Ateliê sustentável diverte crianças em tratamento em hospital oncológico infantil

Um espaço voltado para as artes com o uso de materiais recicláveis foi inaugurado na quarta-feira passada (16) no Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém (PA). Batizado com o nome de Gaia, sigla para ‘Gerando Amor, Ideias e Artes’, a iniciativa produzirá materiais manufaturados que serão destinados a trabalhos pedagógico-artísticas, ampliando as ações já realizadas pelo hospital com foco na humanização do trabalho de assistência aos pacientes.

O objetivo da unidade é promover atividades lúdicas para as crianças e jovens em tratamento contra o câncer e contribuir para a conscientização sobre a importância da sustentabilidade. Em junho, é celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente.

Entre as crianças que inauguram o novo espaço está o pequeno Calebe da Fonseca, de 4 anos. O paciente mirim ficou encantado com a quantidade de materiais à disposição para as atividades e aproveitou para brincar com as tintas e realizar pinturas. “Gostei muito de pintar o sol e a lua”, disse.

Morador de Almerim, na região Oeste do Pará, Calebe está internado para tratamento no Oncológico Infantil desde maio deste ano. Mesmo com a pouca idade, o garoto demonstra total facilidade com comunicação e é um apaixonado por instrumentos musicais.

Ateliê para famílias

Além das atividades com as crianças, o local também será usado na realização de oficinas com as mães e familiares que acompanham pacientes e já estão envolvidas em vários projetos do hospital. Todas as ações seguirão medidas vigentes de segurança contra o novo Coronavírus.

De acordo com Jaasai Ribeiro, analista de Humanização do Oncológico Infantil, durante a realização das atividades com os pacientes serão reaproveitados diversos itens em trabalhos manuais, como rolo de papel-toalha, papelão, garrafas plásticas e muitos outros que possam ser adaptados em novas produções pelos jovens.

“As atividades pedagógico-artísticas que desenvolvemos com os pacientes buscam sempre relacionar ao aspecto ambiental. Nesse sentido, a humanização também amplia o cuidado, proporcionando acolhimento e auxiliando no processo de hospitalização”, ressalta.

Brasil desperdiça R$ 14 bilhões

No Brasil, estima-se que R$ 14 bilhões por ano são desperdiçados com a falta de reciclagem adequada. Os dados foram divulgados pela Abrelpe (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais). O estudo ainda aponta que são gerados cerca de 80 milhões de toneladas de lixo, mas apenas 4% são reciclados.

Na contramão dessa estatística, o Oncológico Infantil Octávio Lobo, unidade do Governo do Pará e gerenciado pela entidade filantrópica Pró-Saúde, vem desenvolvendo atividades socioeducativas em reciclagem considerando a prática sustentável como valor agregado a assistência.

Desde 2016, a unidade mantém em funcionamento a Comissão de Resíduos Sólidos em Saúde, composta por equipe multidisciplinar da instituição que desenvolve ações relacionadas às rotinas de armazenamento e descarte correto de resíduos gerados.

O trabalho da gestão dos resíduos na unidade avalia cada etapa, que vai desde a segregação até a destinação ambientalmente correta. As reuniões mensais da comissão apresentam os eventuais problemas e criam ações mitigadoras para minimizar os possíveis impactos.

“Além do novo espaço para atividades pedagógicas e de humanização, iremos ampliar a conscientização sobre o meio ambiente, integrando ao tratamento do paciente valores de respeito à natureza e sustentabilidade”, finaliza a psicóloga hospitalar Maíra Souza, que integra a equipe Multiprofissional do Oncológico Infantil.

O espaço Gaia estará sob os cuidados do Setor de Humanização, responsável por projetos de acolhimento. As ações têm a participação de todos os profissionais, envolvendo brinquedistas, enfermeiros, psicólogos, técnicos de enfermagem, fonoaudiólogos, assistentes sociais, dentre outros.

Segundo Fábio Machado, diretor Hospitalar do Oncológico Infantil, a implantação do espaço ganha diferentes funções. “Tratamento terapêutico, pedagógico, acolhimento e sustentabilidade. São diversos os benefícios que nos fazem acreditar cada vez mais na saúde pública de qualidade oferecida aos pacientes”, conclui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.