Aluno do Centro Universitário de Brasília cria exoesqueleto mecânico para pessoas com deficiência

O universitário Matheus Soares Nascimento desenvolveu um exoesqueleto que busca contribuir com a mobilidade de pessoas com deficiência nos membros inferiores. O aparelho de baixo custo auxilia os deficientes a executarem a marcha humana, minimizando patologias secundárias. O exoesqueleto suporta o equivalente aos membros inferiores de um indivíduo de até 76 kg de massa e 1,8 m de altura. A criação é resultado de um Trabalho de Conclusão do Curso de Engenharia Elétrica do Centro Universitário de Brasília (CEUB).

O estudante, juntamente com o seu orientador, Hudson Capanema Zaidan, montou um exoesqueleto de baixo custo, que simula a marcha humana. O aparelho contribui na acessibilidade de locais e visa a melhoria da qualidade de vida das pessoas com deficiências de membros inferiores. Os exoesqueletos ortopédicos fornecem sustentação e simulam os movimentos do membro, que é automatizado.

De acordo com o universitário, o intuito do projeto é sanar uma parcela das dificuldades que as pessoas com deficiência enfrentam e proporcionar uma melhor qualidade de vida. “Esse dispositivo comanda o movimento dos motores presentes nas articulações do quadril e joelho, por meio de um controle PID digital independente, para cada articulação”, explica.

Com a premissa de desenvolver um exoesqueleto de baixo custo e de fácil reprodução, o estudante utilizou um sistema modular, que assiste desde pessoas baixas às mais altas. O método utilizado consiste em criar uma estrutura que acople ao motor, de modo que tenham três elementos principais: móvel, fixo e extensões. Nesse momento, Matheus está desenvolvendo uma nova versão do equipamento, em busca de produzir ainda mais conforto e funcionalidade para o indivíduo. O próximo passo é criar uma miniature do exoesqueleto para então buscar parcerias para testes com seres humanos.

Para o doutor em Ciências Mecânicas e professor do CEUB de Controle e Servomecanismo, Tiago Leite, a ação de desenvolver equipamentos biomédicos é uma grande batalha dentro da ciência. O especialista afirma que o projeto do Exoesqueleto desenvolvido pelo Matheus dialoga muito com a possibilidade de transformar os conhecimentos adquiridos ao longo do curso de Engenharia Elétrica em aplicações práticas. “Alguns aspectos de estabilização da velocidade e aceleração do exoesqueleto ainda podem ser refinados, mas é inegável que o que já foi feito mostra nossa capacidade de fazer algo novo”, destacou o docente do CEUB.

Cenário mundial

De acordo com estudos realizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que exista mais de 1 bilhão de pessoas com deficiência no mundo, representando 15% de toda a população, referente ao ano de 2011. Tais dados englobam todos os graus de dificuldades e tipos de deficiência, seja ela auditiva, física intelectual, mental e visual. Apesar dos avanços científicos e das políticas públicas de inclusão, os deficientes físicos continuam enfrentando obstáculos, desde acessibilidade em locais públicos ao surgimento de enfermidade em razão da perda de movimentos dos membros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.