Última palavra

587

A decisão por cuidados paliativos não significa que o paciente esteja com o destino definido. É uma opção para pessoas que recebem o diagnóstico de uma doença crônica grave e um tratamento focado na qualidade de vida do paciente e seus familiares por meio da prevenção e alívio do sofrimento.

Um diagnóstico com tamanha importância traz consigo questões pouco pensadas no dia a dia como o medo da morte, medo de deixar a família desamparada, a necessidade de resolver conflitos do passado entre outras situações. Nesse momento, o paciente precisa do amparo dos familiares para ajudar a enfrentar a difícil fase.

Tercia Soares Sharpe, autora do livro “Última palavra”, da Literare Books International, e especialista nos assuntos referentes à finitude da vida, dá algumas dicas para ajudar um ente querido que está nessa situação:

1 –     Converse com o seu familiar com antecedência sobre que tipo de tratamentos gostaria de receber no final da vida. Pergunte o que ele acha sobre equipamentos artificiais. Faça dessa conversa um assunto a ser tratado em família. Isso alivia a pressão em quem precisa decidir.

2 –     Evite ter esse tipo de conversa no pronto socorro em um momento de crise.

3 –     Pergunte quem ele gostaria que fosse seu representante em caso da necessidade de decisões.

4 –     Envolva o médico e informe sobre o que foi decidido. Isso alivia a tensão quando as opções de tratamento forem escolhidas.

5 –     Redija um documento com essas decisões.

6 –     Reconheça, se você achar que não é a melhor pessoa para ser o representante legal.

7 –     Muitas vezes os familiares são os cuidadores principais. É importante todos estarem de acordo.

8 –     Permita que o seu familiar fale sobre seus medos, desejos e prioridades no tempo que lhe resta.

Deixe seu comentário