Pesquisa inglesa derruba mito sobre uso de ibuprofeno na Covid-19

Há mais de um ano, a pandemia desafia a ciência e inspira estudos e descobertas sobre os métodos mais eficazes para tratar a Covid-19 e assim apontar as substâncias eficientes para controlar sintomas como dor e febre causadas pelo Coronavírus.

Recentemente, uma pesquisa¹ publicada no The Lancet, liderada por Tomas Drake e colegas, listou os princípios ativos mais recomendados pelos especialistas e destacou estudos que comprovam segurança do ibuprofeno na Covid-19, assegurando à classe médica conforto para recomendar o tratamento com o princípio ativo, que é uma das moléculas mais seguras da indústria farmacêutica atual.

Os pesquisadores usaram dados da coorte ISARIC Clinical Characterization Protocol UK, permitindo o acesso a um grande número de pacientes internados no hospital com Covid-19, um total de 72.179. Destes, 56,2% eram homens e 43,8% mulheres de 255 unidades de saúde do Reino Unido, representando cerca de 60% de todos os pacientes internados no hospital com Covid-19, no período de janeiro a agosto de 2020.

Os autores analisaram a associação entre a exposição a anti-inflamatórios e desfechos graves de Covid-19, incluindo mortalidade, internação em cuidados intensivos, necessidade de ventilação invasiva, necessidade de oxigênio e lesão renal aguda. Nenhum desses resultados foram significativamente associados à exposição a anti-inflamatórios não esteroidal (AINEs) nas duas semanas anteriores à admissão hospitalar. A avaliação de uso anterior de anti-inflamatório foi semelhante naqueles que morreram em comparação com aqueles que sobreviveram, indicando que não houve associação do uso do medicamento com desfechos de mortalidade.

Ainda reuniram em sua pesquisa dados que corroboram com a análise anterior.
Uma subanálise importante, que avaliou um tipo especifico de AINEs, também não indicou nenhum risco aumentado de mortalidade em pacientes que tomam ibuprofeno em comparação com aqueles que não tomam nenhum anti-inflamatório ou aqueles que tomaram outros princípios ativos da mesma categoria

Em uma outra análise de subgrupo menor, com 403 pacientes com Covid-19, o uso de medicamentos antitérmicos durante todo o período da doença foi relatado em 134 pacientes, dos quais 85 foram tratados com paracetamol e 49 com ibuprofeno, e nenhum risco diferencial de resultados piores foi aparente para qualquer um dos dois grupos de tratamento. Pode-se então sugerir que o uso de anti-inflatórios não esteroidal durante a Covid parece não conferir riscos aumentados de resultados piores. Com base no conhecimento atual, os médicos não devem se abster ou descontinuar os anti-inflamatórios em pacientes com Covid-19 se o tratamento com AINE for indicado.

Para a médica Ana Paula Beltran Moschione Castro, a pesquisa é de fundamental importância para as decisões clínicas. “O estudo inglês é apoiado por um crescente corpo de evidências, das quais a maioria aponta para a mesma conclusão sobre ausência de efeitos prejudiciais do uso de anti-inflamatórios na infecção por Covid-19, o que corrobora com declarações clinicas de importantes órgãos de saúde mundial como Organização Mundial da Saúde (OMS), European Medicines Agency (EMA) e Food and Drug Administration (FDA). Mas, é claro que o tema precisa continuar sendo estudado”, pondera.

Ibuprofeno

Mais estudada da classe dos analgésicos e com o maior número de artigos científicos já publicados nessa classe, há 60 anos a molécula é recomendada por autoridades de saúde para o tratamento de dor e febre e quando comparada a outros princípios, com atuação similar, a substância se destaca por não apresentar efeitos adversos gastrointestinais e hepatotóxicos e oferecer alívio rápido dos sintomas, por até seis horas, dependendo do nível de intensidade.

É um dos medicamentos mais administrados por adultos e crianças e a última diretriz clínica da Organização Mundial da Saúde listou o ibuprofeno, entre outros princípios ativos, como medicação indicada para tratar a dor e febre tantos em casos de Covid-19, tanto quanto em outros males. A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) também chamou atenção que não há razão para suspender o uso do Ibuprofeno em pacientes que tomam AINEs para controle de doenças crônicas. “Independente das circunstancias é muito importante consultar um médico, ou profissional da saúde, antes de tomar qualquer medicação”, orienta a médica.

Referência:

  1. Non –steroidal anti-inflammatory drug use in Covid-19 Kristian Kragholm. Published May 07,2021. https:qqdoi.org/10.1016QS2665-9913(21)00144-2 www.thelancet.com/journals/lanrhe/article/PIIS2665-9913(21)00144-2/fulltext

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.