Artigo – Como a conectividade pode beneficiar a engenharia clínica

Vivemos em um mundo cada vez mais conectado e, nos hospitais, a conectividade emerge como um elemento tão importante quanto os equipamentos e sistemas utilizados no atendimento clínico.

Porém, o conceito de hospital inteligente vai muito além do uso das plataformas de gestão em telemedicina para o cuidado à distância do paciente, das cirurgias realizadas com o apoio de robôs, da aplicação da inteligência artificial para suporte à decisão clínica e do atendimento informatizado ao paciente.

Tudo o que não está visível aos olhos também pode ser beneficiado dessa inteligência. É o caso da área de engenharia clínica, que tem uma grande importância dentro de um hospital, pois é responsável por  gerenciar e manter o parque tecnológico de unidades hospitalares, ou seja, garantir que todas essas tecnologias utilizadas no atendimento funcionem perfeitamente.

Isso porque não estamos falando só de um ambiente bem equipado com tecnologia de ponta, mas de tudo o que está por trás. Todos os sistemas que suportam essa estrutura precisam ser integrados, trabalhando em conjunto e de forma dinâmica para que as tecnologias sejam utilizadas com seu máximo potencial e possam aumentar a segurança do paciente.

Em alguns casos, o paciente não percebe diretamente essas vantagens proporcionadas, já que muitos dos processos ocorrem internamente ou na infraestrutura do setor.  Aliás, esse é o principal objetivo: que tudo ocorra da maneira mais imperceptível possível. Porém, é notável o avanço e o aumento de performance de um estabelecimento cada vez mais conectado.

Isso inclui desde casos simples, como a infraestrutura de ar-condicionado, ventilação, passando por criticidades moderadas, como controles de temperaturas em câmaras de conservação, ruídos,  até aspectos críticos como sistemas de energia, água, controle de gases, entre outros. Falhas em quaisquer um desses sistemas podem ser literalmente fatais e provocar danos irreversíveis, inclusive à vida dos pacientes.

Porém, segundo a consultoria Gartner, apenas 52% dos hospitais locais têm um plano de destreza digital, com estratégias efetivas para o uso da tecnologia no dia a dia. Ou seja, a conectividade ainda não é efetivamente aplicada na prática, em especial na área de engenharia clínica.

O processo ainda é tradicional e manual na maioria dos hospitais. Equipes são responsáveis por fazer o monitoramento dos sinais vitais de todos os equipamentos e de toda a infraestrutura. Uma ronda é feita de tempos em tempos e anotações são realizadas manualmente. Este processo, além de moroso, está obviamente sujeito às falhas humanas, imprevistos, atrasos e uma série de outras intercorrências que podem acontecer no meio do caminho.

A IoT (Internet Of Things) emerge como uma excelente alternativa. Com ela, é possível ter mais clara a ideia de onde atuar e também reduzir as manutenções corretivas e, em contrapartida, ampliar as manutenções preventivas. Isso porque, com o uso de sensores que coletam dados nos equipamentos e trazem para uma plataforma, é possível prever qualquer problema.

A boa notícia é que, mais do que uma tendência, essa tecnologia tem ficado cada vez mais acessível, do ponto de vista financeiro. Tais soluções podem ser contratadas como serviço, com um CAPEX muito baixo e baseadas em OPEX. Ou seja, o céu é o limite.

Em suma, quando falamos de um hospital inteligente, estamos falando de sistemas, programas e equipamentos operando em rede, sem falhas ou interrupções, que trazem às instituições de saúde maior foco em eficiência, agilidade, otimizando a rotina, e garantindo mais segurança na operação, economia, e, claro, redução de custos.

Marcelo Fanganiello é diretor de GetConnect, divisão de Telemedicina, Integração e Conectividade da Oxy System, que desenvolve plataformas de gestão em saúde, integrando ferramentas tecnológicas de ponta e projetos de telemedicina para o mercado, priorizando a humanização

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.