Novos leitos UTI no Brasil impõem urgência de capacitação para evitar erros médicos

A pandemia estimulou a abertura de novos leitos de unidades de terapia intensiva nos hospitais públicos e privados do Brasil. Levantamento da startup Bright Cities mostrou que a rede hospitalar abriu mais de 20 mil novos leitos de UTI entre fevereiro de 2020 e janeiro de 2021. Isso representa, em média, 1 unidade de terapia intensiva para aproximadamente 10 mil brasileiros. O maior aumento da oferta veio a reboque da procura.

Para dar conta dos novos leitos criados, o Governo Federal anunciou a implantação do projeto ‘O Brasil conta comigo’ que previu a contratação emergencial de profissionais da saúde. Também foram reincorporados 1.012 médicos cubanos que haviam sido dispensados em 2019. Esse novo momento emergencial para a saúde brasileira pode aumentar a ocorrência de falhas. É o que pondera Dr. Hugo Castro, perito médico especialista em erro médico.

“É evidente que as equipes de saúde estão sobrecarregadas. Mas é importante ressaltar que nem todo resultado adverso ou indesejado pode ser verdadeiramente caracterizado como má prática profissional. Para que seja confirmada a existência de um Erro Médico, por exemplo, é necessária a comprovação de três fatores: o dano sofrido pelo paciente, o erro de conduta por parte do profissional de saúde e o nexo, que consiste na relação entre dano e erro”, explica Hugo Castro.

Segundo o especialista, é fundamental ampliar o debate sobre o tema erro médico entre as equipes da saúde e também a população em geral. “O sistema de saúde brasileiro tem mostrado que não estava totalmente preparado para uma pandemia. Com cada vez mais casos de pacientes infectados, a estrutura colapsou em determinados locais e períodos do país”, afirma Castro.

Para Hugo Castro, as Faculdades de Saúde, em geral, e as de Medicina, em particular, ainda não abordam temas como ‘erro assistencial’ e ‘segurança do paciente’ de forma adequada nos seus currículos. “Acredito que o desconhecimento sobre o assunto pode ser um dos motivos para o aumento da judicialização da saúde observado nos últimos anos. Precisamos ampliar o debate sobre esses temas para diminuir a ocorrência de episódios dessa natureza”, afirma Hugo Castro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.