Após fase inicial de projeto do Ministério da Saúde, Hospital São Vicente faz muito mais com os mesmos recursos

1350

O Hospital de Caridade São Vicente de Paulo (HSV), de Jundiaí (SP), concluiu com bons resultados sua participação no projeto Lean nas Emergências, que visa reduzir a superlotação nas urgências e emergências de hospitais públicos e filantrópicos. A instituição foi selecionada em julho pelo Ministério da Saúde, junto com outros 19 hospitais, para participar da terceira fase da iniciativa que é desenvolvida pelo Hospital Sírio-Libanês.

Desde julho, o HSV tem passado pelo processo de acompanhamento. “A equipe do Sírio-Libanês passou a visitar frequentemente nosso pronto-socorro e a se reunir com nossos profissionais para identificar as dificuldades e implementar ações de melhorias conforme metodologia Lean”, explica o superintendente do HSV Matheus Gomes.

O principal resultado para o município é que hoje o HSV consegue fazer muito mais e com maior eficiência mas com os mesmos recursos. São vários índices que demonstram a eficácia do projeto. “Em comparação com o ano de 2016, tivemos um aumento no número de internações da ordem de 24%, antes a média era 1.148 internações ao mês e atualmente é de 1.420, sendo que só no mês de outubro chegamos a ter 1.546 internações”, exemplifica o superintendente.

Outra mudança importante foi no número de cirurgias realizadas, cuja média era de 519 ao mês e atualmente é de 638. “Para ter uma ideia, em outubro superamos a média histórica do hospital, realizamos 710 procedimentos cirúrgicos no mês”, comemora Matheus.

A média de permanência dos pacientes internados era de 6,4 dias e hoje é de 4,9, ou seja, um dia e meio de diferença. Fator que diminui os riscos de infecção hospitalar para o paciente. A taxa média de infecção hospitalar atual é de 1,45% e antes era de 3,08%. Estes indicadores demonstram uma melhor utilização dos leitos de internação proporcionando maior segurança e qualidade no atendimento.

Mudança visível

Quem anda pelos corredores percebe a diferença. “Este corredor era cheio de macas e pessoas doentes, agora está totalmente vazio”, observa Maria de Jesus Almeida, 30 anos, que acompanha a mãe internada para tratar complicações de uma pneumonia. “É bem melhor assim, parece hospital particular”, compara.

A coordenadora de enfermagem Tetuyo Yokota destaca que os resultados são reflexo de ações que envolvem principalmente organização e comunicação. “Logo no início o projeto aplicou o  5S, que já deu bastante diferença no ambiente e ficou mais fácil de trabalhar. Também aprendemos a ter foco no que é preciso, usando melhor o tempo. Outra ferramenta importante, foi a implantação de três reuniões multidisciplinares diárias com todos os setores, o que deixou claro o quanto a comunicação e o entrosamento são importantes”, afirma.

Encerramento

O projeto foi concluída nesta segunda-feira, dia 16, no anfiteatro do Colégio Cristão, com a participação de representantes das equipes médica e assistencial e especialistas Lean do Hospital Sírio-Libanês. “Desde o início da gestão o prefeito tem apoiado amplamente o desenvolvimento do São Vicente, por isso, este e outros projetos estão caminhando e transformando a estrutura física e organizacional um atendimento mais eficiente e humanizado”, conclui Matheus.

Deixe seu comentário