Cientistas descobrem moléculas que ajudam a espalhar o câncer de pâncreas rapidamente

432

Os resultados do estudo realizado pelo Instituto Garvan de Pesquisa Médica da Austrália foram publicados recentemente na revista Nature Communications e abordados e na revista Cosmos e no site ScienceDaily. A pesquisa mostra como as células agressivas do câncer de pâncreas se espalham para as outras partes do corpo. Os especialistas descobriram que uma molécula denominada perlecan contribui para a proliferação do câncer e dificulta a ação da quimioterapia.

O câncer de pâncreas é um dos tumores mais letais, sendo a terceira causa de morte nos EUA e a sétima no Brasil. A sobrevida não chega a 5% dos casos, segundo dados da American Cancer Society. O gastrocirurgião Marcos Belotto, do Hospital Sírio Libanês, destaca que “o diagnóstico da grande maioria dos casos de tumor no pâncreas é feito tardiamente e por isso se torna inoperável, além de ser um dos tumores mais agressivos e com poucos resultados positivos aos tratamentos”.

Os pesquisadores observaram que, em camundongos, alguns tumores pancreáticos produzem uma quantidade acima do normal da molécula perlecan que remodela o ambiente fazendo uma reeducação das células vizinhas, assim as células cancerígenas se alastram mais facilmente e ficam protegidas contra tratamentos quimioterápicos.

A descoberta pode fornecer um caminho promissor para as opções de tratamento mais efetivos contra o câncer de pâncreas e outros tipos de doenças. Os cientistas acreditam que esta abordagem para redução dos níveis de perlecan irá melhorar a eficiência da quimioterapia e poderá ajudar a reduzir a progressão e a disseminação do tumor.

Deixe seu comentário