados a se inscreverem para concorrer e, quem sabe, receber esse justo reconhecimento”, comenta o secretário de Estado da Saúde de Goiás Leonardo Vilela.

Deixe seu comentário