Carcinomatose peritoneal: cirurgia de alta complexidade traz novas perspectivas ao paciente

26173

A carcinomatose peritonial é a disseminação de um câncer pela cavidade abdominal. A doença sai de seu órgão de origem e se espalha pelo peritônio, membrana de revestimento interno do abdome.  A carcinomatose pode se originar em órgãos como ovário, apêndice, intestino grosso (colón), reto, pâncreas, estômago, mama e também primariamente do peritônio.

De acordo com o Dr. Arnaldo Urbano Ruiz, cirurgião oncológico especializado em doenças do peritônio e  coordenador do centro de carcinomatose peritoneal dos hospitais BP e BP Mirante, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, antigamente não havia qualquer expectativa de cura para o paciente com carcinomatose peritonial, que levava à morte em decorrência de complicações, como a obstrução intestinal.

Peritoniectomia e quimioterapia quente

Hoje em dia, com as técnicas existentes, profissionais em constante capacitação e hospitais de referência para o tratamento da carcinomatose, o prognóstico pode ser diferente.

“Com o advento da cirurgia denominada peritoniectomia (cirurgia citorredutora ) e a técnica de quimioterapia quente no abdome no intra-operatório, chamada quimioterapia intraperitoneal hipertérmica (HIPEC), alguns pacientes chegam à cura da carcinomatose. Outros, podem ser beneficiados com sobrevidas muito mais longas”, afirma.

A técnica, desenvolvida pelo cirurgião norte-americano Dr. Paul H. Sugarbaker, consiste na ressecção do peritônio doente e dos demais órgãos que possam estar acometidos.
Infelizmente, nem todos os pacientes se beneficiam da cirurgia. Nos casos de câncer no estômago ou pâncreas, por exemplo, por serem muito agressivos, a cirurgia normalmente não é indicada.

“A carcinomatose peritonial de origem gástrica ou pancreática normalmente é acompanhada de prognóstico muito ruim, sendo a cirurgia reservada para casos muito selecionados. Por outro lado, casos originários de pseudomixoma, câncer de ovário, câncer primário de peritônio, câncer de apêndice, de intestino e do mesotelioma abdominal são os que melhor respondem à cirurgia”.

Alta complexidade e equipe multidisciplinar

A cirurgia para a carcinomatose é extremamente agressiva e de alta complexidade, comparada a transplantes de órgãos. No procedimento, busca-se retirar toda a doença, o que pode levar muitas horas. O paciente passa alguns dias na UTI e depois segue internado por mais algum tempo até a alta hospitalar. Esta cirurgia só deve ser realizada  em centros com experiência neste procedimento”, alerta o cirurgião.

Por este motivo, só é realizada em hospitais referenciados, com uma equipe multidisciplinar especialmente treinada para estas situações. Além de UTI e centro cirúrgico devidamente equipados, são necessários, na equipe, cirurgiões, cardiologistas, clínicos, instrumentadores, anestesiologistas, fisioterapeutas e fonoaudiólogos preparados e habilitados para cuidar destes pacientes.

Informações: www.carcinomatoseperitoneal.com.br

Deixe seu comentário