Hospital Dona Helena, de Joinville (SC), participa de pesquisa clínica nacional

O Hospital Dona Helena, de Joinville (SC), foi um dos centros participantes do estudo Basics, coordenado pelo Instituto de Pesquisa (IP) do Hospital do Coração (HCor) – um dos mais importantes hospitais do país. Os resultados desse estudo foram publicados no periódico científico JAMA (Jornal da Associação Médica Americana, em livre tradução).

“Trata-se de uma pesquisa clínica com foco na comparação do uso de uma solução cristaloide balanceada (Plasma-Lyte®️) com o cloreto de sódio 0,9% (soro fisiológico), em pacientes adultos internados em UTIs, que necessitaram de expansão volêmica e a permanência na unidade por mais de um dia, além de apresentarem fatores preditivos de maior gravidade e  efeito de velocidades mais lentas de infusão frente à infusão convencional, mais rápida”, explica a enfermeira Micheli Coral Arruda, coordenadora de Ensino e Pesquisa do HDH.

Os resultados apontaram que não há diferenças entre as soluções e nem na velocidade ou tipo de infusão quanto à sobrevida de pacientes, em 90 dias. Porém, os impactos da análise são relevantes para o cuidado dos pacientes em estado grave, pois há diferenças de custo entre os dois tipos de soluções.

O Basics já é considerado um dos maiores estudos randomizados feitos em UTI’s. A iniciativa, realizada por meio do PROADI-SUS e com a parceria da Brazilian Research in Intensive Care Network (BRICnet), contou com mais de 10 mil participantes em 75 centros.

“A publicação no JAMA é um reconhecimento ao trabalho de excelência que foi realizado”, avalia Alexandre Biasi Cavalcanti, médico intensivista e diretor do Instituto de Pesquisa do HCor que, juntamente com Fernando Zampieri, também médico intensivista e coordenador dos pesquisadores clínicos do IP HCor, que é um dos autores da publicação, sobre o estudo.

Cavalcanti, que é consultor do Núcleo de Apoio à Pesquisa do HDH, ressalta a importância da adesão plena das equipes, em pesquisas como esta, que exigem extensa e precisa coleta de dados. “É fundamental que, além de cuidar muito bem, possamos responder a questões importantes para o paciente – porque isso vai, antes de mais nada, nos ajudar a cuidar ainda melhor dele. Considerando os avanços que vamos conquistando, sabemos que eles se refletem diretamente no desenvolvimento da ciência médica, incentivando novas iniciativas”.

Outros países, como Austrália e Nova Zelândia, por exemplo, produzem pesquisas semelhantes – o que, reforça o médico, ajuda bastante na segurança dos dados e nos resultados obtidos. “As informações que pesquisamos fazem parte das rotinas dos profissionais. Sistematizar esse conhecimento, associar dados e informações que reportam questões importantes para o paciente e para a prática médica é muito valioso”, garante, ao sublinhar que a plena participação das instituições de saúde, como o Hospital Dona Helena, evidencia que os profissionais brasileiros são capazes de trabalhar em pesquisas – e as conquistas, que muitas vezes são convertidas em presença em veículos e eventos internacionais da área médica, promovem a valorização e o reconhecimento mundial do trabalho feito aqui. “Temos que nos orgulhar muito”, comemora Alexandre de Biasi Cavalcanti.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.