Ministério da Saúde atualiza protocolo para a Doença de Parkinson

4946

O Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT), publicado pelo Ministério da Saúde, traz recomendações atualizadas para tratamento medicamentoso e terapias complementares voltadas ao cuidado dos pacientes com Doença de Parkinson. Além das indicações medicamentosas e critérios técnicos para o diagnóstico, o novo PCDT destaca a importância da assistência integral ao abordar temas como: a capacidade de diagnóstico, a forma e o momento de quando iniciar a terapia.

Acesse o protocolo

As recomendações do PCDT inovam com a inclusão do medicamento  mesilato de rasagilina 1mg que auxilia no aumento e manutenção de níveis de dopamina no cérebro, substância química envolvida no controle do movimento, minimizando com isso os sintomas da doença. O mesilato de rasagilina é um medicamento que pode ser administrado uma vez ao dia, e potencialmente contribui para melhora do grau de aderência ao tratamento dos pacientes com Doença de Parkinson avançada.

Após a publicação do protocolo no dia 16 de novembro, o Ministério da Saúde terá 180 dias para disponibilizar o novo medicamento aos pacientes.

PCDT

Os Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas (PCDT)  são documentos que visam garantir o melhor cuidado de saúde possível diante do contexto brasileiro e dos recursos disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). Podem ser utilizados como material educativo dirigido a profissionais de saúde, como auxílio administrativo aos gestores, parâmetro de boas práticas assistenciais e documento de garantia de direitos aos usuários do SUS.

Doença de Parkinson 

A doença de Parkinson é um distúrbio neurológico que afeta o sistema motor causando tremores, rigidez, lentidão nos movimentos e alterações de equilíbrio. De caráter progressivo, crônico e degenerativo, a doença pode estar ainda associada a sintomas como alucinações e confusão, além de problemas no trato urinário e intestinal. De acordo com as estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 200 mil pessoas sofrem com a doença no Brasil.

Deixe seu comentário