Realização de desejos provoca onda de ações positivas no Hospital Moinhos de Vento

Sentir o vento no rosto, ver a cidade, sair da rotina são coisas tão simples que ganham um significado imenso quando se está internado há 696 dias. O desejo de Thaiany Fernandes Garcia, de 42 anos, foi realizado nesta quarta-feira (9), pela equipe assistencial do Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre (RS).

“Todo esse carinho e essa dedicação das equipes comigo fazem com que eu nem sinta que estou num hospital” disse Thaiany, que se emocionou com a surpresa. Ela está em tratamento de problemas renais crônicos e diabetes, e conta que já esteve internada em anos anteriores. Em 2016, pediu para passear no bosque da instituição, e a ação acabou incorporada nas rotinas de atendimento humanizado do Moinhos de Vento.

Nesta semana, o Hospital Moinhos de Vento realiza pelo terceiro ano seguido a campanha ‘O que importa para você?’. São mais de 70 ações de humanização que envolvem três mil colaboradores e os pacientes internados ou em tratamento na instituição. A iniciativa internacional, criada em 2010 nos Estados Unidos, tem como propósito estimular conversas mais significativas entre profissionais de saúde e pacientes. O objetivo é humanizar essa relação e aprimorar o cuidado de saúde e assistência, com base no que realmente importa para o paciente.

É a segunda vez que a campanha acontece em meio à pandemia. Uma das ações que mais mobilizou as pessoas foi realizada para permitir que pacientes Covid-19 abraçassem seus familiares. Há um ano mantendo o distanciamento, até os profissionais do hospital aproveitaram para se abraçar de forma segura, separados por uma ‘parede de plástico’. A ONG Doutorzinhos, que desde março do ano passado suspendeu as atividades devido às restrições de circulação estabelecidas pelo Comitê de Enfrentamento da Covid-19, voltou a realizar intervenções com os pacientes da oncologia.

Também teve apresentação de um pianista, música no despertar da sedação da endoscopia, música com pipoca e bombons na hemodiálise, visitas virtuais, cardápio especial com sorvete e até uma paciente, estudante de Medicina da UFRGS, que pediu para acompanhar uma cirurgia e pode vivenciar um pouco da sua futura profissão.

“Quando iniciamos a pesquisa e o planejamento das ações, percebemos que a maioria dos pedidos são muito simples. Num momento de vulnerabilidade, que os pacientes estão aqui lutando pela sua saúde, pela vida, essas pequenas ações são muito significativas. Então aproveitamos para realizá-las e para incentivar essa cultura de atendimento humanizado no qual somos referência no Brasil”, destaca a superintendente Assistencial e de Educação, Vania Röhsig.

Muitas das iniciativas acabam sendo implantadas nas rotinas da instituição. Vania acrescenta que são atividades que fazem toda a diferença no tratamento e no cuidado. “O paciente motivado, engajado e conectado consigo e com a sua saúde responde melhor às terapias. Ele encontra força para passar por esse momento difícil e enfrentar também os aspectos emocionais envolvidos numa internação”, complementa a superintendente.

Cada área planejou atividades diferentes conforme os desejos de pacientes e colaboradores. Para as equipes do hospital, teve também quick massage, reiki, ação espiritual da pastoral, distribuição de mudas de plantas, entre outras surpresas. Vania ressalta que cuidar de quem cuida também é uma preocupação constante no Moinhos de Vento, algo necessário para garantir a qualidade de vida dos colaboradores e os padrões médico assistenciais da instituição.

Todas as ideias foram previamente cadastradas e validadas com o Serviço de Controle de Infecção para garantir a segurança de todos os envolvidos. O Hospital Moinhos de Vento é uma das cinco instituições brasileiras cadastradas no grupo internacional What matters to you?, que incentiva e monitora as ações da campanha em todo o mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.