Análise multicritério de apoio à decisão: um novo modelo para ajudar a tomada de decisões sobre saúde na América Latina

754

Especialistas internacionais no campo da farmacoeconomia discutiram a necessidade de implementar modelos novos e abrangentes de tomada de decisões na área de saúde para facilitar e melhorar a qualidade da formulação de políticas durante um workshop educacional para jornalistas latino-americanos organizado pela FIFARMA e patrocinado pela Roche América Latina.

Para melhorar a qualidade e o acesso a tratamentos essenciais, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Rede de Soluções de Desenvolvimento Sustentável recomendaram que todos os países se esforçassem para alcançar a cobertura universal de saúde (CUS), incluindo proteção de risco financeiro, acesso a serviços essenciais de saúde de qualidade, bem como acesso a medicamentos e vacinas essenciais, seguros, eficazes, de qualidade e acessíveis para todos. Os especialistas expressaram que, embora a maior acessibilidade seja uma tendência positiva, ela também gera maior pressão sobre sistemas de saúde com recursos limitados, como os da América Latina, pressionando os governos para que gerem mais recursos, aumentem sua alocação para a saúde, e administrem as despesas de forma mais eficiente.

De acordo com as recomendações da OMS, a tomada de decisões no setor de saúde deve ser acompanhada pela definição de prioridades por parte das múltiplas partes interessadas. Através deste processo, são determinadas as orientações estratégicas do plano nacional de saúde, levando em consideração os valores e a visão da sociedade em relação ao sistema de saúde e, em última instância, refletindo o compromisso entre as partes interessadas, incluindo políticos, profissionais de saúde, representantes da comunidade e grupos de pacientes. O exercício de definição de prioridades é básico para abordar as necessidades mais importantes do setor de saúde e deve preceder as decisões sobre alocação e planejamento de recursos.

“A complexidade das decisões tomadas no setor de saúde é uma realidade; geralmente envolvem concessões entre as diversas alternativas consideradas. O processo de tomada de decisões costuma ser caracterizado por um baixo grau de transparência e, portanto, existe a necessidade de melhorar os métodos para avaliar diversas alternativas e prioridades”, comentou Juan Carlos Trujillo de Hart, Médico, Diretor de Políticas e Operações Internacionais da FIFARMA. “Na América Latina, existem múltiplas barreiras para o acesso, que vão desde infraestruturas frágeis até a lentidão na adoção de medicamentos inovadores. Os governos são encorajados a procurar novas ferramentas para priorizar as opções de despesas como um meio para abordar algumas dessas questões urgentes na região”.

Para abordar a tomada de decisões no setor de saúde de forma holística, surgiu um novo modelo chamado MCDA, que considera todas as prioridades, com ampla participação das partes interessadas – desde pacientes a entidades empresariais – e com maior transparência e responsabilidade. O modelo MCDA compreende um amplo conjunto de abordagens metodológicas que oferecem objetividade para determinar quais critérios são mais relevantes, a importância atribuída a cada um deles e a melhor forma de utilizar essa informação dentro de uma estrutura para avaliar as alternativas disponíveis.

De acordo com a FIFARMA, os modelos tradicionais de avaliação de saúde que abordam os custos e os benefícios do ponto de vista puramente econômico possuem um alcance limitado, pois muitas vezes falham em refletir todos os benefícios que uma possível intervenção pode oferecer e excluem fatores importantes, como inovação ou orientações clínicas.

“Se o desafio para os sistemas de saúde fosse apenas uma questão econômica, as soluções só considerariam os aspectos financeiros, mas essa não é a realidade”, comentou Esteban Lifschitz, Diretor, Especialista em Avaliação de Tecnologias de Saúde, Faculdade de Medicina da Universidade de Buenos Aires (UBA). “Existem muitos fatores e partes interessadas que devem ser levados em consideração no momento de decidir como devem ser alocados os recursos de saúde”.

O modelo MCDA considera múltiplos objetivos de saúde a partir das perspectivas e prioridades de diferentes partes interessadas, incluindo necessidades médicas insatisfeitas, carga social da doença, carga dos familiares e profissionais de saúde, e rentabilidade. Abordando a tomada de decisões com múltiplos objetivos, o modelo MCDA aumenta a consistência e a transparência, tornando mais fácil atribuir responsabilidades pelas decisões e ajudando todas as partes interessadas a entender a fundamentação de decisões específicas.

“O modelo MCDA é cada vez mais utilizado no setor de saúde, pois oferece uma abordagem dinâmica para a tomada de decisões. Na América Latina, precisamos instruir as partes interessadas e os tomadores de decisões sobre os benefícios deste modelo”, comentou Denizar Vianna Araujo, PhD., Professor Associado do Departamento de Medicina Interna da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. “Ao tomar decisões informadas sobre como alocar recursos no setor de saúde efetivamente e levando em consideração as prioridades das diferentes partes interessadas, os governos poderão superar de forma mais eficiente muitas das barreiras que os pacientes devem enfrentar na região para ter acesso aos tratamentos”.

O modelo MCDA foi aplicado com sucesso para facilitar diversas decisões no setor de saúde em muitos países de todo o mundo. Na América Latina, também está sendo considerado em mercados como Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador e República Dominicana.

Deixe seu comentário