Brasil discute legislação e uso do sangue para tratamento de doenças

Médicos e dentistas, professores e doutores de universidades, empresas, institutos de pesquisa e as maiores autoridades em hematologia e ortopedia no país compareceram à sede da Anvisa, em Brasília (DF), para discutir a regulação e o uso do PRP – Plasma Rico em Plaquetas no país. Atualmente, a legislação brasileira permite apenas o uso de sangue para transfusão. Os hemocomponentes do sangue não podem ser utilizados para tratamentos de doenças.

Segundo o médico hematologista, cientista e presidente do Instituto de Ensino e Pesquisa Hemomed, de São Paulo (SP), Adelson Alves, autor de vários livros sobre pesquisa com células tronco, a legislação brasileira está desatualizada. Está impedindo, por exemplo, o uso do PRP, comprovadamente eficiente para tratamento  de lesões. “O que vem acontecendo no Brasil é que as pesquisas-lamentavelmente- ficam restritas a teses de mestrado e doutorado e poucas vezes cumprem sua função social, de atender ao paciente”, destaca o hematologista.

Atualmente, o uso e aplicação do PRP foi considerado experimental pelo CFM e não foi liberado para uso como tratamento. O procedimento não pode ser cobrado e deve ser usado apenas a nível de experimento. No entanto, o próprio CFO já liberou este componente para o setor odontológico, está sendo usado  especialmente para agilizar processos de implantação dentária.

Porém, países da Comunidade Europeia como a Espanha, já estão utilizando o produto com grande êxito comprovado em diversos estudos. Atletas de alta performance  e jogadores de futebol como o próprio Cristiano Ronaldo estão se beneficiando do PRP.

Conceituados médicos compareceram ao evento apresentando estudos nacionais e internacionais que comprovam a eficácia desse hemocomponente do sangue. Nesses estudos, comprovou-se que o PRP é eficiente em artroses do joelho e tendinites. Também foi eficaz no tratamento de patologias da coluna lombar com índices de 71% de resultados positivos. O PRP se mostrou eficiente também na cura de feridas. Esses cientistas defenderam o uso do PRP como uma técnica não cirúrgica e minimamente invasiva.

O seminário discutiu  necessidade de padronizar os métodos de produção do PRP  para garantir a segurança do paciente e a qualidade do produto. Especialistas destacaram o baixo custo do procedimento e a possibilidade de beneficiar os pacientes mais pobres e do SUS em grande escala.

O Instituto de Ensino e Pesquisa Hemomed foi a primeira instituição privada no país a investir recursos próprios em pesquisas clínicas com células tronco. Realizou com sucesso pesquisa clínica, que está em fase final de acompanhamento dos pacientes, para tratamento do DPOC – Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Houve aumento de sobrevida significativa. Resultados foram apresentados em diversos congressos nacionais e internacionais e publicados em importantes revistas científicas.

O Hemomed ainda pesquisa a ELA – Esclerose lateral amiotrófica, doenças dermatológicas como o Vitiligo, oftalmológicas entre outras. Foi o primeiro centro de saúde brasileiro a receber a certificação do Canadá, o Acreditation Canada. Seus laboratórios de pesquisa estão habilitados internacionalmente para realização de todos os procedimentos no setor hematológico.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.