Samu: após denúncias, prefeitura chama entidades de trabalhadores para negociação

378

Após diversas denúncias feitas ao Ministério Público, a vereadores e à imprensa pelo Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) e demais entidades de trabalhadores do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) aceitou dialogar, convocando uma reunião com as entidades em 5 de abril.

De acordo com o presidente do Simesp, Eder Gatti, os médicos estão ao lado dos demais trabalhadores do Samu e da população de São Paulo e não aceita que um serviço essencial como o Samu seja desmontado. “Assumimos nossa responsabilidade em defesa da saúde e da vida das pessoas, esperamos que o prefeito Bruno Covas e o secretário da Saúde também assumam a sua posição como gestores do município e suspendam essa portaria.”

O fechamento de 31 bases modulares do Samu, como prevê a Portaria 190/2019, deverá aumentar o tempo-resposta dos atendimentos e poderá gerar piora na assistência das pessoas, resultando em perdas de vidas. Os médicos se posicionam contra essa Portaria, que a prefeitura denomina de descentralização e o Simesp entende como desmonte.

Além do Simesp, também participarão da reunião como convidados os representantes do Conselho Regional de Enfermagem (Coren), do Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo (SEESP), do Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (Sindsep) e do Sindicato de Motoristas e Ambulâncias do Estado de São Paulo (Sindmaesp).

Vale ressaltar que desmontes similares do Samu também ocorreram em outras regiões do país. “Essa portaria de São Paulo também merece atenção porque temos observado que, nos lugares nos quais ocorreu desestruturação parecida, os serviços acabaram sendo terceirizados. Nos preocupa que isso também ocorra na cidade de São Paulo em um futuro próximo”, explica Gerson Salvador, diretor do sindicato.

Poder público acolhe denúncias

O Ministério Público (MP) agendou para o dia 22 de abril uma reunião de trabalho para investigar o desmonte do Samu, após receber denúncia do Simesp.

A Câmara Municipal também acatou a queixa do Simesp e de demais entidades e divulgou moção em solidariedade aos funcionários do Samu no dia 2 de abril. No dia 27 de março o diretor do Simesp, Gerson Salvador, havia participado de reunião de trabalho na Câmara sobre o desmonte do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), com a presença dos vereadores Juliana Cardoso, Gilberto Natalini e Celso Giannazi.

O vereador Celso Giannazi protocolou pedido de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), com o mesmo intuito da reunião do MP e também apresentou o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 16/2019, que pretende suspender a Portaria 190.

Deixe seu comentário