Dia Internacional das Pessoas com Deficiência é lembrado em 3 de dezembro

Nesta quinta-feira (03/12) o mundo celebra o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência. A data, instituída em 1992, pela Organização das Nações Unidas (ONU), tem como objetivo conscientizar a população a respeito da importância de assegurar uma melhor qualidade de vida a todos os deficientes. Priorizando a acessibilidade no atendimento, o Hospital de Caridade São Vicente de Paulo (HSV), em Jundiaí (SP), foi credenciado pelo Ministério da Saúde no Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (PRONAS/PCD), a fim de garantir os direitos desses usuários.

Estão aptas a participar do programa, entidades, associações e fundações privadas sem fins lucrativos que atuam e oferecem serviços a pessoas com deficiência, assim como o São Vicente. Se admitida, a instituição receberá uma verba para implantação das ações por meio da lei de incentivo. É permitido que empresas tributadas pelo lucro real e pessoas físicas optantes pelo modelo de declaração completa destinem até 1% do seu Imposto de Renda para projetos de empresas desse caráter.

A deficiência pode ser classificada como física, auditiva, visual, mental e múltipla, quando duas ou mais deficiências estão associadas. O que poucas pessoas sabem é que pacientes com colostomia, ileostomia, urostomia, gastrostomia e traqueostomia, intervenções cirúrgicas realizadas em pessoas, que por motivos de saúde ou acidente, precisam de um canal alternativo em seu corpo para evacuar fezes e urina ou auxiliar na alimentação e na respiração, também são consideradas PCD.

Como um dos exemplos de inclusão, está o grupo de pacientes traqueostomizados, “Voz da Esperança”, criado pela equipe de fonoaudiologia do Hospital São Vicente. “O grupo foi criado a partir da necessidade observada durante as sessões de fonoterapia. Fizemos um espaço para troca de informações, vivências e experiências entre indivíduos que passaram, estão passando ou passarão por um tratamento no qual ocorre a perda definitiva da voz laríngea, gerando assim diversos prejuízos como a perda da identidade, limitação na interação social, autoimagem negativa, isolamento e dificuldade no âmbito profissional”, explica Dhyanna Suzart, fonoaudióloga.

De acordo com a profissional, que coordena a ação em conjunto com a também fonoaudióloga, Bruna Fulachi, atualmente, o grupo conta com a participação de nove pacientes e seus respectivos acompanhantes e familiares. “Nossa intenção é auxiliar a inclusão dos mesmos na sociedade e melhorar a qualidade de vida dos pacientes submetidos à laringectomia total, tal como transmitir a mensagem de prevenção e combate contra o principal preditor do câncer de laringe: o cigarro”, reforça Dhyanna.

O paciente e membro do grupo, Jonas da Silva, de 61 anos, conta como a iniciativa mudou sua vida. “No começo foi muito difícil. Nesse período a gente tem muita dificuldade em se comunicar, mas graças a Deus, com o apoio das fonoaudiólogas, eu fui me esforçando, fui treinando e hoje me comunico em qualquer lugar. O projeto é ótimo para nós e somos muito gratos por essa união”.

Antes da pandemia os encontros aconteciam em todas as últimas sextas-feiras de cada mês, no anfiteatro da instituição. No entanto, desde março deste ano, as atividades estão suspensas em virtude do novo Coronavírus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.