Cuidados no registro em prontuário e passagem de plantão asseguram a assistência segura e de qualidade

266

Quando se trata da passagem de plantão nas instituições de saúde, bem como os registros do cuidado, uma boa comunicação faz toda a diferença. Afinal, é nesse momento que a equipe de enfermagem assegura a continuidade da assistência de qualidade e com segurança. No entanto, essa rotina profissional corre o risco de ser simplificada e executada de forma inadequada. Inclusive, no que diz respeito aos registros no prontuário do paciente.

Esta é uma das questões apontadas pela enfermeira fiscal do Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso (Coren-MT), Patrícia Costa Oliveira Vilela, durante palestra no Hospital Santa Rosa. “Os registro de enfermagem refletem todo o empenho e força de trabalho da equipe, valorizando assim suas ações. Mas, uma informação não registrada é uma informação perdida – como algo que não foi feito. No mínimo, levanta-se essa dúvida. E não adianta passar os dados só de forma oral. Tem que ser registrado no prontuário do paciente”, ponderou.

Patrícia explicou que, além de garantir a comunicação efetiva entre a equipe de saúde, os registros de enfermagem fornecem segurança e respaldo legal. “Uma ação incorreta de um profissional poderá ter implicações éticas e/ou cíveis e/ou criminais. Tanto que o ideal é que o registro no prontuário apresente informações de maneira clara, objetiva, cronológica, legível, completa e sem rasuras. O ideal seria executar e já registrar, mas muitos profissionais ainda insistem em fazer no fim do plantão”.

A enfermeira complementou que os profissionais devem ficar atentos à qualidade dos dados registrados no prontuário. “Anota-se sinais, sintomas e reações apresentadas pelo cliente, bem como as condições do mesmo. Todos os cuidados prescritos são executados em função de um determinado diagnóstico com justificativa quando não realizado. Mas, acima de tudo, é preciso agir com consciência acerca do que faz, redobrando a atenção e a cautela”, sinalizou.

Conforme ressaltou a gerente de enfermagem do Hospital Santa Rosa, Gisele Silva Lopes Souza, a classe precisa não só se manter vigilante no cuidado, mas também se valorizar. “Não existe cuidados em saúde sem enfermagem, temos que nos valorizar. Parafraseando a campanha mundial ‘Nursing Now’, que tem como frente a valorização do profissional de enfermagem: “onde há vida, há enfermagem”, refletiu.

ACREDITAÇÃO – Com mais de duas décadas, o Santa Rosa é o único hospital de Mato Grosso certificado pela Acreditação Canadense, nível Diamond – uma das principais certificações de qualidade em saúde no mundo. A instituição também é certificada em Excelência, Nível III, pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e em Nível 6 da EMR Adoption Model (EMRAM) pela Healthcare Information and Management Systems Society (HIMSS) Analytics.

Deixe seu comentário