Coral de pacientes em tratamento dá voz à Campanha Julho Verde

454

No dia 26 de julho, às 11h, a Casa das Rosas, em São Paulo (SP), será palco para uma apresentação surpreendente: 30 pacientes submetidos à cirurgia de retirada da laringe, por conta de câncer na região das cordas vocais, vão se apresentar, ao lado de sua equipe médica e de fonoaudiologia.

Os pacientes (re)aprenderam a se comunicar utilizando a “voz do esôfago”, que substitui a voz laríngea, usando a via digestiva para produzir sons, com acompanhamento de fonoaudiólogos e demais profissionais da equipe multiprofissional do Instituto.

8 a cada 10 pacientes com câncer de cabeça e pescoço atendidos no Icesp são ou já foram tabagistas

Estudo realizado pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), órgão ligado à Secretaria de Estado da Saúde e à Faculdade de Medicina da USP, apontou que 80% dos pacientes com câncer de cabeça e pescoço atendidos no hospital são ou já foram tabagistas. Quando se trata do etilismo (consumo excessivo de álcool), os números representam 50% do público.

Os tumores considerados de cabeça e pescoço são aqueles localizados na boca, faringe, laringe, glândulas salivares, cavidade nasal e da tireoide. Além do tabagismo e do etilismo, outro fator de risco para o surgimento do câncer na região, porém menos comum, é a infecção pelo vírus do HPV (papilomavírus humano), transmitidos por sexo oral.

No Icesp, cerca de 60% dos pacientes em tratamento estão entre 51 e 70 anos, sendo que os cânceres de boca e laringe são comum no público masculino e, tireoide, no feminino. Em 2017 foram realizadas 157 cirugias neste público, em sua grande maioria para tratamento de pacientes com câncer de lábio, cavidade oral e faringe, representando 87% do total.

O Chefe do Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Icesp e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP), Dr. Marco Aurélio Kulcsar, explica que os sinais mais comuns de alerta são manchas avermelhadas ou brancas na boca, aftas persistentes, lesões nos lábios que não cicatrizam, rouquidão que não melhora, nódulos no pescoço, dificuldade para engolir e mudança na voz.

“É importante procurar uma avaliação médica se qualquer sinal de alerta persistir por mais de 15 dias. Quanto antes o paciente for diagnosticado, maiores são as chances de cura e qualidade de vida após o tratamento. O prognóstico dos cânceres de cabeça e pescoço variam conforme seu estadiamento. Nos casos precoces, podemos falar em cura ao redor de 70 a 90%, já nos tumores maiores, com estadio avançado, a sobrevida cai para ao redor de 30 a 50%”, afirma Kulcsar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.