Cinco pontos positivos e negativos do mercado de cannabis medicinal no Brasil

Com o avanço do setor de cannabis no mundo e com as suas altas projeções financeiras no Brasil, é provável que esse mercado se expanda rapidamente nos próximos anos, principalmente no âmbito medicinal, que já é legalizado no país desde 2015 e que pode atrair até US$ 15 bilhões em dez anos, de acordo com análise da Associação Brasileira das Indústrias de Cannabis (Abicann).

Entretanto, apesar de ser um setor muito promissor e com muitos benefícios para a população, como todos os outros, ele também possui muitas barreiras a serem enfrentadas. Foi pensando nisso que a farmacêutica Remederi, que promove o acesso a produtos, serviços e educação sobre a cannabis medicinal, elencou os cinco maiores pontos positivos e negativos desse mercado no Brasil.

Ciência enraizada: um dos grandes pontos positivos da forma como o Brasil iniciou sua regulamentação é que a ciência e a medicina têm uma força e relevância muito grandes, e continua a ter sua importância para basear a regulamentação do país sobre o tema.

“Para alguns essa questão pode não ser tão favorável, mas eu vejo com bons olhos, pois já vi muitos colegas médicos no exterior, em locais onde o uso da substância está completamente liberado, alegarem não ter tanto acesso a produtos com qualidade farmacêutica comprovada, como acontece no Brasil”, comenta Fabrizio Postiglione, fundador e CEO da Remederi.

Potencial agrícola: outro ponto positivo do Brasil neste mercado é que o país tem um alto potencial agrícola e clima ideal para o cultivo de qualquer planta, com biomas desde semi temperado a tropical, níveis de insolação e abundância de água, o que facilitaria a produção nacional de cannabis.

Credibilidade da Anvisa: uma das vantagens do mercado brasileiro para a comercialização e atração de investimentos no setor de cannabis medicinal é que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é uma organização reconhecida em todo o mundo, o que traz credibilidade para os produtos registrados e produzidos no país. Produtos brasileiros teriam entrada facilitada em outros mercados por este motivo.

Estudos com novas moléculas: mais um ponto forte para mercado de cannabis tanto brasileiro quanto mundial é que produtos com novas moléculas presentes na cannabis que ainda não tão comuns estão sendo estudadas e podem apresentar novas possibilidades para o mercado, como é o caso do tetrahidrocanabinol (THC), Cannabigerol (CBG), canabinol (CBN), entre outros compostos.

Interesse de novas indústrias: recentemente, novos setores começaram a se interessar pela cannabis medicinal, como o mercado veterinário e a indústria têxtil, por exemplo, o que amplia o leque de oportunidades para o país.

Pontos negativos

Lenta evolução das políticas a respeito do tema: apesar de alguns países já terem flexibilizado ou regulamentado a produção e comercialização da cannabis, o governo brasileiro possui uma certa resistência sobre esse debate, que dificulta e atrasa a regulamentação e ampliação deste mercado no país.

Restrição de mercadosl: para a Remederi, o mercado brasileiro apresenta um foco 100% farmacêutico e medicinal humano, que acaba dificultando o acesso a produtos à base da substância em outros setores, como o de Pets.

Preconceito: o preconceito é um dos maiores fatores que dificultam o avanço da cannabis medicinal no Brasil, pois as pessoas associam muito o uso do medicamento com o uso adulto da planta, e por falta de conhecimento ou acesso a informação, não sabem que o tipo de produção e comercialização das substâncias são completamente distintos.

Alto custo de início da produção: as regras do cultivo implementado atualmente no país são extremamente exigentes e limitantes, e aumenta o preço da sua produção, principalmente no caso do uso medicinal.

Divulgação científica: Existem milhares de pesquisas sobre os benefícios da cannabis medicinal para o tratamento de diversas patologias, como ansiedade, insônia, dor crônica, epilepsia, autismo, alzheimer, parkinson, e outras doenças, mas que ainda não chegam à classe médica.

“Apesar do Brasil ser um dos maiores países pesquisadores da planta, a classe médica e científica do país ainda desconhece o potencial terapêutico da planta, e por vezes, nem sabe que já é possível que qualquer médico possa prescrever derivados da planta. É claro que isso é um gargalo, e pode também ser visto como uma oportunidade. Tudo depende do ponto de vista”, afirma Fabrizio Postiglione.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.