Hospital entrega aparelho que devolve capacidade de se comunicar a pacientes oncológicos que perderam a voz

O senhor José de Castro, de 62 anos, recebeu a laringe eletrônica

A voz é uma das principais formas de comunicação do ser humano. Ela se forma na laringe, onde ficam as pregas ou cordas vocais. Quando uma pessoa tem câncer de laringe em estágio avançado, é preciso realizar a laringectomia total, ou seja, cirurgia para retirada completa do órgão, uma das poucas opções para tratamento. A consequência é a perda da voz. Segundo o Instituto Nacional de Câncer, estima-se que no Brasil sejam diagnosticados mais de 7.600 novos casos de câncer de laringe entre os anos de 2020 e 2022.

Para promover assistência integral ao paciente oncológico, a Unidade de Oncologia do Hospital Márcio Cunha, em Ipatinga (MG), através do Projeto de Reabilitação Fonatória, entregou o aparelho conhecido como laringe eletrônica a 12 pacientes da Unidade, no último dia 14. A verba de R$ 400 mil para a compra dos equipamentos foi liberada por uma emenda parlamentar do deputado federal Patrus Ananias com recurso do orçamento da União.

A laringe eletrônica é um dispositivo móvel que não necessita de intervenção cirúrgica e possibilita a recuperação da fala. Ele é movido a bateria recarregável e quando posicionado externamente próximo à garganta do paciente reproduz uma voz robótica.

“Estamos iniciando mais uma etapa de atenção integral ao paciente oncológico, completando um ciclo de tratamento que passa pelo diagnóstico, tratamento e reabilitação. Devolver a capacidade de falar a essas pessoas é um processo de inclusão muito importante para estabelecer sua comunicação com o mundo. É uma forma de proporcionar mais qualidade de vida”, celebra o cirurgião de cabeça e pescoço da Fundação São Francisco Xavier, Dr. Clineu Gaspar Hernandes Jr.

Vida nova

O aposentado José de Castro, de 62 anos, morador de Caratinga, foi diagnosticado com câncer de laringe em 2019. Sua irmã Eunília de Castro Barbosa, que mora em Ipatinga, foi quem passou a tratar dele depois do diagnóstico. “Ele veio morar comigo e começou a fazer o tratamento pelo SUS no Hospital Márcio Cunha. O câncer já estava avançado e um ano depois ele precisou fazer a cirurgia e perdeu a voz. Ele ficou muito nervoso, chegou a ficar depressivo”, lembra.

Na última semana, José de Castro recebeu a laringe eletrônica e já passou por treinamento com a equipe do hospital. “Foi uma realização poder ouvir meu irmão falar novamente. Uma alegria imensa. A nossa comunicação vai melhorar muito e ele vai ficar bem mais tranquilo. Ele está muito feliz”, celebra Eunília.

Para o paciente Alzemar Soares Rodrigues, de 72 anos, a laringe eletrônica vai mudar completamente sua comunicação com as pessoas. Todo o processo de perda de voz foi muito desgastante, porque o aposentado, que era morador da zona rural de Teófilo Otoni, tinha poucos recursos para se comunicar com os filhos e a esposa. O senhor Alzemar é analfabeto e não tinha como escrever o que queria.

“Meu pai é muito simples, sempre foi da área rural. Depois que perdeu a voz ficou muito irritado e triste. Ele é muito forte e tentamos nos adaptar mas, mesmo assim, nem sempre entendíamos o que ele queria”, lembra a filha Eliene Soares Rodrigues.

A filha comemora a vida nova com o aparelho. “Ele já chegou do hospital com um semblante bem mais alegre, de prazer e satisfação. É inexplicável a nossa felicidade em vê-lo feliz. É muito gratificante, graças à tecnologia e ao Hospital Márcio Cunha”, pontua.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.