Artigo – O atendimento clínico do futuro e a confiança na digitalização da saúde

77

A tecnologia tem avançado nos últimos anos e, cada vez mais, levado à população soluções em diversas áreas, como educação, comunicação e finanças, entre outras. Porém, no que diz respeito à saúde, barreiras culturais, principalmente em relação a processos de análises clínicas e atendimento, têm dificultado o avanço rápido do setor.

Com a crise do novo Coronavírus a telemedicina e a coleta domiciliar de exames ganharam força, abrindo espaços para a tecnologia, finalmente, contribuir nesse mercado. Embora esses formatos de atendimento, análises e coleta a distância aumente a comodidade da população, há ainda uma certa desconfiança na eficácia desses serviços.

Novas tecnologias que transformam um mercado, muitas vezes, impactam tradições socioculturais e geram certa aversão ao consumo do novo produto ou solução. Na área da saúde, que envolve total confiança, credibilidade e proximidade, este cenário digital ainda causa muita desconfiança dos pacientes. Tratando-se da medicina, a resistência do comportamento à mudança é ainda maior.

Como toda tecnologia que chega ao mercado e causa estranhamento por impactar as tradições socioculturais, na medicina não seria diferente, arriscando dizer que pode ser ainda mais complicado. Diferente de algumas outras áreas, a saúde tem uma relação muito forte com a confiança.

Quando procuramos uma especialidade médica para tratamento, escolhemos um determinado profissional e decidimos sempre sermos avaliados por ele é porque temos confiança em seu trabalho, gostamos do seu atendimento. Quando precisamos realizar exames, vamos ao local em que mais confiamos nos profissionais, desde os que nos atendem e recepcionam, até aqueles que fazem as análises clínicas. Ou seja, a telemedicina, coleta domiciliar, e qualquer outro formato digital que venha a surgir nesse mercado vai precisar lidar com essa barreira.

Mas, como conseguir isso? Nesse primeiro momento, as marcas vão precisar provar a qualidade dos seus serviços, treinar suas equipes envolvidas em todos os processos, trabalhar com profissionais qualificados e reconhecidos no mercado, além de desenvolver métodos de atendimentos personalizados.

E a tecnologia chega exatamente para facilitar nessa customização. A IoT (Internet das coisas), a Inteligência Artificial e o Big Data vieram para contribuir com o que chamamos de personalização e eficiência, principalmente com relação aos dados. Essas ferramentas tecnológicas podem integrar sistemas que permitem maior agilidade na comunicação entre hospitais, clínicas ou laboratórios e seus pacientes, além de criar um profundo banco de dados que permitem um atendimento mais focado e preciso, com respostas mais rápidas, por exemplo.

No futuro não tão distante, o setor de saúde, utilizando as ferramentas tecnológicas à disposição e conquistando a confiança das pessoas, ficará cada vez mais digitalizado, ágil, eficiente, e o mais importante, irá alcançar mais pessoas, independente de barreiras físicas, geográficas, sociais e culturais. Os pacientes terão dispositivos em casa que permitirão o envio de dados aos médicos, que poderão acompanhar sinais vitais, pressão arterial e diversas outras informações que auxiliam em um diagnóstico clínico, por exemplo. Com isso, a ida às unidades físicas deve diminuir. Porém, o acesso à saúde só tende a aumentar. Sendo uma boa vantagem para o atual cenário de superlotação nos sistemas de saúde, principalmente públicos.

Um exemplo prático disso é aqui mesmo no Brasil, que no início da pandemia o Ministério da Saúde lançou um aplicativo voltado para o atendimento das pessoas, em formato de triagem. Um algoritmo identifica através de perguntas e respostas com o paciente, se os sintomas podem se enquadrar aos dos Coronavírus, e caso sim, encaminha para um atendimento humano, porém remoto. Segundo dados do próprio Ministério, a iniciativa evitou 64% das idas aos postos presenciais.

Ou seja, o teleatendimento, a coleta a domicílio, a triagem feita com algoritmos, vão permitir que a saúde chegue em locais que os postos de saúde físicos não chegam, alcançar pessoas que têm dificuldade para ir a uma unidade por questões geográficas, além de evitar filas, desgastes e até diminuir riscos de contágios que são altos nesses ambientes. Isto é, a tecnologia aliada à saúde tende a tornar o serviço mais acessível, com maior alcance, e de fato, democrático.

Mas é bom deixar claro que a tecnologia chega para somar e não substituir. O contato humano sempre será necessário e mandatório na área da saúde. O teleatendimento permite o cara a cara entre médico e paciente, ou seja, mesmo à distância permanece humanizado. O que também vale para o caso da coleta domiciliar. Embora diminua barreiras físicas, aumente a comodidade, sempre será realizada por um profissional, humano. Ou seja, ao contrário do que muitos podem imaginar, os avanços tecnológicos nesse setor não pretendem e não vão diminuir o contato humano entre especialistas e pacientes. Apenas farão com que o serviço seja ainda mais empático.

David Pares é sócio-fundador da ISA Home Lab, laboratório 100% digital que leva a comodidade do delivery de diagnóstico e análises clínicas até onde o cliente quiser. Formado em medicina pela Universidade de São Paulo (USP), com MBA na Harvard Business School. Trabalhou como médico na Beth Israel Deaconess Medical Center, no Exército Brasileiro e no Hospital Albert Einstein. Fundou a AvalDoc. Atuou como CCO na ProRadis e trabalhou na The Kraft Heinz Company como Gerente de Marca. Atualmente, faz parte do Grupo Integra de Medicina

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.