Enfermeira especialista em cuidados paliativos vem ao Brasil

445

Apesar de brasileira, Tércia Soares Sharpe vive nos Estados Unidos há 20 anos e desenvolveu o seu trabalho como enfermeira especialista em cuidados paliativos em ambos os países. Com mais de quarenta anos de experiência, ela decidiu colocar seus aprendizados no livro “Última Palavra” (Literare Books International), contando casos reais e debatendo assuntos delicados, como finitude da vida e testamento vital.

“A morte é a única certeza que temos. Essa realidade não é deprimente; é apenas uma realidade. A gente se informa, toma decisões como a obra sugere, e segue vivendo plenamente. Não precisa pensar nisso o tempo todo. Precisa apenas se preparar; o que facilitará o luto de nossos familiares e conhecidos. Eles vão apenas honrar aquilo que escolhemos. O livro ajuda o leitor a abrir os olhos e valorizar o tempo, a vida, ser grato. Afinal, a satisfação é de cada um de nós, de viver essa jornada da melhor maneira, com amplitude!”, explica Tércia.

De volta ao Brasil, a autora ficará um mês participando de eventos e palestras, em sua maioria fechados, em São Paulo e no Rio de Janeiro. No período, também aproveitará para divulgar a sua obra.

A decisão por cuidados paliativos não significa que o paciente esteja com o destino definido. É uma opção para pessoas que recebem o diagnóstico de uma doença crônica grave e um tratamento focado na qualidade de vida do paciente e seus familiares por meio da prevenção e alívio do sofrimento.

Para escrever o livro, a autora recorreu a situações que vivenciou: “Fui pensando em meus pacientes e o que era importante pra eles naquele momento. Então as ideias foram surgindo e eu fui selecionando as histórias que exemplificam os temas que julgo serem importantes”. A ideia de registrar esses casos surgiu de uma realidade recorrente na rotina da enfermeira: muitas vezes o paciente não tinha condições cognitivas de decidir quais rumos tomar devido a sua situação física estar extremamente comprometida. A responsabilidade de decisão sobre o fim da vida e possibilidades de tratamento recaia à família fragilizada e emocionalmente estressada com a avalanche de más notícias. A obra propõe evitar situações como essa, para que seja possível pensar e decidir sobre o assunto enquanto ainda se está saudável.

Autora

Possui bacharelado em enfermagem, pós graduação e certificações em Cuidados Intensivos, Cuidados Paliativos e Hospice. Mestrado em Missiologia. Está Associada à Fundação de Pesquisas baseadas em evidências ELNEC (End-of-Life Nursing Education Consortium), Vinculada à AACN (American Association of Colleges of Nursing).

Com 42 anos de vasta experiência no cuidado ao paciente, assim como educadora, atuando no treinamento de enfermeiros no programa do Fim da Vida baseado no ELNEC. Trabalhou também nas áreas administrativas no Brasil e Estados Unidos, e educacionais na FAE (Faculdade Adventista de Enfermagem, SP) e Andrews University (Michigan).

Iniciadora e Coordenadora do Programa do Fim da Vida no Hospital INOVA Loundoun, VA por nove anos.

Recebeu o Prêmio em Excelência no ano de 2012, por seu comprometimento em promover Cuidados Paliativos com excelência  a pacientes críticos – oferecido por ELNEC.

Recebeu o prêmio de Enfermeira Inovadora do Ano em 2013, oferecido por INOVA Health Systems, por iniciar o programa do Fim da Vida na Instituição.

Escritora, Palestrante e Consultora para assuntos relacionados ao Fim da Vida.

Em 2018 apresentou um estudo  feito com familiares de pacientes que não tinham condições de viver sem equipamentos artificiais e o resultado desse estudo confirma cientificamente o conteúdo do livro Última Palavra; na IV Conferência Internacional de Cuidados Paliativos e Hospice de Medicina e Enfermagem em Boston.

Deixe seu comentário