Pacientes obesos com Covid-19 podem ter maior comprometimento da saúde do cérebro

Obesidade e suas implicações na circulação cerebral e na complacência intracraniana em pacientes acometidos por Covid-19 grave é o título do artigo publicado na Obesity Science and Practice, em 20 de maio. O estudo, liderado pelo médico neurocirurgião Sérgio Brasil, da Universidade de São Paulo (USP), concluiu que o comprometimento da complacência intracraniana (que constitui o equilíbrio entre o  volume do cérebro, componente sanguíneo, líquido cefalorraquidiano e a pressão intracraniana) foi mais observado entre indivíduos obesos e pode ter contribuído para a piora do prognóstico da SARS Covid-19. Além disso, foi observado que a ventilação em prona – um dos procedimentos utilizados na UTI, em que o paciente é colocado de bruços – no caso dos pacientes obesos, piora a complacência cerebral.

A pesquisa – um estudo unicêntrico, observacional e prospectivo – foi realizada em seis unidades de terapia intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas, da Universidade de São Paulo, de maio a junho de 2020. Foram avaliados 50 casos (23 pacientes obesos e 27 magros), todos acometidos por Covid-19 grave. O comprometimento da complacência intracraniana foi verificado em 78% dos pacientes obesos. Entre os pacientes magros, essa taxa foi menor, 48%. Também quanto aos resultados desfavoráveis, o grupo de obesos apresentou índice maior, 69%, enquanto entre os pacientes magros, 44%.

O pesquisador informa que a associação entre obesidade e hipertensão intracraniana tem sido descrita na literatura científica. “De 90 a 95% dos pacientes com sintomas de hipertensão intracraniana idiopática apresentam obesidade”, afirma. No entanto, segundo o pesquisador, a prevalência de hipertensão intracraniana na população geral não foi amplamente estudada até o momento, especialmente porque as técnicas para avaliar a pressão intracraniana exigiam a invasão do crânio para a introdução do cateter, o que não é eticamente recomendado.

Assim, o estudo liderado pelo médico Sérgio Brasil somente foi possível pelo uso da brain4care, tecnologia pioneira de monitoramento não-invasivo de variações de volume/pressão intracraniana, desenvolvido pela healthtech brasileira de mesmo nome. O monitoramento é realizado por meio de um sensor que toca a cabeça do paciente com ajuda de uma cinta. Os dados são visualizados em tempo real pelo médico ou pesquisador em um dispositivo (tablet, celular etc.) com acesso à internet.

O estudo também destaca que a elevação da pressão intracraniana pode reduzir a complacência intracraniana, impactando a perfusão cerebral e o metabolismo celular. Vários mecanismos que ligam a obesidade à hipertensão intracraniana crônica têm sido propostos, como distúrbios da circulação do líquido cefalorraquidiano,  desregulação do eixo neuroendócrino metabólico,  compressão dos órgãos torácicos e abdominais prejudicando o retorno venoso cerebral, apneia do sono levando a distúrbios hemodinâmicos cerebrais e elevação da temperatura cerebral.  Além dos determinantes genéticos e epigenéticos, esses fatores também podem desempenhar um papel no aumento do risco de desenvolvimento de doenças neurodegenerativas na população obesa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.