Avanços em cirurgia e tratamento sistêmico de câncer digestivo estão em pauta em Congresso

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO) realiza o III Congresso Brasileiro de Câncer Digestivo (ONCOGI 2022), evento que conta com apoio de outras 13 sociedades relacionadas ao tratamento desse tipo de neoplasia. Será nos dias 12 e 13 de agosto, no Rio de Janeiro, de forma presencial. Na ocasião, estarão reunidos mais de 130 palestrantes nacionais e internacionais, representando instituições de todo o país, assim como dos Estados Unidos, Holanda, Itália e Portugal.

O evento vai abordar as principais inovações em cirurgia oncológica, radioterapia e tratamento sistêmico (quimioterapia, terapia-alvo, imunoterapia e droga agnóstica) para câncer de estômago, esôfago, fígado, pâncreas, peritônio e outros órgãos do sistema digestório. Destaque para as discussões de casos clínicos complexos, sob a ótica multidisciplinar. “Nosso objetivo é promover uma atualização de conhecimento e novas perspectivas de atuação para todos os profissionais envolvidos no cuidado ao paciente com diagnóstico de câncer digestivo”, diz o cirurgião oncológico e presidente da SBCO, Héber Salvador.

O tumor maligno gastrointestinal (GI) é um tipo de câncer que se desenvolve no sistema digestivo. Ele pode afetar esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso e reto, mas 70% dos casos ocorrem no estômago ou no intestino. O câncer de intestino grosso e reto (colorretal), com 41 mil novos casos anuais, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), é o segundo mais comum nos homens e nas mulheres, atrás apenas – respectivamente – de câncer de próstata e mama. O câncer de estômago é o quarto mais comum entre os homens (13.360 casos) e o sexto em mulheres (7.870). Em homens, também é alta a incidência de câncer de esôfago (8.690).

HOMENS MULHERES
Próstata 65.840 Mama 66.280
Colorretal 20.540 Colorretal 20.470
Pulmão 17.760 Colo do útero 16.710
Estômago 13.360 Pulmão 12.440
Cavidade Oral 11.200 Tireoide 11.950
Esôfago 8.690 Estômago 7.870
Bexiga 7.590 Ovário 6.650
Linfoma não Hodgkin 6.580 Corpo do útero 6.540
Laringe 6.470 Linfoma não Hodgkin 5.450
Leucemia 5.920 Sistema Nervoso Central 5.230

 

Inovações no tratamento

Além de compartilhar os desafios para a incorporações no Sistema Único de Saúde (SUS) da cirurgia de citorredução (CCR) com hipertermoquimioterapia (HIPEC) – popularmente conhecida como peritonectomia – e da cirurgia minimamente invasiva (MIS), o cirurgião oncológico Bruno José de Queiroz Sarmento falará sobre o quanto estes procedimentos agregam para o paciente, para a saúde pública e para a Instituição que passa a dispor destas tecnologias.

“São formas de tratamento cirúrgico de algumas neoplasias que acometem o peritônio. Estas neoplasias podem ser primárias – mesoteliomas – ou mesmo secundárias, como a carcinomatose peritoneal e pseudomixoma”, explica Sarmento, que lamenta a CCR com HIPEC ainda não ter sido incluída no ROL da ANS, tampouco nas portarias dos tratamentos padronizados para o SUS. “Até agora também não dispomos de nenhum tratamento efetivo curativo para estes dois casos. Isso é um avanço que precisa ser considerado, já que se trata de opção segura e eficaz”, explica Sarmento.

O presidente da SBCO, Héber Salvador, lançará o Selo SBCO de qualidade em tratamento do Câncer Digestivo no Brasil. A ideia é criar métricas capazes de atestar boas práticas das instituições cadastradas. “Não se trata de projeto de curto prazo. Na primeira fase, criamos uma gerência de dados para dar o pontapé inicial nessa iniciativa, cuja finalidade é futuramente estabelecer parâmetros de qualidade técnica do tratamento para o paciente com câncer digestivo”, diz.

Ainda segundo Héber Salvador, embora o tratamento dos cânceres gastrointestinais tem estado em constante evolução, é importante traçar um panorama para a próxima década, abordando questões relacionadas à individualização dos tratamentos e à imunoterapia, além de suas influências na decisão cirúrgica. “Vamos trazer experiências globais, como a palestra de Andreas Brandl, de Portugal, para melhor avaliar prós e contras de modalidades diagnósticas e terapêuticas, visando não só melhorar o atendimento ao paciente, como sua qualidade de vida”, adianta.

Do ponto de vista de tratamento sistêmico, ressalta Héber Salvador, os avanços são muito promissores. “Estamos conseguindo entender melhor que tipo de terapia traz mais benefício para cada paciente e que a integração destas modalidades, como a imunoterapia, a terapia-alvo e terapias intra-arteriais com cirurgia, trazem a expectativa de melhorar cada vez mais os resultados de tratamento destas neoplasias”, pontua.

Outro tema de destaque do ONCOGI 2022 é a videocirurgia, uma técnica minimamente invasiva. “Comparado com a cirurgia convencional, a videocirurgia oferece redução de tempo de internação, menores sequelas e sofrimento, além de melhor qualidade de vida, para o paciente. Isso precisa ser debatido, para que cheguemos a um consenso do impacto financeiro da adoção dessa técnica para o SUS e para a saúde privada”, avalia Sarmento.

Informações e inscrições: III Congresso Brasileiro de Câncer do Aparelho Digestivo (oncogi2022.com.br)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.