O tabu do parto humanizado

A gravidez é um momento único para a mulher, contudo, ele pode ser repleto de dúvidas que vão desde o pré-natal até a tão esperada hora do parto. Visando a autonomia da mulher, o parto humanizado aparece como uma opção para as gestantes, mas muitas interpretações sobre o que de fato é essa prática ainda estão equivocadas. Por isso, um dos desafios da equipe composta por Fabiana Garcia, Paulo Noronha, Bianca Rocha e Mariana Chagas é nadar contra a maré e mostrar que uma das grandes preocupações do parto humanizado é a segurança da gestante e seu bebê.

Após um longo período de parceria, os quatro profissionais resolveram abrir um espaço próprio com tudo o que a mulher precisa antes, durante e após a gravidez. Assim nasceu o Espaço MAE (protagonismo da Mulher, Acolhimento e medicina baseada em Evidencias). “Nós queremos que o local tenha tudo: atendimento obstétrico, pediátrico, plantão de aleitamento materno, fisioterapeutas, nutricionistas, professores de yoga. No espaço, as gestantes serão acolhidas para que não se sintam inseguras e esclareçam todas as dúvidas sobre o parto, fazendo valer sua autonomia e desenvolvendo um vínculo com os profissionais. Além de tudo isso, nós estaremos 24h disponíveis para as pacientes”, comenta a obstetriz Bianca Rocha.

Fabiana, Paulo, Bianca e Mariana se conheceram através de atendimentos de parto e grupos sobre humanização. Todos resolveram seguir esse caminho após não se identificarem com a maneira como os partos são feitos no sistema tradicional dentro de um cenário predominantemente cesarista. De acordo com Paulo Noronha, médico com especialização em ginecologia e obstetrícia, o parto humanizado preserva os direitos da mulher. “É um modelo que não julga, que acolhe, que acredita que o ato do nascimento é fisiológico e que, por esta razão, é tratado com naturalidade, usando a tecnologia e as intervenções com parcimônia. Tudo feito com seriedade e embasado nas melhores evidências científicas para se assegurar o bem estar da paciente e do bebê”, explica.

É importante ressaltar que parto humanizado não pode ser entendido como um tipo de parto, mas sim como um processo que envolve boa assistência e autonomia de escolha. “O parto humanizado não deve ser entendido como um parto que tenha música, intensidade da luz controlada ou o uso da banheira, são ferramentas úteis que as mulheres podem decidir usar ou não. Muitas mulheres não querem nada disso. Nós prezamos por acolhimento”, conta a obstetra Fabiana Garcia.

Já a enfermeira Mariana Chagas, que é especializada em obstetrícia, ressalta que “se trata de um atendimento de pré-natal individualizado onde, além da solicitação dos exames, a mulher é ouvida e recebe informações sobre parto para que ela possa tomar decisões compartilhadas junto com a equipe. E por ser um pré-natal que envolve uma equipe multidisciplinar, cada profissional pode dar o seu melhor para aquela mulher”.

O espaço será inaugurado em março de 2019 no bairro Paraíso, em São Paulo (SP).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.