Einstein testa técnica que aumenta número e qualidade de transplantes de fígado

O Brasil é o segundo país em número absoluto de transplantes hepáticos realizados no mundo. Apesar disso, pode levar até quatro anos para uma pessoa receber um órgão.

Muitas vezes os fígados são subaproveitados devido a características intrínsecas dos doadores (como idade, obesidade e doenças prévias) e outros fatores como lesões vasculares, acúmulo de gordura interna, anormalidades anatômicas e lesões causadas durante a extração para doação, por exemplo. Somente em 2019, dos 3.768 doadores falecidos, apenas 2.245 fígados estavam em boas condições para a efetivação dos transplantes, uma diferença de 40%.

Atento a esse desafio, o Einstein busca uma maneira de maximizar o aproveitamento dos órgãos para transplante. Pesquisadores da organização começaram, neste ano, a estudar uma nova abordagem para realizar a perfusão extracorpórea de fígado em um protocolo de pesquisa que envolverá 12 pacientes. A instituição é a primeira no Brasil a avaliar o método.

A técnica, chamada HOPE – sigla para hypothermic oxygenated machine perfusion (máquina de perfusão hipotérmica oxigenada), foi introduzida no transplante de fígado para mitigar a lesão de isquemia-reperfusão, dano que se intensifica durante o restabelecimento do fluxo de sangue no novo corpo ao qual foi ‘conectado’. Este tratamento após a retirada do órgão do doador e antes do transplante contribui para o sucesso do procedimento e pode reduzir o risco de rejeição.

O HOPE é um método que auxilia na recuperação do órgão antes mesmo do transplante e na investigação de sua funcionalidade e viabilidade ao fazer uma análise detalhada do fígado com exames bioquímicos, como o de consumo de oxigênio e lesão celular, que ajuda a avaliar a funcionalidade do órgão. Essas informações e suas implicações também são analisadas no âmbito da pesquisa.

“Infelizmente, o paciente pode não sobreviver até o aparecimento de um órgão que esteja em boas condições, devido à gravidade do seu caso. Sendo assim, aumentar com segurança a taxa de utilização de órgãos é fundamental para salvar mais vidas”, explica o Dr. Yuri Longatto Boteon, cirurgião de transplante hepático e pesquisador do Einstein, responsável pelo estudo.

O primeiro paciente beneficiado com a técnica HOPE no Einstein foi um homem de 22 anos e em estado crítico, com alto risco de mortalidade. Como nesse caso, pessoas mais debilitadas demandam órgãos de melhor qualidade, a dificuldade de encontrar um que esteja em boas condições pode atrasar todo o processo. “O transplante para esse paciente jovem foi realizado de forma bem-sucedida após o tratamento com o HOPE de um órgão de doador de critério estendido dentro do protocolo de pesquisa. O paciente se recupera bem”, ressalta o cirurgião.

Doadores de critérios estendidos (limítrofes) são aqueles com perfil de risco, como idosos ou pessoas com alguma doença prévia, o que faz com que as chances de descarte dos órgãos doados aumentem para prevenir um possível mal funcionamento do órgão no transplantado. Atualmente, 60% a 70% dos fígados para transplante são de doadores com essas características.

O projeto nasceu de uma colaboração com uma empresa americana, a Bridge to Life, com uso do equipamento VitaSmart™, que é fabricado na Itália. Em países como Suíça e Holanda, por exemplo, a máquina de perfusão já faz parte da rotina na prática.

Fígados não transplantados

No ano de 2019 foram realizados 23.957 transplantes no país, dos quais 2.245 foram hepáticos. Entre 2009 e 2019, houve um aumento no número de transplantes de fígado (de 1.603 para 2.245), assim como de doadores falecidos (2.406, em 2012, para 3.768) e de equipes especializadas na realização do procedimento (59, em 2009, para 74, em 2019). Apesar desses números positivos, há uma constante disparidade entre o número de transplantes de fígado realizados e o necessário – que, no ano de 2019, era de 2.967.

Os dados estão descritos em artigo publicado em 2021 na revista científica einstein (São Paulo) e intitulado “Descarte de fígados de doadores no Brasil: como otimizar sua taxa de utilização em transplantes?”¹.

Fígados não transplantados são frequentemente de doadores com idade avançada, com obesidade, portadores de hepatites virais (vírus B e C) e com maior número de comorbidades. Os órgãos de doadores não ideais ou de critérios estendidos apresentam risco aumentado de complicações pós-operatórias e mesmo de não função primária do enxerto. Logo, a expansão dessa população de doadores de critérios estendidos compromete as taxas de utilização desses órgãos.

Apesar da otimização dos cuidados de terapia intensiva com os doadores abrandar um agravamento da lesão aos órgãos, não é possível a reversão de características demográficas desfavoráveis dessa população (por exemplo: obesidade e senilidade). Assim, a implementação da máquina de perfusão para permitir a criação de estratégias de avaliação da capacidade metabólica desses fígados antes do transplante, bem como potencialmente de seu recondicionamento, tem ganhado crescente atenção da comunidade transplantadora.

Referência:

¹Drezza JP, Boteon AP, Calil IL, Sant Anna RS, Viveiros MM, Rezende MB, et al. Descarte de fígados de doadores no Brasil: como otimizar sua taxa de utilização em transplantes? einstein (São Paulo). 2021;19:eAO6770.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.