Achados de nódulos de tireoide em adolescentes aumentam na última década

Dados internacionais indicam que o diagnóstico de nódulos da tireoide em adolescentes aumentou nas últimas décadas, parcialmente, justificado pelo diagnóstico incidental de nódulos em exames de imagem cervicais, realizados em função de doenças não relacionadas à tireoide.

“Nódulos sólidos podem ser identificados em até 2% dos adolescentes no exame de ultrassonografia de tireoide, mas até 60% dos exames podem identificar cistos, benignos”, conta a Dra. Débora Danilovic, palestrante do 14° Congresso Paulista de Endocrinologia e Metabologia – COPEM 2021, organizado pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP).

A proporção de carcinomas entre os nódulos tireoidianos é maior (20% a 25%) nesta faixa etária do que nos adultos (5% a 15%). “Segundo banco de dados americano, no período de 2014 a 2018, a incidência de câncer de tireoide na faixa etária de zero a 14 anos foi de 0,2 e 0,6/100.000, no sexo masculino e feminino, respectivamente, e, na faixa etária de 15 a 39 anos, 4,8 e 20,8/100.000, no sexo masculino e feminino, ressaltando a maior prevalência nos adolescentes em relação às crianças, particularmente nas adolescentes do sexo feminino e adultas jovens”, explica a endocrinologista.

Nódulos são encontrados com maior frequência em pacientes com tireoidites autoimunes. A maioria dos carcinomas não tem causa definida, mas, na faixa etária dos adolescentes, destaca-se como fator de risco importante a exposição à radiação ionizante na infância, usada no tratamento de outros cânceres. Além disso, síndromes genéticas, como polipose adenomatosa familiar, síndrome de DICER1 e síndrome de Cowden, além de antecedente familiar, podem predispor a nódulos e câncer de tireoide.

As estratégias diagnósticas diferem nos adolescentes em relação aos adultos. Recentemente, avaliou-se o emprego de critérios para biópsia de nódulos tireoidianos baseado nas classificações ultrassonográficas do adulto, como a da American Thyroid Association e ACR-TIRADS. “Entretanto, estas classificações falharam em identificar precocemente casos de câncer, particularmente, por se basearem na dimensão do nódulo para biópsia. Quanto ao diagnóstico citológico, utiliza-se também nas crianças e adolescentes a classificação de Bethesda, entretanto, deve-se destacar a maior frequência de malignidade nas citologias Bethesda III e IV em relação aos adultos”, pontua Dra. Débora que, durante o 14º COPEM, vai apresentar caso clínico sobre Manejo de Nódulo Tireoidiano na Adolescência.

Segundo ela, faltam estudos sobre o emprego de testes moleculares no diagnóstico de nódulos em adolescentes. Dessa forma, o diagnóstico pré-operatório dos carcinomas de tireoide nessa faixa etária continua sendo um desafio.

A tireoidectomia é indicada no tratamento de nódulos sintomáticos, tóxicos, com citologia benigna maiores que 4 cm ou com citologia indeterminada (Bethesda III a V) e maligna (Bethesda VI). Técnicas minimamente invasivas, como ablação, ainda precisam de mais estudos para essa população.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.