SUS deverá realizar implante de válvula cardíaca via cateter

O número de pacientes idosos submetidos ao tratamento transcateter da valva aórtica (TAVI) deve aumentar em cinco vezes se o procedimento for autorizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Esta é a estimativa da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SNHCI) que contabiliza, anualmente, mil procedimentos particulares de TAVI.

O projeto de lei que determina a inclusão do tratamento pela Rede Pública teve a aprovação da Comissão de Seguridade Social e Família, da Câmara dos Deputados, no dia 21 de novembro. Já aprovada no Senado, a nova lei pode ser sancionada em breve, auxiliando pacientes com estenose aórtica, doença conhecida como o estreitamento da válvula aórtica, o que reduz o fluxo sanguíneo para o corpo. O problema atinge cerca de 5% dos idosos brasileiros.

No país, nos últimos cinco anos, 4,8 milhões de pessoas entraram na terceira idade, elevando o número de idosos para 30,2 milhões (IBGE/2017). “Passamos por uma transição demográfica e este aumento será crescente. A estenose aórtica é uma doença comum em idosos, mas muitos não têm condições de realizar a cirurgia tradicional, com o peito aberto, para substituir a válvula aórtica”, avalia o presidente eleito da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Marcelo Queiroga. “A introdução dessa terapia no SUS vai ampliar o acesso a uma perspectiva terapêutica capaz de modificar a história natural dessa doença grave”.

O cardiologista Costantino Ortiz Costantini, diretor-científico do Hospital Costantini, em Curitiba, lembra que o número de idosos em 2030 será maior do que o de crianças. “”Com a evolução da tecnologia, é inevitável a utilização, com maior frequência, de técnicas minimamente invasivas no tratamento de problemas nas válvulas do coração, doenças desenvolvidas mais comumente por idosos, mas que também são diagnosticadas em jovens e crianças, especialmente bebês”, ressalta o médico. Costantini explica que, mesmo não usual, o implante de válvulas cardíacas via cateter já vem sendo utilizado em pacientes com menor idade.

A intervenção via cateter é bem menos agressiva e permite uma breve reintegração do paciente às suas atividades diárias. “A recuperação de um pequeno furo na virilha, necessário para o tratamento via cateter, é muito mais rápida do que uma fratura induzida no esterno (osso do peito),necessário para a realização de uma cirurgia cardíaca. O tratamento por cateter também reduz os riscos de sangramento e infecção.”

Ossos podem demorar até três meses para consolidar a fratura, tempo que pode ser ainda maior nos idosos com osteoporose. “O trauma do cateter na virilha cicatriza em três semanas”, destaca o médico.

A disponibilização de Implante por Cateter de Bioprótese Valvar Aórtica agora depende da CCJ e de sanção presidencial

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados analisou e concluiu que o impacto financeiro federal com a inclusão de Implante por Cateter de Bioprótese Valvar Aórtica – TAVI – no Sistema Único de Saúde – SUS – é compatível com o orçamento. A avaliação foi feita no final de novembro e agora o Projeto de Lei 5.460/2.016 será avaliado pela Comissão de Constituição e Justiça e depois levado à Sanção Presidencial.

A estenose aórtica grave se tomou um problema de saúde pública e acomete de 3% a 5% dos idosos com idade superior a 75 anos, sendo que 30% destes pacientes apresentam doenças associadas que impedem a cirurgia cardíaca convencional para substituição da válvula aórtica por uma prótese valvar. E que o recomendado é o Implante por Cateter de Bioprótese Valvar Aórtica (TAVI).

“Como não há nenhuma questão relevante a ser imposta pela CCJ, esperamos que rapidamente o projeto seja levado ao presidente da República e os brasileiros, principalmente os mais idosos, possam ter acesso ao TAVI”, destacou o presidente eleito da SBC (biênio 2020/21), Marcelo Queiroga, que esteve no ano passado, juntamente com os presidentes (biênio 2016/17) da SBC, Marcus Malachias, da SBCCV, Fabio Jatene, e da SBHCI, Marcelo Cantarelli, no gabinete da então ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois. A ministra demonstrou interesse em apoiar a causa e, no dia seguinte ao encontro, enviou ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, ofício sobre a realização da audiência e toda a documentação a respeito do projeto de lei.

O PL também teve forte apoio da deputada federal do PSDB/RO, Mariana Carvalho, durante a tramitação na Comissão de Seguridade Social, do deputado federal do PRB/PB, Hugo Motta, e do deputado federal do DEM/MS, Luiz Henrique Mandetta, indicado para o Ministério da Saúde. E determinado apoio das diretorias da SBHCI 2014/2015, liderada por Helio Roque Figueira, e a atual, comandada por Viviana Lemke. Para Helio Roque, é fundamental o desenvolvimento do complexo industrial da saúde para promover a concorrência e a queda de preços. Já Viviana Lemke destacou a necessidade das sociedades científicas trabalharem unidas pela qualificação dos especialistas por intermédio de programas de educação médica continuada. “É uma questão de saúde pública e temos que dar todo o apoio a iniciativa”, completa o presidente da SBC, Oscar Dutra.

A Agência Nacional de Saúde (ANS) já negou por quatro vezes a inclusão do TAVI no rol de procedimentos, de forma pouco fundamentada. A Associação Nacional de Gerontologia do Brasil, a Pastoral da Pessoa Idosa, integrante da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, e o Conselho Nacional do Idoso apoiam a iniciativa da SBC de inclusão do TAVI tanto no SUS, quanto no rol de procedimentos da Saúde Suplementar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.