Farmacêutica japonesa aposta no Brasil para internacionalização: país é referência no tratamento de doenças raras

Em 2021, completam-se 113 anos da imigração japonesa no Brasil e, agora, com um novo marco da relação entre os dois países: a chegada da JCR Pharmaceuticals Co., Ltd., uma companhia nipônica que, há 46 anos, investe em pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias.

Assim como os japoneses que estavam a bordo do navio ‘Kasato Maru’, primeiro do Japão a chegar ao Porto de Santos, no ano de 1908, a JCR também tem como origem a cidade de Kobe, localizada no centro da ilha do sol nascente.

A empresa nasceu em 1975 e seu primeiro trabalho foi desenvolver um método de purificação da uroquinase, uma enzima extraída da urina humana que é usada para dissolver coágulos sanguíneos e tratar doenças como a embolia pulmonar e a trombose da artéria coronária.

Focada em encontrar respostas para doenças consideradas desafiadoras pela indústria farmacêutica, a JCR se firmou como uma companhia farmacêutica especializada em produtos biofarmacêuticos, incluindo medicina celular e regenerativa. Hoje, ela possui presença internacional nos Estados Unidos e no Brasil.

No Japão, as terapias elaboradas pelo laboratório são para o tratamento de distúrbios do crescimento, doença do enxerto contra hospedeiro, anemia renal, doença de Fabry e MPS II. Já no Brasil, possui pesquisas para o tratamento da MPS II e MPS I.

A previsão para os próximos anos é expandir os estudos clínicos internacionais. Em seu pipeline, a JCR planeja implementar pesquisas sobre muitas outras doenças raras no Brasil, bem como nos Estados Unidos e na Europa.

A JCR tem trabalhado no desenvolvimento de tecnologia proprietária e na criação de produtos, contribuindo para a saúde das pessoas por meio de produtos farmacêuticos. O início precoce dessas atividades de pesquisa, consideravelmente mais cedo do que suas empresas semelhantes japonesas, levou ao desenvolvimento de bioterapêuticos, feitos por meio de nossas tecnologias proprietárias de construção e cultura de células, o que contribuiu para o nosso reconhecimento como ‘JCR, a biofarma’”, explica Shin Ashida, presidente e CEO da JCR Pharmaceuticals.

Em 1992, teve seu IPO na Bolsa de Valores do Japão, o que abriu portas para investimentos ainda maiores e alianças internacionais com os EUA e, agora, com o Brasil. Em crescimento exponencial, a empresa faturou cerca de 30 bilhões de ienes (moeda japonesa) em vendas. Em reais, esse valor corresponde a R$ 1,2 bilhão.

JCR no Brasil 

A JCR Farmacêutica iniciou as atividades no Brasil em 12 de março de 2020 . Mas só agora em 2021 , com a pesquisa em fase final e encaminhada para aprovação da Anvisa a empresa almeja novo crescimento no país.

A pesquisa clínica foi iniciada em setembro de 2018, para realizar uma pesquisa fase II para o desenvolvimento de um tratamento para Mucopolissacaridose (MPS) tipo II,  doença genética que faz parte do grupo dos erros inatos do metabolismo. Esta é a primeira vez que um país latino-americano é escolhido como o primeiro na escala de projeção internacional de uma empresa farmacêutica para doenças raras.

O tratamento da JCR, já aprovado no Japão e em estudo no Brasil, é pioneiro em ultrapassar a barreira hematoencefálica, mesmo administrado por via intravenosa, para tratar a degradação neurológica que ocorre em 70% dos pacientes com MPS tipo II. Esta doença é causada pela falta de uma enzima, ocasionado o acúmulo de moléculas complexas no organismo, o que atrapalha o desenvolvimento do paciente desde seus primeiros anos e pode levar à morte antes mesmo que ele alcance a idade adulta.

As MPS são doenças hereditárias, sendo estimado que afetem 1 em cada 20 mil nascidos vivos. No Brasil, vem sendo diagnosticados 1,57 pacientes em cada 100 mil nascidos vivos (dados do período de 1994 a 2018). Ao todo, são 11 tipos da doença, cada um relacionado à falta de uma enzima específica. O tipo II, também conhecido como Síndrome de Hunter, é o mais comum no Brasil, com 493 casos registrados entre 1982 e 2019, uma média de 13 novos pacientes por ano, segundo dados da Rede MPS Brasil, programa do qual participam diversos centros de tratamento de pacientes com mucopolissacaridoses.

O tratamento atualmente disponível para MPS II não alcança o sistema nervoso central dos pacientes, tratando somente as manifestações físicas da doença. Porém, como 2/3 dos pacientes têm problemas neurológicos, novos tratamentos, como o medicamento japonês, são necessários para trazer mais qualidade de vida e mais esperança para as famílias afetadas pela forma grave da doença.

A pesquisa da JCR é liderada no Brasil pelo geneticista e professor do Departamento de Genética da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Dr. Roberto Giugliani. Além disso, o estudo também é realizado na Universidade Federal de São Paulo, com coordenação da Dra. Ana Maria Martins, geneticista, professora da Unifesp e membro da Sociedade Brasileira de Triagem Neonatal e Erros Inatos do Metabolismo (SBTEIM). Ao todo, são 19 pacientes envolvidos.

O tratamento é uma aplicação intravenosa, administrada uma vez por semana. Diferente das outras, ela conta com a tecnologia denominada J-Brain CargoⓇ, que permite  que o remédio administrado no sangue atravesse a barreira hematoencefálica e penetre no sistema nervoso central, além de atuar também em todo o corpo.

Os pacientes do estudo já apresentam melhoras nos sintomas e, em alguns casos, até mesmo reversão de alguns aspectos do quadro clínico. A tecnologia desenvolvida pela JCR é um marco no avanço científico mundial.

Pai busca por tratamento e atrai farmacêutica para o Brasil 

O interesse da empresa pelo Brasil surgiu após receber o contato de um pai cujo filho tem MPS tipo II com manifestações neurológicas. Obstinado em encontrar um tratamento eficaz para seu filho, Antoine Daher foi até o Japão em 2017 bater à porta da JCR em busca de ajuda. Na época, seu filho tinha 8 anos de idade e se aproximava da adolescência, momento em que muitas crianças com MPS morrem em virtude de complicações da doença.

A criança possui manifestações da doença no cérebro e, por isso, Antoine percebia que, com o tratamento já existente no Brasil, a parte física de seu filho melhorava, mas a degeneração neurológica continuava.

“Eu sempre fui em busca de novidades terapêuticas no mundo inteiro e então descobri a JCR, que tem uma enzima que penetra a barreira hematoencefálica, o que os tratamentos existentes não conseguem fazer. Entrei em contato com a Farmacêutica e recebi o convite para conhecer a fábrica no Japão, acompanhado do professor e médico geneticista Dr. Roberto Giugliani, reconhecido mundialmente”, explica Antoine.

A CEO da JCR Farmacêutica no Brasil, Vanessa Tubel, explica que, em um primeiro momento, a pesquisa não seria realizada no Brasil, e sim no Japão e nos Estados Unidos, um dos primeiros destinos internacionais naturalmente escolhidos por indústrias farmacêuticas. Porém, durante a reunião com Antoine, tudo mudou.

Na ocasião, Antoine Daher e Dr. Roberto Giugliani falaram aos executivos sobre o grande número de pacientes com Síndrome de Hunter no Brasil, das necessidades médicas não atendidas e apresentaram propostas de colaboração entre diferentes stakeholders, fazendo com que a JCR decidisse trazer seus medicamentos inovadores a mais pacientes e famílias brasileiras.

“A JCR mudou então todo o planejamento de pesquisa. A ida ao Japão aconteceu em julho de 2017 e a pesquisa começou no Brasil em setembro de 2018. Pela primeira vez na história, uma farmacêutica japonesa trouxe uma pesquisa de Fase 2 para o Brasil, antes de levar para os EUA ou para Europa. Com a pesquisa avançando com o filho de Antoine e com os outros 18 pacientes brasileiros, o Brasil pode se tornar uma referência no estudo clínico de doenças raras”, explica Vanessa Tubel.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.