Cientistas desenvolvem inédito tratamento para câncer, que ilumina células tumorais de difícil acesso

Publicado no periódico científico BMC Medicine, Triggering anti-GBM immune response with EGFR-mediated photoimmunotherapy traz o resultado de um estudo que mostrou resultados promissores no tratamento contra o câncer. O objetivo da técnica da fotoimunoterapia é iluminar e eliminar as células cancerígenas microscópicas, permitindo aos cirurgiões mais eficácia na eliminação da doença.

O estudo contou com a participação de uma equipe formada por engenheiros, físicos, neurocirurgiões, biólogos e imunologistas do Reino Unido, Polônia e Suécia.

Para os pesquisadores, esta poderá se tornar a quinta principal forma de tratamento do câncer no mundo, ao lado da cirurgia, quimioterapia, radioterapia e imunoterapia.

O que é a fotoimunoterapia?

Trata-se de uma terapia ativada por luz, que faz com que as células cancerígenas brilhem no escuro, permitindo que os cirurgiões visualizem e removam os tumores com mais precisão.

Em um primeiro teste mundial, realizado em camundongos com glioblastoma, um dos tipos mais comuns e agressivos de câncer no cérebro, o novo tratamento iluminou até as menores células cancerígenas, permitindo, assim, a sua remoção.

A nova técnica, que inclui um marcador fluorescente e luz infravermelha, é também capaz de identificar e tratar células de glioblastoma remanescentes, prevenindo recidivas da doença.

Além disso, testes realizados pelo Instituto de Pesquisa do Câncer, em Londres, mostraram que o tratamento parece desencadear uma resposta imune, permitindo ao sistema imunológico que passa pela terapia desenvolver a capacidade de combater novas células cancerígenas que possam surgir no futuro.

Futuro

Após os resultados obtidos em laboratório, o próximo passo será verificar se essa abordagem pode ser usada no tratamento do glioblastoma humano e em outros tipos de câncer.

Os pesquisadores estudam, por exemplo, a utilização da nova técnica no tratamento do neuroblastoma, um dos cânceres infantis mais prevalentes.

Há, no entanto, ainda alguns desafios técnicos a serem superados, como alcançar todas as partes do tumor com a luz infravermelha. Ainda assim, os resultados são bastante animadores, afirmam os pesquisadores.

Tratamento e prevenção

Para a pesquisadora Gabriela Kramer-Marek, que participou do estudo, a técnica é especialmente importante para tumores difíceis de tratar, como o glioblastoma, que ainda hoje possui poucas opções de tratamento. Para este tipo de tumor, o desafio está na localização e no acesso para a sua remoção. Assim, a descoberta de novas maneiras de visualizar as células tumorais a serem removidas durante a cirurgia, bem como de tratar as células cancerígenas residuais, é um grande avanço.

Segundo o professor Axel Behrens, do Instituto de Pesquisa do Câncer, em Londres, a proximidade de alguns tumores de órgãos vitais é um dos principais motivos para a necessidade de desenvolvimento destas novas formas de tratamento, como esta fototerapia, permitindo que os médicos possam superar o risco de afetar partes saudáveis ​​do corpo.

Além disso, por conta da dificuldade no tratamento de tumores que crescem em áreas sensíveis do cérebro, como o córtex motor, que está relacionado ao planejamento e controle dos movimentos voluntários, nem sempre é possível eliminar todas as células tumorais por meio dos tratamentos disponíveis hoje. As células remanescentes podem ser responsáveis pela volta da doença, ainda mais agressiva.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.