Saúde do idoso é foco da campanha de junho no Hospital São Camilo

70

A Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu junho como o mês dedicado ao combate à violência e negligência da pessoa idosa. A Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, entendendo a importância do seu papel na promoção e cuidado da saúde da população sênior, aderiu à campanha iluminando as fachadas das Unidades Pompeia, Santana e Ipiranga.

O objetivo é alertar a população sobre a importância de promover a saúde mental e física das pessoas com idade acima de 60 anos, como uma forma de garantir sua dignidade para um envelhecimento com mais qualidade de vida.

O Hospital São Camilo também divulgará informações sobre essa temática nas redes sociais e reforçará junto aos seus profissionais as orientações sobre a saúde do idoso, com foco especial na pandemia do novo Coronavírus.

De acordo com a Dra. Aline Thomaz, geriatra da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, a Covid-19 apresenta complicações e letalidade mais elevadas nos indivíduos acima de 60 anos, sendo este o motivo pelo qual torna-se importante compartilhar informações sobre cuidados e ações preventivas que visam sua saúde e bem-estar.

“Doenças crônicas, como diabetes, asma, hipertensão ou doença cardíaca, são fatores agravantes, pois fragilizam o organismo do idoso, tornando-o mais vulnerável à evolução do vírus”, explica.

Porém, mesmo sem apresentar comorbidades, os idosos correm maior risco de complicações e apresentam índices de letalidade mais elevada quando contraem a Covid-19, uma vez que o processo de envelhecimento torna o sistema imunológico menos eficaz.

Como os idosos podem se proteger durante a pandemia?

“O maior cuidado, sem sombra de dúvida, é respeitar com rigor o isolamento social”, frisa a médica. Ela esclarece que, enquanto perdurar a recomendação do Ministério da Saúde, o idoso só deve sair de casa em caso de extrema necessidade.

Também é importante vacinar-se contra a gripe, além de seguir as recomendações gerais de prevenção da doença, como utilizar máscara, manter distância de 2 metros de outras pessoas, lavar constantemente as mãos, não tocar os olhos, nariz e boca antes de sua higienização.

Além disso, a especialista destaca que uma boa qualidade de vida é essencial para fortalecer o sistema imunológico.

“Ter uma noite de sono de qualidade, praticar exercícios físicos, manter uma alimentação equilibrada, quando possível trabalhar em regime de home office e realizar atividades de lazer são bons exemplos de como se manter saudável”, afirma a Dra. Aline, fazendo um alerta sobre a importância de redobrar os cuidados com a saúde mental do idoso durante a quarentena.

Segundo ela, é necessário estarmos atentos aos primeiros sinais de desenvolvimento de um quadro depressivo. “Ser isolado de amigos e familiares ou impedido de sair de casa e ter sua rotina alterada podem gerar sintomas como ansiedade, medo, tristeza e pensamentos negativos.”

A geriatra ressalta que os sintomas tendem a diminuir no decorrer do período de adaptação, mas, caso isso não ocorra, deve-se buscar suporte profissional. “Diversos profissionais da saúde mental atualmente realizam atendimento online periódico, focados no apoio durante o período de isolamento social”, explica a médica.

Por fim, os cuidados essenciais devem ser incorporados à rotina do idoso e de todos os que com ele convivem, como manter distanciamento de 2 metros, utilizar máscara, cobrir nariz e boca ao espirrar ou tossir, manter o ambiente bem ventilado e não compartilhar objetos pessoais.