Covid-19: SP abre inscrições de teste de vacina para voluntários

87

O governo de São Paulo lançou uma plataforma para iniciar a inscrição de voluntários para os testes de uma vacina contra o novo Coronavírus. A CoronaVac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac Biotech, já está na fase final dos ensaios clínicos e busca profissionais de saúde envolvidos no atendimento a pacientes com Covid-19.

Os candidatos devem ser, necessariamente, profissionais da saúde com registros que comprovem tal formação. Para fazer parte do grupo de voluntários, os interessados devem se inscrever no site do governo do estado.

Inicialmente, são feitas perguntas básicas, como idade e localização. Depois de informarem que são da área da saúde e provarem que se encaixam em todos os critérios, os candidatos são direcionados aos endereços dos centros de pesquisa, onde os processos para garantir a participação nos testes começam nesta terça-feira (14).

Só poderão participar profissionais da saúde que ainda não foram infectados pelo Coronavírus e que lidam com pacientes com a Covid-19. Ter outras doenças, estar grávida ou integrar ensaios clínicos de outras vacinas impossibilita o voluntariado nos testes da CoronaVac.

Os ensaios clínicos em São Paulo serão iniciados na próxima segunda-feira (20). Juntos com São Paulo, os estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná, além de Brasília, testarão, juntos, nove mil voluntários.

Andamento dos testes

A CoronaVac está na fase 3 de testes em humanos. As fases 1 e 2 foram desenvolvidas na China, onde cerca de mil voluntários receberam o provável imunizante contra a Covid-19 e apresentaram resultados promissores.

A vacina conta apenas com fragmentos inativos do coronavírus. A intenção é fazer com que, por meio de uma dose da CoronaVac, o sistema imunológico passe a produzir anticorpos contra o agente causador da Covid-19.

Metade dos voluntários receberá a vacina e a outra metade tomará um placebo para testar se o imunizante é mesmo eficaz.

Os ensaios clínicos serão coordenados pelo Instituto Butantan. O custo total da testagem é de R$ 85 milhões, valor custeado pelo governo federal.

Fonte: Agência Brasil