Pandemia provoca queda de 86% no atendimento a transgênero pelo SUS

Cirurgias do processo transexualizador despencaram na pandemia

Olhar no espelho e não reconhecer-se é um drama vivido por boa parte das 4 milhões de pessoas transgênero ou não binárias do Brasil. O número é uma das poucas estatísticas sobre essa população, que não tem sido estudada nem mesmo pelo IBGE. Questões sobre gênero e sexualidade foram recusadas pelos organizadores do Censo Demográfico.

O designer Samir Martinez, de 31 anos, sempre se sentiu desconfortável com a própria imagem. Sofria com baixa autoestima e com transtornos alimentares porque desejava uma aparência menos feminina. Ele iniciou o processo de adequação com a ajuda da ONG Em Boas Mãos, para realizar o sonho de retirar os seios. Procurou a entidade depois de enfrentar dificuldade em conseguir os procedimentos pelo plano de saúde. “A mastectomia masculinizadora no Brasil é muito cara e há muita burocracia para os convênios autorizarem. Ainda estou no pré-cirúrgico, mas só de pensar em não usar mais binder (faixa para disfarçar os seios) já será um grande alívio no dia a dia, toda a liberdade que vai me proporcionar, a autoestima e a autoaceitação será outra, poderei me ver em um corpo que realmente me pertence”, conta.

A pandemia aumentou a espera, que já era enorme, por esse tipo de procedimento. Segundo a Defensoria Pública de São Paulo, em 2021 havia 558 homens e 648 mulheres na fila do SUS. Em 2020 houve queda de 86% no número de procedimentos. Dados do Ministério da Saúde indicam que, em 2019, foram 224 cirurgias. No ano seguinte, só 31.

A advogada especialista em Direito Médico e fundadora da ONG Em Boas Mãos, Beatriz Guedes, aponta falta de políticas públicas. “Essa população não é acolhida adequadamente pelo sistema de saúde, seja ele público ou privado, e enfrenta inúmeros problemas quando necessita desde o atendimento básico de rotina até cirurgias e procedimentos mais complexos”, diz.

Poucas unidades de atendimento

O país só tem cinco centros de referência com atendimento ambulatorial e hospitalar habilitados para cirurgias de transgenitalização e outros 29 ambulatórios especializados distribuídos entre as principais cidades de cada estado. Cirurgias estéticas de adequação corporal, no entanto, são consideradas eletivas pelo SUS, ou seja, não-urgentes. Por esse motivo, a espera por uma cirurgia de redesignação sexual pode levar anos.

Além da demora, falta preparo às instituições de saúde e profissionais. O atendimento, muitas vezes, é marcado por preconceito e discriminação. “Todos esses obstáculos acabam motivando a busca por tratamentos caseiros e clandestinos, sem nenhuma segurança e que colocam a saúde e a própria vida do paciente em risco”, pontua a advogada.

A ONG Em Boas Mãos, de Beatriz, iniciou seu trabalho auxiliando pessoas vítimas de discriminação estética, por causa de cicatrizes aparentes ou outras características físicas que traziam sofrimento. A alta procura de pessoas trans fez com que, hoje, 10% dos atendimentos sejam para esse público. A entidade tem psicólogos e psiquiatras que atendem voluntariamente, além de cirurgiões que fazem cirurgias plásticas. “As pessoas trans que nos procuram se sentem desconfortáveis, porque já enfrentaram muitas dificuldades e discriminação tentando auxílio médico em outros locais. Aqui acolhemos a todos com respeito e queremos ajudar mais pessoas”, afirma.

O foco da ONG é combater a discriminação que essas pessoas sofrem no dia a dia, pela aparência, por isso ainda não faz cirurgias de redesignação sexual, e sim procedimentos como feminilização ou masculinização facial, mastectomia ou implantes de próteses. O objetivo é proporcionar bem-estar e o resgaste da autoestima. “Esses tratamentos têm um poder transformador na vida dessas pessoas e, por meio da ONG, buscamos recuperar a dignidade para que elas se sintam confortáveis conforme a sua identidade de gênero”, completa Beatriz.

Não é só estética, é saúde mental

Samir também explica que, apesar de estéticas, essas cirurgias não são supérfluas. “Essas pessoas não desejam mudar a aparência em busca de beleza, mas sim de reafirmação da própria identidade. Para mulheres e homens trans, isso é fundamental para melhorar a autoestima, autoconfiança e autoafirmação. Isso é uma questão de saúde mental, necessidade básica mesmo”, ressalta.

Atendimentos gratuitos ou com custos reduzidos

O acolhimento das pessoas que chegam à ONG é feito por uma assistente social que analisa os documentos e agenda uma avaliação médica. “É feita uma triagem, buscamos entender a necessidade daquela pessoa e analisamos cada caso individualmente”, explica Beatriz. A ONG vive de doações. Os recursos são utilizados para pagar custos hospitalares, como internações e medicamentos, mas em alguns procedimentos mais complexos pode ser necessário que o paciente arque com parte dos custos, em média, 30% do valor que custaria em uma clínica particular. “Buscamos aumentar as contribuições para ampliar nossa capacidade de atender cada vez mais pessoas totalmente de graça”, explica Beatriz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.