Médico inicia pesquisa sobre eficácia de medicamentos no tratamento da Covid-19 em fase inicial

A pandemia da Covid-19 alastrou por todo o mundo há quase um ano e segue infelizmente vitimizando muitas pessoas ao redor do planeta. Apesar do início da vacinação na maioria dos países, a pandemia não tem data para acabar, já que elas ainda demorarão um tempo considerável para chegar a todos, e consequentemente para que o vírus da Sars-CoV-2 pare de circular de vez ao redor do planeta.

Entretanto, sugestões e suposições de medicamentos são pautas recorrentes na sociedade desde o início da pandemia, o que deixa médicos e pesquisadores da área vigilantes e atentos sobre o funcionamento dessas drogas e em busca de respostas concretas. Um dos principais fármacos que geram assuntos nas rodas de conversa e recomendações por alguns profissionais da saúde é a ivermectina, medicamento usado no tratamento de infecções por parasitas, como piolhos e sarnas. As dúvidas que giram ao redor desse e de outros medicamentos são se o  uso, quando o paciente apresenta os primeiros sintomas, pode reduzir as complicações da doença em alguns casos.

O clínico médico e cardiologista Gilmar Reis, responsável pelo programa de pesquisa com o objetivo de estudar esses medicamentos no tratamento inicial da Covid-19, aprovado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP), aponta que até o momento, não há medicações eficazes para o uso na fase inicial da doença. “A comunidade científica internacional está trabalhando intensamente em busca de fármacos que possam reduzir as complicações na Covid, portanto, tudo ainda é incerto”.

Medicações em estudo

A pesquisa vem avaliando três fármacos mais populares que vêm sendo cogitados para o tratamento. São eles a fluvoxamina e a metformina, além da ivermectina. “O objetivo da pesquisa é promover ensaios clínicos, com determinados grupos de pessoas, a fim de avaliar os pacientes. Uma visita domiciliar é agendada após a equipe médica avaliar os critérios e, portanto, a ação médica dispensa o deslocamento do paciente para ser realizada. “Estamos avaliando esses três fármacos em 16 centros de pesquisa em cidades do estado de Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul”, contou o médico.

As cidades de Brumadinho e Sete Lagoas, na região metropolitana de BH, e Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, são cidades onde as pesquisas já estão sendo encaminhadas e realizadas, sob a supervisão de profissionais de medicina que atuam nesses territórios.

Para a realização, o pesquisador lembra ser essencial que o paciente interessado esteja apresentando um quadro de gripe com menos de oito dias de sintomas, pois a finalidade também é avaliar se esta síndrome antecede a Covid-19.

Maiores informações podem ser consultadas através do telefone ou WhatsApp (31) 98877-8691.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.