Dasa Genômica lança testes genéticos na área de oftalmologia

Juliana Sallum

A Dasa Genômica, braço de genômica da Dasa, a maior rede de saúde integrada do Brasil, fará o lançamento de testes genéticos na área de oftalmologia durante o 44° Simpósio Internacional Moacyr Álvaro (SIMASP). O congresso, que é promovido pelo departamento de oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), é um dos mais tradicionais e conhecidos da especialidade e acontece entre os dias 14 e 18 de junho, na Bienal do Ibirapuera, em São Paulo.

O portifólio dos testes para doenças genéticas oftalmológicas foi desenvolvido com a supervisão da Head de oftalmologia da Dasa, que também é presidente do 44° SIMASP, Juliana Sallum. A renomada especialista em genética clínica pela Sociedade Brasileira de Genética Clínica (SBGC) é professora do departamento de Oftalmolgia e do programa de Pós-Graduação em Oftalmologia e Ciência Visual da Unifesp. Ela também possui doutorado em Oftalmologia pela mesma universidade e pela Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos. Entre as inúmeras pesquisas realizadas e artigos publicados, a mais recente trata sobre a correlação entre fenótipo e genótipo em pacientes com doença de Stargardt.

O objetivo principal dos testes genéticos é obter um diagnóstico preciso, proporcionando o entendimento das bases moleculares das doenças genéticas oculares. “Existem vários genes relacionados a quadros oculares, portanto, a identificação certeira se torna essencial para que o paciente possa receber um tratamento assertivo ou ser acompanhado à luz do conhecimento científico sobre seu problema”, afirma Sallum. Ela ainda ressalta a importância do aconselhamento genético para famílias que já sofrem com doenças genéticas nos olhos.

Os testes genéticos destinados à oftalmologia são voltados às seguintes doenças:

  • Segmento anterior: teste útil para diagnóstico molecular de doenças da córnea, entre elas, doenças ectasicas, distróficas e degenerativas, doenças do desenvolvimento ocular como microftalmias e cataratas e sequência de genes relacionados aos diversos tipos de glaucoma. Inclui também genes relacionados às disgenesias mesodérmicas do segmento anterior como síndrome de Rieger’s, Peter’s e aniridia.
  • Retinoblastoma: o teste para detecção de mutações no gene RB1 auxilia o screening de indivíduos de risco para o tumor. Dá suporte ao aconselhamento genético mais preciso para famílias onde existe algum indivíduo acometido. É importante para a diferenciação entre retinoblastoma hereditário ou esporádico. A análise de segregação associada permite dar respostas precisas para a família em investigação.
  • Retinopatias (Painel 100 genes/ Painel amplo): o painel de genes relacionados às retinopatias é ferramenta essencial para o diagnóstico das distrofias de retina. O painel de 100 genes analisa o grupo de genes mais frequentes relacionados às distrofias. Em casos mais raros nos quais não tenha sido identificada uma alteração no grupo de genes analisados, pode ser ampliada a pesquisa para um painel maior de genes.
  • Stargardt e diagnósticos diferenciais de doenças Flecks: diagnóstico molecular para casos suspeitos de doença de Stargardt e outras maculopatias.
  • Neuropatias incluindo doenças mitocondriais: se destina ao diagnóstico de Neuropatia óptica hereditária de Leber relacionada a mutações especificas do DNA mitocondrial, outras doenças mitocondriais e neuropatias relacionadas ao DNA genômico, como as atrofias ópticas autossômicas dominantes.
  • Doenças oftalmológicas:  sequência a somatória de genes presentes em alguns dos painéis oftalmológicos anteriores. Permite avaliar de forma mais ampla as alterações oculares de etiologia genética.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.