Projeto Lean reduz em 45% tempo do paciente nas emergências

1045

O Projeto Lean nas Emergências conseguiu diminuir em 45% o período de espera entre a triagem e o primeiro atendimento médico. Após a intervenção em 16 hospitais que participaram da primeira fase do projeto, esse tempo passou de 3h para, em média, 1h30. Considerando o período desde a entrada na unidade de saúde, passando pela triagem, consulta, administração de medicamentos e exames, até a alta médica, o paciente que busca atendimento nessas emergências passa, agora, duas horas a menos no pronto-socorro – uma redução de 37%, passando de 7h para 5h.

Esses são os resultados da implantação do projeto Lean nas Emergências que completa um ano e teve a segunda etapa lançada pelo Ministério da Saúde no último mês, em uma parceria com o Hospital Sírio Libanês, envolvendo mais 20 hospitais de 13 unidades da federação. Até 2020, a meta é intervir na gestão de 100 hospitais.

O secretário de Atenção à Saúde, Francisco Figueiredo, destaca que reduzir a superlotação nas emergências das unidades públicas e filantrópicas de todo o país é o objetivo do Projeto Lean nas Emergências. “Nossa meta é reduzir desperdícios, o excesso de burocracia na chegada, permanência e saída do paciente do pronto-socorro, além do retrabalho a partir de etapas desnecessárias. Com isso, garantimos mais acesso e mais agilidade no atendimento ofertado ao cidadão, que não se desgasta com o tempo de espera excessivo entre os procedimentos”, avaliou.

LEAN NAS EMERGÊNCIAS

É uma iniciativa desenvolvida pelo Ministério da Saúde por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (PROADI) e executado em parceria com o Hospital Sírio-Libanês. A metodologia do projeto visa melhorar a gestão nas emergências racionalizando recursos, reduzindo desperdícios e otimizando espaços e insumos para diminuir a superlotação nas urgências hospitalares. Essas ações facilitam o acolhimento e atendimento dos pacientes nos prontos-socorros dos hospitais.

Os hospitais que participam da iniciativa passam por um processo de intervenção, fase onde profissionais do Hospital Sírio-Libanês visitam os prontos-socorros e se reúnem com gestores e profissionais dos estabelecimentos para identificar dificuldades e implementar ações de melhoria, de acordo com as ferramentas da metodologia Lean, bem como capacitar as equipes. Essa fase dura, em média, seis meses e, após o término desse período, os hospitais passam por uma etapa de controle, por mais seis meses, para garantir a transformação no gerenciamento dos hospitais e que esses novos hábitos e padrões continuem mesmo após o fim das visitas.

A METODOLOGIA

O modelo de trabalho foi criado na indústria automobilística japonesa para aumentar a produtividade e a eficiência no cenário pós 2ª Guerra Mundial. O Sistema Lean, que pode ser traduzido como produção enxuta, foi utilizada em praticamente todos os setores produtivos do ocidente. E, a partir da década de 90, houve uma adaptação para utilização na área da Saúde.

No SUS, o projeto Lean nas Emergências busca organizar fluxos internos para otimizar recursos, espaços e insumos. Para isso, utiliza-se ferramentas, como o NEDOCS, que mede a superlotação a partir de parâmetros como taxa de ocupação dos leitos, número de leitos, tempo de passagem pela urgência até a alta.

Entre as propostas da metodologia Lean nas Emergências nos 16 hospitais participantes foi a identificação do tempo de atendimento e de maior fluxo na porta da emergência geral e, desta forma, alocar recursos humanos nos horários de maior fluxo de pacientes, o que agiliza o atendimento e reduz o tempo de espera.

Os 20 hospitais selecionados para a nova etapa do projeto

UF CIDADE HOSPITAL
BA SALVADOR Hospital Municipal de Salvador
DF DISTRITO FEDERAL Hospital Regional de Taguatinga
RS PORTO ALEGRE Hospital de Clínicas de Porto Alegre
BA SALVADOR Hospital do Subúrbio
PR LONDRINA Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Londrina
CE FORTALEZA Hospital Geral Dr. César Cals
MG MONTES CLAROS Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Montes Claros
PA BELEM Hospital Ophir Loyola
ES VITORIA Hospital Estadual de Urgência e Emergência
PI TERESINA Hospital de Urgência de Teresina
AL MACEIÓ Hospital Geral do Estado de Alagoas – Prof. Osvaldo Brandão Vilela
SC JOINVILLE Hospital Regional Hans Dieter Schmidt
PE RECIFE Hospital Agamenon Magalhães
MA SÃO LUIS Hospital Municipal Dr. Clementino Moura
MG BELO HORIZONTE Hospital das Clínicas da Univ. Federal de Minas Gerais
RS PORTO ALEGRE Associação Hospitalar Vila Nova
SC JOINVILLE Hospital Municipal São José
BA SALVADOR Hospital Geral Roberto Santos
ES VILA VELHA Hospital Antônio Bezerra de Farias
PR CASCAVEL Hospital Universitário do Oeste do Paraná

 

Os 16 hospitais que já participam do projeto

UF CIDADE HOSPITAL
CE Fortaleza Hospital de Messejana
DF Brasília Hospital de Base do Distrito Federal
DF Ceilândia Hospital Regional de Ceilândia
ES Vitória Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves
GO Goiânia Hospital de Urgências Gov. Otávio Lage de Siqueira – HUGOL
MG Belo Horizonte Hospital Metropolitano Odilon Behrens
MG Uberlândia Hospital de Clínicas de Uberlândia
PR Curitiba Hospital universitário Estadual de Londrina
PR Curitiba Hospital do Trabalhador de Curitiba
RR Boa Vista Hospital Geral de Roraima
RS Rio Grande do Sul Hospital Cidade Passo Fundo
SC São José Hospital Regional São José
SP São Paulo Hospital Geral do Grajaú
SP São Paulo Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de SP
SP Guarulhos Hospital Geral de Guarulhos
TO Palmas Hospital Geral de Palmas

Deixe seu comentário