Nova plataforma reúne dados sobre doenças crônicas para embasar políticas públicas

As doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) fazem parte da rotina diária de mais da metade dos brasileiros, são responsáveis por 70% de todos os óbitos anuais e representam gastos bilionários aos cofres públicos. Informações sobre fatores que podem causar ou agravar essas doenças são essenciais para elaborar melhores políticas públicas para reduzir sua incidência. A partir de agora é possível acessar dados atualizados sobre os principais fatores de risco e sobre as DCNTs mais prevalentes com apenas alguns cliques por meio de uma nova plataforma: o Observatório da Atenção Primária à Saúde. A iniciativa foi desenvolvida pela Umane, uma associação civil independente e sem fins lucrativos dedicada a apoiar, desenvolver e acelerar iniciativas de prevenção de doenças e promoção à saúde no âmbito da saúde pública.

A ferramenta permite que qualquer pessoa acesse dados do Ministério da Saúde e de outras bases de dados públicas e confiáveis de maneira amigável, ágil e simples. A plataforma inova ao reunir e a organizar esses dados de maneira acessível e, sempre que possível, disponibilizados para todos os municípios do Brasil. Com isso, espera-se contribuir não só para a geração de conhecimento, mas também para as políticas públicas de saúde, com foco na prevenção das DCNTs e no fortalecimento da Atenção Primária. A plataforma estará em contínuo aperfeiçoamento e hoje já trabalha com 16 bases de dados diferentes, entre elas o Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA), o Sistema de Informações Hospitalares (SIH), o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) e a Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel). Vale destacar que, com intuito de permitir um diagnóstico completo dos municípios, a plataforma também traz algumas informações socioeconômicas como o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM).

“As informações podem subsidiar estudos, planejamento de políticas públicas e planejamento de projetos aos atores diversos do setor de saúde”, afirma Thais Junqueira, superintendente da Umane. “Nossa ideia é contribuir para a geração de conhecimento e para a tomada de decisão baseada em evidência”. Justamente por isso a plataforma tem como público-alvo gestores de políticas e programas, profissionais da saúde, instituições do terceiro setor, pesquisadores, estudantes e demais pessoas interessadas em informações sobre saúde no Brasil.

Os dados da plataforma estão organizados em quatro grandes temas: (1) dados socioeconômicos, como acesso a saneamento básico e habitação; (2) condições crônicas priorizadas, que tratam das DCNTs mais prevalentes, como hipertensão, obesidade e diabetes; (3) fatores de risco modificáveis, que podem agravar as DCNTs mas podem ser evitados, como consumo de álcool, cigarro e alimentação não saudável e (4) atenção primária à saúde, como acesso e cobertura de serviços de saúde.

Para cada tema, há uma série de indicadores disponíveis para a consulta, dependendo do assunto, como: gastos com internação hospitalar, mortalidade pela doença crônica, prevalência, número de internações e de dias de internações, entre outros.

Ao clicar em cada um dos indicadores, é possível selecionar o ano e a abrangência geográfica – os dados são disponibilizados para todos os municípios, salvo exceções em que a informação está disponível apenas para as capitais. O usuário também pode gerar gráficos com a evolução do indicador ao longo dos anos, mapas que ajudam a entender, por exemplo, os locais de maior incidência de doenças crônicas e ainda rankings de capitais ou cidades onde o problema é mais prevalente. Por exemplo: Em 2020, Manaus é a capital com maior percentual de pessoas adultas com obesidade (24,9%) e São Paulo é a que concentra o maior número de pessoas com obesidade (mais de 2 milhões de pessoas).

“O Observatório é uma plataforma em contínuo aperfeiçoamento, de fácil acesso e navegabilidade, que facilita o acesso à informação e pode contribuir para ações de prevenção de doenças e promoção da qualidade de vida”, ressalta Erika Lopes, Especialista em Monitoramento e Avaliação da Umane.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.