75º Congresso Brasileiro de Cardiologia leva educação médica continuada a 18 mil

A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), no último dia 20 de novembro, deu início ao seu 75º Congresso Brasileiro de Cardiologia (CBC), considerado o maior e principal evento da especialidade no Brasil e na América Latina, com o desafio de promover um encontro interativo e atual, excepcionalmente no formato digital, para mais de 18 mil congressistas.

Realizar três dias de Congresso (de 20 a 22 de novembro) com intensas discussões científicas, proporcionando ampla atualização e oportunidade de aprimoramento em diversas áreas da especialidade, em meio ao cenário global de emergência em saúde pública devido à pandemia de Covid-19, foi, para o presidente da SBC, Marcelo Queiroga, a realização de um sonho, iniciado por Dante Pazzanese e os demais fundadores da entidade, há 77 anos, refirmando o compromisso de levar educação médica continuada em cardiologia de qualidade a todos os médicos do país e, assim, cumprir o objetivo da Sociedade, de contribuir com a qualificação dos cardiologistas, para reduzir os óbitos por doenças cardiovasculares.

“Há mais de sete décadas, a SBC vem construindo uma sólida agenda científica para fortalecer, cada vez mais, a cardiologia no Brasil. A difusão do conhecimento científico é um compromisso perene ainda mais com o cenário que temos de 18 milhões de óbitos no mundo/ano em decorrência das doenças cardiovasculares. No Brasil, anualmente são mais de 380 mil mortes por essas enfermidades. A cada 90 segundos um indivíduo morre do coração no país. E esse contexto somente se agravou com a pandemia”, explicou Queiroga durante a abertura do CBC, que teve toda sua programação gerada a partir do estúdio da SBC, em sua sede no Rio de Janeiro, e transmitida por meio dos canais digitais da sociedade.

Ele lembrou que a entidade vem promovendo ações para difundir o conhecimento científico e construir um novo caminho, por intermédio de um programa já consolidado de webmeetings, desde dezembro de 2019, pelo qual mais de 60 mil médicos já assistiram atividades científicas. “Com esse espírito, o 75º CBC é o corolário dessas realizações”, afirmou o presidente.

Políticas públicas

As políticas públicas de enfreamento às doença cardiovasculares também foram destacadas por Queiroga, ao dizer que é preciso união para que essas medidas se concretizem, e todos os brasileiros tenham acesso à assistência médica e ao que há de melhor na cardiologia e que, para isso, o compromisso de ter o paciente em primeiro lugar tem de ser cumprido.

“O Código de Ética Médica diz que o alvo de toda a atenção do médico é o bem-estar do paciente. É nisso que se funda o princípio da beneficência e é o compromisso milenar dos médicos. O 75º CBC tem toda essa base científica e ética para integrar a cardiologia do Brasil”, ressaltou Queiroga.

Para o professor Fausto Pinto, presidente eleito da World Heart Federation (WHF) e diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, que esteve presente na sede da SBC, como convidado de honra, a realização do evento, em tempos de pandemia, mostra a força da cardiologia brasileira, a capacidade e a responsabilidade da entidade de, mesmo perante às adversidades do mundo, encontrar soluções adequadas para manter o contato dos cardiologistas com o conhecimento técnico e promover a troca de informações e experiências com a comunidade médica.

O trabalho da WHF junto com a SBC e demais sociedades de cardiologia no mundo foi destacado por Fausto Pinto como fundamental para conter e enfrentar aquela que, na sua opinião, apesar da Covid-19, continua sendo a grande “pandemia” no mundo atual: as doenças cardiovasculares.

“Como a SBC, temos de nos empenhar e trabalhar para minimizar o impacto dessas enfermidades e buscar soluções, juntos, para encontrar respostas para desenvolver estratégias ao enfrentamento deste grande desafio mundial. O 75º CBC é um dos caminhos para combater essas doenças localmente e estarmos mais preparados para, de forma mais eficaz, trabalharmos em prol dos pacientes e da comunidade que servimos e também promover um estilo de vida mais saudável, já que é fundamental a prevenção dessas enfermidades”, destacou o presidente WHF.

Também estiveram na mesa de abertura do 75º CBC, a presidente do Congresso, Ana Lúcia de Sá Leitão, e, virtualmente, Fernando Bacal, diretor científico da SBC e presidente da Comissão Executiva Organizadora da Programação Científica (CeCon) do evento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.