Brasileiros ganham hospital com especialidade em cirurgias de cabeça, pescoço e doenças do trato respiratório

A população brasileira contará com uma nova unidade hospitalar para atendimento dentro da rede pública de saúde. O mais moderno instituto especializado em Otorrinolaringologia & Cirurgia de Cabeça e Pescoço, ensino e pesquisa do Brasil, será inaugurado nesta terça-feira (28), em Campinas (SP). O Instituto de Otorrinolaringologia & Cirurgia de Cabeça e Pescoço (IOU) terá capacidade para 200 mil atendimentos e 4 mil cirurgias por ano, em um sistema híbrido com 70% dos atendimentos voltados para o SUS (Sistema Único de Saúde) e 30% para o privado.

O Instituto, sem fins lucrativos, será o maior complexo em atendimento, cirurgia, ensino e pesquisa da área. Oferecerá tratamento multidisciplinar, procedimentos modernos e cirurgias de alta complexidade, com métodos pouco invasivos, para pacientes com câncer, com doenças do trato respiratório e otorrino (nariz, ouvido e garganta). Será o principal centro médico-hospitalar para uma população de 7 milhões de habitantes das 90 cidades próximas à Campinas.

Referência nacional

Além de uma aquisição importante para o atendimento à saúde do estado de São Paulo, a unidade também será referência nacional na geração de conhecimento, no treinamento médico de excelência e na pesquisas de ponta.

“O Brasil era carente em centros de treinamento em técnicas cirúrgicas e procedimentos clínicos especializados, o que obrigava os maiores talentos locais a buscarem aperfeiçoamento no exterior. Agora o IOU já se posiciona como um dos principais centros de treinamento e capacitação de excelência na área de Otorrinolaringologia & Cirurgia de Cabeça e Pescoço do continente”, afirma Agrício Crespo, diretor do IOU e professor titular da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP (FCM). A ideia é capacitar médicos em procedimentos especializados capazes de oferecer o melhor do padrão internacional em assistência médica.

Excelência em treinamento e pesquisa

O hospital-escola receberá ao ano aproximadamente 130 estudantes da Unicamp, de medicina e fonoaudiologia, além de residentes de todas as partes do Brasil. No desenvolvimento de pesquisas científicas, o Instituto conta com o Laboratório de Genômica, coordenado pelo cientista Paulo Arruda, um dos maiores nomes da genética brasileira, e se dedicará a duas linhas de pesquisa: genética da surdez e a genética de cânceres de cabeça e de pescoço.

O Instituto já nasce como um centro de referência em procedimentos de alta complexidade uma vez que foi idealizado pela Divisão de otorrinolaringologia do hospital das Clínicas da Unicamp, pioneira na cirurgia do câncer de laringe por método minimamente invasivo e na reabilitação vocal por próteses fonatórias.

“Somos a primeira instituição pública do Brasil a fazer cirurgias endoscópicas para câncer de laringe usando laser de CO2, que reduz o período de internação 10 dias para 24 horas, além de facilitar muito o pós-operatório para o paciente. Esse é considerado um padrão-ouro internacional e é apenas um exemplo dos métodos inovadores e aprimorados adotados no Instituto”, exemplifica Agrício Crespo.

O projeto arquitetônico, vencedor de um concurso nacional, é customizado para as atividades destinadas. As instalações foram concebidas para atender a um grande fluxo de pacientes com surdez profunda e candidatos à reabilitação por Implante Coclear. O instituto nasce como referência aos distúrbios da voz e cuidados à criança traqueostomizada.

Fruto de indenização milionária 

Além da excelência médica, o IOU também é um case inspirador e inovador de aplicação do dinheiro público em benefício à sociedade. A verba para a construção do Instituto, iniciada em 2020, é oriundo de uma indenização milionária por dano moral coletivo. O recurso é resultado de ação civil pública do caso Shell-Basf, maior acordo indenizatório da história do País assinado na Justiça do Trabalho, decorrente de compensação por contaminação na planta industrial de agrotóxicos em Paulínia (SP).

O valor de R$ 65 milhões, maior investimento na área de saúde da Unicamp nos últimos 30 anos, resultou na implementação de um polo de ensino, pesquisa e assistência médica de alta complexidade para os brasileiros, e o aprimoramento no atendimento da população carente.

Principais atendimentos 

  • Câncer de cabeça e pescoço
  • Deficiência auditiva
  • Criança traquestomizada
  • Doenças do equilíbrio
  • Paralisia facial
  • Disfagia
  • Medicina do sono
  • Doenças da cavidade oral
  • Doenças da voz
  • Deformidades esqueléticas da face
  • Distúrbios da respiração
  • Deglutição
  • Fonação e da comunicação

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.